fbpx
Tags:
Atlas: Shiraz, Iran

Como é a relação dos iranianos com o álcool

– Aí estão vocês, eu estava esperando! Venham!, disse, apontando para um beco que parecia ter saído de uma cena de Aladdin.

– O que vocês gostam de fazer no Brasil?

O senhor de meia-idade com bigode em forma de ferradura estava sentado ao nosso lado no restaurante do hotel de Shiraz, onde tomávamos café da manhã. No Irã, nos acostumamos com a curiosidade das pessoas, que não veem tantos estrangeiros, e ele começou a puxar papo assim que percebeu que falávamos outra língua.

As três cadeiras restantes eram ocupadas por sua mulher e seus dois filhos adolescentes que ouviam tudo, mas não engajaram na conversa.

– O Brasil é muito alegre! A gente gosta de sair com amigos, futebol, ir à praia, carnaval, samba, ir pro bar…

Depois de quatro meses longe de casa, já estávamos acostumados a emplacar o pacote genérico de agradar gringo. O diálogo foi seguido por um curto silêncio.

– Bar? – ele perguntou. Nós nos entreolhamos, com medo de termos ofendido um muçulmano mais estrito. – Vocês costumam beber no Brasil?

– Com frequência – respondi, hesitante. Teríamos pisado num campo minado cultural?

Ele se levantou, e com um ar de misteriosa formalidade, disse:

– Tenham um bom dia, eu vejo vocês mais tarde.

Para nós, a despedida soou como um “tchau e bença”, mas não havia nada que pudéssemos fazer para amenizar a gafe antropológica. Além do mais, tínhamos várias mesquitas, jardins persas e fortalezas para visitar.

Só voltamos ao hotel no final da tarde. O bigodudo de olhar faiscante estava parado em frente ao portão de madeira decorado com vitrais coloridos que levava à recepção. Inquieto, ele dava voltinhas pela rua, e pareceu se alegrar quando nos viu. Pude perceber que ele escondia algo dentro de sua jaqueta marrom com um suspense digno de filme noir.

– Aí estão vocês, eu estava esperando! Venham!, disse, apontando para um beco que parecia ter saído de uma cena de Aladdin.

Nos entreolhamos, sem saber bem o que fazer. Ele percebeu nossa dúvida e chegou mais perto, afastando o braço da jaqueta para deixar ver o gargalo de uma garrafa de vidro.

– Consegui pra gente – disse, como se, em vez de cerveja, ele nos mostrasse um pacote de cocaína.

Caminhamos por um emaranhado de ruas até um pátio cercado por um conjunto de casas em um condomínio. Entramos numa delas e, como um espião iraniano conspirando contra a sobriedade, ele trancou a porta e fechou as cortinas. Só então ele tirou a garrafa que escondia debaixo da jaqueta.

– Peguei de um amigo que fabrica na casa dele – disse, triunfante.

A embalagem era de uma cerveja sem álcool muito vendida nos bares descolados do país, mas a tampinha deformada indicava que já havia sido aberta antes e fechada outra vez.

Leia também: Como planejar uma viagem para o Irã

Tomando uma cerveja (sem álcool) em um restaurante de Yazd

– Nós também sabemos nos divertir, viu?

Ele distribuiu o conteúdo em três copos e chamou seu filho mais novo, de doze anos, para ajudar na conversa. O garoto, que era gamer e streamer, falava o melhor inglês da família e foi nosso intérprete.

A bebida tinha o mesmo gosto de refrigerante de limão das cervejas 0% consumidas no Irã, misturada com algum tipo de álcool caseiro. Dá pra fazer vodca em casa com um punhado de batatas e uma panela de pressão, porém não é recomendável tentar isso sozinho.

Quando não é feito da forma correta, o álcool caseiro pode causar cegueira permanente e até morte. Tentei me esquecer dessa informação e do fato de que eu estava cometendo um crime passível de chibatadas enquanto dava o primeiro gole na bebida.

Conversamos sobre nossas culturas até terminar a garrafa. Ele quis saber do Carnaval e do Pelourinho, e nos contou que já tinha assistido ao clipe que o Michael Jackson gravou com o Olodum. Perguntamos sobre festas e bebidas no Irã, falamos mal do governo e aprofundamos nossa diplomacia alcóolica.

Mas, depois de uma ligação frustrada para o suposto fornecedor de uma nova garrafa de cerveja, dessa vez uma Heineken contrabandeada, nosso anfitrião começou a chorar ouvindo Earth Song de Michael Jackson.

Não sabemos se foi o álcool, a música ou a ausência da saideira prometida. Mas quando o bar fecha, é sinal que é hora de voltar para casa.

Leia também: Povo Qashqai: como é a vida dos últimos nômades do Irã?

Por que é proibido beber álcool no Irã?

No Irã, a proibição do consumo de álcool está enraizada em leis religiosas e culturais. No Islã, o consumo de álcool é considerado haram, ou seja, proibido, devido aos seus efeitos intoxicantes e ao potencial de afetar o comportamento de quem o ingere. Eu expliquei isso melhor aqui.

Após a Revolução Islâmica de 1979, o Irã adotou um sistema de governo teocrático baseado nos princípios do Islã xiita. Com a implementação da lei Sharia, as regras islâmicas tornaram-se a base para as leis civis e criminais do país.

Sob a Sharia, o consumo, a venda e a produção de bebidas alcoólicas são estritamente proibidos e estão sujeitos a severas penalidades legais.

Qual a pena para quem consumir álcool no Irã?

As penalidades para os consumidores de álcool no Irã variam dependendo da situação, mas podem incluir:

  1. Chibatadas: Um dos castigos mais comuns para o consumo de álcool no Irã são as chibatadas. A lei iraniana estipula que os infratores podem receber até 80 chibatadas. Este castigo é tanto uma punição física quanto um meio de desencorajar publicamente o consumo de álcool.
  2. Multa ou Prisão: Em alguns casos, pode-se impor uma multa ou pena de prisão, especialmente se o indivíduo for reincidente ou estiver envolvido na distribuição ou produção de álcool.
  3. Agravamento da Pena em Casos Específicos: Se o consumo de álcool levar a outros atos considerados ilegais ou imorais sob a lei iraniana, as penalidades podem ser ainda mais severas. Isso inclui situações onde o consumo de álcool resulta em distúrbios públicos, acidentes ou violência.

É importante destacar que essas penalidades não são apenas teóricas, mas são de fato aplicadas e têm um efeito significativo na sociedade iraniana.

Como os iranianos conseguem comprar bebidas alcóolicas?

Apesar da proibição estrita do consumo, venda e produção de álcool no Irã, há relatos de que os iranianos ainda conseguem acessar bebidas alcoólicas através de meios ilegais e clandestinos.

Este acesso é feito com grande discrição, devido às severas penalidades impostas pela lei iraniana. Aqui estão algumas maneiras pelas quais os iranianos conseguem comprar álcool:

  1. Mercado Negro e Contrabando: Existe um mercado negro para o álcool no Irã, onde bebidas importadas ou contrabandeadas são vendidas secretamente, vindas da Armênia ou do Iraque.Este mercado opera de maneira muito discreta, e as transações são geralmente feitas através de uma rede confiável de contatos para evitar a detecção pelas autoridades.
  2. Produção Caseira: Algumas pessoas recorrem à produção caseira de bebidas alcoólicas, como o Arak (um tipo de bebida destilada). Embora esta prática seja arriscada e ilegal, é uma forma de contornar a proibição. No entanto, a qualidade e a segurança dessas bebidas caseiras podem ser questionáveis, apresentando riscos à saúde.
  3. Comunidades Minoritárias: No Irã, algumas comunidades religiosas minoritárias, como cristãos armênios e assírios, têm permissão limitada para produzir e consumir álcool dentro de suas comunidades. Em alguns casos, indivíduos de outras comunidades podem tentar acessar álcool através desses canais, embora isso também seja arriscado e tecnicamente ilegal.
  4. Redes Sociais e Boca a Boca: Informações sobre como e onde adquirir álcool muitas vezes circulam por meio de redes sociais e de boca a boca, dentro de grupos confiáveis. A discrição é primordial nessas transações para evitar a atenção das autoridades.

Embora existam meios de contornar a proibição do álcool no Irã, essas práticas são ilegais e arriscadas. As pessoas envolvidas nesses atos enfrentam o risco de severas penalidades legais se forem pegas pelas autoridades.

Inscreva-se na nossa newsletter

5/5 - (1 vote)

Compartilhe!







Eu quero

Clique e saiba como.

 




Natália Becattini

Sou jornalista, escritora e nômade. Viajo o mundo contando histórias e provando cervejas locais desde 2010. Além do 360meridianos, também falo de viagens na newsletter Migraciones, no Youtube e em inglês no Yes, Summer!. Vem trocar uma ideia comigo no Instagram. Você encontra tudo isso e mais um pouco no meu Site Oficial.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.