AIESEC: como conseguir um estágio profissional no exterior

No último post que escrevi, contei como larguei três empregos para viajar, sendo que uma das vezes foi para fazer um intercâmbio na Índia. Apesar disso, nunca falei o passo a passo de como conseguimos um emprego numa empresa indiana. Como essa dúvida já apareceu algumas vezes aqui, está na hora de explicar para vocês como surgiu essa oportunidade e como outros também podem achar trabalho na Índia (ou em outro lugar).

Para começar, explico o que eu procurava: uma vaga de trabalho na minha área de formação acadêmica. Ou seja, eu não queria fazer curso de idiomas, trabalho voluntário ou algum subemprego temporário. Meu objetivo era ter uma experiência profissional fora do Brasil em comunicação/jornalismo. Foi pesquisando como eu poderia conseguir esse tipo de intercâmbio que conheci a AIESEC. Se você é leitor antigo aqui do blog, já deve ter visto esse nome em alguns posts nossos. A AIESEC é uma organização não-lucrativa, formada por jovens do mundo inteiro, que promove experiências de liderança e intercâmbio.

No Brasil, a organização tem escritórios em várias cidades e universidades. Você pode entrar na instituição para trabalhar no escritório local, desenvolvendo projetos de liderança ou se inscrever somente para o intercâmbio. De qualquer forma, é necessário passar por um processo de admissão: é preciso estar matriculado em uma universidade (pós-graduação e mestrado contam) ou ser formado há até 2 anos; ter entre 18 e 30 anos e inglês ou espanhol intermediário. Para se inscrever, você pode procurar o site oficial ou um escritório local.

Festa Manimajra Índia

Nossos housemates em Chandigarh

O processo pode ser lento, então o importante é não desanimar e correr atrás do pessoal do escritório, caso demore a receber a resposta deles. Tudo depende muito de cada comitê e de quem está envolvido. Não se esqueça de que é uma organização gigantesca tocada por estudantes.

Depois de aceito, você passa a ter acesso ao sistema global da AIESEC, que mostra as vagas de emprego distribuídas pelo mundo. O pessoal de lá te ajuda a montar o currículo em inglês, assim como uma carta de intenções. Eles também dão dicas de como você deve se portar nas entrevistas. A partir daí, fica por sua conta fuçar o sistema por até três meses e se candidatar às vagas que te interessem.

Existe uma taxa para o intercâmbio, que sai bem mais barata do que em qualquer agência de viagem (na época pagamos 1200 reais, mas isso depende de cada comitê). O custo da passagem fica por sua conta e a moradia lá pode ser de vários tipos, dependendo da vaga: numa casa da AIESEC, providenciada pela empresa que te contratar, na casa de uma família ou alugada por você mesmo.

Para quem tem interesse em tentar esse tipo de intercâmbio remunerado, acho importante dizer que a a maior parte das vagas está em áreas como administração, vendas, marketing, engenharia e computação. Profissionais como jornalistas, de áreas médicas ou mais artísticas podem ter mais dificuldade em encontrar posições, embora existam muitas vagas para esse perfil na modalidade de intercâmbio voluntário. Também não é fácil conseguir fazer intercâmbio para os países de “primeiro mundo”. A maioria das vagas se concentra na Índia, China, Leste Europeu e em alguns países da América Latina, como a Colômbia.

Os intercâmbios remunerados tem duração entre três meses e um ano, em média. Quem tiver menos tempo ou quiser ter uma experiência diferente deve optar pelo intercâmbio voluntário, que vão de seis semanas a três meses. Nessa modalidade, a taxa é mais barata e muitas vagas oferecem acomodação gratuita.

Como foi minha experiência

Eu busquei as vagas no sistema da AIESEC por cerca de três meses, em diversos países. Fiz duas entrevistas, uma para Hong Kong e outra para Turquia, além de ter mandado currículos para todos os cantos, mas não consegui nada. O Rafa e a Naty ficaram na mesma situação: muita busca e nenhum resultado, afinal tinham poucas vagas de trabalho remunerado para a nossa área no sistema.

Ao final do prazo, estávamos bem frustrados. Foi quando surgiu uma empresa indiana com três vagas para produção de conteúdo, exatamente o tipo de emprego que estávamos buscando. Apesar da Índia não ter sido a opção até então, era ir para lá ou não viajar. Nós aceitamos a vaga em agosto de 2011 e no final de outubro já estávamos em Chandigarh, trabalhando.

Minha vaga era de trainee e o salário na época era 300 dólares. Pode parecer pouco, mas na Índia isso é muito dinheiro. Dava para pagar o aluguel e contas da república, alimentação, transporte, festas e viagens nos finais de semana. Trabalhávamos nove horas por dia, escrevendo sobre assuntos variados para os sites dos clientes da nossa empresa.

A relação de trabalho na Índia é bem diferente do Brasil. Lá a questão hierárquica é muito forte e questionar o seu chefe, mesmo de forma amigável, não é muito comum. Nossa empresa não era exatamente o melhor ambiente de trabalho do mundo, fomos para trabalhar oito meses e acabamos ficando a metade do tempo por conta dos diversos conflitos que tivemos. Ainda assim, conhecemos pessoas que tiveram experiências muito boas.

Ruinas de Hampi India

Todo mundo magro durante o mochilão depois do período de trabalho. Foto nas ruínas de Hampi


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

33 comentários sobre o texto “AIESEC: como conseguir um estágio profissional no exterior

    1. Oi Kassia,

      Pela AIESEC realmente não dá mais. Mas você pode tentar por outras vias. Afinal, existem diversas ONGs e empresas na Índia que você pode tentar trabalhar

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.