Casa Kubitschek, o lar de JK na Pampulha

Descansando dentro da casa com teto em formato de asa de borboleta, Juscelino Kubitschek conseguia avistar a Lagoa da Pampulha. Região que ele ajudou a desenvolver, na década de 1940, quando era prefeito de Belo Horizonte. Para criar uma área de lazer e turismo na capital, JK contratou um arquiteto cheio de ideias mirabolantes: Oscar Niemeyer.

A dupla, que mais tarde trabalhou no projeto Brasília, ergueu um cassino, um clube, um salão de danças e uma igreja, tudo às margens de um espelho d’água artificial com 18 quilômetros de orla. Conjunto que, ao longo das décadas, ganhou novos companheiros, como os estádios Mineirão e Mineirinho. Cerca de 70 anos mais tarde, o Conjunto Moderno da Pampulha foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Para quem é de BH, a Pampulha é uma região para fazer caminhadas, andar de bicicleta e torcer para que, quem sabe um dia, os políticos cumpram suas promessas e limpem a lagoa. Para os turistas, visitar a Lagoa da Pampulha é também uma oportunidade de conhecer o mundo modernista imaginado por JK e Niemeyer. E, além dos prédios públicos assinados pela dupla, vale conhecer também aquilo que foi um lar: a Casa Kubitschek, encomendada do Oscar por Juscelino.

Veja também: O que fazer em Belo Horizonte

Onde ficar em Belo Horizonte

Essa era a moradia de campo do prefeito, que passava seus dias de folga por ali, na frente da lareira, jogando sinuca com os amigos ou fazendo política na piscina – a primeira numa residência da capital mineira. Mas foi assim por pouco tempo. Ainda na década de 40, JK vendeu a casa da Pampulha para um casal de amigos, Joubert e Juracy Guerra. A família Guerra viveu ali até 2004. E JK, inclusive durante a presidência, sempre teve o costume de visitar os amigos,  muitas vezes chegando sem avisar.

Casa Kubitschek, Pampulha

Após a morte de dona Juracy, em 2004, a casa foi desapropriada pela prefeitura, passou por obras e foi aberta ao público na forma de um museu. Eu nem sei quantas vezes passei em frente ao antigo lar de JK, seja durante caminhadas pela orla ou dentro do ônibus, ao seguir para UFMG, onde estudei. Mas foi só nesta semana, quando um vento frio começou a atrapalhar a caminhada, que resolvi cruzar a Avenida Otacílio Negrão de Lima e descobrir como é a Casa Kubitschek por dentro. A primeira descoberta foi ótima: a visita é de graça.

Casa Kubitschek, Pampulha

Passei pelos jardins projetados pelo paisagista Burle Marx e entrei numa pequena exposição que conta a história da Pampulha, de JK e do Niemeyer – histórias que se confundem com a de Brasília. O terreno tem 2800 metros quadrados. Além da casa principal, no fundo há mais jardins, a piscina e outra casa anexa, hoje usada pelos funcionários que trabalham ali e em outros setores do Conjunto da Pampulha.

Entrar na casa é voltar aos anos 40 e aprender sobre o modernismo brasileiro. Casa de final de semana, tudo por ali foi projetado para receber visitas e ajudar nos momentos de lazer. Na sala de estar, uma mesa de centro pintada com o quadro Guernica, do Picasso, ganhou o título de objeto que gostaria de ter em casa.

Casa Kubitschek

Um bar, sofás apontados para uma lareira (da época em que a TV não tinha surgido e virado o norte de todos os móveis) e uma mesa de sinuca, onde JK costumava se divertir, são outros destaques do primeiro piso.

Casa Kubitschek, Pampulha

Casa Kubitschek, Pampulha

A sala de jantar (ou seria de reuniões políticas?) tem vista para a Lagoa e a varanda guarda um painel de Alberto Volpi, um dos mais importantes pintores do modernismo. Subindo a escada vamos para os quartos e banheiros, que têm mobiliário da época. Antes, porém, há uma sala de música, também com vista para a Pampulha. Fotos da época e um vídeo, projetado num dos quartos, ajudam a explicar aos visitantes um pouco da vida nos anos de JK.

Casa Kubitschek, Pampulha

Casa Kubitschek

Cozinha, os jardins do fundo e o prédio anexo também podem ser visitados. Demorei pouco mais de uma hora para percorrer todos os corredores da casa – valeu cada minuto.

Casa Kubitschek, Pampulha

Serviço

A Casa de Kubitschek abre de terça a sábado, das 10h às 17h. A entrada, como dito antes, é de graça. O endereço é Av. Otacílio Negrão de Lima, 4188. O ônibus 5106, sentido Bandeirantes, para na porta. É possível pegá-lo da Savassi e do Centro, caso você esteja nessas regiões.

Veja também: Passeio de bicicleta na Lagoa da Pampulha, em BH

Casa Kubitschek, Pampulha

Uma boa ideia é combinar a visita com um passeio de bicicleta pela lagoa, uma passadinha na Igreja de São Francisco de Assis, que está a 800 metros dali, e ao Mineirão e Mineirinho. E, já que você está ali, não deixe de parar no mirante que fica pertinho da Casa Kubitschek e tem uma das minhas vistas favoritas de BH.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.