O Círio Fluvial e os barcos em romaria, em Bélem


“Observem do lado esquerdo a Corveta H-37, da Marinha do Brasil. É nela que está a imagem de Nossa Senhora de Nazaré”, anunciou o locutor, pelo sistema de som da embarcação. O alvoroço foi tão grande que, segundos depois, ele precisou dar outro aviso: “não venham todos para o lado esquerdo ao mesmo tempo. Por segurança e distribuição de peso é melhor observar de onde você está”. Embora o nosso embarque tenha sido cerca de duas horas antes, no Terminal Hidroviário de Belém, aquele era o início do Círio Fluvial, a terceira das 12 romarias do Círio de Nazaré.

Era manhã do sábado anterior ao Círio. A imagem da Santa embarcou na Corveta da Marinha no porto de Icoaraci, um distrito de Belém que é conhecido nacionalmente pela produção de artesanato. Fogos de artifício marcaram o momento em que o Círio Fluvial começou. Acompanhada por pelo menos 400 barcos e 40 mil pessoas, a Santa navegou pelos rios da Amazônia.

Círio Fluvial, Belém

Batizada de Garnier Sampaio, a corveta H-37 assumiu a concorrida função de levar a Santa de volta para Belém. O curioso é que o navio já fez parte da Marinha Britânica, onde atendia pelo nome de HMS Ribble. Comprado pelo Brasil em 1995, 10 anos depois o barco passou a ter função hidrográfica, sendo encarregado de percorrer a Bacia Amazônica para as mais diversas tarefas. Para os fiéis, nenhuma delas é mais importante que a do Círio Fluvial.

O destino final da romaria era a Estação das Docas, em Belém, a 18,5 quilômetros dali. Durante o percurso, músicas, orações e missas davam o tom animado, porém religioso, dentro da embarcação. Também impressionava a decoração dos barcos vizinhos, muitos deles repletos de balões ou com faixas de agradecimento para Nossa Senhora de Nazaré. A cada comunidade ribeirinha por onde passávamos, mais homenagens em terra firme.

círio de nazaré Fluvial

O Círio Fluvial é uma etapa relativamente recente da festa. A primeira edição ocorreu em 1985, uma tentativa de envolver as comunidades ribeirinhas nas festividades. Desde então, a festa nos rios cresceu e se tornou um dos momentos mais marcantes e esperados do Círio. No ano passado, o número de barcos (e consequentemente de pessoas embarcadas) foi até maior: mais de 500. Por segurança, este ano a Capitânia dos Portos resolveu limitar as vagas, mas isso não quer dizer que pequenas embarcações, canoas e até caiaques e jet skis tenham ficado de fora da festa.

Círio de Nazaré

Tomamos café da manhã no barco enquanto nos aproximávamos de Belém. Assim que os prédios do centro da cidade começaram a surgir no horizonte, a romaria atingiu seu momento mais bonito. No Ver-o-Peso, no Ver-o-Rio, na Estação das Docas e em vários pontos da Baía do Guajará estava uma multidão de pelo menos 100 mil pessoas, gente que aguardava a chegada da Imagem Peregrina.

Círio Fluvial, Pará

Depois de passar pelo Ver-o-Peso e pelo Forte do Presépio, a corveta que levava a Santa deu meia-volta e seguiu para a Estação das Docas. Lá, a imagem desembarcou e foi recebida com honras de Chefe de Estado. Mas ela não ficou muito tempo por ali: a quarta romaria do Círio de Nazaré estava prestes a começar. Cerca de 15 mil motociclistas aguardavam para acompanhar Nossa Senhora de Nazaré num percurso de 2,4 quilômetros, até o Colégio Gentil Bittencourt.

Romaria Fluvial em Belém

Como participar do Círio Fluvial

Diversas agências de turismo e empresas de navegação oferecem pacotes para o Círio Fluvial. Em geral, a forma mais fácil é embarcar no Terminal Hidroviário de Belém, no começo da manhã, chegando em Icoaraci na hora da romaria. O Círio Fluvial toma toda a manhã de sábado e o pacote custa a partir de R$ 200, incluindo a passagem, uma camiseta e um kit de café da manhã. Eu fui no barco da Rocha Brasil.

Também é possível participar a partir de Icoaraci, onde a Imagem da Santa chega no sábado de manhã, depois da Romaria Rodoviária, a segunda etapa do Círio. Nela, motoristas escoltam Nossa Senhora de Nazaré por um trecho de 24 quilômetros, entre Ananindeua, cidade vizinha de Belém, e o porto Icoaraci, onde começa o Círio Fluvial. Segundo a organização da festividade, 250 mil pessoas acompanharam a Romaria Rodoviária em 2017.

série círio de nazaré

Leia os outros textos da Série Círio de Nazaré: 

O Círio de Nazaré e o chorar sem entender

As romarias do Círio de Nazaré e como organizar sua viagem

A corda do Círio de Nazaré e a fé de milhões

O sagrado e o profano no Círio de Nazaré

*O 360meridianos viajou a convite da Secretaria de Turismo do Pará. 


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.