Como é morar em um hostel

“Essa galera é maluca”, era o que eu pensava toda vez que, nas minhas viagens, cruzava com um hóspede permanente de algum hostel. Desde o cara esquisito que não falava com ninguém até as bailarinas americanas que viviam em um quarto para oito em Cingapura. Eu não poderia aguentar isso, eu diria. Hostel por alguns dias está bem, mas por meses? No way, eu diria. Anos mais tarde, cá estou eu: vivendo em um hostel há dois meses, com mais dois meses por vir e, não se espantem, amando a experiência.

É claro que, não fossem as reviravoltas do destino, eu nunca teria terminado aqui. Quando eu estava procurando um lugar para ficar em Buenos Aires, queria dividir um apartamento com alguém, ter um quarto só meu, um lugar para trabalhar tranquila e a liberdade de uma casa. Por isso, reservei por alguns dias um quarto via AirBnB e combinei com o proprietário que pagaria o resto do mês quando chegasse, para me aproveitar da cotação do câmbio paralelo. Mas, na minha cabeça, o pequeno e velho apartamento em San Telmo seria minha única casa na temporada portenha.

Morar em um hostel

Shutterstock.com

Quando cheguei, começaram os problemas. O quarto era muito menor do que eu havia inferido pelas fotos: ou entrava eu, ou a minha mala. A região de San Telmo na qual estava localizado o apartamento era estranha e me passava uma sensação de insegurança. A casa não tinha janelas, o que é algo muito importante quando se vive com dois gatos. Mas eu danço conforme a música e estava levando tudo de boa até que eu acordei, na manhã do segundo dia, com o corpo coberto por feridas de pulgas. Foi quando eu percebi que não teria como ficar ali.

Desesperada, postei um apelo em grupos do Facebook e o dono do Belgrano Hostel entrou em contato. Eu queria uma saída urgente, para o dia seguinte, e sabia que seria impossível conseguir um apartamento tão rápido. Pode parecer estranho, mas hoje eu sempre digo que as pulgas salvaram minha estadia em Buenos Aires.

A primeira mudança que eu senti foi de região. Belgrano, coladinho com Palermo, é um bairro muito mais charmoso, bonito, limpo e agradável que a região de San Telmo onde eu estava e que o Centro, área onde vivi na minha primeira temporada na cidade. Se eu gostava de Buenos Aires antes, foi em Belgrano que eu me apaixonei pela cidade.

Quarto Coletivo de Hostel

Shutterstock.com

Mas o principal ganho foi de convivência. No apartamento, eu dificilmente conheceria tantas pessoas quanto eu conheci aqui. Pessoas que hoje são minhas amigas, companheiras de balada, de ver um filme no fim do dia ou de dividir um mate. Pessoas que têm ajudado a tornar minha temporada aqui mais divertida e rica. Gente de todos os cantos do mundo. Muitos hispano-hablantes que me forçam a praticar o idioma de forma verdadeiramente imersiva.

Esse tipo de experiência conseguiu superar os inconvenientes que eu poderia ter previsto. Descobri que a falta de privacidade não me incomodou tanto quanto eu pensei que ia incomodar e que dividir o banheiro é um preço pequeno a se pagar para poder dividir uma garrafa de Quilmes com gente bacana.

Mas, é claro, a forma como a gente escolhe encarar uma situação é decisiva na forma como vamos nos sentir quanto a ela. Por mais que morar em um hostel tenha sido um plano B, decidi viver a experiência de coração aberto. Se eu tivesse me permitido incomodar com o fato de ter mais três pessoas no meu quarto e que às vezes tem gente tomando banho na hora que eu preciso entrar no banheiro com certeza meu humor e disposição não seriam os mesmos.

Se você vai viver em um hostel, não fique esperando ter o que você teria em um apartamento. Viver com outras pessoas tem suas vantagens e desvantagens. Se você decidir que essa equação compensa, abrace essa decisão .

Quarto de Hostel

Radiokafka / Shutterstock.com

Dicas para escolher um hostel para morar

Escolher um hostel para morar por meses não é o mesmo que escolher um lugar para se hospedar em uma viagem curta. O tipo de propriedade deve mudar bastante. Uma coisa que ajuda com que a minha experiência no Belgrano Hostel seja positiva é que muitas das pessoas que passam por aqui ficam no mínimo por um mês. São estudantes, pessoas em ano sabático, argentinos em busca de uma moradia mais econômica na cidade. Não há gente entrando e saindo o tempo inteiro e acredito isso faça total diferença.

Nem sempre é fácil encontrar uma propriedade com esse perfil, vai depender muito do lugar aonde você vai, mas tente, no mínimo, escolher um hostel em que não tenha festa todos os dias ou que limite o horário da bagunça. Em especial se você precisa trabalhar ou estudar. Além do óbvio incomodo com o barulho, é muito difícil se concentrar se sempre há gente fazendo coisas mais divertidas na área comum.

Lugares com mais cara de casa vão ajudar você a se sentir… bem, em casa. Ter uma cozinha ampla e bem equipada para cozinhar ajuda a evitar que você se renda a comprar porcarias na rua. E, claro, o lugar tem que ser limpo e agradável.

Evite quartos com muitas pessoas. Em geral, mesmo para quem vai ficar pouco tempo, eu sempre aconselho pegar o menor quarto disponível ou o menor que o seu bolso aguentar. Se você vai ficar muito tempo, então, essa dica pode te salvar de muitas situações estressantes. E ter um banheiro dentro do quarto também ajuda bastante a melhorar a experiência. Ah, e um locker é importante, mas um armário inteiro vai tornar sua vida bem mais fácil.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

30 comentários sobre o texto “Como é morar em um hostel

  1. Olá, Natália!!!

    Estou planejando passar 3 meses em Buenos Aires ano que vem, trabalha on-line, vc acha que consigo trabalhar num hostel? Eles fornecem wi-fi?

    Adorei seu post, muito útil, tô lendo todos…rs..bjus.

    1. Ei Valeria, eu fiz isso por cinco meses! Em geral, fornecem wi-fi sim, não se preocupe! O legal de morar em um hostel em Buenos Aires é que é uma ótima forma de conhecer gente, já que os portenhos são meio fechados…

      Abraços

  2. Natália, adorei seu texto, inclusive, sempre achei “chato” essa questão de alguns hostel permitir apenas 15 dias de permanencia. Vou buscar alguns que permitem mais tempo.

    Vc já ficou em outros, em outros lugares?

    1. Valéria, isso depende muito da cidade, do apartamento e do hostel. No meu caso, em Buenos Aires, o hostel em Belgrano saiu mais caro que o apartamento em San Telmo, mas era uma casa muito mais nova e confortável e em uma vizinhança 100x melhor. Se eu fosse alugar um apartamento no mesmo bairro do meu hostel, certamente pagaria mais.

      Abraços

  3. Que legal esse post! Eu estou fazendo MA no Reino Unido, mas estou planejando fazer uma viagem nas minhas férias de verao, mas nao posso deixar de trabalhar. Penso em ir pra Italia aperfeicoar meu italiano e estava preocupado com isso de morar em hostel…esse post deu uma ajuda! Obrigado, Nat!

  4. Oi Natália!
    Nunca pensei em morar em hostel não… Mas uma temporada bem que seria demais!
    Tu vais estar por aí por mais dois meses, é isso? Porque estou indo para a Argentina em alguns dias e estou buscando um hostel acessível e tranquilo! E por tranquilo digo não necessariamente silencioso hahah Mas bom de passar uns dias!
    Obrigada pelas dicas!
    Boa estada

  5. Oi Natália, tudo bom?
    Então, tenho grande interesse em passar uns meses estudando em Buenos Aires, mas também surge a dúvida em relação aos gastos: qual a média mensal de gastos com hospedagem em um hostel na capital portenha?

  6. Olá Natália.
    No texto você menciona dois gatos! Onde eles ficarão? Na sua apresentação você se refere a um cão, você já o levou em viagens fora do país?

    1. Roberta, os gatos não eram meus, eram do dono do apartamento. Meu cãozinho tá no Brasil. Infelizmente não o levei a nenhuma viagem ainda…

  7. Olá, Natália! Eu tenho pensado bastante nesse assunto de morar num hostel. Pretendo fazer um mestrado fora (na Europa) e com certeza não tenho dinheiro em caixa para me manter durante todo o tempo. Sabe se é fácil conseguir um emprego em hostel (ganhar a hospedagem como remuneração, talvez) e se dá pra conciliar trabalhar em hostel e estudar (digo isso porque creio que se houver vagas para trabalho são nos piores turnos).
    Enfim, não sei se você está pagando a hospedagem com dinheiro ou com trabalho, mas se souber responder essas minhas dúvidas ficarei extremamente grato! =D

    1. Olá Felipe, trabalhar em troca de hospedagem é algo muito comum em hostels. Eu estou pagando com dinheiro mesmo, mas muita gente vai por esse caminho que você pretende ir. Creio que dá para conciliar com os estudos sim, pode ser um pouco corrido, no entanto.

      Abraços

  8. Ei, Natália! Que experiência legal! Tbm já morei num hostel de Buenos Aires. Hoje eu acho loucura e não sei como conseguia, mas na época eu amava e me divertia muito. Foi uma experiência incrível, especialmente pelas pessoas do caminho.

  9. Bom dia minha querida amiga virtual! Vc, que é sempre esse doce de pessoa, se empenhando em passar suas experiências para ajudar-nos em nossas jornadas, me permita fazer uma pergunta que talvez seja indiscreta: qual o custo dessa mudança para hostel, comparado ao de um “apertamento” na mesma área do hostel. O quarto individual, com chuveiro, se compara a uma hotel? Desculpe-me a ignorância e ponha na conta de minha idade provecta e de quem já rodou o mundo durante o período jurássico. Grato e beijin!

    1. Rada, acho que pago o mesmo tanto que pagaria dividindo um apartamento com duas ou três pessoas na mesma área, mas alugar um apartamento na Argentina é dificilimo. Muita burocracia e as vezes temos que pagar uma grana em adiantado.

      Abraços e obrigada por comentar sempre!

      1. Vlw por sua atenção! Notei que tirou a tarde para responder a todos – Tadinha! kkk Estamos te dando trabalho! Boa sorte mesmo!
        Ah! o motivo da pergunta foi que planejo nova ida a BA no próximo ano, abril ou maio e estou pesquisando no airbnb e outros. Amplexos!

  10. Eu ia ficar menos tempo e fui mais fresca, fiquei em quarto individual e com banheiro só pra mim tanto em Frankfurt (1 mês) como em Berlim (1 mês e meio) hehehe. Os 2 lugares eram meio que uma mistura entre hostel e hotel. Podia escolher entre ficar sozinha no quarto no silêncio ou socializar com as pessoas no lobby/restaurante/bar/et, dependendo do humor do dia rs.

    1. Mas ficar em quarto privativo de hostel, para mim, é a escolha perfeita! É que no hostel que eu estou não tenho essa opção hahaha

      Abraços!

      1. hahaha só não é perfeita pelo preço!! rs Mas dividir banheiro pra mim é o mais tenso, o quarto eu nem ligo… Aí dividir banheiro por 2 meses cada hora chegando e saindo pessoas diferentes?? Potencial muito grande pra ter muito stress rs, preferi evitar.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.