Intercâmbio Work and Travel nos Estados Unidos

Vocês já devem ter percebido que a terra do Obama virou assunto neste blog na última semana. É que chegou a hora de contar como foi morar lá por quatro meses durante um intercâmbio Work and Travel nos Estados Unidos. No próximo post da série conto como foi trabalhar no McDonald’s.

Em 2008 eu estava no meu penúltimo ano de faculdade e meio cansada do dia a dia (incrível como a rotina sempre me cansa e eu fico me coçando para viajar). Nesse momento, uma amiga surgiu com a ideia de fazer o intercâmbio Work and Travel nos Estados Unidos. Nós visitamos algumas agências, escolhemos uma e avisamos nossos pais das intenções. Felizmente, minha mãe me apoiou nessa empreitada. Eu tinha amigos e conhecidos que tinham feito o mesmo tipo de intercâmbio no ano anterior e gostado muito.

O que é o Work and Travel?

O Work and Travel é um intercâmbio legalizado pelo governo norte-americano que permite que jovens universitários, de 18 a 28 anos, passem as férias da faculdade trabalhando nos EUA. Tem até um tipo específico de visto para isso, que é o J1. Esse visto te permite trabalhar por três meses e concede um mês de “grace period” ou seja, um mês para gastar tudo o que juntou trabalhando.

Quanto custa o intercâmbio?

Para ir, existem dois jeitos: o primeiro é procurar uma agência aqui no Brasil, que vai fazer o contato com o Sponsor nos Estados Unidos. O Sponsor é como se fosse uma agência de trabalho, que vai te arrumar uma vaga para o período do intercâmbio. A agência aqui no Brasil cuida da parte burocrática, que é a papelada toda, seguro, passagens e ajuda para tirar o visto. A outra forma é contratar a agência só para resolver seus problemas, enquanto você consegue uma vaga nos EUA por sua conta. Dei uma olhada na internet e o preço atualmente varia de U$2000 a U$2500 dólares para fazer esse tipo de intercâmbio.

Vai fazer intercâmbio? Saiba como transferir dinheiro para o exterior com menos taxas

Natal nos Estados Unidos

Quando fazer?

O período de trabalho costuma ser de novembro a março, mas isso fica acordado com a empresa. Eu viajei no final de novembro, comecei a trabalhar no dia 1 de dezembro de 2008 e voltei para o Brasil no meio de abril de 2009. Mas é importante olhar tudo bem antes. A parte de encontrar o trabalho (seja você mesmo, seja a agência) é demorada, sem contar que é mais barato comprar passagem aérea com antecedência. Eu comecei a planejar o intercâmbio em julho.

Quanto dinheiro dá para ganhar durante o work and travel?

Varia de onde você vai trabalhar e da sua disposição e sorte. Os empregos em geral pagam de 5 a 11 dólares a hora. Meu trabalho no McDonalds pagava U$ 7,25 a hora e U$ 10,50 a hora extra. Eu não consegui um segundo emprego porque fui logo quando estourou a crise de 2008. Além disso, estava numa cidade muito pequena, com cerca de mil habitantes. Meus amigos que foram em anos anteriores conseguiam segundos e até terceiros empregos e, logo, fizeram mais dinheiro que eu (na melhor expressão em inglês: make money). Porém, com a crise atual, não sei bem como está a situação da galera que foi ano passado e está indo este ano.

Eu recebia por semana, pagava só o aluguel, que já era descontado diretamente do meu contracheque. Eu ganhava então, líquido, entre 250 e 300 dólares por semana. Gastava com comida e passeios, mas juntava a maior parte para a viagem que queria fazer no final.

Casa dos intercambistas nos Estados Unidos

A casa onde eu morava

Dá para escolher a cidade?

Bom, depende. Eu dei sugestões de onde gostaria de ir: costa leste, próximo a Nova York. Deu certo, fui para New Hampshire, em Lincoln, uma cidade com uma montanha e pista de esqui que fica a cerca de duas horas de ônibus de Boston e umas cinco de Nova York. Tem gente que, ao contrário de mim, quer fugir da neve a todo custo e prefere ir para o sul. Isso vai de cada um. O que não dá para escolher (a não ser que você arrume por conta própria) é ficar em cidade grande ou a cidade exata para a qual você quer ir. Nesse programa, a maioria dos trabalhos são para cidades médias ou pequenas, porque é onde surgem ofertas de trabalho por temporada de férias.

Dá para escolher com que vou trabalhar?

Mais ou menos a mesma situação acima. Você pode até sugerir, mas vai depender do seu nível de inglês e da sua sorte. Eu queria muito um trabalho que eu pudesse falar inglês, afinal um dos motivos de ir para lá era treinar o idioma. Meu inglês era entre o intermediário e o avançado e consegui um trabalho em que eu ficava no caixa o dia inteiro, sempre falando com as pessoas, mas não ganhava gorjeta. Tem gente que vai ser operador de lift na estação de esqui, tem gente que é garçom, arrumadeira de hotel, vendedor de loja. Enfim, é o que chamamos de subemprego.

A diferença é que lá esses trabalhos são vistos com mais “dignidade” do que aqui. É comum trabalhar com jovens estudantes que estão ali para juntar uma grana ou universitários que precisam se manter. Também tem pais e mães que precisam sustentar os filhos. Enfim, não é um serviço visto de forma inferior (pelo menos eu, na minha experiência, não achei), mas com certeza, é pesado e cansativo.

Lincoln, Estados Unidos

Nevaaaasca

Quais perrengues podem me aguardar?

O primeiro grande perrengue é você não conseguir o visto. Isso pode acontecer porque a sua agência não te orientou direito, por falta de documentos que comprovem vínculo aqui ou até porque o pessoal do consulado ache que seu inglês não é bom o suficiente (aconteceu com um colega que estava tirando o visto junto comigo). Para mim deu tudo certo. Foi rápido e fácil, a agência me ajudou a organizar todos os documentos e a entrevista foi em inglês, mas muito tranquila.

Outra coisa que pode acontecer é você chegar aos Estados Unidos e descobrir que o emprego que te prometeram não vai rolar ou que a casa que você ia morar não existe. Isso aconteceu com um pessoal que foi no meu grupo e com um amigo que foi no ano anterior. Nessas horas, infelizmente, não adianta contar com a agência daqui – sim, são seus direitos, mas pela impressão que eu tive, algumas agências não se importam muito com os intercambistas depois que eles saem do Brasil. Por isso é importante pesquisar bastante antes de escolher a agência. Caso o pior aconteça e você não conseguir realmente nenhuma ajuda do Brasil, o jeito é tentar encontrar outro emprego (ou casa) por conta própria e salvar o seu intercâmbio. Com a crise, esse risco se agrava. Por isso, é melhor já questionar sua agência antes de sair do Brasil.

Inverno nos Estados Unidos

O terceiro perrengue que pode rolar é você odiar muito seu emprego e querer trocar. Nesse caso, a responsabilidade é só sua. Você pode tentar conversar com o chefe e ver se consegue mudar de cargo (acho difícil, mas vai que cola). Agora se o problema for o chefe em si, você pode tentar trocar de emprego, mas esteja bem atento ao contrato que você assinou – o seu chefe pode fazer com que você seja deportado por abandonar o trabalho acordado.

No fim das contas, vale a pena?

Ô, se vale. Foi uma das melhores experiências da minha vida. Eu tinha 20 anos, estava morando pela primeira vez longe dos meus pais, num país diferente, com outra cultura e ainda trabalhando com coisas que eu nunca me imaginei fazendo antes. Vale a pena pelo crescimento pessoal, pela espírito de adaptação, pelo fato de você se dar conta que o mundo é muito maior e mais interessante do que você imaginava e claro, pelo inglês e por conhecer tantas pessoas diferentes. Recomendo para todo mundo que quiser e tiver como conseguir o dinheiro para ir. Sem contar que dá para viajar por um mês pelos Estados Unidos. Esse foi meu primeiro mochilão… contarei mais no futuro.

Atenção: Não é uma boa ideia viajar para os Estados Unidos sem um seguro de saúde internacional, já que os custos hospitalares lá são altíssimos. Leia aqui como achar um seguro com bom custo/benefício (e com desconto!)


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

24 comentários sobre o texto “Intercâmbio Work and Travel nos Estados Unidos

  1. Ola,

    eu sou estudante de Administração e quero muito fazer intercambio em qualquer cidade dos EUA, mas eu quero ir la para aprender inglês, o meu nível é bem básico mesmo. Será que tem alguma agencia de intercambio que pode me ajudar??
    Help

    1. oi Camila,
      Todas as agências que eu conheço tem bons programas de estudar inglês nos Estados Unidos! De onde você é?

      Eu só tenho indicações de Belo Horizonte

  2. Oie Luiza, tudo bem ?
    estou super interessada nesse intercâmbio porém o período de férias é de 1 mês e 1 semana. Você sabe se existe possibilidade da faculdade liberar mais algum tempo, sem que comprometa minha grade da graduação ex: reprovação.

    1. Oi Aliceana,

      Olha, o Work and Travel exige que seja estudante de graduação.

      Posso te sugerir a Aiesec, que permite estudantes de pós-graduação nos seus intercâmbios: http://aiesec.org.br/

      Também tem a possibilidade de ser Au Pair!

  3. Oi Luíza, gostei muito do seu relato e pretendo fazer o mesmo tipo de intercambio nas ferias da faculdade (work and travel). Qual foi a agencia que voce contratou?

  4. Oi Luiza, me interessei por esse tipo de intercâmbio, queria saber se existe a possibilidade de dois amigos ficarem na mesma cidade e morarem juntos? (sem a necessidade de trabalhar no mesmo estabelecimento)
    Parabéns pelo blog! Beijos.

    1. Oi Rafaela,

      Existe sim a possibilidade. Eu fui com uma amiga. Claro, vocês tem que estar abertos para o caso de não dar certo, mas em geral, não é tão complicado assim tentar isso.

      bjs

  5. Bom dia Luiza. Achei bem legal e interessante o que vc escreveu.
    Estou com uma dúvida, que se não me engano vc não citou sobre a idade. Então gostaria de saber se pra fazer intercâmbio pode ser qualquer idade. E se a questão idade varia de um pais para outro.
    Espero que me responda. Obrigado

    1. Oi Deivis,

      Eu tinha 20 anos na época. Há intercâmbios que você pode fazer com qualquer idade. Outros, dependem.

      No caso do Work and Travel, por exemplo, eu digo no post sim que a idade permitira é de 18 a 28 anos. Mas claro, há outros tipos de intercâmbio para pessoas mais velhas ou mais novas!

  6. Oi Luiza!
    Tudo bom?
    Tenho uma duvida. Qual o nivel de inglês exigido pra fazer esse programa?
    Teria que fazer alguma seleção antes de ser aprovado ou algo assim?

    1. Oi Thiago,

      É necessário inglês intermediário. Eu vi um menino ter o visto negado na minha frente por não ter um inglês razoável para trabalhar lá.
      Não existe exatamente um processo de seleção, mas você terá que buscar algumas vagas e talvez fazer uma entrevista com possíveis empregadores.

  7. Luiza, estou apaixonado por teus relatos, haha.

    Vou fazer um work and travel no final do ano e deve acabar na metade de fevereiro. Tenho duas dúvidas, a princípio:

    1) Você acha que vale a pena eu tirar um visto de turismo, além do J1? A finalidade disso seria estender meu “grace period”, saindo dos EUA (Canadá não cobra por visto se eu ficar menos de 48h lá) e entrar com o visto de turismo, pra poder ficar mais tempo.

    2) Você conhece gente que tenha ficado em vários hosts de couchsurfing nos EUA? Dei uma olhada em algumas cidades e parece ter bastante gente disposta, mas não queria planejar essa baita diminuição em gastos de hospedagem e depois não der certo, haha.

    Valeu! 😀

    1. Oi Matheus,

      Eu não sei bem como funciona isso do visto de turista x visto J1. Não sei se só ficar dois dias fora dos EUA daria certo. Acho que você precisa ver essas regras com bastante cuidado.

      Sobre o couchsurfing, não tem porque dar errado, se você combinar direitinho com os hosts!

      Abraço

  8. Oi Luíza, gostaria de saber se é possível passar esses 3 meses trabalhando e 1 viajando, sem ser universitária, e qual o visto pra isso. Me formo no fim de 2015 e por isso acho que nao consigo o visto J1, até porque eu teria que viajar em fevereiro de 2016, devido a colacao. O que voce me sugere?

    1. Oi Luana,

      Sua pergunta me pegou. Acho que isso não é possível. Ou você atrasa sua formatura para ir ou acho que não tem jeito nesse esquema Work and Travel não.

      De qualquer forma, a época da viagem precisa ser durante o período de “férias”. Ou seja, não dá para ir em qualquer época do ano.

      Abraço

  9. Boa Tarde Luíza

    Gostaria de saber se existem alguns cursos rápidos que durem por volta de 1 a 3 nos EUA ou na Europa,que estejam relacionados com a área de formação. Por exemplo,eu sou técnico em edificações,e curso engenharia civil,caso exista essa possibilidade fora do Brasil,acredito que possa ajudar na carreira fazer um curso fora do país,mesmo que não seja uma graduação ou pós.

    Parabéns pelo blog,cada post é mais interessante que o outro !

    Beijos e abraços 😉

    1. Oi Everton,

      Eu não sei responder sua pergunta. Acredito que existam esses cursos rápidos sim, mas eu não sei te dizer onde buscar exatamente! Dá uma olhada na internet ou em agências de intercâmbio estudantil.

      Desculpa não poder te ajudar!
      abraço

  10. Olá Luísa, cheguei aqui pelo por um link postado no VNV e de cara adorei seu blog.
    Acontece que eu estou tentando ajeitar o intercâmbio desde julho, mas minha agência não ta ajudando muito.
    Então, gostaria de saber qual foi a agência que vc procurou? Foi aqui no Brasil?

    Ficaria suoer feliz se vc respondesse. Desde já agradeço.

    Bjs

    1. Oi Laís, eu fui por uma agência de Belo Horizonte, a Central do Estudante. Não sei se eles tem filiais fora de BH.

      Tem várias outras agências no Brasil que oferecem esse tipo de intercâmbio, mas eu infelizmente não posso te indicar, porque não testei. Porém, a Naty (que também escreve para o blog) fez um outro tipo intercâmbio pela CI, que deu muito certo.

      Você tem que ficar atenta a essa questão da crise, porque tem muita gente desempregada lá, aí fica um pouco mais difícil abrir vagas.

      Mas boa sorte. Depois volta aqui para contar se deu tudo certo! Se tiver qualquer outra dúvida, só falar!!

      bjos

      1. Ah, ta ok!
        Muitíssimo obrigada e pode deixar que eu sei onde tem uma CI aqui pertinho!

        Brigadão. E ah, continue a escrever sobre o intercâmbio, viu?! Eu to adorando.

        Bjs

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.