Tags:
Atlas: Katmandu, Nepal

Conheça Katmandu, a capital do Nepal

O aeroporto de tijolinhos laranjas não esconde: Katmandu é charmosa, não moderna. E olha que a maior cidade do Nepal, com mais de 1 milhão de habitantes, passa longe de ser um lugarejo bucólico. O trânsito é caótico, o ar poluído e a pobreza está por todos os lados. Mas basta ver as ruas do Thamel, o bairro mais badalado, para se apaixonar pelo local. Os milhares de turistas que desembarcam na cidade todos os anos concordam com isso – e sim, a Carmen Sandiego está incluída na lista.

Se você é um mochileiro perdido na Ásia, provavelmente vai ter outra razão para se apaixonar por Katmandu: muito viajante começa a explorar essas bandas depois de passar alguns meses desbravando a incrível Índia. E o Nepal, outro país de maioria hindu e também um país pobre, é muito mais organizado e limpo. Enfim, um descanso depois de um mergulho em tudo que o país vizinho representa.

Durbar Square, katmandu

As Durbar Squares, ou “Praças Reais”, são as mais importantes atrações da região de  Katmandu. A principal fica no centro da cidade e está repleta de prédios e templos, a maioria delas do século 17. Destaques para o templo Kasthamandap, uma das construções de madeira mais antigas do mundo, e para o Palácio Real.

Veja também: A Durbar Square, praça incrível do Nepal

Você reparou que o parágrafo anterior começou no plural? É que essa não é a única Durbar Square do vale de Katmandu. Em Patan, teoricamente uma cidade vizinha, mas que na prática já se converteu em bairro da capital, fica outra. A terceira, mas não menos importante, fica em Bhaktapur, cidade a 13 quilômetros de Katmandu e que rende um dia inteiro aos turistas interessados em explorar ruelas e prédios antigos. Todas as Durbar Squares do Nepal foram declaradas Patrimônio Mundial pela Unesco.

É impossível pensar no Nepal sem pensar nos famosos templos decorados com os olhos do Buda. A mais conhecida das estupas budistas é sem dúvida a de Boudhanath, que serve de casa para a maioria dos exilados tibetanos que vivem no Nepal. O templo é cercado por vários monastérios, além de alguns restaurantes. O Boudhanath também foi declarado Patrimônio Mundial pela Unesco e há quem diga que na estupa se encontram os restos mortais do Kassapa Buddha.

Veja também: A estupa de Boudhanath, em Katmandu

Onde ficar em Katmandu

Outro templo budista interessante é o Swayambhunath, também conhecido como Templo dos Macacos. Fica no alto de uma colina, só acessível por uma quase interminável escadaria. Mas até mesmo os sedentários concordariam que a vista lá de cima – somada com a presença de outra estupa de Buda – faz o esforço valer muito.

Já o Pashupatinath é um centro religioso hindu, um dos maiores templos dedicados ao Shiva do mundo. No templo, que está localizado às margens do Rio Bagmati, são realizadas cerimônias de cremação semelhantes às que acontecem em Varanasi, na Índia.

Swayambhunath templo

As taxas para turistas

O Nepal ainda é um dos países mais baratos do mundo, mas medidas recentes do governo local encareceram um pouco a vida do turista. Como as três principais atrações do Vale de Katmandu são praças, não esperávamos pagar nada para ver a fachada de boa parte dos prédios antigos. Só que para simplesmente passar pela praça é preciso pagar uma taxa que varia entre U$ 7 e U$ 12. Isso significa que você vai ter que pagar não só para entrar para ver a área, mas também toda vez que quiser comer em algum restaurante ou fazer compras em alguma loja que fica na região das Durbar Squares.

O problema – e consequentemente o rombo no orçamento – aumenta ainda mais se você pensar que as praças estão em regiões por onde você vai precisar passar mesmo que seja para cruzar a cidade. O blog The Longest Way Home diz que é possível pagar a taxa apenas uma vez, desde que você registre o seu ticket no escritório de apoio ao turista. Não testamos essa saída, mas certamente seria uma forma de economizar.

Swayambhunath geral

Informações turísticas sobre Katmandu

Como se locomover em Katmandu

Você tem duas opções: a econômica e a nem tanto. Se você estiver mesmo com o orçamento apertado é possível andar de ônibus até mesmo para outras cidades do Vale de Katmandu. Caso a economia possa ser menor, então use os táxis e tuk-tuks para chegar às principais atrações da cidade. E nunca se esqueça de pechinchar muito, reduzindo os preços quase sempre pela metade.

Onde ficar

Vai para Katmandu mas ainda não sabe onde ficar? Grave esse nome: Thamel. Sem exagero, esse foi um dos lugares mais incríveis que conheci em toda a viagem de volta ao mundo. Hotéis absurdamente baratos, incontáveis restaurantes com todo tipo de comida e muitos, muitos bares. Mais incontável ainda é a quantidade de placas que formam um tipo de poluição visual que só a Ásia é capaz de oferecer, como mostra a foto. Vai falar que não parece um lugar único?

Veja também: Onde ficar em Katmandu, os melhores bairros

Rua do Thamel, Katmandu

Quantos dias ficar

No mínimo três dias inteiros, para dar tempo de ver tudo em Katmandu e também visitar Bhaktapur.

Vai viajar? O seguro de viagem é obrigatório em dezenas de países e indispensável nas férias. Não fique desprotegido no Nepal. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício para o país – e com cupom de desconto.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

32 comentários sobre o texto “Conheça Katmandu, a capital do Nepal

  1. olá, estou fazendo um trabalho de faculdade sobre Katmandu e tenho dificuldade de saber se possui placas turísticas nessa cidade, preciso de fotos, se alguém puder me ajudar fico feliz.

  2. Boa noite! Alguem já foi para a região de Lukla, Namche Bazaar e Tengboche (Nepal). Eu estou querendo chegar até o Monastério de Tengboche e daí contemplar o Himalaia e o Evereste. Gostaria de algumas dicas. Distancias? Se só se vai de avião prá Lukla? Como se vai de Lukla a Namche e de lá para Tengboche.

    1. Sim, você vai de avião à Luckla e, dalí, à pé pelas trilhas, passando por Monjo, até Namche Baazar e Tengboche.
      É maravilhoso, mas tem que estar preparado fisicamente.
      Em geral caminha-se 6 ou 8 km por dia, mas considere que sao subidas e descidas na altitude e que vai ficando mais frio na medida em que se sobe.

    2. Oi, Elvis. Estou em Kathmandu e acabo de fazer essa viagem.

      Na verdade fiz o trek para o campo base do Everest, passando por todos esses lugares que voce menciona. Uma viagem incrivel e gratificante! 🙂

      Voei para Lukla, o que a maioria das pessoas fazem, mas tem como ir andando sim!

      Me adiciona no instagram, podemos falar por inbox: thaisabraham.

      Espero ter ajudado!
      Boas aventuras!

  3. Rafael, tudo bem?
    Você acha que é tranquilo para mulher viajar sozinha para o Nepal?
    Vou ficar em Kathmandu por 3 dias no final de julho.
    Obrigada! Abraços.

    1. Oi Bianca, vi sua pergunta para o Rafael, eu viajei pelo Nepal ano passado, estava acompanhada, mas achei tranquilo para mulheres sozinhas sim, inclusive conheci algumas. Evite roupas justas e decotadas e se for atravessar a fronteira por terra para algum lugar, prefira ônibus turísticos e não locais. Fui para Índia depois e lá achei tenso para mulheres, o Nepal foi sussa!

  4. Oi pessoal, estou pensando em ir para Kathmandu em novembro de 2016. Será que por causa do terremoto a situação continua muito ruim?

    Parabéns pelo blog.

    Obrigada
    Sueli

    1. Oi, Sueli. Acompanhei, pelo Instagram, as viagens de alguns brasileiros por lá. Tem muita coisa sendo reconstruída, mas não me parece uma viagem inviável não. Eu adoraria voltar. 🙂

      Abraço.

  5. Olá Rafael, tudo bem?
    Estou indo pra India e meu roteiro inclui o Nepal, posso após 3 dias no Nepal posso reentrar na India com um visto de turismo eletrônico?

    Abraço e obrigado pelas dicas!

    1. Oi, Diego.

      Esse visto eletrônico só permite uma entrada. Você precisa tirar da forma tradicional, pedindo um visto de múltiplas entradas.

      Aí você não terá problemas.

      Abraço.

    2. Diego,
      Infelizmente vai ter de retirar Katmandu e arredores de seus roteiros de viagem pelo

      menos para os próximos 3 anos, pois a devastação do terremoto vai demorar para ser

      consertado, sendo que alguns locais estão perdidos para sempre…

      Há 30 dias estive na Índia e viajei por diversas cidades e depois

      fui para o Nepal e nos hospedamos por 4 dias em Katmandu.

      Fizemos inúmeras visitas a praças, templos, áreas rurais , rios e morros

      e “VIMOS” conjuntos arquitetonicos e obras antigas maravilhosas. Povo humilde,

      sofrido, trabalhador e muito gentil e hospitaleiro.

      Digo “VIMOS”, pois após a nossa volta ao Brasil houve este terrível terremoto

      que simplesmente apagou do mapa lugares por onde passeamos, tiramos fotos

      e sentamos apreciando a paisagem. Vendo as fotos depois do terremoto é terrível

      ver o que se perdeu em termos de cultura antiga…Ficamos a cada dia mais chocados

      quando mais fotos aparecem na mídia e triste de ver aquele povo alegre chorando

      a perda de seus entes queridos e de seu pouco patrimõnio…Triste, muito triste..

  6. Olá Galerinha dos 360 Meridianos. Então, vocês não sabem o quanto tem me inspirado a sair mundo a fora. Alguns meses atrás planejava vim a India. E agora já estou aqui, peguei muitas dicas de de vocês. Meus próximos planos será Nepal, e Ainda assim continuam me ajudando. Paraabéns pelo o conteúdo de vocês!!!

    1. Oi Tati! Sim, voamos de Délhi para Kathmandu com a JetLite. A passagem só de ida custou R$ 140 reais, já com todas as taxas incluídas.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.