fbpx
Tags:
Atlas: Paris, França

4 mitos sobre Paris para desfazer antes de visitar a cidade

Antes de decidir ir a Paris, ouvi inúmeros depoimentos de pessoas falando mal da cidade. Claro, também tiveram aqueles que a endeusaram. Cada um com as suas opiniões. Confesso que eu também tinha as minhas e, para ser sincera, não eram lá as melhores. Nunca tive grande curiosidade em conhecer a cidade-luz. Acreditava que era uma cidade bonita, sim, mas não mais do que isso. E cidades bonitas não faltam por aí, pensava eu.

Tanto é verdade que, na nossa volta ao mundo em 2011, a gente quase não passou pela capital francesa. Foi um agente de viagem que disse: “como assim vocês vão à Europa e não vão a Paris?” Tivemos que concordar e acrescentamos a cidade aos nossos destinos. Ainda bem.

(Em tempo, esse post foi escrito há quase 9 anos, de lá para cá, já voltei à cidade luz diversas vezes)

Planeje sua viagem:
Saiba em qual região ficar em Paris: dicas de bairros e hotéis
Busque a melhor opção de seguro de viagem obrigatório com desconto
O que fazer em Paris: roteiro pronto para 1 a 5 dias

Paris - Guia de viagem

Este post fala por que as pessoas devem visitar Paris, desfazendo alguns dos mitos negativos sobre a cidade. São informações sobre a cidade na ótica de uma pessoa que se encantou por uma Paris que já estava cansada de ver em filmes, mas que nunca realmente quis conhecer.

Além disso, é um incentivo para que novos viajantes aproveitem plenamente sua visita à cidade e não voltem com más impressões. Afinal, não tem como não amar Paris, se você tiver um pouquinho de paciência.

4 mitos sobre Paris que não são – necessariamente – verdade

1. Ninguém quer falar inglês e eu não entendo nada de francês

Esse é o maior mito da cidade. O senso comum diz que os franceses em geral detestam falar o idioma de seus eternos rivais, os ingleses. Nacionalismo ou puro nariz em pé, dizem por aí. Eu sempre pensei: “a cidade é uma das mais visitadas do mundo e esse povo não quer falar inglês? Ahhh vaaa…”

Bem, se você, como eu, não passa do merci, não se preocupe. Muita gente fala inglês, espanhol ou a linguagem universal da mímica.

Existem sim casos de pessoas que são grosseiras, mas elas não são grosseiras porque você não fala francês, são mal educadas porque são assim – e gente mal educada existe em qualquer lugar do mundo.

Leia também:
Se é para se decepcionar, que seja em Paris
Dica de leitura: Na Pior em Paris e Londres

Paris - Motivos para amar

Eu, particularmente já estive cinco vezes em Paris e nunca mesmo fui maltratada por não falar francês. Em geral, na minha experiência, se você for direto e educado, provavelmente vai receber o mesmo tratamento: bom dia, por favor, obrigado e com licença são palavras mágicas em boa parte do mundo.

2. O problema de Paris? Os parisienses

Chatos, metidos, arrogantes, nariz em pé, blehh. Essa é a fama dos franceses no Brasil. E caso você não saiba, também é a fama dos parisienses entre os demais franceses.

Como já disse no tópico anterior, isso é, em grande parte, mito. A verdade é que parisienses, tal como habitantes de qualquer grande metrópole no mundo, estão tentando viver a vida corrida deles e você turista, muitas vezes, está atrapalhando o caminho.

Mas é preciso ver além do mito. Encontrei muitos parisienses simpáticos e dispostos a ajudar durante as minhas estadias na cidade-luz. E olha que essas experiências envolveram coisas como um alarme falso de incêndio, minha mãe ficar presa no cemitério na noite do reveillon ou eu e meus amigos perdidos na saída do Louvre à meia noite.

A questão é, essa é a cidade deles, você é um visitante, então se comporte como tal. Respeite as regras, não aja como se estivesse em casa. E não julgue o livro pela capa, já diria a expressão.

melhores vistas de Paris

3. A Torre Eiffel não tem tanta graça assim, vai?

Deixa eu te contar uma história. Estive em Nova York em 2008. Toda empolgada e tudo mais. Chego lá e a Estátua da Liberdade, sempre tão fotografada, estava mais para o tamanho de suas réplicas de chaveirinho. É muito menor do que aparenta nos filmes e fotos.

Essa era a impressão que o Rafa tinha antes de ver a Torre Eiffel. Ele chegou a dizer: “ah, nem acho que a Torre deve ser grandes coisas”. Isso foi cinco segundos antes dele fazer “OOOOH!!”.

Ficamos sentados uns 15 minutos só olhando para Torre. A verdade é que a Torre, sendo a construção mais alta de Paris, é simplesmente linda e impressionante. Visível de vários pontos da cidade, dia e noite, complementando a paisagem.

Por isso é tão especial gastar uns euros, enfrentar a multidção e algumas horas na longa fila para subir. Dá para ver toda a vista da cidade.  E desafio quem conseguir achar uma parte esquisita ou pouco charmosa.

Outro conselho: marque o horário da sua subida na Torre cerca de duas horas antes do pôr-do-sol (que varia dependendo da estação do ano).

Saiba mais: Torre Eiffel: todas as dicas para sua visita, ingresso e curiosidades

Quando descer, vá direto até o Sena e pegue uma das balsa que cruzam o rio. O passeio vai acontecer ao entardecer e você vai ter o incrível privilégio de ver as primeiras luzes da cidade-luz se acenderem. Além disso, a balsa passa por todos os pontos importantes que o Sena cruza, como a catedral de Notre Dame, o Louvre.

Nos primeiros cinco minutos de cada hora (18:05, 19:05, etc), a Torre Eiffel fica toda iluminada com luzes brilhantes. Impressionante.

o que fazer em paris torre eiffel

4. Ok, ok, mas Paris é muito cara

Certo, Paris não é a cidade mais barata da Europa. Mas com um pouco de esforço (como não correr Sephora adentro ou desejar tudo nas Galerias Lafayete) não é tão difícil economizar. Nós gastamos cerca de 70 euros por dia, incluindo hospedagem.

Em termos de comida, é muito fácil comprar coisas deliciosas em supermercados e mercados de rua: baguetes e crepes são opções boas e baratas. Entre os doces, os macarons podem ser caros, mas tem um monte de torteletes deliciosos como opção. Vinho é muito barato. Água, não peça de marca e você vai ficar bem.

Vitrines em Paris

Várias atrações tem um dia gratuito ou mais barato. Por exemplo, o Louvre é mais barato na sexta à noite. Leia também: 18 atrações gratuitas de Paris. E são diversas praças e parques gratuitos, assim como a vista, que não custa nada.

E aproveite que essa é uma cidade que merece ser vista para caminhar bastante e economizar no transporte público. Por mais que o metrô seja bom, é muito desperdício perder a cidade viajando pelo subsolo. Se você não for muito de caminhada, a dica é alugar uma bicicleta e pedalar um pouco.

Qu’il est, profiter de Paris. J’ai adoré! (obrigada Google Tradutor…)

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

22 comentários sobre o texto “4 mitos sobre Paris para desfazer antes de visitar a cidade

  1. Esse texto traduz exatamente como é Paris! Já estive nela mais de 8 vezes e cada vez gosto mais! Qdo viajo para outros lugares como a Grã-Bretanha vou de Air France pq pararei antes e depois em Paris!
    Podendo ñ percam Paris…

  2. Uma boa d ica é comprar o NAVIGO, no aeroporto. Esse é um cartão de transporte que os franceses usam para se locomover em Paris. Dá direito a metro, trem e ônibus. Se for ficar mais que 5, compre o bilhete para uma semana ( apesar do nome, dá direito a andar pela cidade por 5 dias). Outra dica legal é comprar o bilhete de museus, se gostar de museus, evidentemente. Com esse bilhete ele dá direito a vários museus num determinado número de dias.

  3. Oi Luiza, lembra de mim? continuo lendo suas postagens e está foi otima.
    Não sei se rafa te contou mas, no século passado, moramos na França, em Grenoble e lá brasileiros eram mal atendidos em suas compras porque ao nos ouvirem pesavam que éramos portugueses e o os portugueses que lá estavam eram, em geral, lixeiros e faxineiros, pessoal que consideravam de baixa hierarquia. Não sei se ainda é assim mas naquela época eles tinham um enorme preconceito social. Mas para mim este foi um tempo feliz.
    Há pouco tempo estive na Rússia e aconselho : vocês devem ir até lá e uma maravilha mas devem aprender falar por gestos porque o povo , muito gentil, desconhece outras línguas embora os guias falem um portgues perfeito, as placas nas ruas , nem te falo,
    Abraços quando estiver em bh venha nos visitar.

    1. Oi Maura, lembro de você sim! Saudades! Obrigada pelo carinho e o comentário. O Rafa contou sim sobre esse tempo de vocês na França, deve ter sido uma experiência e tanto. Não sabia desse preconceito com os portugueses. Eu diria que hoje o preconceito é contra os argelinos e o pessoal do leste europeu.

      Já faz tempo que a Rússia está no meu radar de viagem. Ano passado cheguei a ir bem pertinho, nos países Bálticos. Infelizmente 2020 boicotou todas as viagens, mas quem sabem em 2021!

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.