fbpx

O que fazer com o dinheiro que sobra nas viagens?

Por mais que a gente se planeje, faça planilhas e calcule direitinho o orçamento de uma viagem, é bem provável que você volte para casa com dinheiro estrangeiro. Sabe aquelas moedinhas que você recebeu de troco na hora de pagar o táxi para o aeroporto? Aqueles centavos que você não conseguiu gastar no freeshop? Ou, até mesmo, o trocado que você nem sabia que tinha e achou sobrando no fundo da bolsa? Pois é, deve existir no mundo uma fortuna contada em diversas moedas que acaba escondida no meio daquela caixa de souvenir de viagem de turistas do mundo inteiro.

No entanto, como o valor desses trocados é irrisório, não compensa ir até uma casa de câmbio para trocar novamente para reais. Pior ainda quando a moeda em questão é desvalorizada. Muitas vezes temos dezenas de dinheiros que não valem nem um dólar. Mas então, existe alguma coisa que a gente pode fazer para dar a essas pratas um destino mais nobre que o fundo da gaveta? Sim, senhor! Nos voos de algumas companhias é possível doar aquele dinheiro que sobrou (e que você não vai usar nunca mais) para projetos sociais.

Change for Good

O programa mais famoso do tipo é o Change for Good, da UNICEF. Quando a companhia aérea fizer parte do programa, você vai assistir a um vídeo explicativo no início do voo. Depois, é só colocar seus trocados dentro do envelope fornecido e esperar os comissários de bordo recolherem. Do avião, o dinheiro é enviado para o comitê da UNICEF e transferido para diferentes programas da instituição. E não importa se você tem na carteira ienes, baths, ringgits ou rúpias – eles aceitam qualquer moeda.

No momento, a UNICEF tem parceria com as companhias Aer Lingus, Alitalia, All Nippon Airways (ANA), American Airlines, Asiana Airlines, Cathay Pacific, Finnair, JAL e QANTAS. As moedas são recolhidas principalmente em voos internacionais, mas algumas vezes eles também passam nos voos domésticos. Desde 1987, o programa já gerou mais de 130 milhões de dólares e beneficiou ao todo 58 países.

O primeiro país a receber recursos do Change for Good foi a Tanzânia. Por lá, o projeto ajudou em programas de prevenção ao HIV, educação e saúde.

Flying Start

Depois de 15 anos com o Change for Good, a British Airways lançou seu próprio programa para recolher moedas, o Flying Start, em parceria com a Comic Relief UK. Desde 2010, o projeto já angariou mais de 6 milhões de libras, que foram destinados para projetos sociais que têm como objetivo melhorar a vida de crianças no mundo inteiro. São 67 cidades atendidas pela companhia, todas elas parte do catálogo de destinos da empresa, divididas entre o Reino Unido, Ásia, África e América Latina.

Change for Children

A Virgin Atlantic também tem seu próprio programa, o Change for Children. A ideia é bem parecida, mas nesse caso o dinheiro vai para um programa social de cada vez, todos eles situados em países para os quais a empresa voa, como o Free the Children, que atua com educação no Reino Unido, além de projetos para a reforma de hospitais no Caribe.

Como o dinheiro ajuda?

Se você fica se perguntando como alguns trocados podem ajudar alguém de fato, saiba que, de acordo com essa matéria do The Guardian, só o Reino Unido teria uma fortuna de cerca de 900 milhões de libras em restos de dinheiro de viagem jogados nos fundos das gavetas das pessoas.

Ainda segundo a matéria, 64% dos viajantes voltam para casa com alguma sobra em dinheiro – a média é de 28 libras por pessoa no Reino Unido -, mas apenas 5% dessas pessoas procura uma casa de câmbio para converter o dinheiro. Agora, imagina quanto dinheiro não tem no fundo do armário de pessoas do mundo inteiro? Se cada um doar o seu, logo logo um montão será destinado a esses projetos sociais.

Além disso, muitas vezes não é preciso muito para ajudar quem não tem nada. Com apenas 10 dólares dá para prover alimentação por uma semana para uma criança pobre na Índia. No Brasil é preciso de pouco mais de 15 dólares para prover acompanhamento psicológico para crianças vítimas de violência doméstica.

Com menos de 80 dólares é possível dar uma máquina de costura para uma mulher em condição de extrema pobreza na Uganda, garantindo a ela uma fonte de renda sustentável. E com menos de dois dólares uma criança no Quênia ganha os cinco livros de exercício que ela precisa para terminar o ano letivo.

Eu tenho em casa um montão de moedas que acumulei durante as minhas viagens. Já estou me programando para levar todas comigo da próxima vez que for voar por uma dessas companhias. E você?

Imagem destacada: MaishAfrica (Imagem meramente ilustrativa – não faz parte dos projetos atendidos pelos programas citados nesse post). 

Receba mais dicas de viagem

Então curta nossa página no Facebook

Siga o @360meridianos no Twitter

Veja nossas fotos no Instagram

Receba novos posts por e-mail

Avalie este post

Autor


Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

11 comentários sobre o texto “O que fazer com o dinheiro que sobra nas viagens?

  1. Tenho mania de colecionar pelo menos uma nota e uma moedinha de cada país por onde passo. E também já ganhei notas de amigos e conhecidos.

    Agora, uma dica boa é doar para alguma instituição ou mesmo para alguém na rua. Dinheiro está no papel, viagem é sair do papel.

    1. Hahaha verdade Dan! No início eu tbm guardava o dinheiro de lembrança, mas começou a acumular muito. vou doar a maioria depois.

      Bjos!

  2. Uma sugestão e que eu sempre faço é um dia antes de sair do país juntar as moedinhas e doa-las para algum morador de rua. Agora também aprendi o que fazer com as que eu só encontro depois de voltar! hehehe

  3. Nunca doei pra instituição, mas já doei minhas moedinhas,a título de gorjeta, pra motorista que me levou ao aeroporto, em Santiago, Chile. Paguei o valor do transfer com os 10% e ainda dei a ela todas as moedas q eu tinha! Normalmente, faço isso, dou de gorjeta pro cara q me ajuda com a mala, com o motorista do taxi ou do transfer… Agora vou reparar nessas campanhas institucionais.

    1. Também é uma boa ideia, Cândida! Até porque não são todos os vôos que têm esses programas né? Eu mesmo só vi recolhendo umas duas vezes…

      Abraços!

  4. Velhooo, vocês são fodaaaa(no sentido muito bom da palavra)!!
    Eu leio vários blogs e sites e só aqui eu vejo tocar na questão de sustentabilidade, social e animais! Estão de parabéns!! E na minha viagem internacional com certeza irei fazer a doação do dinheiro que sobrou \o/ E se cada um fizer sua parte e for menos individualista teremos o mundo melhor =D
    Beijooo!

    1. =) Obrigada, Izabella! Fico feliz com o elogio!Ah, e só tem que ficar atenta a quais companhias recolhem as moedas! Infelizmente, pra gente no Brasil só dá para doar nos voos da American Airlines e da British, pq as outras companhias não voam aqui =(.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.