Tags:
Atlas: Nápoles, Itália

A história da Pizza em Nápoles e qual pizzaria visitar?

Logo após incluirmos Nápoles no roteiro de viagem, eu só conseguia pensar em uma coisa: pizza. Eu sou do tipo que coloca pizza na lista de comidas favoritas e, por isso, não podia esperar para provar a tradicional Pizza Napolitana.

Nesse post, você descobre mais sobre a história da pizza, qual a conexão com Nápoles e os melhores endereços para comer uma marguerita tradicional na cidade. 

Leia também:
O que fazer em Nápoles, Itália: roteiro de 1 a 3 dias
Costa Amalfitana: roteiro de viagem e guia de cidades
Guia para visitar as ruínas de Pompeia e os arredores do Vesúvio

A história da pizza: de Nápoles para o mundo

É claro que eu já sabia que as pizzas italianas são muito diferentes das que temos no Brasil. Nada de frango com catupiry ou calabresa, por exemplo. Mas, tudo bem. Meu sabor de pizza favorito é a básica combinação da Margherita. E adivinha quem inventou a Margherita?

Os napolitanos inventaram a pizza como conhecemos hoje: com massa, molho de tomate e queijo. Assim como um monte de coisa boa no mundo, era modinha entre o povão até que veio alguém rico e “gourmetizou” a ideia.

A história é mais ou menos assim: desde que o mundo é mundo, as civilizações antigas aprenderam a fazer essa coisa maravilhosa que é o pão. Bastava misturar farinha com água e assar. Provavelmente todos os povos antigos, como fenícios, egípcios, gregos, turcos e hebreus, têm a sua versão de pão simples, com água e farinha e redondo.

Não demorou também para eles perceberem que era uma boa ideia acrescentar ingredientes à receita, como ervas, alho, cebola, peixes e queijo.

pizza-margherita

Foto:  ElfQrin (Valerio Capello) – CC BY-SA 3.0 

Não se sabe bem como, a receita chegou ao sul da Itália. Também não é muito certo o motivo pelo qual eles passaram a assar o pão com os ingredientes em cima, em vez de colocar os ingredientes dentro da massa, como é a Focaccia. O nome “pizza”, segundo a Wikipedia Italiana, vem de um erro de pronúncia da palavra “pitta” (Pita, em Português, também conhecido no Brasil como pão sírio).

Era uma comida muito popular entre o povo em Nápoles, que usavam ingredientes como pimenta, azeite, alho, peixe frito e, é claro, manjericão. O tomate só foi adicionado à massa a partir do final do século 16, depois de ser descoberto na América.

A Pizza Margherita em Nápoles

Foi em meados do século 18 que a primeira pizzaria foi aberta, também em Nápoles. Pelo menos é o que diz o slogan da Port’Alba, restaurante que funciona até hoje. Infelizmente, não tive tempo de ir lá. Mas fui em outra pizzaria importante para a história: a Brandi. O slogan desse restaurante é o de ser o criador da Pizza Margherita.

Segundo a lenda, em 1889, a Rainha Margherita de Savoia visitou Nápoles. Ela queria saber como vivia a plebe e foi experimentar essa tal de pizza. Mandou chamar o melhor pizzaiolo da região, Raffaele Esposito, para preparar o prato. Ele fez uma pizza com molho de tomate, queijo e manjericão, representando as cores da bandeira italiana. A rainha gostou tanto da combinação que o nome desse sabor foi dedicado a ela. A Brandi Pizzaria pertence até hoje aos decendentes da família Esposito.

Brandi Pizzeria NápolesBrandi pizza marguerita

Hoje em dia, uma pizza marguerita oficial precisa ser feita com muçarela de buffala da região da Campanha DOP (denominação de origem protegida), molho de tomate San Marzano, manjericão e azeite. Ah, e tem que ser assada num forno a lenha, segundo as regras da Associação da Verdadeira Pizza Napolitana. Além da Margherita, outro sabor tradicional das Pizzas Napolitanas é a Marinara, feita com tomate, alho, orégano e azeite.

Pizzaiolo Nápoles

Mas é claro que você encontra vários sabores de pizza em Nápoles, além desses tradicionais. Por exemplo, eu nunca comi uma pizza quatro queijos (Quattro formaggi) tão deliciosa como a que eu comi lá.

E, apesar de ter um monte de pizzarias que se intitulam a melhor de Nápoles, a minha impressão, depois de passar três dias seguidos comendo pizza no almoço e no jantar, é que não há uma diferença tão grande entre elas, não uma que justifique horas numa fila ou um preço muito mais caro.

E não se esqueça que na Itália o pratão de pizza é individual, como você pode ver na foto abaixo:

Luiza e a Pizza em Nápoles

Endereços para comer a tradicional pizza de Nápoles

Uma dica para quem quer economizar: muitas vezes vale a pena pedir a pizza para viagem e comer no hotel ou na esquina. Além disso, quem pede no take away tem que enfrentar menos fila!

  • Pizzaria Brandi – que inventou o sabor marguerita! Endereço: Salita S. Anna di Palazzo, 1/2. Preços: A pizza marguerita custa €3,50 para take away ou 9 euros para comer lá no espaço. Também servem outros sabores, como 4 Queijos e Prosciutto
  • L’Antica Pizzeria Da Michele – conhecida pelo filme Comer, Rezar e Amar. Endereço: Via Cesare Sersale, 1. Preço:€3,50 pela marguerita. Só servem esse sabor e a marinara (sem queijo).

Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

21 comentários sobre o texto “A história da Pizza em Nápoles e qual pizzaria visitar?

  1. Se tem muçarela de buffala eu já amo !
    Se tem alguém no 360 Meridianos que tortura com esses rolês gastronômicos, essa pessoa é a Luiza! Sabe esse sorrisão 🙂 bonito da Luiza , eu tembém faria um sorrisão com uma pizza linda assim na minha frente !

      1. Olá Luiza, eu morei no Porto seis meses, adorei as tripas a moda do porto, o vinho verde, etc, moro em São Paulo, amo pizzas e conhecer o mundo e culturas.

  2. Sou meio frustada com pizzas e massas na Itália. Já experimentei em várias cidades diferentes mas nunca encontrei aquela que eu dissesse ser a inesquecível.
    Agora estou procurando a “verdadeira” pizza napolitana e gostei muito do seu relato e toda a explicação histórica da coisa.
    Muito bom!

    1. Oi Gabriela,

      Olha, eu acho que a maioria dos brasileiros se decepciona com a pizza italiana, simplesmente porque a gente come pizza de uma maneira completamente diferente!

      Mas eu gostei bastante das que provei em Nápoles (apesar de continuar preferindo as de São Paulo mesmo hahaah)

      1. Eu comi pizza em Gênova e Roma, eles fazem em forno elétrico, não gostei ,talvez em Nápoles seja forno a lenha, mas aqui em Sampa é DELICIOSA MESMO KKKK.

  3. oi Luiza! gostaria de um mini roteiro por Napoli e regiao…vc teria alguma sugestao aqui ja publicada? depois sigo pra costa amalfitana e sicilia, terminando minha viagem em Parma! tem algumas dicas? muito obrigado!

    1. O pior não é o tamanho da pizza, nem o fato deles não gostarem que a gente divida entre duas pessoas. é o fato de que eu consegui comer tudo, hahahaha

  4. Ai Natália, esse tipo de post é covardia, rs. Eu só experimentei a pizza Romana, ainda, mas amei. Claro que não tem nada a ver com a nossa pizza Brasileira, mas é igualmente deliciosa. Ah que saudade da Itália!

  5. Mas,…. enfim, você não conta o que todo mundo que saber. A pizza de lá é melhor que a daqui do Brasil?
    Já que você mal podia esperar para provar, poderia registrar aqui sua opinião não é mesmo? rs

    Obrigada!

    1. Oi Fátima,

      Eu acho que deixei minha opinião no texto sim, mas não acho que a comparação com a pizza brasileira, que é bem diferente, seja positiva, bjs

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.