fbpx
Tags:
Atlas: Lisboa, Portugal

A história da Praça do Comércio em Lisboa

Não tem como ir a Lisboa e não ir à Praça do Comércio. É aquele lugar que mesmo se você não quiser, vai acabar passando. Mas a verdade é que não tem motivo para não querer. A praça é uma das maiores da Europa e fica bem no centro da capital de Portugal, à beira do Rio Tejo, porta de entrada para a Rua Augusta e a Baixa de Lisboa.

Além de achar o lugar lindo e tirar mil fotos de todos os ângulos possíveis, descobri que o monumento tem uma história interessante e é cheio de curiosidades. Para começar, quando Portugal foi reconquistado, lá nas alturas de 1147, o local era uma praia, que vivia inundada com as cheias do rio.

Vai viajar para Lisboa? Leia nossas dicas:
O que fazer em Lisboa: roteiro de 3 dias
Onde ficar em Lisboa: os melhores bairros
Dicas de passeios a partir de Lisboa

Até que, lá para 1500, Dom Manuel I (o mesmo responsável pela Universidade de Coimbra), resolveu mudar a residência real para a região beira rio: mandou construir o Palácio da Ribeira. E com isso, a área ali a volta se tornou o Terreiro do Paço.

Terreiro_do_Paço_-_Lisboa

Crédito: Joaomartinho63 – CC BY-SA 3.0

E era nesse Terreiro do Paço que a cidade bombava no século 16. Tinha festas da corte, tinha chegada de pessoas importantes, navios carregados com porcelanas chinesas, especiarias indianas, pau-brasil e açúcar. Vinham também grandes animais exóticos, como elefantes, leões e rinocerontes, que protagonizavam desfiles nas ruas da cidade. O Terreiro do Paço era o lugar onde Lisboa se apresentava como a capital cosmopolita que era nessas épocas.

Ali também rolaram altas confusões, como a Revolução de 1640, que concretizou a União Ibérica. No processo, o secretário de estado que colaborava com os espanhóis, Miguel de Vasconcelos, foi defenestrado pelo povo. A Duquesa Margarita de Saboia, vice-rainha de Portugal, ficou presa ali um tempinho, até que a dinastia Bragança, com D. João IV, ascendeu ao poder.

Praça do Comércio em Lisboa Portugal

Mas, como diria minha querida professora de história: “todo império um dia cai”, e o início da queda do Império Português foi com o terremoto de 1755 (eu já escrevi a respeito da catástrofe). O terremoto, maremoto e incêndios destruíram o Paço da Ribeira e as construções ao redor.

A biblioteca, com mais de 70 mil volumes de livros e documentos históricos, foi perdida. Porém, foi naquele espaço que sobrou que o Marques de Pombal decidiu fazer uma praça que simbolizasse a nova fase da cidade.

Surgiu aí o projeto para a Praça do Comércio, com seus imponentes prédios amarelos e o Arco Triunfal da Rua Augusta marcando a entrada para as rua retas e bem planejadas da nova baixa. No centro da nova praça, decidiram colocar uma grande estátua, em homenagem ao rei  D. José I. O rei também passou a viver em tendas reais em outra área da cidade. Seu pai e antecessor, D. João V, havia criado projetos para construção dos Palácios de Mafra e Queluz, para que a corte não ficasse mais tão no meio do burburinho do comércio e da vida comum da plebe.

Arcos da Rua Augusta Lisboa Portugal

Mirante Arcos da Rua Augusta

A reforma completa da cidade só acabou em 1806. Dois anos depois, a corte de Portugal fugiu para o Brasil e, com isso, o comércio em Lisboa sofreu gravemente. Assim, a nova Praça do Comércio já não tinha a mesma importância dos tempos passados. A independência do Brasil, em 1822, só aumentou a crise nas terras portuguesas.

Claro, a Praça do Comércio continuou sendo palco de alguns dos acontecimentos políticos mais importantes, como assassinatos e revoluções. Em 25 de abril de 1974, foi um ponto estratégico para o movimento que derrubou a ditadura do Estado Novo. Mas não foi isso que trouxe de volta o resplendor do local, pelo contrário. Nos anos 80, a Praça do Comércio foi relegada a um estacionamento gigante, ó.

Foi só pela altura da Expo 98, que Lisboa passou por um grande processo de revitalização e devolveram à Praça do Comércio sua importância como marco para a cidade. Restaurantes, cafés, museus e órgãos governamentais ocupam os espaços dos prédios. Em 2013, o Arco da Rua Augusta foi aberto como mirante para toda a Praça do Comércio e para a baixa de Lisboa. É um passeio que eu recomendo: fica aberto todos os dias, de 9h às 19h, e custa só €2,50.

Você também pode comprar o Lisboa Card, que dá entrada gratuita para as atrações da Praça do Comércio, acesso ao transporte público da cidade e outras 25 atrações e museus da cidade.

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

13 comentários sobre o texto “A história da Praça do Comércio em Lisboa

  1. Apenas uma ob ser vazão. D. Manuel quando rei, a Universidade de Coimbra já era velha de mais de dois séculos! O crédito da Universidade é de D. Dinis!

    1. Oi Antonio,

      D. Dinis fundou a universidade, mas foi a mudança de D. Manuel I e as ordens de D. João III que fixaram o campus em Coimbra (por muito tempo o funcionamento se alternou entre Coimbra e Lisboa).

  2. Ana Luiza , em novembro estarei indo para Portugal, com conexão em Madrid de 5 horas .
    Você pode me dizer se passarei pela imigração nos dois países? e as malas? vão direto ou terei que pega -las e despachas -las em Madrid novamente .
    Agradeço pela ajuda desde já.

    1. Oi Amanda,

      Você vai passar pela imigração em Madrid, provavelmente. Suas malas vão direto para Portugal e você não vai precisar passar pela imigração de novo por lá.

  3. Essa praça a beira mar é muito chique!!
    Eu quando criança,pensava que centro tinha que ser no meio da cidade.
    Até atualmente quando a palavra centro se refere a um lugar por exemplo na costa,meu subconsciente questiona.
    Eu amo praças lotadas e sonho em conhecer Portugal!

    Boa semana!! 🙂

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.