Tags:
Atlas: Rishikesh, Índia

Rafting no Ganges: descendo as corredeiras do rio mais sagrado da Índia

“Se você cair na água, não entre em pânico, nós vamos tirar você de lá”, disse o instrutor de rafting, num inglês cheio de sotaque. Nunca fui fã de esportes radicais. Tente me chamar para um paraquedismo básico ou um bungee jumping simples e tenha certeza de que eu não vou aparecer.

Mas rafting é outra história… existe algo fascinante em descer uma corredeira num bote inflável. E cá pra nós, isso não parece tão perigoso quanto pular de um avião com um saco amarrado nas costas. Mesmo interessado nesse esporte de aventura, até outro dia eu nunca tinha testado a adrenalina que ele pode oferecer. E para o batismo escolhi um lugar especial: o meu primeiro rafting foi no rio Ganges, aquele mesmo, o mais sagrado (e sujo) da Índia.

Rafting no Rio Ganges, Índia

Quase 500 milhões  de pessoas vivem ao longo dos cerca de 2500 quilômetros do rio, o que  faz da bacia do rio Ganges – ou Ganga, como dizem os hindus – a mais habitada do mundo – são 390 moradores por quilômetro quadrado. Gente que toma banho, escova os dentes, vai ao banheiro, lava pratos, roupas, búfalos e crianças nas águas do Ganges. A consequência? um dos rios mais poluídos do mundo.

Búfalos no Rio Ganges - Varanasi

 É. Há mesmo quem lave búfalos no Ganges.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, qualquer água com concentração de coliformes fecais superior a 500 por 100 ml é imprópria para banho. O Ganges, na região de Varanasi, tem 60.000 por 100 ml, 120 vezes a mais do que o limite máximo recomendado! Ainda em Varanasi, dois crematórios localizados na beira do rio queimam cerca de 30 mil corpos todos os anos. Segundo a revista britânica The Economist, cerca de 3 mil corpos são avistados boiando naquela parte Ganges anualmente.

Ganges em Varanasi - rio poluído

Ganges em Varanasi: completamente poluído.

Tanta sujeira traz consequências, óbvio. Cerca de mil crianças indianas morrem por causa de diarreia aguda causada por água contaminada todos os dias. Se as águas do Ganges não são as únicas responsáveis por essa estatística, certamente a sujeira do rio carrega parte da culpa.

“Não vá nadar naquele rio imundo ” foi o conselho que eu mais ouvi quando contei que iria passar seis meses na Índia. Aos amigos e parentes deixo um sincero pedido de desculpas pelas promessas não cumpridas: eu não apenas nadei no Ganges. Fiz até rafting nele.

Rafting no Ganges - Rishikesh

Nós e o nosso instrutor de Rafting

Esse parágrafo não pretendeu assustar ninguém – vale lembrar que o Ganges não é sujo em todas as partes. Antes de chegar em Varanasi, muito antes de passar por Calcutá ou cruzar Bangladesh, o Ganges nasce, limpo e completamente puro, no Himalaia indiano. E é nesse trecho, pouco depois da nascente, que nadar, mergulhar, pescar – e até fazer rafting – são atividades possíveis.

Assim que sai do Himalaia, o Ganges passa pela pequena cidade de Rishkesh, vila que ficou conhecida mundialmente quando os Beatles passaram uma temporada por lá, na década de 1960. Foi ali, durante nossa segunda visita à cidade, que encaramos essa aventura.

Rafting no Ganges - Rishikesh

Foi quase impossível segurar a emoção quando a maior das ondas balançou o bote inflável onde eu estava. Certo de que a embarcação iria virar, me preparei para o mergulho nas águas do rio, muito agitadas naquele trecho. Passamos por três corredeiras fortes, sempre acompanhados por outros botes, todos cheios de turistas doidos para dar um mergulho no rio. E não faltam oportunidades. “Se vocês quiserem, podem entrar na água aqui”, falou o instrutor, num momento em que as águas estavam mais calmas. E pulamos na gelada água verde do rio mais sagrado do mundo.

Ao longo do percurso, várias praias de areia branca chamam atenção. Algumas servem de parada para os botes. Outras servem de praia mesmo, e não é incomum ver europeias de biquíni tomando sol por lá. Nosso bote parou numa dessas praias, pouco antes das pontes que ligam os dois lados de Rishikesh, que é cortada ao meio pelo Ganges. Eu poderia ter feito meu primeiro rafting em qualquer rio do mundo. Fui fazer logo naquele que muitos ocidentais não querem entrar – e onde hindus fazem questão de nadar, poluído ou não.

Como fazer rafting no ganges

Ganges em Rishikesh. Foi aqui que eu nadei.

Como fazer rafting no Ganges

Onde fazer?

Rafting no Ganges precisa ser em Rishikesh, a não ser que você queira entrar para as estatísticas nada agradáveis que citamos no post. Inúmeras empresas oferecem o serviço, que é uma das principais atrações da cidade.

Como chegar a Rishikesh

Rishikesh não tem linha de trem,  o meio de transporte mais eficiente para viajar por terra na Índia. A estação mais próxima fica em Haridwar, cidade a cerca de 30 quilômetros dali. De lá é possível pegar um táxi ou um tuk-tuk até Rishikesh. Há ônibus diários entre Rishikesh e as principais cidades da região, incluindo Delhi, Agra e Jaipur.

Quanto custa?

Nós pagamos 300 rúpias (cerca de 12 reais) por pessoa. Isso é muito mais barato do que qualquer empresa especializada cobraria no Brasil. Precisa de mais algum motivo para fazer seu primeiro rafting na Índia quando for visitar Rishikesh?

Vai viajar? 

O seguro de viagem é obrigatório em dezenas de países e indispensável nas férias. Não fique desprotegido na Índia. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício para o país – e com cupom de desconto.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

12 comentários sobre o texto “Rafting no Ganges: descendo as corredeiras do rio mais sagrado da Índia

    1. Oi, amleyane. Olha, não lembro, isso já tem algum tempo. Foi na que ofereceu o preço melhor na ocasião, francamente. haha

      Abraço.

  1. Oi, Rafa!

    Meu pai e eu iremos a Rishikesh no inicio de Abril e nao queremos deixar de fazer o rafting no Ganges, mas estamos com uma duvida: quanto tempo e necessario pra tooodo o processo do rafting? Quero dizer entre colocar equipamentos, ouvir instrucoes, fazer o rafting propriamente dito… Meio dia e sufuciente?

    Desculpa a falta de acentos, mas teclados indianos nao tem 😛

    Obrigada!

    1. Meio dia é suficiente sim, Paula. Não me lembro ao certo, mas acho que não demora mais que três horas.

      Abraço e boa viagem pra vocês.

      1. Ahh, mais uma dúvida só: meu pai quer muito saber se as empresas que fazem o rafting disponibilizam algum tipo de armário/locker pra poder colocar os pertences pessoais. Sabe de algo?

        Valeu 🙂

        1. Oi, Paula. Francamente, não me lembro. Mas o normal é que a empresa te pegue e te deixe no hotel depois do passeio. Você só vai na sede mesmo para pagar, o que pode nem ser feito no dia, mas antes.

          Abraço.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.