Tags:
Atlas: Arequipa, Peru

Vale do Colca, no Peru, e um dos cânions mais profundos do planeta

Desci do ônibus, fechei o agasalho e, com o vento frio empurrando na direção contrária, caminhei até o Mirante de Patapampa. Precisei de três passos para perceber que minha respiração tinha se tornado mais complicada e que o ar parecia fugir dos meus pulmões. Esses – e uma ligeira dor de cabeça – foram os sintomas do mal de altitude, que aflige inúmeros turistas que se aventuram pelos Andes.

Tínhamos saído cedo de Arequipa, a segunda maior cidade do Peru, e o nosso destino final era o Vale do Colca, num percurso de cerca de 160 quilômetros. Distância pequena, mas desafiadora. Cercada por três vulcões, Arequipa já está no teto do mundo: a altitude média por lá é de 2300 metros. Mas pegar a estrada em direção ao Vale do Colca significa subir ainda mais.

Veja também: O que fazer em Arequipa

A vida nas pedreiras e a Rota do Sillar, no Peru

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países e indispensável em qualquer viagem. Não fique desprotegido no Peru. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício com nosso código de desconto.

Vale do Colca, Peru

Na primeira parada, no povoado de Yura, cerca de uma hora depois que saímos de Arequipa, tomei um chá de coca, para tentar controlar o mal de altitude. Acho que foi a bebida que me ajudou a caminhar quando chegamos ao Mirante de Patapampa, já por volta da metade do dia. A altitude por ali é de 4900 metros.

Ponto mais alto do roteiro, o Mirante de Patapampa se tornou uma parada obrigatória para quem faz o trajeto entre Arequipa e o Vale do Colca, que é visitado por 150 mil pessoas anualmente. Há muitos turistas peruanos, mas estrangeiros também podem ser vistos aos montes. Para chegar ao Vale é preciso atravessar a Reserva Nacional de Salinas e Aguada Branca, uma área de proteção ambiental que parece ter nascido pronta para uma road trip. Picos nevados, planícies lindíssimas e as simpáticas vicunhas – o menor dos camelídeos andinos – formam o cenário.

Vale do Colca, Peru

Depois da pausa para fotos e contemplação, não necessariamente nessa ordem, deixamos o Mirante de Patapampa e começamos a descer em direção ao vale. Peruanas vendendo artesanato, lhamas e pequenas vilas tomam conta da região, que é habitada há pelo menos um milênio. Os incas incorporam o Vale do Colca ao seu Império. E os espanhóis, que chegaram por ali no século 16, construíram suas cidades e igrejas, criando um estilo diferente. É o barroco mestizo, ou andino, que mistura elementos europeus e americanos nas construções, sobretudo as religiosas.

passeio vale do colca

As 10 igrejas do vale, espalhadas por pequenos povoados, já garantiriam motivos suficientes para ir até lá. Coporaque, Yanque, Maca, Madrigal, Ichupampa, Achoma, Lari, Pinchollo e Chivay são os nomes das principais vilas do Colca, sendo que a última, que não tem 5 mil habitantes, é considerada a capital da região. A maioria dos turistas fica por lá ou então em Yanque ou Coporaque, que foi onde eu fiquei, no Aranwa Pueblito Encantado del Colca.

Veja também: Outras opções de hospedagem no Vale do Colca

passeio vale do colca

O Cânion do Colca e a Cruz do Condor

A paisagem que testemunhei da janela do ônibus é fantástica, com vulcões e picos nevados de fundo. Cada mirante, povoado e igreja colonial fazem valer a viagem, assim como as águas termais que existem por ali, as vicunhas e outros animais que avistamos pelo caminho. Mas a verdade é que o grande atrativo do Vale do Colca, aquele que leva toda essa gente até lá, é outro: um cânion.

Mirante do Vale do Colca, Peru

Para ser mais exato, o segundo maior do mundo, com 4150 metros de profundidade. O Cânion do Colca é duas vezes mais profundo que o internacionalmente famoso Grande Cânion, nos Estados Unidos. E perde por muito pouco a primeira colocação nesse ranking, para o também peruano Cânion de Cotahuasi.

O turismo começou no Vale do Colca há poucas décadas, mais ou menos depois que uma equipe de exploradores desceu de rafting o Rio Colca e garantiu ao mundo que ali, no meio dos andes peruanos, estava um dos cânions mais bonitos do planeta. Desde então, os turistas que descem em Arequipa tem o Vale do Colca como prioridade máxima, assim como Machu Picchu é para quem chega até Cuzco. E o mirante mais procurado do vale é a Cruz do Condor.

passeio vale do colca

Desse lugar é possível avistar o condor andino, maior ave voadora do planeta – são 3,20 de envergadura! Em média, cada condor é capaz de viver por até 60 anos, Apesar de ser considerado símbolo nacional de vários países da América do Sul e fazer parte da mitologia andina, o condor está ameaçado de extinção, tanto por perda de seu habitat natural quanto pela ação de caçadores.  Os condores se alimentam de animais de pequeno porte e de carniça. Do mirante, principalmente no começo da manhã, é possível observar o voo da ave, que ali vive protegida.

passeio vale do colca

Avistei alguns condores, contemplei as montanhas nevadas e me preparei para voltar. Antes, o Alonso, guia que nos acompanhou na viagem, resolveu nos surpreender mais uma vez: “Estão vendo aquele pico nevado lá no fundo? É o Nevado Mismi. É dali, de uma pequena lagoa, que nasce o Rio Amazonas”. A nascente do maior rio do mundo está nos arredores do Vale do Colca.

Vale do Colca, Peru

Vale do Colca: como chegar, o que fazer, quanto tempo ficar

A melhor forma de conhecer o Vale do Colca é passando ao menos uma noite na região. Até existem passeios oferecidos no esquema bate-volta, a partir de Arequipa, mas o dia é puxado. Você sairá do hotel ainda de madrugada, cerca de 2h da manhã, e voltará para Arequipa no fim da tarde.

Junte toda essa correria, o mal de altitude, as paisagens fantásticas do Vale e as muitas opções de passeios por lá e fica evidente que a melhor decisão é descartar o bate-volta, dormir no Vale do Colca e retornar no dia seguinte para Arequipa (ou seguir de lá para Puno e as belezas do Lago Titicaca).

Vale do Colca, Peru

Diversas agências de Arequipa vendem o passeio, que custa entre 25 e 35 dólares, mas não inclui a hospedagem, a taxa de entrada no Vale do Colca e as refeições. Se não tiver tempo ou optar pelo bate-volta, o blog Compartilhe Viagens tem um relato de quem foi assim – e adorou.

Também é possível ir por conta própria, o que é bem mais econômico, mas também mais complicado. No fórum do Mochileiros.com há um relato detalhado sobre como chegar ao Vale do Colca de transporte público.

*O 360meridianos viajou ao Peru a convite do Submarino Viagens e da PromPerú


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

9 comentários sobre o texto “Vale do Colca, no Peru, e um dos cânions mais profundos do planeta

  1. Oi pessoal, vamos a Arequipa em outubro e pelo que entendi, o passeio do Vale do Colca a gente compra lá mesmo quando chegarmos. Mas e a hospedagem? Tem que reservar antes? Pesquisando as pousadas, vimos que muitas recomendadas nos blogs já estão sem vagas para a data que planejamos ir.

    1. O ideal é reservar antes sim. Uma alternativa é mandar um email para seu hotel em Arequipa e ver se eles indicam algum passeio ou pousada no vale.

  2. Também estive lá. é realmente fantástico. A profundidade deste canion te faz sentir relamente muito pequeno. E os condores voando ao seu redor é muito emocionate. Parabéns pela bela reportagem.

  3. Esse lugar é incrível! Fiz o trekking até o povoado que se encontra no fundo do canon, 15km de descida nivél hard com muitas pedras e areia. Dormi uma noite por lá e no outro dia, 3h de subida! Foi uma superação, recomendo demais!!!

  4. Na época em que fui, fechei um pacote em Cusco mesmo. Peguei um ônibus à noite para Arequipa, cheguei de manhã e a van já estava me esperando. Juntamos os outros turistas nos hotéis e viajamos até Chivay, onde pegamos um banho termal, jantamos e dormimos. No outro dia fomos para o cânyon e voltamos no meio da tarde para Arequipa. Recomendo demais esse passeio!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.