Tags:
Atlas: Buenos Aires, Argentina

Vale a pena visitar o Caminito, em Buenos Aires?

A atração turística mais visitada de Buenos Aires é polêmica. O Caminito, uma rua de casinhas coloridas no bairro La Boca, é parada quase certa para todos os turistas que visitam a capital da Argentina, gente que sai de lá não tão certa assim sobre o valor turístico do local.

A Luíza, que esteve lá em 2013, colocou o Caminito numa lista de atrações turísticas mais supervalorizadas do mundo. O Túlio, do blog Aires Buenos, fez mais ou menos o mesmo – listou o Caminito como uma das atrações mais perdíveis da cidade. Mas se tem quem sinta preguiça e vontade de dormir só de ouvir falar do Caminito, tem também quem goste o local,  tipo a Silvia, do blog Matraqueando.

Veja também: 15 coisas que você não pode perder em Buenos Aires

Caminito, Buenos Aires

A polêmica

Antes de mais nada, a verdade: o Caminito sai muito bem na foto. Aquele monte de casinhas de cores diversas formam um cenário ótimo para quem gosta de fotografar. Mas então, qual o problema do Caminito? É que depois que você passa alguns minutos no local, tempo necessário para percorrer a rua de uma ponta a outra, o caminho natural é procurar uma mesa num dos muitos restaurantes da área e, quem sabe, presenciar uma apresentação de tango a céu aberto.

Visitar o Caminito

Só que está escrito “programa pega turista bobo” na frente de todos esses restaurantes. Mas o viajante, talvez preocupado em tirar fotos das casinhas coloridas, não percebe. Os restaurantes são caros, as apresentações de tango são abaixo da média e a concentração de gente disposta a tirar dólares dos turistas é impressionante, seja um garçom, um dançarino de tango, o Maradona ou até o Papa Francisco.

Tem ainda quem reclame das tais casinhas coloridas. Isso normalmente acontece quando a pessoa descobre que elas não são originais de fábrica, mas uma espécie de falso histórico. Foram planejadas para atrair visitantes. Isso incomoda muita gente, eu entendo, mas não vejo problema algum. Numa comparação ruim, é como o Bairro Gótico de Barcelona, que de Gótico e medieval não tem nada, mas mesmo assim é bonito.

Caminito, La Boca

Caminito, a história

O La Boca nasceu como um bairro de imigrantes, principalmente italianos e espanhóis, que escolheram o local como moradia por conta da proximidade com o porto. Logo começaram a surgir casas. Como imigrante costuma não ter grana, as casas eram feitas de madeira e com restos de materiais que eram encontrados no porto.

Em meados do século 20, uma rua completamente degradada e quase transformada em lixão era um problema enorme para quem morava por ali. Na década de 1950, o pintor Quinquela Martín iniciou um projeto de recuperação do local. A ideia era mudar o status da rua: de quase lixão para museu a céu aberto. Funcionou.

Caminito em 1930

O Caminito em 1939 (Foto: Museo de la Ciudad de Buenos Aires, Domínio Público)

As casinhas coloridas atraíram visitantes, aumentaram a qualidade de vida dos moradores e logo se tornaram uma importante fonte de renda para a região. O nome Caminito veio de um famoso tango e logo passou a designar um dos locais mais conhecidos de Buenos Aires.

Caminito, Argentina

Mas e aí? Vale a pena?

Bom, digamos que o Caminito passa longe de ser uma das atrações mais interessantes da cidade portenha. Por isso, se você tem pouco tempo para visitar Buenos Aires, pode ser uma boa investir em outras atrações. Por outro lado, não dá para dizer que é uma experiência ruim.

Para gostar do Caminito, siga três dicas básicas: 1) lembre-se que você não precisa almoçar nos restaurantes do Caminito. 2) Vá de táxi. 3) Combine o Caminito com outros programas (falaremos sobre os últimos dois itens a seguir).

E se a insistência dos Maradonas e Franciscos fakes te incomodar, lembre-se que a região já foi motivo de vergonha para a comunidade, mas virou o jogo.  E isso merece respeito, né?

Caminito, Argentina

Como chegar no Caminito, em Buenos Aires

Eu fui a pé. Não que seja perto – partindo do centro, precisei de uma caminhada de pelo menos 40 minutos para chegar lá. Como era domingo, foi tranquilo, já que eu parei da feira de San Telmo no meio do caminho, almocei por lá e só então segui com a caminhada.

No entanto, recomendo que você vá de táxi – Embora o Caminito seja seguro, o La Boca não é. Basta você entrar numa rua errada, com câmera pendurada no pescoço e jeitão de turista, para você ficar sem os dois – o ladrão pode levar seu jeitão de turista também, que será rapidamente substituído pelo jeitão de turista roubado.

A insegurança de algumas partes do La Boca não é lenda. Conheci uma mexicana que foi assaltada lá, simplesmente por ter saído do eixo turístico. Evite cometer o mesmo erro.

O táxi do centro até o La Boca custa cerca de 50 pesos (os preços podem variar por conta da alta inflação da Argentina).

Caminito, Buenos Aires

O Caminito combina com…

Com La Bombonera. O famoso estádio do Boca Juniors fica no mesmo bairro, a poucos metros do Caminito. Além de tirar uma foto na fachada do prédio, vale muito a pena fazer a visita guiada pelo museu e pelas arquibancadas do estádio. O programa é divertido e interessante mesmo para quem não gosta tanto de futebol ou não domina o espanhol – os guias do Boca não falam português fluentemente, mas são muito esforçados no portunhol.

Veja também: Como é a visita guiada ao La Bombonera

Também por ali, ao lado do Caminito, fica a Fundación Proa, um conhecido centro de arte contemporânea de Buenos Aires.

Não é por ser perto de casa que dá para viajar sem seguro: saiba por que contratar um seguro de viagem para conhecer a Argentina e como garantir um com boa cobertura (e com desconto).


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

44 comentários sobre o texto “Vale a pena visitar o Caminito, em Buenos Aires?

    1. Oi, Sara. Infelizmente não vi seu comentário a tempo. Costuma ter movimento turístico sim, embora seja bem maior aos finais de semana.

      Abraço.

  1. Olá Rafael:
    Viajo pra Buenos Aires no final de junho, e estou fazendo o roteiro do domingo pensando em conhecer o Caminito e em seguida ir pra San Telmo. Gostaria de saber se no horário das 9:00hs da manhã já tem um bom movimento de pessoas no Caminito por conta da segurança.
    Obrigado.

  2. Melhor não comprar nada lá, principalmente nas lojas. Quem te leva recebe uma porcentagem e o valor costuma ser mais alto até do que nos Shoppings mais caros da cidade. Furada. Se for comprar dê preferência para o artesanato de verdade, algo que você ache que vale a pena ter em casa de lembrança. De resto, como roupas, casacos, vinhos, doce de leite ou qualquer outra coisa, melhor coisa a se fazer é não comprar por nada e passar o menor tempo possível lá.

  3. Fora o incomodo, já tradicional em áreas turísticas em qualquer parte do mundo, dos vendedores, garçons e personagens fake. Com uma dose de habilidade, educação e firmeza nas negativas, você consegue driblar esses ‘incômodos’. Siga as recomendações dos locais e evite sair da rua principal que não tem maiores problemas com segurança.
    É um lugar quase obrigatório para o turista de primeira viagem em Bsas. Eu, particularmente, fui mais para conhecer La Bombonera, mas minha esposa fazia questão de visitar a rua. Achei legal, apesar do jeitão ‘pega turista’ do local.

    O ônibus da linha turística para em frente ao caminito, é uma opção de transporte tbm. Nós fomos de táxi e voltamos de ônibus de linha, não tivemos nenhum problema.

  4. Eu passei por lá e tenho vontade de voltar. Lá tem cultura, beleza e é muito divertido. O povo Argentino ao contrario daquilo que pregam, é muito receptivo e alegre. Tanto Buenos Aires como Rosário, cidades por onde passei, são cidade muito bonitas. O caminito é muito bom. Bonito, divertido, com muita cultura, lá encontrei o dono de um restaurante Atleticano, o seu comercio tem muitas coisas do Galo pelas paredes. Eu estava em casa!!!

  5. Caminito é um ponto turístico animado e exótico, acho interessante visitá-lo pelo menos uma única vez na vida e tirar fotos. Compramos um cartão de transporte público e rodamos a cidade toda de ônibus. É bem fácil andar por Buenos Aires sem parecer um turista e sem ser assediado.

    1. Se você fizer o caminho direto, sim, porque está sempre cheio de gente e turistas. Só convém tomar cuidado para não entrar em alguma rua errada ou algo assim. Se ficar com receio, pegue um táxi.

      Abraço

  6. Ola pessoal
    Vou pra Buenos Aires em abril com minha baby de 2 anos e estava querendo ir no caminito apenas para fotos ate pq cou ficar 3 dias ok ir e voltar de táxi
    Mas gente ….. estou com medo depois de tudo que li.
    Qr ir num parque dentro do shopping abasto pois tem uma parte pra criança da idade dela.
    Qual outro lugar vcs recomenda pra mim ? ?

    1. Fernanda, estou em Buenos Aires. E realmente a inflação está “gritante” para você ter uma idéia do bairro Recoleta até o Centro estou pagando cerca de 80 a 100 pesos. Fiz um teste em pegar metro da linha verde a situação do metro para vc que tem criança não recomendo. Não há ventilação suficiente e isso pode lhe causar desconforto.
      Boa viagem!

    2. Moro em Buenos Aires. Meu WhatsApp app 55 34 99829 3592. Dicas de turismo e assessoria. Em Buenos possui Uber sim, com outro nome mas o serviço é o mesmo.

  7. Eu e meu marido estivemos lá em Outubro de 2015,fomos à pé também rsrs,loucura né, mas não tivemos grandes problemas e sim muita sorte, pois para voltarmos tivemos que andar por umas ruas muito esquisitas até chegar numa espécie de garagem de ônibus muito feia…mais no final deu tudo certo e estou voltando para Bs As no dia 27/01/17,agora vou tomar mais cuidado rsrs.

  8. Pretendo ir ao Caminito amanhã. Mas já estou assustada com os comentários. Kkkk. Quanto aos taxis, dei sorte. A dica é perguntar antes de entrar, quanto custa até o destino escolhido. Os preços não podem passar de 200 pesos, que é o destino mais distante entre os pontos turísticos ou do aeroparque até o centro que é mais ou menos 230 pesos

  9. Acabo de chegar da Argentina e gostaria de reportar um incidente, ou melhor, uma acidente que vivi na região de Caminito. Saímos de Caminito (Área extremamente perigosa) e pegamos um táxi preto/amarelo, dizem ser o oficial. Este adentrou a uma favela, debaixo do viaduto – a princípio achamos ser uma emboscada- e vinha um carro em direção contrária à nossa numa via que só cabia um carro. Os taxistas argentinos são muito ignorantes e para nos provar isso nenhum dos carros abriu passagem para o outro batendo de frente em uma velocidade de aproximadamente 50km. A frente do veículo foi destruída, o taxicista sequer pensou que estava com passageiros e que deveria zelar pela segurança destes, minha amiga que estava sentada a frente ficou presa no cinto de segurança , mas graças a Deus, ninguém se feriu com gravidade. Reporto o fato por dois motivos: 1) O perigo de se pegar táxi em Buenos Aires não é só de carros não credenciados. Pegamos um táxi credenciado, que tentou estender o percurso e que pra nossa sorte se deu mal. 2) A batida aconteceu no meio de uma favela, que não passa outros táxis e demos sorte que havia um carro de polícia passando, porque senão poderíamos ainda ter sido assaltadas. Tivemos que sair escoltadas pela polícia, caminhando por 6 quarteirões e o carro da polícia atrás, porque não estávamos autorizadas a entrar no carro da polícia. Minha dica: Buenos Aires é belíssima! Uma mini Paris, retorno quantas vezes necessário, mas Caminito não tem nada demais além de casas velhas e algumas lojas muito…muito popular pintando coloridamente. Enfim, não vale a pena a visita!

  10. Eu meu marido e meus dois filhos visitamos o Caminito no dia 25/12/14 e por ser feriado quase tudo estava fechado, dessa forma não tivemos perturbações. Após umas tantas fotografias, pegamos um táxi para voltarmos, mas percorridos uns quatro quarteirões, o taxista parou, já numa rua deserta e disse: não posso levar vocês.Meu marido sem entender, perguntou: como? Ele repetiu, pegando uma tabela e dizendo que o seguro só cobria quatro pessoas e éramos, com ele, em cinco. Eu quase não acreditava no que estava ouvindo. Era doido o homem, que não viu quando parou e quando entramos em quantos éramos? Mas por via das dúvidas, abri logo a porta e disse: vamos! Ele seguiu e nós voltamos pelas ruas desertas para o local de onde saímos para pegar outro táxi

      1. Pois é, Rafael.Mas esperamos por outro táxi e dessa vez quando a taxista parou (sim, uma mulher), perguntamos se ela levava quatro pessoas. O caminho de volta foi muito agradável, ela era fã do Brasil, tinha uma casa em Florianópolis, na praia da Joaquina, onde passava as férias, bem como um filho morando nos Estados Unidos. Veio nos mostrando monumentos e tecendo comentários engraçados sobre o dia a dia dos portenhos. Além disso foi uma verdadeira cicerone, descrevendo cada lugar e monumento por onde passávamos!

        1. haha! A maioria das experiências que tive com taxistas lá foi boa. Só uma vez passei por uma tentativa de golpe, voltando da La Bombonera.

          Obrigado pelos comentários, Jandira. É isso que ajuda um blog a ser “vivo”.

  11. A gente seguiu sua dica e fez o tour guiado do La Bombonera, que foi ótimo. Nos divertimos pra caramba. Como pegamos o último horário de tour do dia, chegamos ao Caminito depois das 18h. Pegamos todas as lojas e restaurantes fechando, ninguém na rua, tudo deserto, até ficamos na dúvida se estávamos no lugar certo. Foi difícil achar táxi pra voltar. Não posso dizer se é supervalorizado ou não, só sugiro que ninguém deixe o passeio lá pra tão tarde.

  12. Me incluo na galera que não acha nada demais no Caminito, inclusive quando fui lé em 2009, cometi o equívoco de almoçar por lá e depois tive que me virar pra conseguir meu troco, pois o restaurante que almoçamos não aceitava cartão e só viemos a saber disso depois do almoço, enfim, é gente querendo levar vantagem de todos os lados.
    Como o garçom fez cara de paisagem quando cobrei meu troco, eu fui até o caixa do restaurante e recebi lá, óbvio, depois de me irritar com a falta de vontade de me dar o troco (e não era pouco, pois eu não tinha trocado, então dei notas de valor alto).

  13. Eu adorei o Caminito, lindo. MAS eu não almocei por ali, e fui depois de visitar a La Bombonera. Tirei foto de turista em pose de tango, e paguei 20 pesos, não achei barato MAS não me arrependo. Em uma apresentação nas casas de tango estavam cobrando 35 dolares por ma do mesmo estilo q eu tirei por 20 pesos.

    Mas achei a visita bem legal.

  14. KKKKKKKKKKKKKKK eu tenho que rir desse post pq ele me resume,
    eu até dei uma volta na quadra pra ver se achava algo realmente interessante e no fim me perguntei, é isso?
    tirei boas fotos mas não perderia meu tempo novamente.

  15. O problema não é o Caminito mas o que fizeram dele. se tirassem aquele bando de gente enchendo o saco tentando vender coisas de péssima qualidade para o turistas a coisa seria bem melhor!!

  16. Então não fomos os únicos doidos que foram para La Boca a pé? No caminho nos arrependemos, mas já era tarde. Problema mesmo tivemos no Caminito, quando tivemos que sair de lá correndo por causa de uma briga de torcedores. Me refugiei dentro de uma loja com a vendedora sem saber onde o Eduardo e minha sogra estavam, foi horrível (contei sobre isso num post bem antiguinho: http://www.viaggiando.com.br/2008/02/buenos-aires-la-boca.html). Sei que não guardo boas lembranças de lá. 🙁

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.