Visita à Mina da Passagem, entre Mariana e Ouro Preto

Deu um frio na barriga quando vi os trilhos que me levariam para metros abaixo do solo em uma descida íngreme. O disparo da adrenalina foi, no entanto, desnecessário. O trajeto dos carrinhos de ferro da Mina da Passagem é lento e seguro. Localizada no meio do caminho entre Ouro Preto e Mariana, essa é uma das maiores minas de ouro abertas para visitação no mundo, e também a mais interessante que eu já visitei.

Para acessar a Mina, só mesmo fazendo como os trabalhadores faziam no passado: é preciso embarcar em um carrinho de mais de 200 anos e percorrer os mais de 300 metros até o local de desembarque. Nessa hora, não seja medroso. Se tiver a oportunidade, sente-se no primeiro carrinho para fazer as melhores fotos e vídeos da descida. Lá dentro, cerca de 120 metros abaixo do nível do solo, nos deparamos com um labirinto de galerias, túneis e paredões que foram esculpidos pelos mineradores ao longo de séculos de exploração.

Mina da Passagem, Mariana

Mina da Passagem, Mariana

“Dizem que os escravos entravam na mina trazendo um passarinho e trabalhavam até que ele morresse por falta de ar. Só então podiam sair, demorasse horas ou dias”, contou nossa guia. “Muita gente morreu aqui dentro devido a desabamentos e condições precárias de trabalho”. Tanto sofrimento deu origem a lendas de fantasmas que assolam as galerias. Em uma delas, uma imagem de Santa Bárbara, a protetora dos mineradores, ainda abençoa o local e recebe oferendas dos visitantes.

Mina da Passagem, Mariana

As paredes brilham douradas, mas não se engane, são cobertas de pirita, o ouro dos tolos. Ainda há ouro de verdade no local, mas em quantidades muito pequenas, que não justificam mais a exploração do metal. Por isso, os atuais detentores dos direitos da Mina da Passagem resolveram apostar na atividade turística. Ao que parece, foi uma boa ideia: cerca de 300 pessoas passam por ali todos os dias.

As visitas duram cerca de meia hora e abrangem 11 quilômetros quadrados – os demais espaços estão fechados por razões de segurança. Todos os grupos são acompanhados por um guia, já incluso no preço do ingresso. Eles nos contam a história e as curiosidades da Mina, que começou a ser explorada em 1719 e só foi desativada em 1985 e rendeu mais de 35 toneladas de ouro durante o período.

Mina da Passagem, Mariana

Do lado de fora da mina, há um pequeno museu com peças utilizadas na mineração no século 18 e uma loja de artesanato. Se a fome bater, o local também conta com um restaurante que serve comida mineira.

Mina da Passagem, Mariana

Mergulho na Mina da Passagem

Mina da Passagem, Mariana

Quando estava em funcionamento, a Mina precisava de bombas de drenagem funcionando 24 horas por dia para impedir que os lençóis freáticos inundassem as galerias mais profundas. Com o fim da atividade mineradora, a água ocupou boa parte do local e formou belos lagos subterrâneos de água cristalina. Os aventureiros podem praticar o mergulho em caverna no local, mas, por ser considerado um esporte de alto risco, é preciso técnica e equipamentos adequados, além do acompanhamento de um guia autorizado.

Visita à Mina da Passagem: Serviço

www.minasdapassagem.com.br

Funcionamento: Segundas e terças de 9h às 17 horas, e quartas a domingos de 9h às 17:30 horas.

Preço: R$ 88 – Leve dinheiro, não aceitam cartões no local

Contato: (31) 3557-5000 / (31) 3557-5001


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

13 comentários sobre o texto “Visita à Mina da Passagem, entre Mariana e Ouro Preto

  1. A visita é muito bacana. Muitas coisas interessantes para ver. Somente gostarei de alertar para os riscos de se sentar na primeira fila do carrinho no caminho da subida (vindo da mina para a superfície). Acontece que não existe barreira de proteção na primeira cadeira e, a queda de alguém para a frente certamente causará um seríssimo ou fatal acidente. O carrinho passará por cima de quem cair. Uma soluça simples é impedirem que o primeiro banco seja utilizado na subida. Não há, além disso, nenhuma comunicação entre o carrinho e o maquinista, que fica na superfície. Se o carrinho descarrilar, o cabo continuará puxando-o mesmo assim. Passeios como esse são muito bonitos, mas a segurança deve estar em primeiro lugar. Não é o caso da visita à Mina da Passagem. Outros senões são o altíssimo preço cobrado do ingresso e o fato do pagamento só poder ser feito em dinheiro.

  2. Olá!
    Por favor, no comentário de levar toalha para a descida da mina, precisa estar de traje de banho por baixo da roupa, ou basta a toalha para o caso de se molhar?
    Outra coisa: irei à Mina da Passagem na volta de Mariana para Ouro Preto. Depois que sair da mina, pego ônibus no caminho pra voltar a Ouro Preto ou tenho que retornar a Mariana?
    Obrigada!

    1. Ana Claudia, a pessoa sugeriu a toalha pq alguns guias deixam entrar, mas não são todos. Na verdade, é até proibido. Se você tiver a intenção de entrar caso tenha a oportunidade, melhor levar roupa de banho, sim.

      Abraços

  3. Oii Natália, você sabe me falar se preciso comprar a passagem do ônibus, que vai até a Mina saindo de Ouro Preto, antecipadamente? Se sim, onde posso comprar?
    Muito Obrigada, e parabéns pelo Blog 🙂

  4. Uma dica: embora haja uma plaquinha dizendo ser proibido entrar na água, os guias costumam permitir (recomendável levar uma toalha). A temperatura da água fica sempre em 20 ou 21 graus. Mergulhadores não-certificados em caverna podem fazer um batismo guiado, basta entrar em contato com a operadora do local (www.divegold.com.br), e depois até dar início ao curso de mergulho em cavernas (a Mina é o principal local de treinamento e formação de mergulhadores nessa modalidade no Brasil). Lá embaixo é ainda mais incrível do que na parte seca.

  5. Oi Natália! Muito legal a sua descrição, já visitei a mina também e gostei muito. Já ouvi gente dizendo que existe outra antiga mina em Ouro Preto que é aberta para visitação, você sabe se isso é verdade?
    Abraços!

    1. Ei Rodrigo, que eu saiba tem a Mina de Chico Rei, que é dentro da cidade mesmo, a entrada fica dentro de uma casa. Fui há muitos anos, por isso não me lembro dos detalhes para te falar…

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.