Tags:
Atlas: Milão, Itália

Visita ao Castelo Sforzesco, em Milão

Um castelo tão odiado que o povo chegou até a fazer uma petição para demoli-lo, mas que hoje é um dos símbolos de Milão e amado por todos. O Castelo Sforzesco é hoje um combinado de museus temáticos da cidade, com obras de Leonardo da Vinci e Michelangelo, entrada bem baratinha e próximo das atrações do centro histórico: basta seguir a elegante Via Dante para dar de cara com a construção.

O nome Sforzesco vem da família Sforza, uma dinastia poderosa que governou boa parte do território italiano durante a época do Renascimento e cujo ducado era em Milão. Eles eram famosos tanto por serem truculentos no seu modo de governar, quanto pelo apreço pelas artes: tanto que foram patronos de Leonardo da Vinci.

Não foram eles, porém, que iniciaram a construção do castelo em Milão. Foi a dinastia anterior, os Visconti, que encomendou uma fortificação, por volta de 1370, nas muralhas da cidade, o tal castelo, de forma quadrada e com quatro torres em cada ponta – o prédio tornou-se residência da família.

Castelo Sforzesco em Milão contra luz

A história do Castelo Sforzesco

Os Sforza entraram em cena porque Francisco era casado com Bianca Maria, filha ilegítima do último Visconti que restava, Filippo Maria. Ela acabou sendo legitimada pelo então Imperador Sigismundo. Com a morte de Filippo, a população da cidade instaurou uma República, que Francisco Sforza acabou suprimindo. E a partir daí, ele dominou as terras, o castelo e começou as mudanças e ampliações na construção. Seus descendentes contribuíram bastante para a expansão da propriedade e também sua rica decoração, com pinturas e obras de artistas italianos importantes na época.

Castelo Sforzesco em Milão entrada lateral

Porém, como guerra nessa época era o padrão na Europa, os constantes conflitos com tropas espanholas, francesas e germânicas foram destruindo o castelo Sforzesco. Porque cada novo povo que dominava a cidade contribuía ainda mais para o castelo ser mais utilizado como uma fortificação militar do que residência. E assim foi até o tempo da dominação de Napoleão, quando rolou uma petição pública para a demolição do castelo em Milão e a decisão foi pela destruição do local, mas com a confusão de conflitos e poderes da época, só uma parte foi destruída.

castelo sforzesco em milão detalhe janela

Por fim, decidiu-se pela recuperação do espaço para fins artísticos e culturais e em 1893 começaram as obras de restauro. Foi estudado exatamente como era o Castelo Sforzesco nos seus tempos de glória com a família Sforza. Os edifícios que não pertenciam a esse período foram demolidos, pinturas foram restauradas, afrescos e detalhes de decoração reconstituídos. Também surgiu nessa época o projeto para o Parque Sempione, um jardim de 47 hectares que foi desenhado na parte de trás do castelo.

Castelo Sforzesco em Milão detalhe janela e parque

Visita aos museus do Castelo Sforzesco em Milão

A visita ao Castelo Sforzesco custa 5 euros (3 euros para estudantes e idosos) e inclui a entrada em mais de 10 coleções diferentes, os museus cívicos. Também dá para não entrar em nenhum dos museus e visitar gratuitamente toda a área externa dentro das grandes muralhas, com a vista dos jardins e os pátios.

Castelo Sforzesco em Milão patio interno

Castelo Sforzesco em Milão patio museu arqueologico

Tenha em mente que para visitar todos os museus levaria quase um dia inteiro, então você pode escolher aqueles que te interessarem mais, o que foi o meu caso:

No piso térreo fica o imperdível Museu de Arte Antiga. É a coleção mais importante do castelo, que combina obras de arte do início da era cristã até o século 16. Mas, o grande destaque desse museu são os salões e alas com afrescos recuperados, entre elas a Sala delle Asse, que foi pintada por Da Vinci (e infelizmente estava fechada para reforma quando visitei, em outubro de 2016), além tapeçarias, esculturas, pinturas, móveis e armas.

Castelo Sforzesco em Milão museu de arte antiga

Castelo Sforzesco em Milão afresco no teto

Castelo Sforzesco em Milão hall armaduras

No térreo fica uma galeria que costumava ser parte do Museu de Arte Antiga, mas recentemente ganhou um espaço separado na ala do antigo Hospital Espanhol: é a Pietà Rondanini, de Michelangelo. Essa foi a última obra do famoso escultor, que permanece inacabada em mármore.

A primeira Pietà de Michelangelo é uma de suas obras mais famosas, aquela de Jesus morto nos braços da Virgem Maria e que fica na Basílica de São Pedro, no Vaticano. A peça que o artista começou a trabalhar nos seus últimos anos de vida também representaria a mesma figura da mãe segurando o filho morto, mas ao mesmo tempo que parece que é Jesus quem segura Maria.

castelo sforzesco em milão pieta michelangelo

No subsolo fica o Museu Arqueológico, dividido entre as alas da Pré-História e Proto-História – que traça uma linha do tempo das primeiras habitações nessa região no período Neolítico, passando pela Idade do Bronze, início da Idade do Ferro e um pouco das colonizações celtas e romanas. Não é uma coleção grande, mas tem muitos objetos desses períodos. A outra ala é a Egípcia, que também é pequena, mas bastante informativa e com muitas esculturas, alguns sarcófagos e múmias e até mesmo um fragmento do Livro dos Mortos.

Castelo Sforzesco em Milão inscrição egipcia

Castelo Sforzesco em Milão ala egipcias

Eu não visitei os outros museus por conta do tempo, mas, claro, segue uma breve descrição. No primeiro andar fica a Pinacoteca, onde encontram-se pinturas de meados do século 15 e até o século 20. E também afrescos pintados de igrejas e palácios que foram recuperados depois da guerra. Ainda nesse andar fica o Museu dos Móveis e Esculturas de Madeira, que reúne seis séculos de peças de decoração de igrejas, palácios, salas de estudo, em diferentes estilos. Ainda nesse piso ficam os museus dedicados aos Instrumentos Musicais e também às Artes Decorativas (esse museu ocupa o segundo piso do castelo).

Serviço

O Castelo abre todos os dias, das 7h às 18h. A entrada nos museus é de terça a domingo, das 9h às 17h30. Os museus também fecham nos feriados.

Castelo Sforzesco em Milão detalhe patio

A entrada na área dos museus custa 5 euros. Porém, é possível entrar gratuitamente todas as terças-feiras, a partir das 14h; de quarta a domingo uma hora antes do fechamento e no primeiro domingo de cada mês.

Confirme todas as informações antes da sua visita no site oficial.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

8 comentários sobre o texto “Visita ao Castelo Sforzesco, em Milão

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.