Tags:
Atlas: Toulouse, Albi, Carcassonne, França

Uma cruzada entre cristãos: a história dos cátaros

Instituição mais poderosa do mundo durante a Idade Média, a Igreja Católica não era livre de críticas, mas gostaria de ser. Foi assim que surgiu um movimento rebelde na França – ou herege como diria o Papa da época – que questionava o acúmulo de riquezas e a corrupção da igreja.

O movimento surgiu no berço da própria igreja, com paróquias de cidades como Toulouse, Carcassone e Albi, na região do Languedoc, discutindo ideias perigosas para o catolicismo. Provavelmente suas origens vieram das rotas comerciais, onde outras ideias rebeldes apareceram, como bogomilismo na Bulgária e seitas chamadas gnosticas. No século 12, as paróquias dessas cidades abandonaram formalmente a crença católica. A confusão estava armada e logo começou a se espalhar para além das fronteiras francesas.

Saiba mais: 5 lugares que mudaram a história e o mundo

catedral de albi

A catedral de Albi, onde nasceu o catarismo

Quem eram os cátaros?

Os cátaros, termo que tem origem grega e significa “puro”, chamavam a si mesmos de “bons homens” e “boas mulheres. Acreditavam que existiam dois deuses. Um Deus Bom, que representava o espírito, e o Deus Mau, que era correspondente ao campo material. Ou seja, todas as coisas materiais, incluindo o próprio corpo humano, eram consideradas corrupções criadas pelo Deus Mau e nosso corpo era uma prisão impura da alma. Essa necessidade de se desfazer de todas as coisas terrenas, parar com o ciclo de reencarnação e se elevar à pureza levou o historiador Zoé Oldenbourg a chamar o catarismo de “budismo ocidental.”

Eles condenavam a propriedade privada, rituais da igreja como batismo, comunhão e casamento, o dogma da Santíssima Trindade e o consumo de carnes de animais. Tudo o que tinha relação com o que era material não era bom. E é aí que aparecem também as confusões sobre o que eles acreditavam ou não. Como os cátaros são o lado perdedor dessa história e tiveram praticamente todos os seus documentos e textos queimados, fica difícil entender o que é pura invenção sobre suas crenças e aquilo que era verdade. 

Por exemplo, há textos que falam que os cátaros não viam problema em matar uma mulher grávida, enquanto outros dizem que eles eram contra assassinato. A igreja os acusava de sodomia, mas também dá para encontrar noticias de que eram contra o sexo e a reprodução. Enfim, muita boataria.

Praca do Capitolio toulouse franca

A cruz que é símbolo da região Occitânia também era um símbolo do movimento cátaro. Na foto, a Praça do Capitólio, em Toulouse.

Há um consenso sobre o único ritual do catarismo, chamado consolamentum, que tinha como função retirar o pecado e fortalecer a presença do Espírito Santo na pessoa. Ele deveria ser realizado uma única vez na vida, tendo em vista que o conceito de pureza cátara era bastante estrito. Por isso, era comum realizá-lo em pessoas que estavam perto da morte. Dizem os boatos que, uma vez feito o consolamentum, a pessoa podia cometer suicídio, praticar jejum ou até mesmo ser sufocada por um travesseiro, para morrer logo, antes de perder sua condição de pureza. 

O consolamentum também era o ritual para fazer os crentes alcançarem a condição de perfeitos, que eram os bispos da crença cátara. E essa era basicamente a única hierarquia do catarismo, que também contava, abaixo dos perfeitos, com os filhos maiores e os filhos menores, para realizar as tarefas que cabiam à paróquia. 

carcassonne na franca historia da cruzada albigiense

Fortaleza de Carcassonne

Os crentes perfeitos tinham que seguir uma vida de restrições e eram os que poderiam fazer o rito do consolamentum e pregar a fé cátara. É interessante dizer que, ao contrário da Igreja Católica, mulheres também poderiam ser consideradas perfeitas. Para eles, a ideia da diferenciação entre gêneros era errada. Uma vez que o corpo material era uma criação do Deus Mau, então a diferença entre homens e mulheres não tinha importância. O espírito é imaterial e sem sexo. Obviamente, a ideia de que as mulheres também podiam ser líderes espirituais atraiu muitas delas ao catarismo. 

O Papa x o Catarismo: a Cruzada Albigiense

O catarismo se espalhou entre camponeses, mercadores e chegou até a nobreza. Tanto eles eram populares, inclusive protegidos por nobres e bispos católicos, que foram inúteis as primeiras tentativas dos papas de acabar com o movimento considerado herege.

De 1147 a 1209, numa espécie de cruzada espiritual, a Igreja Católica enviou sistematicamente delegados papais para essa região da França, com o objetivo de reprimir o catarismo e convertê-los de volta ao catolicismo. Bispos perderam cargos, pessoas foram excomungadas, mas a fé seguia crescendo. 

Cruzada Albigense

O estopim desse baú de pólvora foi em 1208, quando o Papa Inocêncio III enviou Pierre de Castelnau, um monge e advogado canônico, para falar com o conde Raimundo II, que era o governante de Toulouse. Castelnau excomungou Raimundo, mas no caminho de volta para Roma foi assassinado em represália. 

Foi assim que o Papa convocou uma cruzada contra os cátaros. O Rei da França se recusou a liderar o movimento e nem permitiu que seu filho o fizesse. O Vaticano, passando por cima dos poderes do Rei, lançou um decreto papal que permitia a tomada das terras de cátaros e seus apoiadores. Foi a desculpa perfeita para que os nobres do Norte da França se jogassem de cabeça contra os nobres do sul, na chamada Cruzada Albigense, que tem o nome por causa da cidade de Albi. 

expulcao do catarismo da franca em carcassone

A Cruzada Albigiense durou 20 anos e massacrou o população do Languedoc. Em batalhas nas cidades de Béziers e Carcassone, a população foi massacrada – sem diferenciação entre católicos e cátaros – chegando a pelo menos sete mil mortos, incluindo crianças. 

A cruzada só terminou em 1229, quando Raimundo II assinou o Tratado de Paris, concordando que a Casa de Toulouse perdesse boa parte dos seus feudos para a Coroa Francesa. Porém, apesar do massacre, o catarismo ainda não estava extinto. 

O ressurgimento da Inquisição

Mais ou menos em 1206, Domingos de Gusmão, um padre católico, caminhou por essa região para acompanhar um bispo e, ao observar o cenário de guerra, percebeu o porquê do catarismo ter feito tanto sucesso: os enviados do Papa vinham tentar combater os chamados “hereges” apresentando-se com toda a pompa e circunstância, enquanto os tais hereges pregavam e viviam uma vida simples, humilde e comunitária. Domingos envolveu-se então na pregação tentando usar as mesmas técnicas dos heréticos: participando de debates públicos e falando com uma linguagem que todos compreendiam. 

santo domingos contra o catarismo

Representação de um debate de São Domingos contra os cátaros

Mais tarde, em 1216, Domingos, que acabou virando santo, fundou a Ordem Dominicana, ou Ordem dos Pregadores, com o foco em combater as heresias da fé por meio da pregação, participação na vida comunitária e do estudo. O convento dos Jacobinos, uma das principais atrações de Toulouse, foi construído para a Ordem. Ao contrário das igrejas comuns, aquele era um espaço de pregação. O formato da igreja, com colunas no centro e o altar bem no meio da nave, era para facilitar as conversas dos frades com a comunidade. Entre os membros da Ordem Dominicana estava São Tomás de Aquino, até hoje um dos mais importantes teólogos do catolicismo. O crânio dele encontra-se no convento em Toulouse.

Para perseguir os hereges que tinham sobrado, o Papa Gregorio IX, em 1233, mandou avisar todo mundo – por meio de duas bulas: que comece a Inquisição. O poder de inquisidores foi dado à recém criada Ordem Dominicana. Caberia a eles investigar e punir rebeldes. O resultado disso foi que, em 1244, mais de 200 pessoas foram parar numa enorme fogueira na fortaleza de Montségur. Isso sem contar tantas outras mortes e torturas realizadas a fim de que os cátaros que restavam “confessassem seus pecados”.

execucao dos cataros na cruzada

Foi assim que o catarismo chegou ao fim, pelo menos na França. A Ordem Dominicana só cresceu, tendo grandes mestres em universidades e muito poder por conta da inquisição. Somente alguns séculos mais tarde, por conta da peste negra, é que perdeu a força que tinha no continente europeu. 

Viaje por essa história

carcassonne na franca historia da cruzada albigiense

Fortaleza de Carcassonne 

Para saber mais sobre a história dos cátaros, vale a pena ir direto à fonte: basta visitar a região da Occitânia, na França, também conhecida como Languedoc. Diversas cidades ali ainda guardam memórias das batalhas das cruzadas e ruas com nomes dos hereges. 

Saiba mais nos nossos textos sobre Toulouse, Carcassonne e Albi


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.