Tags:
Atlas: China

Cuju, o jogo chinês que deu origem ao futebol

Esqueça as regras que você conhece. O jogo aqui tem 12 jogadores, uma bola, uma rede como alvo e as pernas e pés como ferramentas. Um público que torcia fervorosamente e acompanhava os jogadores. Não estou falando do futebol que acompanhamos hoje, inventado na Inglaterra, no século 19. O esporte em questão é um futebol arcaico, de quase dois mil anos. A paixão em ver outro humano correndo e chutando uma bola é muito mais antiga do que o futebol moderno – e a prova disso está na China.

O nome era Cuju, ou Tsu’ Chu, melhor traduzido como “chutar bola”. A primeira vez que ouvi falar sobre o esporte antigo foi na visita que fiz ao Museu Nacional do Futebol, em Manchester, Inglaterra. Eles fizeram uma parceria com o Museu do Futebol de Linzi, na China, expondo pequenas estátuas de figuras gordinhas que demonstravam os movimentos e habilidades dos jogadores de cuju.

Em 2004, a FIFA reconheceu o jogo como a mais antiga forma de jogar futebol. Eles fizeram uma extensa pesquisa e encontraram evidências científicas sobre o jogo desde os séculos 2 e 3 antes de Cristo. O cuju surgiu durante a Dinastia Han (206 a.C a 220 d.C), como uma forma competitiva para o treinamento dos militares. Mas em cidades ricas como Linzi, tornou-se também uma forma de diversão das cortes reais.

Os jogadores não podiam chutar a bola para o gol sem impedimento e tinham que usar os pés, peitos, costas e ombros, mas nunca as mãos. O Imperador Han Wu Di gostava tanto do esporte que começou a estabelecer as regras oficiais e partidas eram realizadas dentro do palácio real. Segundo a revista Macau, há um livro chamado Ju Cheng Ming da Dinastia Han do Leste em que são descritas algumas dessas regras para o cuju:

“Bolas redondas e paredes quadradas como o yin e yang; balizas em forma de lua opostas; cada lado tem seis, igual em número; seleciona os capitães e aponta o árbitro; baseado em imutáveis regulamentos; não considera família e amigos; não satisfaz a parcialidade; mantém justiça e paz. Se tudo isto é necessário para regular o jogo, quanto mais é preciso para direcionar a nossa vida.”

Na Dinastia Tang (618-907) veio o aperfeiçoamento. A bola, antes preenchida com penas, passou a ser de ar. O exército imperial formava times para divertir o imperador e a corte. Também surgiram equipes femininas de cuju: há inclusive, relatos de uma menina de 17 anos que surpreendeu e venceu um time de soldados.

Mas o esporte saiu dos palácios e mansões para as ruas e o povo durante a Dinastia Song (960-1279). A China florescia econômica e socialmente e o cuju se popularizou entre todas as classes sociais. Foi nessa época que surgiram jogadores profissionais que eram idolatrados pelos torcedores.

Foram criados os primeiros clubes profissionais que levavam o nome de cidades, como Qi Yun She ou Yuan She. Amadores que tentavam entrar nos clubes precisavam pagar uma taxa e escolher um profissional para ser seu tutor.

Com a chegada de uma dinastia mongol, o cuju perdeu espaço para outros esportes preferidos pela nobreza. Em meados da Dinastia Qing, sumiu do cotidiano chinês. Hoje em dia, ainda é praticado com as regras tradicionais apenas como uma tentativa de preservar sua história e valor cultural.

Já como a prática do cuju chegou ao futebol, Joseph Blatter, ex-presidente da FIFA, afirmou em um discurso que formas do esporte foram da China para o Egito, depois chegaram à Grécia e Roma. Evoluíram em outros países europeus até chegar ao Reino Unido. E então lá surgiram as regras oficiais e os campeonatos e, assim, nasceu também o esporte mais popular do mundo.

Especial Copa do Mundo

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “Cuju, o jogo chinês que deu origem ao futebol

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.