Tags:
Atlas: Lisboa, Portugal

A história do Terremoto de Lisboa de 1755

Era dia de Todos os Santos e a maioria dos moradores, nobres e plebeus, de uma das principais cidades católicas do mundo, se reuniam pela manhã em Igrejas, acendiam velas e rezavam. Às 9h30 da manhã, a terra começou a tremer. Tremeu tanto que destruiu 85% das construções de Lisboa. Como desgraça pouca é bobagem, alguns dos sobreviventes que estavam na zona portuária da cidade, assistiram espantados a água do mar recuar e alguns minutos mais tarde, ondas de 10 metros invadirem a Baixa. O tsunami não foi suficiente, porém, para apagar todo o fogo que tomou conta da cidade. O incêndio depois do terremoto de Lisboa, no dia 1º de novembro de 1755, durou cinco dias, sem ninguém para apagar as chamas.

“E agora?”

“Enterram-se os mortos e cuidam-se os vivos”

Terremoto de Lisboa - arte antiga

Não se sabe se esse diálogo realmente aconteceu, mas a fala acima é atribuída a um velho conhecido dos brasileiros, o Marquês de Pombal. Ele foi o grande responsável pela reconstrução da Lisboa que conhecemos hoje. As contas não são muito acertadas, mas a estimativa é que 30 mil pessoas morreram com a catástrofe natural. Por sorte, a família real estava fora da cidade no dia, mas o rei, Dom José I, desde então desenvolveu um pavor tão grande de ficar entre paredes que se mudou para tendas, muito chiques e luxuosas, claro, no Alto da Ajuda. Ali, mais tarde foi construído o Palácio Nacional D’Ajuda (já falei mais sobre ele em outro post).

Reconstrução Terremoto de Lisboa

Reconstrução Terremoto de Lisboa

Nesse cenário desolador, várias coisas foram feitas ao mesmo tempo. A começar, Pombal organizou um plano para a rápida recuperação da cidade: ordenou que os incêndios fosse apagados e os corpos recolhidos (muitos acabaram jogados ao mar). Com isso, Lisboa evitou uma epidemia pós-terremoto.

Leia também:

Onde ficar em Lisboa: os melhores bairros

O que fazer em Lisboa: roteiro de 3 dias

O Marquês também colocou as forças armadas nas ruas, para punir exemplarmente quem tentasse pilhar em cima da tragédia. E chamou arquitetos e engenheiros para reconstruir toda a baixa da cidade: o Marquês e o Rei decidiram que a melhor ideia era colocar tudo abaixo e reconstruir completamente a Baixa de Lisboa: no novo plano, ruas retas, largas e praças: a do Comércio e a do Rossio, além de um novo porto e cais. Em um ano, a cidade estava nova. E pronta para outra.

A parte mais genial do plano de Pombal foi que ele realmente se preocupou em construir estruturas que fossem capazes de se manter em pé no caso de outro terremoto. Foi criada então a Gaiola Pombalina e, para ter certeza que essa obra de engenharia funcionasse, ele mandou que uma tropa ficasse marchando em cima da construção: se sobrevivesse intacta, estava aprovada.

Gaiola_pombalina

A estrutura da gaiola pombalina

Para além de Portugal, o Terremoto de Lisboa também mudou o mundo, de algumas maneiras. Por exemplo, o entendimento sobre sismos, em geral. Claro que o primeiro pensamento dos portugueses era que Deus os estava castigando. Mas o século 18, inflado por ideias do Iluminismo, levou aos primeiros estudos científicos sobre a origem dos tremores, estudos esses que trouxeram o desenvolvimento da sismologia moderna.

O Marquês de Pombal mandou que os sobreviventes respondessem questionários sobre o assunto, inquirindo-os sobre o tempo do sismo e suas réplicas, os tipos de danos e coisas assim. Os resultados dessa pesquisa podem ser visto até hoje, em arquivos guardados na Torre do Tombo, em Lisboa.

E por falar em Illuminismo, o terremoto de Lisboa também inspirou reflexões e trabalhos de muitos filósofos da época, como Voltaire. E a ajuda internacional tomou formas pela primeira vez, com outros reinos europeus enviando mantimentos e dinheiro para contribuir com a reconstrução.

Hoje em dia, Lisboa não é uma cidade à prova de terremotos como sonhou Pombal. Na verdade, está longe disso. Somente em 1959 o governo criou uma lei obrigando os prédios fossem construídos na cidade a serem antissismos. Ou seja, muitas construções do século 19 e da metade do século 20, incluindo hospitais e escolas, desabariam no caso de um novo terremoto de tal magnitude (não disse antes, mas estima-se algo entre 8,5 e 9 na escala Richter). E vários especialistas acham que tal catástrofe natural tem muitas chances de acontecer novamente e, se tudo continuar como está, há um risco de 17 a 27 mil pessoas morrerem.

Terremoto de Lisboa: resquícios hoje

Boa parte da história que eu contei nesse post, eu aprendi na visita ao Lisboa Story Centre, onde eles exibem um filme encenado de como foi o terremoto, além de ter algumas salas de exposição a respeito da reconstrução da cidade. Quem quiser uma vista panorâmica da Baixa Pombalina, que sobreviveu firme e forte, basta subir os Arcos da Rua Augusta. O ingresso combinado para as duas atrações custa 8 euros.

Você também pode comprar o Lisboa Card, que dá entrada gratuita para as atrações da Praça do Comércio, acesso ao transporte público da cidade e outras 25 atrações e museus da cidade.

Lisboa_-_Baixa_Pombalina_-_Rua_de_Santa_Justa

Foto: Concierge.2C – CC BY-SA 3.0

Por um acaso, o passeio que eu fiz em seguida também teve ligação com o Terremoto de Lisboa: o Museu Arqueológico do Convento do Carmo. Para quem não sabe, o Convento era uma igreja monumental e riquíssima, construída no século 14, e destruída com a catástrofe.

Convento do Carmo em Lisboa

Foto: BK59 – CC BY 2.0

As ruínas são tão impressionantes que eu até me senti um pouco mal imaginando tudo o que aconteceu ali em 1755. É um passeio que vale a pena para quem curte história.

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.

Clube Grandes Viajantes

Esse texto faz parte do material elaborado para o Clube Grandes Viajantes, criado para você que é apaixonado por viagens, mas também por leitura e história, que são as melhores formas de viajar sem sair de casa.

O Clube de Assinaturas é uma forma de financiamento coletivo recorrente. Ou seja, você ajuda a gente a continuar produzindo conteúdo de qualidade com um pequeno valor por mês, e, em troca, receberá uma série de benefícios especiais. Temos duas faixas de contribuição, que começam com a partir de 9 reais. Clique aqui e faça parte já!

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

18 comentários sobre o texto “A história do Terremoto de Lisboa de 1755

  1. Lendo um livro antigo sobre a filha de Tiradentes, ela cita este terremoto numa conversa na fazenda dos Tucanos onde se escondia com sua mãe após a prisão e morte de seu pai.
    Na busca de mais informações encontrei seu texto e gostei muito porque desconhecia inteiramente este fato histórico de Portugal. Agora você será minha fonte de informações principalmente porque adoro viajar e me informar sobre tudo. Abs.
    Zélia

  2. Estou tentando descobrir, se no final da década de 1950 e começo de 1960, foi feito um filme sobre essa catástrofe que se abateu em 1755 sobre Lisboa. Sei que foram escritos vários livros sobre o tema e um deles chamou-me à atenção com o nome “O Último Dia do Mundo”, mas publicado em 2011 e não faz referência nenhuma, à algum filme feito naquelas décadas. Agradeço se puder dar alguma informação, com respeito à essa dúvida.

  3. quando andava na quarta classe,era uns dos trabalhos para casa era a historia do terramoto de Lisboa em 1755.Sim foi mesmo completamente destruido por ondas gigantes e tremor da terra.Foi o Marques Pombal como responsavel mandou reconstruir a cidade de lisboa. Ainda nao vi Portugal mas esta historia foi mesmo no livro da quarta classe. Mas ja muito tempo ainda nao anonteceu de novo mas pode acontecer de novo a qualquer momento.

    venancio Moniz, Timor Leste.

  4. Com certeza essa tragédia essa foi uma grande tragédia. Terrível também para os lugares que Portugal colonizava – inclusive o atual Brasil. O Marques de Pombal tinha um lado muito prático – as riquezas retiradas daqui.

  5. Belo artigo. Tudo que remete os Brasileiros a melhor conhecer Portugal vale a pena. Só uma ressalva: o Rei de Portugal não era D. João V, mas seu filho Dom José.

  6. Realmente é uma lástima que os brasileiros saibam tão pouco da História de Portugal. Sou português de nascimento (Porto), mas estou no Brasil desde 1958. O pior nem é desconhecer a História de Portugal é desconhecer a própria História do Brasil que é tão linda e de uma certa forma na parte da independência muito parecida com a do próprio Portugal.

  7. Luiza eu estou ficando cada dia mais encantada com Portugal através dos seus textos.
    Vou ter que conhecer Portugal,a Turquia(The Four Lads-Istanbul) e talvez a Grécia.Três países historicamente tentadores, História é otimo.
    Além dos Estados Unidos,né!
    Vocês blogueiros são danadinhos,ficam colocando sonhos na cabeça do povo!!

    Um abraço!!

  8. Eu também fiquei bastante impressionada com a história desse terremoto quando fiz o tour por Lisboa no ano passado (ainda mais assustador é pensar que pode acontecer de novo a qualquer momento). O que teria sido da cidade se não fosse o lado prático do Marques, não é?
    Por falar nisso, esse Convento é lindo! Eu quis tanto entrar… mas ele estava em reforma e não era permitido. Fica pra próxima tb!
    Parabéns pelo post, Luiza!
    Bjs!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.