fbpx
Tags:
Atlas: Arequipa, Peru

A vida nas pedreiras e a Rota do Sillar, no Peru

Cerca de 500 homens ganham a vida nas pedreiras ao redor de Arequipa, segunda maior cidade do Peru. Vida que não é fácil, mas que já é assim há gerações. Fundada pelos espanhóis, em 1540, Arequipa logo ganhou um apelido: cidade branca.

Duas versões explicam o título, disse Alonso, o guia que nos acompanhou pela visita a uma das pedreiras. A primeira é obvia, já que Arequipa era a cidade europeia no meio de um mundo inca. Mas é a segunda explicação, que não tem nada a ver com a cor da pele de seus primeiros moradores, que se tornou popular. Erguida num vale e cercada por três vulcões e com apenas um deles considerado extinto, Arequipa é cheia de construções de um tipo de pedra branca, o sillar, de origem vulcânica.

Pedreiras e Rota do Sillar em Arequipa

Essa foi a pedra utilizada na construção da Praça de Armas, que tem a fama de ser a mais bonita do Peru – certamente é a mais bela que eu conheci. O sillar também é a base do Monastério de Santa Catalina, quase tão antigo como a cidade e que se converteu num dos mais importantes pontos turísticos do Centro Histórico, declarado Patrimônio Mundial da Unesco. Embora a pedra exista em outras regiões do planeta, como em Civita di Bagnoregio, na Itália, somente em Arequipa o sillar foi usado na construção de casas, pontes, igrejas e outros prédios.

O que fazer em Arequipa, no Peru

Centro Histórico de Arequipa

E é usado até hoje, como bem sabem as cinco centenas de homens que trabalham nas 17 pedreiras de sillar ativas da região, que funcionam no esquema de cooperativas. A técnica de trabalho passa longe de ser simples. Primeiro o cortador seleciona o bloco de pedra que será retirado. Após eliminar os resíduos superficiais, ele faz a preparação para remover o enorme bloco, serviço que leva um dia inteiro. Com a pedra no chão, é hora de cortar sillares.

Pedreiras de Arequipa, Peru

A pedra é marcada e são inseridas cunhas, ferramentas de metal que ajudam a fender o bloco. Marteladas no lugar certo e pronto: o bloco se parte. Em seguida ele é medido, deixado do tamanho correto (30 centímetros de largura e 60 de comprimento, mais ou menos), as arestas são cortadas e o sillar, é, enfim, empilhado. Está pronto pra venda. 

Segundo uma reportagem do Correo Arequipa, um trabalhador pode ganhar até 800 soles por mês (cerca de R$ 1000, na cotação atual), mas isso depende da quantidade de sillares que ele consegue cortar. Os melhores garantem que fazem até 15 pedras por dia, mas muitos dos trabalhadores da pedreira são idosos e dificilmente conseguem cortar mais de três pedras diárias. Cada sillar é vendido por apenas cinco soles. Há o passo a passo para fazer o sillar, ilustrado com fotos, aqui.

Em 2014, a técnica de trabalho nas pedreiras de sillar, que não mudou nos últimos 400 anos, foi declarada Patrimônio Cultural Imaterial do Peru. Para o governo, a medida ajuda a proteger e valorizar os cortadores de sillar, que estão nessa vida há gerações.

Havia uma tradição, passada de pai para filho, nas pedreiras de Arequipa, e não é raro encontrar trabalhadores idosos que cortam pedras vulcânicas desde a infância. “Muitos deles desejam até morrer aqui, já que a pedreira é uma parte da vida deles”, explica Beatriz Vilca, arquiteta e chefe do Projeto Ruta Turística del Sillar. Para muitos trabalhadores, essa talvez seja a última geração de suas famílias que ganharão a vida nas pedreiras.

Pedreiras em Arequipa, Peru

Junto com a transformação da técnica em Patrimônio Cultural Imaterial do Peru, foi criado um roteiro turístico. Várias agências de turismo de Arequipa levam turistas às pedreiras ao redor da cidade, onde é possível conhecer o trabalho, testar marteladas em blocos de pedra vulcânica e até se voluntariar por um dia.

Além de aumentar a autoestima dos trabalhadores, que se tornaram mais falantes (“lamento pelo jogo”, brincou um cortador, sobre a derrota do Brasil para o Peru, na Copa América), a iniciativa tem retorno financeiro – já que é cobrada uma taxa de entrada nas pedreiras – e na qualidade de vida dos trabalhadores. O projeto também ajudou os cortadores a diversificar os trabalhos com as pedras, aumentando a renda.

A Ruta do Sillar fica a apenas 20 minutos do centro de Arequipa, entre os distritos de Cerro Colorado, Yura e Uchumayo. Além de conhecer o trabalho dos cortadores, é possível visitar partes intocadas das pedreiras, onde há pinturas rupestres, e observar o trabalho dos artistas do sillar, que esculpiram uma réplica da fachada da Iglesia de la Compañía, cartão-postal de Arequipa, em meio aos cânions. 

Pedreiras de Arequipa, no Peru

Confesso que não esperava muito desse passeio, mas saí interessado na história de vida dos mestres do sillar. E mesmo que ver de perto o dia a dia numa pedreira não pareça interessante para você, ficando de fora do roteiro, pelo menos conhecer essa história já mudará a forma como você verá as construções de Arequipa, uma cidade marcada pela presença de vulcões.

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países e indispensável em qualquer viagem. Não fique desprotegido no Peru. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício com nosso código de desconto.

*O 360meridianos viajou ao Peru a convite do Submarino Viagens e da PromPerú. 

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.