Tags:

Porto Alegre e o primeiro serial killer do Brasil

José Ramos era um cara popular. Ex-policial, o Zé era conhecido em Porto Alegre por outra atividade: seu açougue, que ficava no centro da cidade, na época com apenas 20 mil habitantes. POA vivia seus tempos de vila, na segunda metade do século 19. Apesar de ser uma cidade pequena, aquele foi uma período agitado. Época de guerras, confrontos políticos, rebeliões e, claro, um pouquinho de canibalismo involuntário.

Canibalismo que começou no açougue do Zé, famoso por fazer linguiças de ótima qualidade, produtos que tinham um gostinho especial, um ingrediente secreto. Carne humana.

Mas não vamos passar com o carro na frente dos bois – bora falar um pouco mais de Porto Alegre. Imagine uma cidade com algumas dezenas de ruas, todas elas com nomes simpáticos e descritivos, tipo Rua do Poço, Rua da Praia, Rua da Ladeira e Rua da Ponte. Acrescente no cenário a iluminação da época – os fedorentos lampiões de óleo de baleia.  Pronto, acho que já deu para você imaginar um cenário sombrio e relativamente pacato, típico de uma cidade onde todo mundo conhecia todo mundo (e adorava falar da vida dos outros).

Antigo_mercado_público_de_Porto_Alegre

Porto Alegre em 1865 (Foto: Luigi Terragno)

Foi nessa POA que o Zé morou. E matou. Depois de mais de um século desde aqueles acontecimentos macabros, é claro que muitas partes dessa história se perderam. E outras tantas foram acrescentadas aos poucos, pelas bocas de incontáveis fofoqueiros, que adoravam dar detalhes cada vez mais inacreditáveis ao relato. É por isso que não se sabe ao certo quais partes dessa história são verdadeiras e quais são fruto da imaginação coletiva.

Mas uma coisa é fato: o Zé foi preso e julgado pelo assassinato de pelo menos seis pessoas, quase todos descendentes de alemães (era a época da imigração). Um deles era o antigo dono do açougue do Zé, que tinha espalhado pros vizinhos a história de que o alemão tinha vendido o açougue e retornado para a Europa. Na real, o cara tinha sido é vendido no açougue.

Segundo as histórias contadas nas ruas, relatadas no livro “O Maior Crime da Terra“, de Décio Freitas, o Zé tinha uma cúmplice: sua companheira, a húngara Catarina. Era a promessa de uma noite quente com Catarina que levava as vítimas até a casa do Zé, na Rua do Arvoredo. Uma vez lá, a vítima levava uma pancada na cabeça e virava linguiça.

A polícia só descobriu o caso quando sumiram um comerciante, seu ajudante de 16 anos e o cachorrinho do rapaz. Os ossos dos três foram encontrados na casa do Zé, assim como um monte de objetos que não eram dele e nem de Catarina. O que sobrou do Carl Gottlieb Claussner, antigo dono do açougue, também foi encontrado lá. O detalhe é que ele tinha sido comparsa do Zé durante um bom tempo, ajudando na matança e, dizem alguns, o dono da brilhante ideia de usar a carne das vítimas para fazer linguiça (e assim eliminar provas).

imagens antigas de porto alegre

POA já no começo do século 20 (Foto: autor desconhecido)

Quem deu os detalhes macabros da história foi a Catarina, que contou para a polícia todo o modus operandi para transformar gente em linguiça. A polícia não gostou da história. Apesar de uma série de crimes estar finalmente resolvida, o principal culpado era um ex-policial, alguém que tinha relações com o chefe de Polícia e que costumava fazer uns bicos na delegacia.

Talvez isso explique a rapidez com que o processo foi julgado. E como o Zé escapou da pena de morte, ao ser julgado só por latrocínio. Segundo algumas versões, é por conta disso que as páginas do processo que relatavam a questão das linguiças desapareceram. Mas nada impediu que a história tomasse conta das ruas, para o horror de 20 mil porto-alegrenses, gente que tinha comido gente sem saber.

O Zé morreu em 1893, de lepra. E sem confessar nada. Catarina, a X-9 do esquema da linguiça, tinha morrido dois anos antes. Porto Alegre cresceu – hoje a Rua do Arvoredo não existe mais, pelo menos não com esse nome: virou Rua Coronel Fernando Machado. Eu passei por lá, durante minhas andanças pelo centro da cidade. Nem faria ideia dessa história se não tivesse lido algo sobre o assunto na descrição do tour gratuito que ocorre em POA todos os sábados.

Como dito antes, é difícil saber quais partes dessa história podem ser consideradas lenda urbana e quais são verdadeiras. Mas, francamente, isso não faz diferença: os crimes da rua do arvoredo passaram a fazer parte da cultura e história de POA.


Compartilhe!






Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

24 comentários sobre o texto “Porto Alegre e o primeiro serial killer do Brasil

  1. Parabéns meu amigo historia bem investigada e muito bem mencionada e relembrada por você
    meu irmão trabalha na rua FERNANDO MACHADO a atual rua que foi cometido as
    barbaries e nunca acreditou quando eu contei para ele esta historia agora posso provar kkkkk

  2. Rafael…tu é ótimo com as palavras essa historia daria um filme, alias…acho que tu poderia fazer roteiro de filme…meus parabéns. Abraço.

  3. Lembrei de minha infância em cidade pequena. Ficávamos a noite contando histórias de Terror para assustar as pessoas.Em toda cidade pequena tem histórias ou lendas assim. Infelizmente algumas são verdades. Gostei da dinâmica da Escrita.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.