4 pints, 5 fantasmas e a história milenar do pub inglês

A minha reportagem investigativa contava com um mapa e um plano: eu havia selecionado 5 dos pubs mais antigos de Liverpool, no norte da Inglaterra, e, entre uma pint e outra, iria tentar conhecer a história e as curiosidades desses bares tradicionais.

Tive que parar no quarto pub, antes de uma intoxicação alcoólica.

A palavra pub é reconhecida mundialmente. Todo mundo sabe que são esses bares típicos da Grã-Bretanha e da Irlanda, mas pouca gente conhece suas origens. Então, no melhor estilo pubcrawl, eu contarei essa história para vocês, em meio a boas cervejas e alguns fantasmas.

The Roscoe Head

roscoe head public house em liverpool

Nós entramos no Roscoe Head por volta das 14h e o pequeno pub, que conta com duas salas e uma snug, estava cheio. Eu não sabia o que era uma snug, mas estava disposta a investigar. 

O Roscoe Head é um dos pubs históricos mais importantes da cidade, de 1870, e que está há 45 anos ininterruptos em todas as edições do Guia da Boa Cerveja. O pub é comandado pela mesma família há 30 anos e seu nome é uma homenagem a Willian Roscoe, que liderou campanhas contra o tráfico de escravos.

A atmosfera de um pub inglês

Pubs são espaços de confraternização e provavelmente cada inglês tem um pub afetivo para chamar de seu. Segundo a Larousse da Cerveja, a atmosfera de um pub deve transmitir intimidade, aconchego e privacidade ao estilo britânico. Não é à toa que a maioria deles tem uma decoração parecida, com bastante madeira e uma sequência de torneiras de chope e janelas escuras, que preservam a intimidade do local.

Claramente, o Roscoe Head é o pub afetivo de muitos senhores, bebedores acima dos 60 anos, coisa que faz parte do seu charme. A salinha para onde levamos nossos pints – o nome da unidade de medida típica para cervejas e que tem exatamente 568 ml – contava com uma enorme lareira, dois grandes sofás e mesas de madeira circulares. Ali já se encontravam dois cavalheiros perfeitamente ingleses, com seus ternos, jornais e conversa com aquele sotaque que parece saído de um filme de época. 

sala de um pub ingles

“Um bom pub tem muito a ver com uma igreja, exceto pelo fato de que o pub é mais aconchegante e tem mais conversa” Willian Blake, poeta e pintor inglês

O snug (palavra que significa aconchego) é um local privativo, com acesso ao bar, mas fechado por uma porta de vidro. Pouquíssimos pubs ainda contam com o espaço. Antigamente, a cerveja no snug era mais cara, afinal ninguém podia entrar e ver os bebedores. Não apenas para ricos, mas também para os próprios donos dos bares e para mulheres que queriam beber sem chocar a sociedade: até 1980 ainda existiam pubs que não permitiam o acesso das mulheres aos bares.

snug num pub ingles

Eu abri, com toda minha discrição, a porta de vidro do snug no Roscoe Head. Logo atrás de mim veio um dos clientes que estavam bebendo lá e que tinha ido ao banheiro. Ele fez uma piada comigo, que eu não entendi por conta do sotaque carregado. Mas rimos juntos enquanto eu saia e seguia para o bar seguinte.

Peter Kavanagh’s

Peters Kavanaghs pub em liverpool

Quem passa pela rua do Peter Kavanagh’s, que tem esse nome graças a um político local, deve achar que o lugar está fechado. Pelo menos foi o que pensamos quando chegamos na porta. Isso tem a ver com essa ideia antiga de que um pub deve manter a sua atmosfera interior protegida. E que atmosfera tem o Kavanagh’s. 

O pub, de 1897, é uma coleção de memorabilia e um monde de coisas estranhas juntas. Conta com o bar, um salão grande, um pequeno e dois snugs. É repleto de bicicletas, rádios, máscaras, figurinhas e tem até uma vassoura de bruxa pendurada no teto. 

cask ales pub ingles

PK, como é chamado pelos íntimos, foi eleito pub do ano de 2019 pela CAMRA (Campaign for Real Ale). Essa organização foi fundada em 1971, por quatro amigos cervejeiros, e hoje conta com quase 200 mil membros. O objetivo  era garantir que cerveja de verdade, guardada em barris e servida na pressão, fosse comercializada nos pubs. Eles conseguiram vitórias importantes, como mais de 11 mil variedades de “real ale” sendo produzidas no Reino Unido.

A luta para manter os pubs vivos

Mas eles seguem lutando. É que desde os anos 1980 o número de pubs só tem caído. Segundo uma matéria do The Guardian, de novembro de 2018, mais de 25% dos pubs do Reuno Unido fecharam desde 2001. Há outro dado bastante incômodo nessa estatística: enquanto o número de pubs pequenos caiu de 38.830 para 22.840, o número de pubs grandes cresceu de 13.670 para 15.975.

Uma das maiores ameaças aos pubs tradicionais, como esses que eu incluí no meu roteiro, são as grandes redes, donas de diversos pubs, todos uniformizados e sem muita personalidade. Tais cadeias, como Wetherspoon’s ou Nicholson’s, se expandem enquanto os pubs independentes fecham a uma taxa de 18 por semana.

A CAMRA tem um app, chamado “Good Beer Guide”, e um buscador, “What Pub”, onde é possível pesquisar, em todo Reino Unido, todos os pubs que vendem boa cerveja, tem uma história interessante e sobrevivem às pressões do mercado, dos impostos sobre a bebida e dos custos mais baratos dos supermercados.

Baltic Fleet

http://mentalfloss.com/article/71131/why-do-british-pubs-have-illustrated-signs-outside

Cheguei no Baltic Fleet a procura de outra coisa que não cerveja. O pub garante no seu site que conta com três fantasmas residentes. O espaço, que fica na região das docas de Liverpool, diz atender a bebuns e a marinheiros desde meados de 1800. Além disso, no porão ficam dois túneis secretos: um leva até as docas e o outro até o antigo distrito de prostituição.

Do lado de fora, uma casinha histórica em contraste com os prédios mais modernos e grandiosos. Mas dentro do pub o ambiente é simples. Ao contrário dos outros, não manteve a decoração histórica e tem o objetivo de lembrar temas náuticos. É um pub bem menos intimista, muito aberto, mas isso tem a ver com sua história. É que originalmente tinha muitas portas, para permitir que seus clientes pudessem fugir de gangues e da polícia.

baltic fleet selecao de ales

Apesar do ambiente não ser tão histórico como os demais, o Baltic Fleet mantém viva uma as grandes instituições dos pubs ingleses: a plaquinha desenhada na entrada, indicando o nome do estabelecimento.

A história das fachadas desenhadas

Essa é uma norma para pubs que surgiu em 1393, quando o Rei Ricardo II tornou obrigatório o uso do seu emblema, um coração branco, para que os inspetores oficiais de cerveja pudessem averiguar a qualidade das ales. Inclusive, segundo o site MentalFloss, o pai de Shakespeare era um desses funcionários da coroa.

Além disso, as placas não eram só um sinal da licença para operar, mas também passaram a se diversificar para refletir o nome do estabelecimento e para permitir distingui-lo de outros. A Larousse da Cerveja lembra que praticamente ninguém da Inglaterra na Idade Média sabia ler, então o uso de desenhos e simbologia nas placas, ao invés de letras, era a regra.

As placas dos pubs também variavam de acordo com as mudanças da vida no país. Por exemplo, quando o rei Henrique VIII rompeu com a igreja católica e fundou sua própria religião, no início dos anos 1500, os nomes dos pubs pararam de usar símbolos religiosos e começaram a utilizar imagens que remetiam à realeza. Quando o rei James I conquistou o reino da Inglaterra e da Escócia, em 1603, ele mandou que o leão vermelho, que era um dos emblemas da Escócia, marcasse todos os prédios importantes do país, o que incluía os pubs. Não é à toa que os dois nomes mais comuns de pubs até hoje no Reino Unido são “The Crown” (A Coroa) e “The Red Lion” (O Leão Vermelho).

Hoje em dia nenhuma dessas coisas é obrigatória, mas continuam sendo tradições e, claro, uma forma de diferenciação dos pubs. O simbolismo faz parte da história desses espaços.

news of the world noticia titanic afundou

Quanto ao Baltic Fleet, eu não encontrei nenhum fantasma, mas fiquei bastante satisfeita com os quadros na parede com as notícias de jornais de 1912, que relatavam como um navio que havia partido de Liverpool tinha afundado em direção à Nova York. Sabe qual? O Titanic.

Ye Hole in Ye Wall

fachada e placa de um pub ingles

Eis que chegamos ao pub mais antigo de Liverpool. Fundado em 1726, o Hole in Ye Wall fica mais no centro da zona turística e confesso que, a essa altura, eu já estava meio bêbada. Mas reparei bem nas janelas de vidro escuro, lindas, mesas de madeira e ambientes intimistas. 

Como ele foi construído em cima de um antigo cemitério, a adega de cerveja fica no andar de cima. Com isso, o pub também promete a presença de pelo menos dois fantasmas residentes. Não cheguei a conhecê-los.

interior de um pub historico

O pub inglês mais antigo ainda em operação, segundo o Guinness, é o Ye Olde Fighting Cocks, que fica em St. Albans e teria sido fundado em 795. Mas a verdade é que a produção e a venda de cervejas, as ales, e os espaços confraternização em torno dela, são mais antigos do que isso.

tradicional pub ingles

A história milenar dos pubs

As tavernas e pousadas (inns) têm origem romana, o lugar onde era vendido vinho e comida, e onde os mercadores e viajantes paravam para dormir e comer. Começaram a surgir no Reino Unido com a chegada dos Romanos, no século 1, e a construção das estradas.

No século 5, época das invasões bárbaras dos saxões, a produção de cerveja era doméstica, feita pela alewives (donas-de-casa da cerveja) e vendidas em alehouses. 

Esses locais foram evoluindo como um espaço social, onde as pessoas se encontravam. E daí acabou vindo o nome Public House, ou seu apelido, o amado pub.

*Crédito imagens destacadas e slide: Shutterstock (Stuart Monk e Shebeko)


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.