Tags:
Atlas: Cusco, Peru

Tecidos andinos: o ato de fiar é uma metáfora para o destino

No meio da Praça das Armas de Cusco, o líder indígena Tupac Amaru, que liderava uma organização inspirada nas ideias iluministas e contra o domínio espanhol na América Latina, teve seus braços e pernas amarrados com quatro cordas, e as cordas amarradas aos dorsos de quatro cavalos. Os animais começaram então a puxar, cada um em uma direção, os membros do homem que afirmava ser herdeiro dos governantes Incas e lutava pela independência de seu povo. Foi morto pouco depois, ao ter a cabeça decapitada por seu algoz que, ao se apiedar de seu sofrimento, resolveu dar o golpe de misericórdia.

A cena, que até hoje está imortalizada na história e memória coletiva do povo cusquenho, está registrada também em um pedaço de tecido exposto no Museu Histórico Regional, localizado no centro da cidade. Não fosse o pequeno cartão explicativo colocado ao lado, no entanto, talvez você nunca percebesse isso.

As cores e ilustrações dos tecidos andinos são souvenires bastante populares nos principais destinos da região. Estão em mercados de artesanato, em lojas de grife, em paradas no meio da estrada. Formam o cenário das fotos dignas de cartões-postais e são exibidas na sala de estar como troféus de viagem. Mas são muito mais que isso. Através das mãos ágeis das mulheres que descendem de povos ancestrais, eles preservam em seu entrelaçado de linhas a cosmovisão, a história e a cultura dos povos originários das montanhas sul-americanas.

Leia também:
Whipala, as cores da bandeira andina
Como é o tour pelo Vale Sagrado, em Cusco

Mulheres preparam a lã que mais tarde vai virar tecido

Mulheres preparam a lã que mais tarde vai virar tecido

A pesquisadora Claudia Mora afirma que a tecelagem está para as culturas andinas assim como a pintura está para a cultura ocidental: “Se trata de uma arte maior feita através do perfeito domínio sobre a matéria e pela profusão de desenho e cor”. Mais que uma importante atividade econômica regional, a tecelagem andina é parte da vida social e da identidade cultural das comunidades tradicionais do altiplano peruano, que há séculos usam os tecidos também para indicar a qual povo – entre Quechua ou Aymara – pertencem, estado civil, status social, entre outras coisas.

Embora não tivesse um sistema de escrita nos moldes em que conhecemos hoje, o povo Quechua, que habitava as terras de domínio do Império Inca, desenvolveu outras formas de registro. O Quipo, um conjunto de cordões, era utilizado para informar dados de colheitas e transmitir mensagens com base no número de nós, na posição deles e nas cores dos cordões.

Já as lendas, passagens históricas, relatos do dia a dia e crenças se tornavam imagens impressas nos tecidos, utilizando-se de técnicas únicas de tecelagem que passaram de geração em geração e sobrevivem até hoje. Com nomes como Mayu Qenqo (rio sinuoso) ou Pumac Makin (pegadas de puma), cada estampa nos tecidos andinos é uma expressão cultural muito mais complexa que o simples agrado estético.

TEJIDO ANDINO from AdemasArteDigital on Vimeo.

Aos 17 anos, Adriana conta que tece “desde muy niña”. Aprendeu observando a mãe e a avó. Costuma dedicar algumas horas do dia à atividade e vende seu trabalho na beira da estrada que leva ao sítio arqueológico de Puca Pucara, nos arredores de Cusco. O dinheiro que ganha ali ajuda no sustento familiar. Seus dedos ágeis que entrelaçam os fios no tear de cintura, que ela carrega sempre para “pasar el tiempo”, seguem os mesmos movimentos de seus antepassados.

De acordo com a tradição, foi Mama Ocllo, esposa do primeiro imperador Inca, que ensinou às mulheres o poder de unir e desenhar com os fios. Para eles, o ato de fiar é uma metáfora para o destino, o ritmo da vida e da morte e a relação sistêmica entre tudo o que existe. O entrelaçar das partes forma o inteiro.

A antropologia diz que a invenção da trama tecida é a organização mais antiga e a mais universal, pois se apresenta em todas as civilizações e grupos sociais do mundo, inclusive nas culturas e etnias mais primitivas que já existiram ou ainda existem.

A magia dos tecidos, Luis Pellegrini

Arte dos tecidos andinos em risco

Apesar de cada vez mais rara, a técnica de tecelagem artesanal ainda faz parte das diversas comunidades indígenas que habitam a zona rural do Vale Sagrado dos Incas, nos arredores de Cusco. Por ali, o dia começa cedo. Enquanto os homens cuidam das plantações e do comércio dos produtos agrícolas, as mulheres se dedicam às tarefas domésticas e criação de animais, em especial das alpacas e llamas, das quais extraem a lã que será matéria-prima dos tecidos.

Tecidos Andinos

A crescente demanda turística por esse material, no entanto, acaba por colocar em risco as técnicas milenares de fabricação dos tecidos. Para acelerar a produção e abastecer os mercados e lojas de artesanato, muitas vezes as produtoras se vêem obrigadas a recorrer a processos e materiais distintos: as tintas, que eram feitas a partir de sementes e plantas, começam a ser substituídas por produtos industrializados.

Os teares manuais perdem espaço para os automáticos e os tecidos encontrados à venda apresentam estampas cada vez mais simples e padronizadas, o que ameaça a riqueza e importância desse tipo de manifestação cultural: “Cada estilo nos ajuda a reconstruir uma cultura que resiste em desaparecer e dá um testemunho de mundo diferente do ocidental”, afirma Claudia Mora.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei de casa a Cidade do Cabo, Chandigarh, Buenos Aires e Barcelona, mas acabo sempre voltando pra minha querida BH. Gosto de literatura, cervejas, música e artigos de papelaria, mas minha grande paixão é contar histórias. Por isso, desde 2011 viajo o mundo e escrevo sobre o que vi. Também estou no blog sobre escrita criativa Oxford Comma e compartilho minhas impressões de mundo também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4 comentários sobre o texto “Tecidos andinos: o ato de fiar é uma metáfora para o destino

    1. Parabéns Natália por esta partilha complementada pelo audio-visual. A imagética transcendente para superar a lei da morte(olvido) quase subliminar mas tão necessária á sobrevivência. Bem hajam por ajudar a “olhar e não ver”.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.