Os últimos falantes do Boruca, na Costa Rica

A estrada que corre paralela ao pacífico e cruza todo o território da Costa Rica divide ao meio o pequeno povoado de Rey Curré como uma enorme cicatriz. Por ali passam, todos os dias, dezenas de caminhões que transportam mercadorias entre as Américas, ônibus que levam turistas e moradores a cidades vizinhas e carros particulares que interrompem o silêncio na pacata cidadezinha de ruas de terra.

Os moradores dali são unânimes em dizer que o caminho de asfalto foi um golpe direto no coração do idioma que, por séculos, foi a forma primária de expressão do povo Boruca. “Pela estrada entra tudo que é estrangeiro, coisas que aqui não conhecíamos, sem perguntar se as queremos ou não. Diria que ela foi 80% responsável pelo deterioro do Brunkajk”, conta Melvin González, conhecido por ali como Camel. A perda restante ele atribui ao sistema educativo, que há décadas falha em ensinar ao povo sua própria língua:  “A educação se encarregou de matar-nos. E não faz tanto tempo, foi de 50, 60 anos pra cá que o idioma sofreu seu maior declínio. Que você tenha duas horas de inglês e francês na escola e apenas meia hora do seu próprio idioma, é algo que não está certo”.  

Hoje, o número de falantes fluentes em Rey Curré pode ser contado nos dedos e se restringe aos anciãos do povoado. Melvin conta que mesmo ele encontra alguma dificuldade em se expressar em sua língua: “Meu pai e minha mãe me ensinaram o que sabiam, e aprendi muito ao participar na organização das festas e tradições, mas não falo 100% como falavam meus avós. Muitas palavras já se perderam. Eu já não as sei e tampouco sabe a geração anterior”.

idioma boruca

O artista Saúl Morales, que vive a vinte minutos da comunidade de Rey Curré pela mesma estrada, compartilha da visão de que a educação é uma grande vilã na cultura indígena: “Há coisas que os jovens da minha idade nunca viram por causa do sistema educativo indígena. Não tivemos uma formação dentro da cosmovisão boruca. Estamos aprendendo. Mas para isso é preciso uma mudança de consciência que não ocorre da noite para o dia”. Ele é um dos poucos que ainda dominam de forma fluida o idioma. E há 11 anos pesquisa as questões políticas que envolvem seu uso e a preservação, assim como a autonomia das populações indígenas. “Agora estou envolvido em um trabalho de modernizar a língua para o uso contemporâneo, pois há muitas palavras que precisamos hoje que não existiam no idioma”, conta.

Ambos acreditam que o fortalecimento das tradições locais e da cosmovisão é importante para salvar o que ainda resta vivo do idioma. Melvin é integrante do Comitê de Organização das Tradições de Boruca, onde vive. O povoado é outro refúgio dessa população indígena que está a 5 km de Rey Curré. “Dentro do vocabulário boruca, temos palavras relativas às nossas tradições que não existem em espanhol. São conceitos que só se podem expressar em Brunkajk”, explica.

Quando o encontramos, ele visitava Rey Curré para ver de perto o Jogo dos Diablitos, ou Cagrúroj, uma das manifestações culturais mais populares dali. Durante três dias, indígenas boruca de todas as idades vestem suas máscaras tradicionais confeccionadas para o evento e participam de um jogo cujo objetivo é matar o touro, que simboliza o colonizador espanhol. Quando jogam, eles abandonam sua identidade para incorporar o espírito do indígena empoderado, que se levanta para derrotar o opressor e resiste a seus golpes.

Jogo dos Diablitos, festa Boruca em Rey Curré

Por muitos anos, tanto a festa quanto a arte da produção das máscaras artesanais estiveram a ponto de desaparecer, mas ganharam força nas últimas duas décadas, com o renascimento do interesse pela cultura local e do orgulho de ser boruca. “Hoje as crianças já te cumprimentam em boruca, sem que ninguém tenha que pedir. Nas festas de fim de ano, muita gente quer usar a língua, mas esbarram na dificuldade de não saber falar bem”, explica Melvin, quando perguntado sobre os sinais de que a língua passa por um momento de renascimento.

Para ele, a particularidade cultural de agarrar conceitos estrangeiros e moldá-los de acordo com a sua cultura é um ponto a favor do fortalecimento da língua.  “O idioma ainda existe, assim como nossas tradições. O touro da festa dos diablitos deixa de ser um touro e se transforma, para nós, em um espírito. Esse ano, proibimos de chamar o touro dessa forma, só podemos nos referir a ele em nosso próprio idioma. E assim já é uma palavra a mais que a gente resgata”, afirma.

Durante a festa, o touro chega a matar os guerreiros, que ressuscitam no último dia antes de dar o golpe final contra o invasor estrangeiro. Que essa seja a metáfora perfeita para a história da língua boruca.

Texto publicado originalmente no Proyecto Wakaya. Você pode ler todos os artigos sobre essa viagem pelas línguas originárias da América Latina aqui

Proyecto Wakaya

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.