As carreiras para quem quer ser um nômade digital

As carreiras para quem quer ser um nômade digital

Trabalhar de qualquer lugar, seja numa praia paradisíaca ou numa vila perdida no alto de uma montanha. A internet fez muito mais do que mudar a forma como nos comunicamos. Hoje, é possível viver de maneira completamente diferente também a vida offline. Não é mais preciso ficar preso ao escritório, seis dias por semana, oito horas por dia. Dá para ser um nômade digital e trabalhar viajando.

Se você acompanha o 360meridianos, já sabe que desde meados de 2013 nós aderimos a esse estilo de vida. Largamos empregos fixos e hoje temos liberdade para ganhar dinheiro de qualquer lugar do mundo. Desde então, já passamos por vários países da Europa e alguns estados brasileiros.

estrada, Nova Zelândia

Tudo isso é muito bom, mas fica a pergunta mais complicada: como? Em outras palavras, saber que algumas pessoas conseguem viver o sonho é encorajador, mas como eu posso fazer o mesmo? Quais áreas profissionais facilitam que alguém seja um nômade digital?

Muitas, caro leitor. Neste texto nós listamos cinco delas, mas temos certeza que existem várias outras. O ponto central é usar a tecnologia a seu favor – para ser um nômade digital você precisa trabalhar com ou na internet. Sempre foi possível trabalhar viajando de forma offline, ao procurar emprego no comércio local, por exemplo. O problema é que muitos países consideram isso ilegal ou exigem um visto específico para essa atividade.

Como um nômade digital, você não trabalha realmente no exterior, mas no mundo da internet e para brasileiros. Então, se nenhuma das carreiras listadas abaixo te interessar, pense se você consegue trabalhar com alguma coisa somente online. Quando você achar essa reposta, terá encontrado a chave para se tornar um nômade digital.

Produza conteúdo

Nomades digitais

É isso que nós fazemos. Formados em Comunicação Social, já estávamos acostumados a produzir conteúdo para empresas da área. Escrever textos, produzir vídeos, gerenciar mídias sociais, fazer (e vender) fotos… tudo isso pode ser feito online. Se você é jornalista ou já tem experiência na área, então o próximo passo é procurar empresas dispostas a te pagar pelo serviço de freelancer.  Faça uma lista com todas as companhias do setor. Entre em contato. Mande dezenas de e-mails com propostas de conteúdo. Acima de tudo, seja paciente e persistente.

Mas note que você não precisa ser formado em jornalismo para ganhar dinheiro com conteúdo. Você escreve bem? Faz isso em mais de um idioma? A internet está cheia de empresas dispostas a pagar por seus serviços – basta procurar. Também é interessante ter um portfólio para mostrar, algo que convença a seu chefe em potencial que vale a pena te contratar de forma remota. Criar um site pessoal e tratá-lo de forma profissional é o primeiro passo para ser respeitado (e requisitado) como um produtor de conteúdo.

Nessa área, podem trabalhar jornalistas, blogueiros, fotógrafos, videomakers, tradutores, escritores… Existe até quem procure por ghostwriters, ou seja, alguém para escrever conteúdo que é assinado por outra pessoa. A beleza da internet é que a era do mediador acabou. Quer escrever um livro? É possível fazer tudo por conta própria e depois vender online. Quer ser lido? Você não precisa mais trabalhar para um grande veículo de comunicação. Na internet, quem se esforça e mostra conteúdo relevante acaba sendo recompensando, inclusive financeiramente.

Crie e gerencie sites

Se produzir conteúdo não é o seu forte, que tal desenvolver as plataformas onde o conteúdo fica disponível online? Web designers, programadores, analistas de seo, enfim, gente que domina computadores pode facilmente cair na vida nômade. Um exemplo interessante é o do casal do blog Never Ending Voyage, que há quatro anos resolveu largar tudo para embarcar numa viagem sem data para acabar.

Vista das montanhas em Pokhara - Nepal

Pokhara, Nepal

Um deles trabalha como web designer. Detalhe: embora ele já fosse muito bom em informática antes de encarar a vida nômade, a opção de fazer um curso e começar a trabalhar na área foi tomada com o objetivo claro de viver na estrada. Aqui fica um ponto muito importante para quem acha que a profissão não combina com o nomadismo, mas sonha em ter esse estilo de vida – faça cursos, capacitações, mude o cenário ao seu redor. Mesmo que demore um pouco, mais cedo ou mais tarde você vai conseguir cair na estrada.

Outro exemplo é o casal do blog Vangabonds, que cruza as Américas de carro! Como se isso fosse pouco, eles ainda levam dois cachorros – Maya e Olmec – que são companhias de todas as aventuras. Junto com a família vão também dois escritórios itinerantes, um de web desiner e outro de marketing.

Venda produtos

Já se foi o tempo em que comerciante precisava necessariamente ter uma loja física. Só no Brasil, o e-commerce movimenta quase 30 bilhões de reais, isso segundo a e-bit, empresa especializada na área. Muita gente já prefere comprar produtos pela internet e receber tudo no conforto da casa. Vários nômades digitais usam esse método e passam a vender alguma coisa para se manterem na estrada.

Mas como vender produtos físicos se você não vai estar presente para cuidar do processo? Hoje em dia é possível entregar qualquer produto sem ter dor de cabeça. Basta aderir ao Drop Shipping.

Se você não faz ideia do que seja isso, saiba que existe até um artigo da Wikipedia explicando o assunto. É uma técnica de vendas em que o comerciante (ou seja, você) não fica com aquele montão de produtos estocados. Antes, tudo fica com um fornecedor, que depois da venda embala o produto e manda entregá-lo na casa do cliente.

Se você tem talento para vender coisas, mas faz questão de uma vida nômade, está aí a resposta: ache o produto certo para você, comece a vendê-lo e contrate uma empresa de drop shipping.

Merlion Cingapura

Cingapura

Venda seu conhecimento

Dizem que esse é seu bem mais precioso. Por isso mesmo, uma forma de garantir o salário de cada mês é vendendo conhecimento. Isso vale para um número incrível de profissionais, professores e consultores incluídos. Você é bom de inglês? Sabe dar aula? Então lembre-se que você não precisa estar no mesmo continente que seu aluno! Basta usar ferramentas como como o Skype e o Google Hangouts.

Conforme mostra uma matéria da Exame.com, existem empresas dispostas a contratar talentos das mais diversas áreas, como matemática, biologia e, claro, para dar aula de idiomas. Além disso, também é possível trabalhar ensinando português para gringos, tudo pela internet. Acredite: há demanda, sobretudo pelo PT-BR, o português que falamos aqui no Brasil. E quem melhor para fazer isso do que um nativo na língua?

Além de procurar empresas que oferecem o serviço, um caminho mais demorado (e ao mesmo tempo mais livre) é criar um site oferecendo o serviço. Com persistência, os clientes virão. E isso vale para qualquer que seja o seu conhecimento. A pergunta é: o que eu sei fazer que outros me pagariam para ensinar?

Faça o que você já faz, mas de forma remota

Responda de forma sincera: sua presença no escritório ou local de trabalho é realmente necessária, ou você poderia fazer tudo de forma remota, usando o Skype para se comunicar com o Brasil? Em muitos casos a segunda opção é plenamente possível. Segundo uma pesquisa feita pela Hays, empresa internacional de recrutamento, cerca de 30% das companhias já usam esse modelo de trabalho.

Já pensou em conversar com seu chefe a respeito disso? É possível que ele não goste da ideia, mas você pode provar que a empresa teria algumas vantagens em permitir que você passasse a fazer home office. Entre elas estão a diminuição no espaço necessário para acomodar os funcionários, menos gastos com infraestrtura e – acredite se quiser – até um aumento comprovado de produtividade. É  isso mesmo, especialistas garantem que ao não ter que se deslocar para o escritório e nem passar horas no trânsito, alguns funcionários passam a produzir mais.

Se você for o empresário, e não o funcionário, a situação pode ser ainda mais simples. Um exemplo é o do Dustin Main, um canadense que percorreu todos os continentes desde 2009. Ele tem um blog de viagens e faz frilas como fotógrafo, mas a maior parte da renda dele vem de uma empresa sediada no Canadá. O segredo do cara? Delegou as funções que necessitavam da presença dele e passou a fazer todo o resto pela internet. Será que você poderia pensar em algo assim?

Qual a sua saída para virar um nômade digital?

tempos modernos

Pode ser que seja uma dessas. Pode ser que não. Saiba que os caminhos existem – basta procurar o que mais se encaixa com você. Para isso, se planeje. Trace metas. Faça planos. Lembre-se  que ser um nômade digital não é algo que surge facilmente, mas que na maioria das vezes requer um grande esforço. Mas é possível – tem um monte de gente que prova isso.

Quer saber mais? Entre no grupo de discussão sobre Nômades Digitais, no Facebook.

*Foto destacada: Steven Zwerink, Creative Commons

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

60 comentários em As carreiras para quem quer ser um nômade digital

  1. Meu sonho é ser nômade digital, porém eu não tenho qualificação nenhuma… sou funcionária pública desde os 18 anos e por isso não tenho nenhuma formação específica 🙁
    O que eu gosto mesmo é falar sobre viagens (escrevo bem) e cultura, porém nem dinheiro pra viajar eu tenho! hahaha
    Meu sonho seria montar uma agência de viagens que auxiliasse pessoas a planejar suas próprias viagens, ou algo do tipo… mas sem a experiência de ter viajado isso fica tão difícil 🙁
    Já pensei em ter uma loja em drop shipping tbm, mas não consigo pensar em nada que dê dinheiro sem ser um nicho saturado…
    Queria ter uma grande ideia pra mudar minha vida, mas tô estagnada!

  2. Oi Rafael
    adorei o seu blog. Ja tenho idade avancada mas estou aplaudindo esta nova geracao por conseguirem trabalhar e viver a vida de forma mais livre. Isso e maravilhoso.
    Vou postar aqui o link da minha nora que conseguiu mudar de carreira e trabalhar viajando. Talvez isso possa contribuir como incentivo para outras pessoas tornarem-se tambem um nomade digital.

    http://happyandhomeless.com

    • Curti o blog. Com muito conteúdo interativo para mochileiros de plantão. Continue assim….
      Eu ainda não trabalho online. Falta um gatilho entre aspas ou mesmo a coragem. Moro no Japão e trabalho 12 hrs.. aceito dicas de como ser um nômade digital.

  3. Rafael, tudo bem?

    Sou noiva e sonho do meu noivo é viajar o mundo. Confesso que nunca pensei sobre o assunto antes conhece-lo, ademais ultimamente andei pesquisando sobre o assunto e me deu uma vontade enorme de largar tudo e seguir com ele nesse sonho, porém, me sinto muito insegura de tomar uma decisão nesse sentido, pois não vejo como uma advogada possa ganhar dinheiro pela internet e morro de medo de largar o emprego e ter dificuldade no caminho. Enfim, das opções que li, achei interessante vender, sou boa vendedora, mas não faço idéia de como começar…poderia me ajudar nesse sentido? Obrigada

  4. Oi, Rafael!!!

    Parabéns pelo blog!!! Admiro vocês!!!

    Estou há um tempo querendo muito me tornar nômade, digital ou “natural” hehe Sinto uma necessidade absurda de sair no mundo (inclusive morar fora definitivamente), especialmente estar em contato com a natureza. Tenho 37 anos, não tenho filhos, por opção. Hoje tenho empresa, mas trabalho home-office. Trabalho na área de arquitetura promocional e eventos, mas não sou arquiteta. A questão é que não quero mais trabalhar com isso. Não tenho mais ressonância com esta profissão, além de que é muito estressante.
    Só que tem alguns pontos que gostaria que, se possível, você ou alguém, me desse uma LUZ!:
    1 – Tenho 3 gatinhos. Não sei como poderia ser nômade com eles. Não vou deixá-los no Brasil, de jeito nenhum.E gatos não gostam muito de mudar de casa. Logo, não sei o que fazer…

    2 – estou estudando TARÔ. Gosto muito do tema espiritualidade, me identifico muito. Pensei em trabalhar com isso. Atender via Skype. Muitos fazem isso. Só que tem muito charlatão neste mercado. Não queria ser confundida ou sofrer preconceito por isso.

    3 – comecei a cuidar mais da minha alimentação e passei a gostar de cozinhar. Devido a isso, resolvi experimentar fazer lanches saudáveis para vender por encomenda, para festas, etc. Ainda estou ensaiando as receitas, mas sei que é um mercado que está crescendo. Será que posso ser nômade fazendo isso?

    4 – amo fotografar. Mas sequer tenho câmera, só o celular mesmo hehe não tenho curso também, mas faço boas capturas. Só que sei que este mercado está bem saturado também..

    Não sei o que achas. Preciso de uma ideia! hehe Ficaria imensamente grata com sua ajuda ou de mais alguém.

    Já decidi que vou vender tudo, casa, carro e vou colocar o pé a na estrada, só nao estou encontrando o caminho certo para o sustento.

    Um forte abraço e muito obrigada!

    • Oi, Cristina.

      Que história incrível a sua! Olha, a forma mais fácil de ser nômade seria certamente mantendo sua profissão, já que você trabalha de home office, mas não é a única.

      Acho que você tem boas ideias. A da fotografia me parece a mais complexa, pois para viver com dinheiro de fotos é preciso ter equipamento e estudar o tema.

      Sobre os gatos, realmente não sei dizer. Conheço muita gente que viaja o mundo com cachorros, mas gatos são de fato mais complicados nesse aspecto. Penso que uma possibilidade seria viajar num ritmo mais lento, passando vários meses em cada cidade, morando mesmo em cada lugar. Achei os seguintes links:

      http://www.updateordie.com/2016/04/27/mulher-viaja-pelo-mundo-em-companhia-de-seu-gato/

      http://www.catster.com/lifestyle/cat-care-behavior-travel-the-world-with-cats-tips-interview

      https://nomadforum.io/t/how-can-i-travel-the-world-with-a-cat/4699

      Abraço e boa sorte.

      • Muito obrigada, Rafael por sua resposta! Então, minha profissão exige minha presença “in loco” algumas vezes também, logo, seria mais um empecilho. Mas a ideia de mudar de profissão, já é antiga…hehe

        Acessei os links que me enviastes, nossa, me emocionei com as fotos da Liz com usa gatinha! Surreal! Um animal, como um gato, encontrar golfinhos, animais marinhos! Lindo! 🙂
        Mas com certeza ficar períodos mais longos em cada país seja a solução mais acertada. Vi ali gente que viaja com os bichanos em motor-home. Mas não tenho como fazer isso… hehe

        Fiquei interessada na venda DropShipping, trabalho com vendas e acho que não teria problemas. Mas tenho algumas dúvidas, não sei se você ou alguém poderia me ajudar:

        1- isso é como venda de afiliados? Saberias me dizer como é feito a a divulgação dos produtos? Particularmente, eu como cliente, acho muito chato receber aqueles e-mails de afiliados querendo vender algum produto.

        2 – poderias me indicar alguma empresa que faça Dropshipping séria aqui no Brasil? Estou fazendo uma pesquisa, mas não tenho referência das mesmas. Ou citar alguém que trabalhe com Dropshipping e tenha tido sucesso.

        3 – já pensei em criar um blog, falar de minhas experiências, contudo, não tenho muita familiaridade com o tema e as ferramentas. E nem em criação de conteúdo hehe Existe algum profissional que possa me ajudar a colocar esse projeto em andamento?

        No mais, é isso. Dúvidas sempre me surgirão, e me sinto acolhida por terem pessoas como você, que tem essa preocupação em ajudar o próximo. Todos temos um sonho, e ter pessoas que nos auxiliam neste projeto, não tem preço.

        Muito obrigada!

    • Não sei avaliar, Marcio, porque não é minha área. Você conseguiria clientes? Conseguiria trabalhar usando a internet, de casa?

      Se conseguir isso, aí fica fácil dar mais um passo e trabalhar viajando.

      Abraço.

  5. Olá,sou estudante de Publicidade e Propaganda e estou no 3o semestre.Tenho lido e me interessado bastante em ser um nomade e trabalhar atraves da internet. Com esse nivel de faculdade eu consigo ser nomade digital???

    • Oi, Osvaldo. Como motorista não tem como. Você teria que procurar uma carreira que te permita trabalhar usando somente a internet. 🙂

      Abraço.

  6. voces sao um sucesso! Parabéns!
    Ai… ai ai ai,, serà que meu caso tem soluçao? Sou brasileira e nao entendo nada de informàtica. Moro na Suiça fazem 16 anos, entao falo bem o frances. Gostaria de ter condiçoes de estar no Brasil mais vezes, mas meu marido tem trabalho fisico fixo ( ele nao pode). Quais cursos poderia fazer para que eu consiga também me tornar uma
    “vivecàeacolà”? Obrigada.

    • Oi, Renilde.

      O primeiro passo é se familiarizar com o mundo digital. 🙂 Depois fica mais complicado, você tem que pensar no que quer fazer, nos conhecimentos que já tem, etc.

      Abraço e boa sorte.

  7. Oi, tenho apenas 18 anos,acabei de me formar no ensino médio e não possuo nenhuma especialização ou mesmo estou cursando uma faculdade ( algo que pretendo fora do pais) já que sou atleta de Taekwondo e sigo esse caminho desde os 13 anos, já faco competições a nivel nacional e tudo mais. Porem o meu grande sonho mesmo e viajar o mundo trabalhando ( meu sonho era fazer isso com o meu esporte, mais as atuais situações de apoio e beneficios a atletas brasileiros fica meio difícil de conseguir).Vasculho todos os dias na internet por blogs, videos, sites e qualquer coisa que possa me auxiliar nessa vida de nômade digital. Tenho uma grande facilidade para construir textos, seja contos poemas ou mesmo poesia, e gosto de interação social e tenho facilidade para falar com o publico. Emfim gostaria de saber se vocês teriam alguma dica pra mim de profissão ou mesmo alguma área em que eu poderia me encaixar visando trabalhar pelo mundo.

    Desde já obrigado

    • William;
      Uma alternativa seria ir morar na Europa e participar da cena local de Taekwondo. Trabalha para sustento e aprende outra cultura. Compete em locais diversos pegando experiência. As viagens são relativamente baratas e compensadoras pelo network.
      Na pior das hipóteses você volta ao Brasil com evolução no esporte(chamando patrocínios), falando outro(s) idioma(s) e muito mais amigos.
      Boa sorte!
      Rogério Pohl
      [email protected]

    • Ei, William. Eu também tenho essa vontade há muito tempo, viajar o mundo, e trabalhar para conseguir se sustentar é necessário. Enfim, eu também escrevo bastante (tenho uma trilogia de ficção, escrevo poemas, contos…) será que poderíamos trocar uma ideia sobre isso? Sei lá, quem sabe podemos bolar alguma coisa
      Tenho 18 anos também e curso Letras, mas tem me desanimado, pois o salário de professor difilmente vai me permitir viajar como quero (além de ter que estar na minha cidade para trabalhar).
      Enfim, se quiser trocar uma ideia add no Whats: (12) 99243-9457

  8. Oi Rafael, tudo joia?

    Me chamo Larissa e sou nova neste mundo de trabalhos virtuis e tentativa de me tornar uma nômade digital.

    Tenho lido todos os posts do 360 sobre como se tornar um blogueiro profissional e o que você deve saber para se tornar um nômade digital… e embora tenha uma fanpage no facebook sobre uma viagem que acabo de realizar pela América do Sul (www.facebook.com/rosadosventos1503), estou començando agorinha com meu blog.

    Para não tomar seu tempo vou direto ao ponto: preciso de dinheiro (como todos nós, mortais) e com o blog (ainda) não é possível, então gostaria de trabalhar com produção de conteúdo e com aulas de idiomas pela internet enquanto dou uma incrementada no blog (seguindo inclusive muitas dicas de vocês), você saberia me recomendar alguns sites confiáveis para trabalhar nessas áreas?

    Já encontrei alguns sites com várias ofertas de freelas em tradução, produção de conteúdo e trabalhos afins, mas a imensa maioria pagava assustadoramente mal e não me transmitia muita confiança,… só preciso de alguns nomes de sites ou blogs que aceitem freelas para produção de conteúdo e um site para dar aula de idiomas (inglês e espanhol fluente).

    Desde já muito obrigada, beijo grande e sucesso!

    • Larissa, não sei muito como te ajudar, a maior parte dos sites de trabalho freelancer é isso aí que você falou: uma tristeza! Você faz parte do grupo de nomades digitais do 360meridianos no face? Acho que lá o pessoal vai saber te falar melhor, pq muita gente trabalha com isso. Eu já tô fora desse mercado há algum tempo, por isso estou desatualizada nesse assunto.

      https://www.facebook.com/groups/nomadesdigitais/

      Abraços

      • Oi Natália e Rafael, muito obrigada pela resposta!
        Já fa;co parte do grupo de vocês sim mas por sorte acabei encontrando na minha cidade uma agência de turismo que precisava de um gestor de social mídia e me contratou, como não tenho muuuita experiencia eu cobrei barato, mas é melhor que nesses sites de freelas,…
        Beijos e boa sorte!

  9. Rafael,
    Sou fotógrafo e apesar de já estar na casa dos 50 anos tenho o espírito aventureiro, será que tenho espaço para me lançar num trabalho como Nômade Digital?

    • Rafael;
      Sugestão: Crie uma expedição local como aventura usando isso para um ensaio fotográfico que tenha algum sentido cultural por exemplo. Registre, edite e apresente como um e-book, exposição escolar, etc… Verifique o interesse do público e amplie essas possibilidades gerando novos ensaios. Em breve os contratos surgirão.
      Boa sorte.
      Rogério Pohl
      [email protected]

  10. Oi, Rafael!

    Parabéns pelo artigo, é muito difícil achar informação de qualidade sobre isso!

    Estou num visto de trabalho na Nova Zelândia, mas gostaria de começar a trabalhar como freelancer enquanto viajo (3 meses em cada país de uma lista enorme haha)

    Por gentileza, eu gostaria de saber se você entra nos países com um visto de turista e trabalhar como freelancer; e gostaria de saber também se você menciona na imigração de cada país que vai fazer freelance ou não.

    Imagino que países europeus, Japão e Austrália sejam mais rígidos quanto a fazer freelance.

    Muito obrigado!
    Marcos

    • Oi, Marcos. Obrigado! 🙂

      Então, eu trabalho viajando, mas trabalho do quarto do hotel, de restaurantes e cafés. E sempre para empresas brasileiras (atualmente, só para o 360meridianos).

      Ou seja, no meu caso a questão é meramente geográfica. Não faz a menor diferença para os países a informação de que eu vou trabalhar do quarto do hotel.

      Resumindo: eu entro como turista mesmo. É isso que quase todo nômade digital faz, acho. A necessidade de visto de trabalhos seria só se você pretende trabalhar para uma empresa do país visitado, pegando um emprego ou frila de lá.

      Abraço.

  11. Olá,
    tenho 17 anos e ano que vem o suposto é ingressar na faculdade, que para mim se torna algo questionável já que não é ambição minha. Deveria eu agradar os outros para depois então tentar viver um sonho? É algo que tenho pensado muito ultimamente, já que esse é meu ultimo ano de Ensino Médio e escolhas importantes devem ser feitas;

    • Carol, esse tipo de dúvida é muito comum, todo mundo na sua idade tem.

      Todos os autores do 360 concluíram a faculdade antes de viajar pelo mundo. Não estou te dizendo que você deve fazer isso, mas só que uma coisa não impede a outra.

      Inclusive, hoje há muitos programas de intercâmbio para universitários, como o Ciências sem Fronteiras, que é uma ótima oportunidade de morar fora. E a Aiesec, maior organização de intercâmbio do mundo, só aceita estudantes universitários.

      Enfim, são coisas pra você pensar. 🙂

      Abraço.

  12. Sou cinquentão, porém muito jovem ainda, tanto na aparência quanto no espírito libertário para me sentir fascinado com as experiências relatadas pelos nômades digitais mundo afora, incluindo aqui seu inspirador e fantástico blog!

    Sou agente de viagens independente e também já trabalhei como agente de exportação autônomo. Minha ideia principal é a de comercializar produtos típicos brasileiros mundo afora, usando a internet…e claro, tudo “on the road” porém se por um lado eu sou forte em vendas, promoção, marketing, etc. na internet eu precisaria de ajuda de alguém para tocar o projeto adiante…
    Abraços e se alguém quiser contatar-me use meu e-mail: [email protected]

  13. Boa Noite Casal.
    Me chamo Junior e minha esposa Ana, estamos vendendo tudo e acertando os últimos detalhes para nos lançarmos numa empreitada semelhante, vamos mudar para Austrália, a princípio para estudar a língua, mais o desejo maior é ficar por lá.
    Como entraremos com visto de estudante que nos limita a trabalhar 20 horas semanais, estamos pensando em uma atividade paralela, um pouco mais informal e de preferência online, virtual e etc, ela escreve muito bem e é turismóloga eu sou fotógrafo e videomaker, tenho câmera e ilha de ediçâo, gostaríamos de uma ajuda, nâo sei por onde começar. Por exemplo : Como descobrir quem pagaria pelos meus vídeos e fotos feitos na Austrália? quem tem esse tipo de demanda ? e quem pagaria por textos e cobertura jornalística de algum assunto relacionado a Austrália ?
    Me ajudem em um norte.
    Muito Obrigado,
    Junior e Ana.

    • Oi, Junior.

      Bom, você pode entrar em contato com veículos de turismo do Brasil. Faça uma listagem, por pesquisas na internet, e já entre em contato oferecendo ideias de pautas.

      Além disso, pode valer a pena criar um site ou canal para colocar o trabalho de vocês. Acima de tudo, tenha em mente que até dar resultados leva tempo, então vale a pena já ir investindo na ideia o quanto antes.

      Abraço!]

  14. Rafael… você acha que dá pra trabalhar fazendo traduções? Tenho 2 amigos brasileiros que estão nesse trabalho. Um em Londres e outra amiga em Paris e assim já se passaram 7 anos (eles se mudaram em 2007). Em breve, devo visitá-los. Será que dá? Deu pra eles, mas o que você acha?
    P.S. Já tô virando “cliente” do blog, srsrsrrsrs!!!!! 😛

  15. Rafael, o blog de vcs é inspirador! Meu marido e eu queremos ‘aposentar’ e conhecer o mundo. Vi sobre o ano sabático e o RTW, mas penso que, como turistas, sem necessitar de vínculo de trabalho, já que temos nosso fundo de reservas financeiras, poderia ficar até 3 meses em cada país, por pelo menos por 3 anos direto (no meu desejo), sem maiores problemas. Vcs conhecem essa possibilidade? Agradeço antecipadamente se puderem passar seu ponto de vista a respeito.

    • Oi, Diana. Sei de muitos estrangeiros que ficam na estrada por esse período de tempo. Acho que é possível sim. Só estude as exigências de visto de cada país, os que exigem visto até para turistas (tipo Estados Unidos e Índia) e aqueles que determinam um tempo máximo que você pode ficar por lá.

      Mas é possível. =)

      Espero que dê tudo certo! Vai ser uma aventura e tanto.

      Abraço.

  16. Isso era tudo que eu queria, poder trabalhar de qualquer parte do planeta. Na minha profissao (dentista ) eh impossivel. Como meu blog eh surgiu como uma brincadeira, nao faturo com ele, mas bem que gostaria…amo ser dentista, mas viajar eh o que liberta minha alma, o que me faz mais feliz!!!
    Quem sabe um dia eu consiga ganhar um dinheirinho com meu blog e continuar com as minhas trips ( principalmente as surftrips ) com mais frequencia.

    Excelente texto, me motiva a sonhar!!!

    Abraco

    tripsincriveis.blogspot.com

    • Olá! Com relação ao blog, com muito trabalho e paciência é possível conseguir um dinheirinho sim.

      Mesmo que sua carreira não possibilite algo assim, sempre é possível tirar um ano sabático, por exemplo.

      Abraço!

  17. Sou nova ainda, tenho só 15 anos, mas alimento o sonho de conhecer o mundo desde pequena e sempre que penso que talvez eu vá trabalhar em um escritório fico sufocada. Pretendo cursar Geografia na universidade e já estou planejando como posso adaptar essa realidade ao Nomadismo Digital, Jornalismo é uma das minhas opções de curso também , mas enquanto não me torno uma nômade do século XXI, vou amadurecendo a ideia´para o futuro.
    Adoro os posts de vocês, principalmente aqueles sobre a Índia, já que sou apaixonada pelo continente Asiático. </3

    • Oi, Isa.

      Que bom que você gosta dos posts! A Ásia é mesmo incrível, você vai ver quando for lá!

      Vai se planejando que certamente você terá uma vida cheia de viagens.

      Abraço.

  18. Eu estava cozinhando essa ideia há anos e finalmente em 2014 vamos virar nômades digitais. YAY!

    Eu arrumei um emprego no Oriente Médio, contrato de 2 anos, pra juntar uma grana. Enquanto isso, abrimos a Agência Dash e vamos inaugurar a lojinha do blog. Assim, eu e meu marido conseguimos trabalhar nas nossas áreas de formação mesmo. Depois que o contrato acabar, é só escolher o próximo país e voilà.

    Já li centenas de sites gringos de gente que fez a mesma coisa. Muito legal vcs também embarcarem nessa. Tamo junto!

    Um abraço!

    • Que legal, Debora.

      Pois é, lá fora isso é muito comum, mas aqui no Brasil não. Ainda.

      Tomara que muitos outros embarquem nessa, não é?

  19. Legal! eu acompanho o trabalho de alguns ilustradores freelancers que vivem exatamente assim, conversando com a maioria deles me parecem muito satisfeitos com o estilo de vida que seguem e nenhum está morrendo de fome ou passando nescessidades, muito pelo contrário. Cada vez mais, eu tenho convicção de que é bem esse o caminho que eu quero trilhar e desde que comecei a acompanhar o 360, o que não faz muito tempo, tenho ficado mais corajoso em relação a isso haha!
    Poder viajar e conciliar, melhor ainda, levar o trabalho comigo, é justamente o que eu venho planejando para os meus próximos anos, além do mais, quem desenha sabe o quanto rotinas cansativas e a falta de liberdade boqueiam o processo criativo.
    Parabéns a vocês mais uma vez pelo que fazem aqui, é legal você abordar esses temas Rafael, me identifico bastante porque a maioria das pessoas que não entendem acham que eu quero ser um aventureiro vagabundo hahaha! mas tenho conciência de que é um bom caminho de planejamento para chegar ao “emprego dos sonhos”.

    • Oi, Gabriel. Muito obrigado pelo seu comentário – são depoimentos assim que motivam a gente a se empenhar cada vez mais no blog.

      E não liga não, um monte de gente acha que eu estou querendo seguir carreira de vagabundo. É assim mesmo, mas depois o povo entende e apoia.

      Abraço!

  20. Desde o primeiro post sobre o assunto, venho materializando a ideia de ter uma vida nômade, para se ter uma ideia, esse ano farei meu primeiro mochilao, e nem sai do Brasil na não quero voltar, não porque não gosto daqui, mas por querer ver mais coisas pelo mundo.
    Estou colocando isso como um plano a parte, se ser certo no meio do caminho ou até mesmo antes, porque não embarca nisso também.
    Vamos ver até aonde chega, grande abraço.

    • Oi, William.

      Fico feliz de saber que nosso blog te ajudou a tomar essa decisão! Viajar o mundo é uma forma incrível de aprender coisas novas. Espero que dê tudo certo nos seus planos. Não deixe de nos contar tudo que você decidir.

      Abraço!

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: