Sobre pressões sociais, família, filhos ou escolhas diferentes

Sobre pressões sociais, família, filhos ou escolhas diferentes

Há alguns meses, recebi um comentário aqui no blog que me rendeu risadas infinitas. Depois de rir muitos minutos sozinha, fiz algo que não é de costume e publiquei o dito comentário no meu Facebook, onde diversos amigos e conhecidos puderam rir comigo. A questão é que esse comentário não era uma piada, para tanta gente achar graça. Duvida? Compartilho aqui com vocês também:

“VC SÓ VIAJOU, NÃO FEZ MAIS NADA NA VIDA, FAMILIA ,PROCRIAÇÃO,,,ETC”

Isso, deixado num texto sobre um destino, daqueles bem práticos, que não tem nada de muito pessoal escrito. Mas esse indivíduo achou que era de bom tom entrar num blog, ler as dicas que eu dei, ler o meu perfil lá embaixo e decidir dar palpite na minha vida.

pressões sociais luiza casa porto

Enfim, eu só deixei esse comentário para vocês darem umas risadas também. Agora vou fazer uma reflexão sobre um assunto que considero ainda mais sério do que trolls na internet. O papo aqui é sobre as expectativas da sociedade com as pessoas – eu diria as mulheres especialmente, mas sei que homens também sofrem e muito com isso.

O assunto ainda casou bem com um livro que eu estou lendo, “Modern Romance”, do Aziz Ansari. No capítulo que li ontem, enquanto curtia a brisa da praia no Algarve, Ansari – comediante daquela série Master of None, da Netflix – se juntou com um sociólogo para investigar as questões de relacionamentos, amor, etc, nos dias de hoje.

Uma questão que fica bem clara é que, durante centenas de anos, o casamento era a instituição que fundamentava boa parte da vida das pessoas e até garantia a sobrevivência de muitas. Até, sei lá, os anos 60, muita gente ainda estava casando para sair da casa dos pais, entrar na vida adulta e seguir os passos obrigatórios: comprar uma casa, ter filhos, prover essa casa – se você fosse homem – ou cuidar dessa casa com as crianças – se você fosse mulher.

Saiba mais: Como viajar pelo mundo por um ano

Bem, o mundo mudou, para o bem ou para o mal. Há mais possibilidades na vida do que se casar. Não que você não possa ou deva se casar se quiser e bem entender. Mas claramente as pessoas estão fazendo isso mais tarde. Se minha avó se casou aos 19 e com a minha idade já tinha tido 5 filhos; se minha mãe casou-se aos 24 e na minha idade já tinha duas filhas e logo teria a terceira. Eu e minhas irmãs claramente não seguimos o mesmo caminho. Mas certamente não estávamos fazendo “nada” das nossas vidas. 

pressões sociais luiza preto e branco

Sei lá, mas a vida é muito longa e cheia de possibilidades para limitarmos tudo a se casar ou “procriar”. E por mais que o nosso amigo do comentário pareça completamente absurdo e muito engraçado, tem muuuita gente que reproduz esse tipo de pensamento sem usar palavras tão comicamente eloquentes.

Levante a mão aí todo mundo que já ouviu insistentemente de algum parente, distante ou não, onde estavam os namorados(as). Aí se tem namorado(a), ficam perguntando quando será o noivado. Depois, pressionam para saber quando será o casamento. Uma vez casados, logo vem a cobrança pelos filhos… E assim vamos nós. Ai de quem, em qualquer um dos momentos desse ciclo, tomar uma decisão fora das expectativas alheias.

Como assim você é solteira? Como assim vocês não vão se casar depois de X anos de relacionamento? Como assim vocês não querem ter filhos nunca? Esses são só alguns exemplos óbvios. Porque há infinitas possibilidades, como sugere Ansari, até viver sozinho com 7 iguanas. Ninguém tem nada a ver com essas decisões, mas as pessoas acham que sim. Acham que seguir essa cartilha é o certo na vida. Acham que você não será inteiro e feliz se decidir não ser do jeito programado pela expectativa social.

E vou ser sincera, mesmo a mais bem resolvida e decidida das pessoas vai, em algum momento, ficar abalada com tantas cobranças. Porque parece que todo mundo, sua família, a televisão, os filmes, o pessoal ao seu redor, todo mundo está seguindo um script muito antigo, você começa a se sentir um peixe fora d’água. Começa a pensar: será que tem alguma coisa errada comigo? Não importa se você decidiu dar a volta ao mundo, se quer focar na sua carreira, se decidiu chegar no pós-doutorado ou seja lá o que as pessoas queiram se dedicar e conquistar.

pressões sociais luiza matosinhos porto

A verdade é que a única coisa errada são essas pressões absurdas para que todo mundo tenha a mesma vida. Não tem nada de errado em querer namorar, casar, ter filhos ou 7 iguanas. Não tem nada de errado em não querer isso. Ou querer isso para mais tarde na sua vida. Ou até querer agora, mas não encontrar a outra metade disposta. Talvez não existam metades para todas as laranjas, talvez existam, mas elas deixam de ser compatíveis depois de um tempo. Ou talvez a laranja decidiu que se basta sendo meia. Tá, parei com as metáforas toscas.

A questão aqui é um grito de cansei, igual ao que a Jennifer Aniston deu outro dia. Sociedade, pare de achar que só casar e ter filhos é fazer alguma coisa da vida. Pare de achar que pessoas são incompletas, infelizes ou não-realizadas porque não encontraram um marido ou esposa ou não tiveram filhos. Já passou da hora do pessoal assimilar o fato de que romance e príncipe encantado não salvam ninguém de nada e que há muito mais coisas para fazer na vida do que ter isso como único foco.

Sou jornalista, tenho 29 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite “morar no aeroporto”. Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

92 comentários em Sobre pressões sociais, família, filhos ou escolhas diferentes

  1. Oi, Luiza!
    Que bacana esse texto!
    Há poucos dias escutei umas coisas assim no meu trabalho. É dose…
    Obrigada por expressar meu sentimento melhor do que eu mesma teria conseguido!

  2. Luiza do céu, primeiramente OBRIGADA.

    Você conseguiu colocar em palavras lindas o sentimento de muita gente!!! Deu vontade de correr te dar um abraço ao terminar a leitura rs.

    As pessoas precisam entender que o mundo mudou, evoluiu!! a mensagem do seu artigo vale para TODAS as gerações, muita gente (principalmente da minha geração – nascidos em 80 e poucos) estão com uma perna lá no passado e outra aqui no presente… se adequaram muito bem a algumas mudanças da vida mas ainda se prendem a scripts antigos (me parece o caso do comentário no seu blog: o cidadão ou cidadã quer viajar conhecer o mundo mas ainda fala em procriação?!). Conheço pessoas que são pra frente, independente, com escolhas inusitadas De vida mas ainda demonstram preconceito racial, outro exemplo de quem não enendeu 100% que o mundo mudou!

    Seu texto é mais que uma leitura obrigatória, é um alerta para um reflexão de como estamos vivendo!!

    Beijão

  3. – Morar sozinha? Porque?
    – Não espera que eu viva com os meus pais pelo resto dá vida né?
    – Não, mas você não vai casar?
    – Não.
    – Nossa, que pena!
    Eu ri, porque achei tudo muito hilario, mas ela não entendeu a piada e ficou a me olhar.
    Seria cômico se não fosse trágico, não é mesmo?

  4. Realmente, adoram cuidar da vida alheia.
    Esse tipo de pressão por casamento e filhos eu não sofro, em compensação sofro muitas por ainda não ter conseguido um emprego fixo aos 30 anos, mesmo tendo feito duas graduações e uma pós.

  5. Muito bom o texto, concordo com vc. Tenho 23 anos e ja sou casada porque escolhi viver assim e sou mto feliz. Mas não tenho o menor desejo de ter filhos porque acho que não terei a liberdade que tenho agora, isso as pessoas não entendem. Mas entendo quando alguem escolhe levar esse tipo de vida mais “comum”, cada um é cada um e devemos respeitar as decisões dos outros.

  6. Voltei gravida sem querer da minha ultima viagem aos 32 anos. Primeiro foi um alivio para essas cobranças da família, o outro alivio foi que aconteceu aos 32 anos apenas depois de ter vivido intensamente. Agora o desafio é continuar alimentando as aspirações conciliando com as cobranças da maternidade. Muito legal seu texto!

    • Oi Karla,

      O texto não diz isso, hein? Pelo contrário, o objetivo é dizer que qualquer pressão social é um saco (incluíndo aquelas de que quem tem filho não pode mais viajar, etc)!

      bjs

  7. Pressão?
    Pressão é a vida correr e perdermos a hipótese de conhecer o Mundo.
    No futuro provavelmente outros terão como realidade explorar outros planetas, mas agora no presente, (eu que pela construção da história Humana sou descrito como Português), tenho a hipótese de ir conhecer o Japão, Nova Zelândia, Perú, Canadá, Escócia, e todos os países da Escandinávia.
    É uma pressão vibrante, esta de viajar e acrescentar pontos à nossa configuração…

  8. Fantastico este post! Parabens Luiza!

    Compreendo e partilho da sua experiencia. Ate determinada idade,familia e amigas achavam que “isso e da idade, depois passa e vais querer filhos”, depois passei a nao ser “uma mulher normal” e finalmente ate um familiar meu considera que sou esteril porque aos 33 nao tenho nem quero ter filhos… Enfim… Mas uma coisa nao partilho neste post: a pressao. Nao ha motivo pra valorizar as expectativas que nao sao proprias! Ha sim uma necessidade maior de forca interior para afirmacao de nos proprias e das nossas perspectivas, nao para angariar seguidores das mesmas mas sim para torna-las aceites ainda que nao compreendidas. Nao precisamos necessariamente de ser compreendidas nas nossas escolhas, mas sem duvida teremos sempre direito a ter escolhas e diferentes e elas terao que ser aceites pela sociedade estigmatizada em que vivemos.
    Caso contrario, quem faria as viagens e respectivos documentos/documentarios/livros e didacticos para as pessoas casadas e com filhos que nao “podem” viajar saberem como é o resto do mundo? Como educariam seus filhos sem qualquer nocao da realidade cultural alheia?
    Todo este post me fez lembrar a sociedade “ideal” do livro The Giver – o Dador de Memorias…
    Mais uma vez, parabens pelo blog e pelas suas escolhas que tanto nos integram e nos ajudam na nossa diferenca!

  9. Olá Luiza!
    Eu também sofro esta pressão. Tem sempre um conhecido, uma colega do trabalho perguntando se estou namorando e querendo me apresentar alguém. Considero um preconceito, discriminação, por alguém ser solteiro(a). Atualmente realizo atividades que com marido/filhos não seriam possíveis. Me sinto bem, faço o que gosto, estou rodeada de afazeres. Lamentavelmente, não sou dedicada a planejar viagens, férias. Só o fiz em três ocasiões.
    Abraços e siga suas escolhas!

  10. Também adorei o texto e a frase “…mas a vida é muito longa e cheia de possibilidades para limitarmos tudo a se casar ou “procriar”.
    Pena não ter lido antes, então, já saberia dar uma bela resposta a um pergunta tosca do tipo, que recebi no final de semana em um encontro de família…kakakaka

  11. Amei o texto!! Liberdade e respeito! Palavras de ordem! Ou, palavras de caos para a vida feliz! Tenho marido e filhas! Amooo! Mas amo tb horta, culinária, não querer fazer o doutorado e querer aprender a costurar! Muito bom!

  12. Engraçado esse comentário, poderíamos nós dizer a mesma coisa das gerações anteriores não! Invertendo os papéis e dizendo: vocês não fizeram nada da vida a não ser casar e ter filhos?
    O problema vejo eu e na tomada de decisão e porque julgamos que tomamos a melhor decisão de nossas vidas e porque os outros não tomam está mesma decisão? Porque outro caminho completamente diferente do meu? Será que minha decisão foi errada?
    É por esse questionamento simples que as críticas aparecem… Elas não são direcionadas a você
    Mas sim a própria pessoa que a fez.

  13. Parabéns Luiza! Amei seu texto com todas as vírgulas e pontos. Tenho 37 anos e sou solteira, não pretendo casar ou ter filhos. Já quis muito, mas hoje deixo rolar naturalmente, se aparecer um cara legal…por que não? e se não aparecer também…tá bom demais também. A única coisa que tenho certeza que quero faze…é conhecer cada vez mais o mundo e agora em julho fez um ano que comecei a colocar meu projeto em prática. Sou professora de Geografia e em todos feriados prolongados e férias conheço um lugar diferente do Brasil, por enquanto, mas logo vou alçar voos mais altos e ganhar o mundo. O problema é escutar minha mãe e o resto da sociedade dizendo, não vai casar e ter filhos??? Sabe o que faço??? Ignoro e sigo em frente, pois o mundo é grande e meu desejo de conhece-lo é maior ainda! bjos e sou sua fã e do blog!!

  14. Ótimo texto!!!! Tenho 53 com aparência de 42… Fui jornalista e hj professora…Não me casei e tive muitos relacionamentos.. Apesar de não seguir a cartilha ortodoxa, em alguns momentos me pego pensando nessa pressão social , cadê o seu príncipe .? Risos. Amo viajar e admiro quem fez suas escolhas e se libertou do calvário das escalas da vida!!!!!

    • Oi Silvana,

      Essa pressão é difícil mesmo, porque é tanta que você começa a sentir que o problema é vc, sendo que nem tudo na vida tem que seguir um modelo igual para todo mundo.

      Até porque, principe encantado não existe em lugar nenhum né hahaha

  15. Excepcional matéria! A sociedade tem que entender as escolhas que fizemos em nossas vidas e parar de criticar. É uma questão de ponto de vista do certo e do errado.

  16. Belíssimo texto Luiza! Fiquei 10 anos casado e agora já estou há 10 anos degustando esse planeta, e iniciando o planejamento para meu ano sabático em 2020 quando vou chegar aos 50, rs. Às vezes é um saco ouvir pacientemente das pessoas como você deveria cuidar da sua própria vida, mas, na maioria das vezes é hilário, como você bem descreveu. E seguimos nosso caminho, na maioria das vezes bem mais interessante que o caminho ortodoxo!

    • Hey, que bacana você tirar um ano sabático aos 50. Achei maravilhoso, que dê tudo certo e que seja uma experiência incrível para você!! Que você aprenda bastante e volte transformada para enfrentar as dificuldades dessa nossa vida.

      Porque decidiu fazer um ano sabático agora? E para onde pretende ir?

      • Hey Fran, obrigado. Bem, adoro viajar e sou louco por história (tanto que fiz uma graduação e uma pós só porque amo história – trabalho em outro ramo). Quando terminei a graduação fiz um mochilão Chile-Bolívia-Peru com direito à trilha Inca. Essa mistura de viagens com história-arte-música-cerveja-sorrisos me fascina. Como o mundo é enorme a ideia do ano sabático acabou vindo quase que naturalmente. O motivo de não ser hoje, e sim daqui a quatro anos, são as condições da vida pessoal (trabalho e filha). Daqui a quatro anos estarei nas condições ideais para a empreitada, mas adoraria que fosse daqui a dois anos. Enquanto isso estou planejando calmamente país por país numa viagem antes da viagem, rs.

        • Que fantástico encontrar alguém na mesma vibe! Tb planejamos uma RTW com início aos 50 do meu marido rs! Nada mais fascinante do que viajar né? Abraço!

    • Elaborei um calculo matemático do seu comentário…
      Fiquei 10 anos casado, e ja estou ha 10 anos divorciado. Estou programando uma viagem para 2020 quando vou fazer 50 anos. Com quantos anos me casei?

  17. Texto perfeito!
    Passo muito por isso! Tenho 26 anos, sou solteira, não pretendo ter filhos, e casar, só se encontrar o cara certo, mas não estou com pressa. Gosto da liberdade que a solteirice me proporciona. `
    É realmente curioso o quanto as pessoas podem ser invasivas…elas falam como se vc fosse menor ou pior por ser solteira, por não querer filhos, por não ter alguém do lado. É algo que realmente me irrita, e penso que não quero fazer isso com as pessoas. Acho coisa de quem não tem vida para cuidar (falando o português claro). Acho que viajar é uma ótima maneira de gastar a vida, e eu morro de vontade de gastar a minha assim!

    • Eu tb acho bem curioso viu. As pessoas se sentem quase ofendidas que você não escolheu as mesmas coisas. Vc não ta julgando ninguém, só tá vivendo a sua vida do seu jeito

  18. Luiza, ótimo post de reflexão!
    As pressões que sofremos em todas as áreas da vida são complicadas (mas vc “só” estuda, não trabalha? mas vc não vai querer ter filhos? mas vc vai viajar de novo? e o apartamento/casa própria?) e, muitas vezes, torram a paciência…

    Não julgar a escolha de cada um é um desafio p/ todos, não tem nada errado em não ter filhos ou em ter 05 filhos e ser dona de casa, a opção de cada um é isso, de cada um!

  19. E você desse limão fez sua limonada! (pra usar uma expressão antiquada)
    A pessoa vem te ofender e te trouxe um texto e reflexões!
    Sempre acho que muita gente acaba despejando as próprias frustrações nessas cobranças insanas!
    Força pra lidar com isso! (todos precisamos)

    • Oi Thiago,

      Até a Beyonce está recuperando o ditado da limonada, então você está usando é uma expressão da moda hehe

      Obrigada por comentar!
      abraço

  20. Cara alho! Você já chegou aos 30 países!? Meu sonho! Haha
    Sobre o texto, concordo com tudo. É estranho as pessoas acharem que a receita de felicidade de sua vida tem que ser o mesmo das delas. E muitas vezes, nem elas são felizes assim!

  21. Luiza, sou sua fã desde que li um texto seu sobre viajar e cuidar dos cachos, de lá pra cá, leio tudo o que vc posta aqui no 360. Concordo plenamente, às vezes é cansativo demais ficar ouvindo que vc deveria ter um carro, procurar um marido,comprar um apartamento, ao invés de “só” pensar em viajar :/ Parabéns pelo texto!

  22. Parabéns . Nasci neste planeta aonde por agora moro. Tal como como você tento conhecer um pouco desta morada ou seja este planeta . Um desejo meu um dia !!!!quando não o sei conversar e trocar conhecimentos com a Luiza olho no olho . Se eu for liberado por Deus irá um dia acontecer . Grato pelas suas lições

    Carlos

  23. Justamente!
    A vida não se resume em relacionamentos amorosos, casamentos e filhos.
    Para alguns isso é o correto e para outros não, e se não queremos isso, quem pode nos julgar?
    Cada um tem um plano de vida e desejos distintos e a vida de uma mulher não se resume em um HOMEM!
    É como se completude viesse em função de outros e não dela mesma, muito cruel a realidade imposta a nós.

  24. Há algumas semanas estava procurando blogs de viagens, por fim encontrei o 360 Meridianos. Desde de então comecei a ler os artigos e acompanhar o instagram. Achei imensamente incrível é o primeiro blog que acompanho amo as dicas que vocês dão. Parabéns pelo trabalho!

  25. Parabéns pelo texto lúcido como sempre. É ótimo ver que cada vez mais as pessoas estão escrevendo, informando, gritando que cada um pode fazer o que quer da sua vida sem seguir nenhum padrão, porque as pessoas ainda ficam te cobrando o pacote estudar, trabalhar, casas e ter filhos. Eu não segui isso e sempre sofri com a cobrança, mas, hoje em dia não ligo a mínima para o que os outros pensam.

  26. O importante é saber o que quer, e ser feliz com essa escolha.
    Botar o dedo na ferida dos outros, independente que ferida é, nunca é legal.
    Mas… Cada um com sua vida e seus criticismos.

Deixe um comentário