Como escolher uma câmera fotográfica para viajar

Como escolher uma câmera fotográfica para viajar

Você gosta de viajar e fotografar, sabe o que fazer com uma câmera na mão, mas passa longe de se considerar um fotógrafo. Mesmo assim, já se preocupa com o equipamento que levará com você: como escolher a melhor câmera fotográfica para viajar? Cada caso é diferente e não há resposta certa. Neste texto, porém, vou falar um pouquinho sobre minhas escolhas até aqui, afinal estou exatamente no perfil acima.

Veja também: 7 fotógrafas de viagem que você deveria conhecer

Saudade em forma de fotografia

10 fotos incríveis de longa exposição

Câmera (D)SLR

Essa sigla, usada por décadas quase como um sinônimo para câmeras profissionais, significa digital single lens reflex. Nome complexo e que indica algo realmente elaborado: um sistema de espelhos e um pentaprisma que direcionam a luz que entra pela lente da câmera para o visor na parte de trás do equipamento.

câmera para viajar

Para entender a importância desse sistema de espelhos, que torna a câmera maior, mais barulhenta e obviamente mais cara, é preciso falar sobre os problemas causados pela ausência dele, como ocorre nas câmeras compactas – essas que fotógrafos amadores e viajantes costumam carregar. Ou costumavam, antes da chegada dos smartphones, que faz com que hoje esses modelos fiquem esquecidos nas gavetas de casa.

A fotografia é formada pela luz que passa pela lente e atinge o sensor (ou o filme, nos equipamentos analógicos). Essa luz entra no momento em que você dá o clique, abrindo o obturador, e segue um caminho reto até o sensor/filme. O problema é que o visor, que você usa antes de clicar, para enquadrar a foto e pensar a composição, obviamente não está na mesma posição, mas ao lado da lente da câmera. Isso produz uma distorção conhecida como erro de paralaxe, que é causado pelos ângulos diferentes de visão entre o que o fotógrafo observa no visor e o que de fato chega ao sensor.

Sabe quando você olha pelo visor e parece que toda a cena está devidamente enquadrada, mas ao tirar a foto percebe que o resultado foi um pouco diferente? Talvez com a cabeça de alguém cortada para fora da imagem, por exemplo. É disso que estamos falando. Os espelhos das DSLRs corrigem esse problema ao refletirem a mesma luz que vai para o sensor até o visor por onde o fotógrafo faz o enquadramento.

câmera para viajar

Com esse sistema, as DSLRs também são capazes de medir a luz que efetivamente passa pela lente, e não a que está no ambiente. Outra vantagem está na precisão do foco. Foi assim que as DSLRs se tornaram as preferidas de boa parte dos fotógrafos, ganhando terreno em relação às câmeras que não têm esse sistema de espelhos.

Vale dizer que a praticidade das câmeras sem os espelhos, mas com os mesmos recursos, sempre teve seus fãs, entre eles fotógrafos importantíssimos, como Cartier Bresson e Sebastião Salgado.

Mirrorless

O mundo andou, a tecnologia evoluiu e em 2009 chegaram as mirrorless, outra etapa do desenvolvimento das câmeras menores e mais práticas. Como o nome diz, uma mirrorless é uma câmera que não tem o tal sistema de espelhos. E isso traz algumas vantagens e, claro, desvantagens. Por um lado o equipamento fica mais leve, pode ser um pouco mais barato e chama menos atenção.

Não confunda com as chamadas câmeras compactas, que são bem mais baratas e trazem sensores bem parecidos com o que temos em qualquer smartphone. Equipamentos mirrorless de maior qualidade têm o mesmo sensor APS-C, equivalente a 23,4 x 15,6 mm, que está disponível em boa parte das DSLRs mais econômicas. E as melhores mirrorless são até full frame, com sensor 35.9 × 24 mm. Em geral, um sensor maior significa mais qualidade de imagem.

fotografia de viagem

Numa mirrorless também não há visor óptico – você faz o enquadramento pela tela LCD na traseira da câmera ou por um visor eletrônico, a forma de controlar o erro de paralaxe. Mas pode ser que as diferenças fiquem por aí. As mirrorless também permitem a troca de lentes, tal como as DSLRs. O problema é que, por serem um sistema bem mais novo, a oferta de lentes disponíveis ainda é bem menor que para as DSLRs. Além disso, a câmera pode até ser pequena, mas a lente não necessariamente será. Isso pode produzir um efeito estranho, de carregar uma câmera levíssima, mas com a maior parte do peso na lente.

Vários fotógrafos têm optado por migrar da DSLR para a mirrorless e não falta quem garanta que as últimas são o futuro. No site Dicas de Fotografia há uma análise interessante de uma fotógrafa que optou por esse caminho. E no Techradar, em inglês, há uma análise com as 10 melhores câmeras mirrorless do mercado.

câmera para viagem

Como decidir e outros aspectos importantes

Eu tenho uma DSLR há três anos. É uma Canon 70D. A única coisa que realmente me incomoda nela – e que eventualmente poderia me levar para uma mirrorless – é o peso. E justamente porque fotografar e viajar são dois pontos importantes da minha rotina. Como eu tendo a viajar só com bagagem de mão, minha DSLR e suas lentes acabam ocupando uma parte grande dos 10 quilos disponibilizados de graça pelas companhias aéreas.

Por outro lado, não sei se me adaptaria facilmente ao visor/tela eletrônico das mirrorless. Nas poucas vezes que testei câmeras assim, também estranhei a empunhadura. Por ser bem mais leve, tive a impressão de que segurar o equipamento exigia mais atenção. Mas meu objetivo aqui é mostrar que você não precisa necessariamente do maior equipamento para tirar as melhores fotos.

Se optar por uma mirrorless, estude com cuidado as configurações dela e veja se elas se equiparam a de uma câmera DSLR de entrada, como a série t3i, t4i ou t5i (e por aí vai), da Canon.  Outro ponto importante é verificar se a fabricante tem lentes disponíveis para a câmera. Como as DSLRs já têm tradição, é improvável que você tenha dificuldade de comprar lentes compatíveis, mas já vi gente que optou por uma mirrorless e depois teve dificuldade para achar as lentes que precisava.

Por fim, duração de bateria e conexão wifi são outros pontos importantes. No primeiro caso parece que as DSLRs ainda são melhores. Já a wi-fi, disponível na minha Canon 70D e em vários modelos lançados nos últimos anos, é fundamental para baixar as fotos diretamente da câmera para o celular, facilitando o acesso às imagens durante a viagem. Para câmeras sem essa função, há um cartão de memória que insere a ferramenta.

Por fim, faça uma análise de preço, pensando no custo/benefício. A tendência é que as mirrorless fiquem mais baratas com o tempo.

GoPro

A GoPro, marca que virou sinônimo de imagens em esportes de aventura ou aquáticos, se popularizou nos últimos anos. Comprei a minha só em 2017, uma GoPro Hero 4 Session. Ela não tem visor ou tela LCD, é à prova d’água (sem necessidade de caixa protetora), pequena e portátil. Também é fácil de usar, seja para fotos ou vídeo.

câmera gopro

No Tecmundo há uma avaliação da câmera, mas deixo aqui meus 20 centavos: vale muito para levar em viagens, principalmente para cachoeiras, mergulho ou outras atividades menos, digamos sedentárias. Mas não levo a câmera como minha única opção, já que ela deixa a desejar em outros momentos, como em situações de pouca luz. Nesses casos uso minha Canon 70d.

E você? Qual câmera utiliza para viajar? Deixe suas dicas nos comentários.

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

14 comentários em Como escolher uma câmera fotográfica para viajar

  1. Escolha difícil pra mim que sou fotógrafo de profissão.
    Me torno escravo da imagem e passo a viagem pensando em composições e personagens se levo meu equipamento.
    Pesado, com no mínimo três lentes, um flash, tripé/monopé, uma bolsa a mais só pra carregar tudo. Sem falar em computador, leitor de cartão, carregadores de bateria e outras coisinhas.
    Também tenho a consciência que me torno um alvo para bandidos, quando saco uma porção de coisas desse gênero.
    De outro lado, gosto de pensar uma viagem como uma pausa para me aventurar em outra forma sensorial de absorver a jornada: escrevendo. Ou desenhando, colecionando tíquetes, recibos de pagamentos e bilhetes de metrô, tudo colado num caderno legal. Aí uso o celular para capturar poucas imagens, + pra marcar os lugares em que estive pra melhorar o resgate da memória.
    Outro desafio é levar apenas uma câmera excelente e uma lente de estudo, nem grande angular nem tele, a legendária 50mm do Bresson. A fotografia fica menos mecânica, se torna mais pensada. E lentes 50mm de entrada são as mais baratas, melhor custo benefício.
    Enfim, o gostoso da viagem também está na escolha em como traduzi-la para quem fica.
    Excelente post, parabéns pelo debate levantado.

    • Ótimo depoimento, Saulo. Obrigado!

      Tem um tempinho que eu só viajo com uma 50mm. Tem horas que é um problema, mas acho que aprendi muito com essa experiência também.

      Abraço.

  2. Desde que adquiri uma Sony RX100 nossas viagens foram registradas com bastante qualidade e praticidade. Porém, um dia ela nos deixou na mão no meio de uma viagem importante. Foi aí que o Smartphone quebrou o ganho. Um backup sempre é importante! =D

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: