Tags:
Atlas: África do Sul, Cape Town

O ataque do monstro na Cidade do Cabo

Perigo! Animais selvagens. A placa avisava já no começo da aventura. Uns 20 minutos de viagem até o local dos bichos e pronto!  Aquilo era o que eu imaginava que seria a África. Nada de shoppings, progresso tecnológico e prédios altos, cenário que encontramos no centro de Cape Town. A África do estereótipo, um zoológico a céu aberto, estava bem ali. Protegidos e de longe, observávamos centenas deles… ou seriam delas?

O sexo dos bichos de lado, de uma coisa eu tinha certeza: a aparente calma, os movimentos preguiçosos, o olhar de quem quer apenas ficar deitado ao sol e o fator fofura não enganavam. Aqueles animais eram máquinas feitas para matar.

Percebemos a vontade maligna dos bichos no dia anterior. E quem diria… tudo começou com um inocente passeio pelos arredores da Cidade do Cabo. Duas horas de trem e fomos parar em um bairro frequentado por muçulmanos. Gente com roupa demais nas ruas (pelo menos para o nosso padrão) e uma galera completamente vestida nas praias. Mas o churrasco e a farofada não deixavam dúvidas -aquela era uma praia frequentada por famílias, que lotavam a areia durante os fins de semana. Guardadas as diferenças religiosas e culturais, era um lugar tão tranquilo como muitos que encontramos no litoral brasileiro.

Em território familiar, andávamos sem medo. Foi quando aconteceu. Ele surgiu bem no meio de um mercado de rua. Nossa reação foi a de qualquer turista não acostumado com animais selvagens:  sacamos a câmera e começamos a tirar fotos desenfreadamente. E olha que eu ainda nem tinha conta no Instagram.

– “Ele é enorme. Que lindo!”, (comentário nível fofurístico 100, da Naty).

-“Hanhan”, acrescentei, enquanto tentava acertar o enquadramento da foto número 17.

-“Olha, ele está se levantando… tão bonitinho” (óbvio, a Naty).

-“Sei…” (ajoelhado, para pegar o melhor ângulo).

Olhei para a máquina. – “Só mais um pouquinho, bichinho. Fica parado. Olha pra cá… deixa eu dar só um  zoom aqui… uai, cadê o bicho? AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!”.

Gritos. Gritos no escuro. Ok, não estava escuro, eu que fechei os olhos pra não ver a desgraça. Com uma fúria sanguinária, o bicho avançava em direção aos turistas. Para evitar a morte certa, começamos a correr. Por sorte o monstro atacou primeiro uma família de japoneses – se sobreviveram, não sei, mas é certo que fotografaram tudo e colocaram no twitter antes da primeira dentada.

Foi quando aconteceu. Lentamente, ele virou a cabeça. Seus olhos estavam em chamas. Pupilas vermelhas e um olhar assassino. O monstro, não satisfeito com a comida japonesa, resolveu testar culinária mineira. Era o fim.

-“Stout skepsel! sal lei sweep! Slaag dit!”

Com uma vassoura, nosso herói domador de feras, um feirante de peixes que passava pelo local, afugentou o monstro. Sobrevivemos, mas com uma certeza: as focas são os maiores predadores da África. E sim, elas têm dentes.

Não acredita? Veja as fotos que tiramos do monstro, segundos antes do ataque, e confira o rosto assassino do bicho. Não foi sem motivo que encaramos o passeio pela Ilha das Focas, que fizemos na manhã seguinte, quase como um safári.

África do Sul Foca

    Foca parece dormir, calmamente. Turistas cercam a criatura e não param de tirar fotos.

África do Sul focas

      Na foto acima a foca acordou, os turistas estúpidos não.  Continuavam em transe.

Foca-flagrada-na-frica-do-SUl.jpg

O homem na foto não sabe que está prestes a correr de uma foca furiosa.

Africa do Sul - Foca na Água

    De outro ângulo, percebemos que o bicho ainda chamou reforços

Esopo nos ensinou que toda história com animais fica ainda melhor se tiver uma lição de moral, do tipo “com perseverança, tudo se alcança” ou “quem tudo quer, tudo perde”. Moral da história: focas são animais selvagens e podem morder. E tinha até placa avisando.

P.S. O 360meridianos informa que nenhum blogueiro ficou ferido durante a experiência que gerou este post. E nenhuma foca também, o que é muito mais tranquilizador. Afinal de contas, focas me mordam, mas olha como esses bichos são simpáticos.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

8 comentários sobre o texto “O ataque do monstro na Cidade do Cabo

    1. Oi, Marco.

      Obrigado! Isso aconteceu há quase sete anos, época que este blog nem existia. Por isso vou ficar devendo o nome da praia – não lembro mesmo.

      Abraço.

  1. Hahahah muito bom o relato! E o blog também! Bem engraçado. Estou indo pra Cape Town em janeiro e achei várias dicas úteis aqui, como a desse post!hehe

    1. Oi, Artur.

      Fico feliz de saber que você se divertiu com nosso relato de quase morte. hehehe

      Você vai adorar Cape Town! A cidade é linda e cheia de atrações.

      Abraço!

    1. Pois é, Lilian. Nem eu… descobri na hora que tive que correr de uma. Vocês podiam providenciar um fluxograma sobre como sobreviver ao ataque de focas. Ia me ajudar a não correr riscos assim. hehehehe

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.