fbpx
Tags:

A armadilha dos Top 10 na hora de viajar

Tudo começa com um clichê, que costuma ser uma variação do ditado “ir a Roma e não ver o Papa é o mesmo que não ir a Roma”. Ou seja, não se deve deixar de ver a atração mais importante de uma cidade. Exemplos:

“Você esteve em Paris e não subiu na Torre Eiffel? Que absurdo! Então você não esteve em Paris”.

“Como assim você não viu a troca da guarda, em Londres?”

“Meu Deus! Você não foi ao Louvre? Sério?”

E por aí vai. Na esteira dessa busca pelo mais importante, guias de viagem e sites fazem rankings com os lugares imperdíveis de cada cidade. Quando eu estava na Índia, alguns estrangeiros tinham uma fixação em ver os 10 highlights – ou pontos altos – do país, segundo uma seleção do Lonely Planet.

Onde ficar em Paris: Louvre

“Taj Mahal, check. Varanasi, feito. Agora vamos correr pro sul porque a lista garante que precisamos ir ao Kerala.”

É claro que esse tipo de seleção é útil, afinal normalmente os lugares são famosos por algum motivo. O Taj Mahal está no topo de locais imperdíveis da Índia porque é um monumento fantástico. Fato.  Por isso, até aqui no blog você vai achar algumas seleções desse tipo. Já te contamos, por exemplo, quais são as 10 cidades da Índia que mais valem uma visita. Fizemos o mesmo ranking com a Tailândia, além de costumeiramente fazermos uma seleção de pontos turísticos em cada cidade que visitamos.

Agra, Taj Mahal, Índia

Dito isso, chegamos ao ponto deste texto: por mais que essas listas sejam importantes e úteis, não é preciso segui-las cegamente na hora de planejar seu roteiro.  Eu já estive em Roma, mas não vi (e nem tentei ver) o Papa. Isso significa que eu não conheço a cidade eterna? Claro que não, só não conheço o Francisco. A mesma coisa vale para Paris. Nas duas vezes em que estive lá, admirei a vista do alto da Torre Eiffel. Se eu não tivesse feito isso, minha experiência em Paris seria menos válida? Provavelmente não.

Há uns meses eu conversava sobre Paris com meu avô. Ele morou na França durante alguns anos e viveu o dia a dia parisiense. E nunca esteve no alto da Torre Eiffel.

“Mas por que não, vô?”

“Ahhh, não fiz questão.” Ele e provavelmente muitos parisienses, gente que nasce e vive a vida inteira na cidade, mas nunca teve curiosidade de subir no mais famoso cartão-postal da casa deles. Para eles, Paris é rotina. Por isso, é óbvio que eles conhecem um pouquinho mais da cidade do que os turistas que ficam só uns dias por lá, mesmo ignorando um ou outro ponto turístico.

Tem quem não queria ir ao Louvre por não gostar de museus. Outros podem não encarar as filas da Torre Eiffel. Ou achar a construção feia. Ou ter medo de altura. Ou preferir investir o tempo em outra atração, tipo tomar um vinho na beira do rio Sena. Ou então nem passar por Paris, por mais que todos garantam que a cidade é linda.

Torre Eiffel

A beleza de uma viagem está nas descobertas, claro, mas também na possibilidade de, uma vez por ano, tirarmos férias de tudo que não nos interessa. São os seus 30 dias. Sua época de relaxar e fazer aquilo que gosta, seja um jantar no restaurante que fica no alto da Torre Eiffel ou tomar uma cerveja em algum bar do Montmartre. Ou então correr para um país pouco conhecido e ignorado turisticamente, mas que tem tudo a ver com você.

Consulte sim os guias e rankings, veja tudo que a cidade oferece de bom de acordo com vários pontos de vista. Esteja aberto ao novo, pronto para fazer coisas que você nunca tinha pensado. Mas, no fim, o mais importante é fazer aquilo que você gosta e te deixa feliz. Numa viagem, o item mais importante de um check list não é fazer alguma coisa para dizer que fez ou porque todo mundo faz, mas realizar sonhos, mesmo que eles sejam diferentes dos desejos da maioria.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

31 comentários sobre o texto “A armadilha dos Top 10 na hora de viajar

  1. Oi Rafael!
    O post traduziu exatamente o que estou sentindo ao planejar minhas férias, e me deu mais coragem para realmente seguir pelo que realmente quero e abrir mão do que não quero.
    “Viajar é tirarmos férias de tudo que não nos interessa”.
    Obrigada! 🙂

  2. Rafael, quando estive em Paris não tive a menor vontade de enfrentar as horas na fila para subir na torre Eiffel, porque para mim o mais interessante está na visão dela. Para ver toda Paris há uma opção melhor e mais barata, a Montparnasse. Os parisienses costumam dizer que a única beleza da Montparnasse é a visão que nos dá da Torre Eiffel.
    Abraço.

    1. Haha! Já ouvi isso mesmo. É a melhor vista da cidade, afinal é o único ponto de Paris de onde você não vê o Montparnasse. 😉

  3. Tem toda a razão. Moro em Poços de Caldas, cidade turística (não como Paris, mas…), e a grande maioria dos habitantes nunca entrou no prédio da Thermas Antonio Carlos. No local há banhos com águas sulfurosas, razão da existência da cidade!

    1. Isso é sempre assim, Edival. Quem mora muitas vezes não bate cartão em pontos turísticos. Mas nem por isso conhece pouco a cidade.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.