O turismo pode mudar o mundo?

Eu me lembro de olhar com tristeza para as obras que estavam em andamento em Padang-Padang, Bali. Resorts megalomaníacos prometiam tomar conta da região, soterrando grande parte das pousadas locais e matando a simplicidade que atrai tanta gente para lá, a exemplo do que já aconteceu em outras partes da ilha. “Em breve, esse lugar não vai mais ser o mesmo”, eu pensava.

Semanas antes, eu já tinha me incomodado com a forma como o turismo predatório tinha transformado as cidade mais famosas da Tailândia em um grande palco de atrações pega-gringo, chegando, muitas vezes, a infringir direitos humanos e dos animais. E olhei com pesar para os turistas felizes hospedados dentro do forte de Jaisalmer, na Índia, sem saber que aquela simples atitude colocava em risco uma fortaleza com séculos de idade.

Família em Jaisalmer, Índia

Como blogueira de viagens, eu às vezes vivo um dilema. Como incentivar as pessoas a visitarem lugares que eu amei, sendo que esses mesmos lugares podem acabar destruídos ou descaracterizados pela atividade turística? Diante de tudo isso, será que aquele papo de que viajar pode mudar o mundo é apenas balela de texto de auto-ajuda?

Em 2015, o turismo deve movimentar em torno de 15 trilhões de dólares. Com tanta grana envolvida, a gente consegue imaginar o impacto global – e ambiental – dessa indústria. De acordo com Salli Felton, da Travel Foundation, uma organização britânica que trabalha com ações de turismo sustentável, o turismo é a maior fonte de transferência de renda de ricos para pobres no mundo, superando a ajuda internacional (fonte).

No entanto, para que essa transferência de fato aconteça, é necessário que o dinheiro fique no país visitado e ajude na economia local. Só que, muitas vezes, hotéis e outros serviços do setor acabam importando mão de obra e recursos para atender aos padrões estrangeiros, o que faz com que a grana acabe voltando para o lugar de onde ela saiu.

Mulher no norte da argentina - Artesanato

Optar por práticas de turismo sustentável, escolher estabelecimentos locais – desde o hotel até a agência que vai operar aquele tour – e que tenham práticas ambientais e sociais bacanas, evitar atrações que sejam predatórias ou que, de alguma forma, firam os direitos humanos e dos animais são uma boa forma de ajudar a mudança a ser real.

Leia também: Turismo sustentável: um guia para o viajante consciente

Nem todo turismo vale a pena

Viajar pode ser uma experiência transformadora na vida de alguém. Ao nos conectarmos com novas ideias, pessoas e culturas, temos uma oportunidade sem igual de crescimento. Ainda que nem todas as um bilhão de pessoas que viajam para fora de seus países aproveitem essa chance, apenas esse tipo de mudança positiva já faz as viagens terem um baita impacto positivo.

Estrada Argentina

Cada viajante que volta para casa com uma nova compreensão de diversidade e tolerância já transformou o seu mundo e pode ajudar a transformar o mundo de quem convive com ele. Mas isso é pouco. Para que as viagens realmente valham a pena é preciso que elas preservem e desenvolvam a comunidade visitada.

Bhaktapur, Nepal

Turistas são consumidores e, como tais, têm o poder de decidir onde e como vão investir seu dinheiro. E para que a mudança ocorra tanto na vida do viajante quanto na comunidade visitada, não basta ficar preso na rotina ônibus de excursão – monumento lotado – quarto de hotel. Nem passar uma semana enfurnado em um resort all-inclusive tão maravilhoso que você nem precisou sair dele para ver como era o país lá fora.

Precisamos de mais viagens que nos conectem com a história, a cultura e, principalmente, com as pessoas daquele lugar. E isso não quer dizer que essas práticas vão fazer do turismo o salvador do mundo, mas talvez ele possa ajudar a tornar a vida de alguém melhor.

 

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4 comentários sobre o texto “O turismo pode mudar o mundo?

  1. Muito bom! Se conseguirmos, através do turismo, melhorar a vida das pessoas, acho muito válido! Não conheço Cuba, mas conheço Miami e acho a cidade linda e excelente para passear! A França, especialmente Paris, é uma das cidades que mais recebe turistas no mundo, não me parece que tenha “perdido suas raízes”…

    1. Acho que esse risco é maior em países subdesenvolvidos que não possuem políticas apropriadas para a exploração turística. É o caso de lugares que acabam se transformando em complexos de resorts.

      Abraços, Cândida!

  2. Boa reflexão, Natália.

    Curioso, ontem vi uma reportagem na Globo News sobre Cuba com o fim dos embargos. Um turista entrevistado comentou que teme que Havana se transforme em uma Miami.

    É um paradoxo. A grana deve entrar, o país deve se desenvolver, mas corre riscos de perder suas raízes. O desafio é equilibrar isso tudo.

    1. Pois é, João Guilherme, por isso que essa exploração tem que ser planejada e sustentável. Os lugares podem se desenvolver sem perder a essência. Uma das formas, eu acho, é investindo nas empresas locais.

      Abraços e obrigada por comentar!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.