fbpx

Como não alagar seu banheiro no exterior

No último dia 15 de março, o Brasil se dividia em discussões políticas de vários tipos. Enquanto isso, eu, do outro lado do Oceano Atlântico, vivia uma questão de vida ou morte: meu banheiro tinha virado uma piscina.

Tudo começou mais cedo nesse mesmo dia, quando eu resolvi aproveitar meu primeiro domingo no apartamento novo para fazer uma faxina. Munida de um balde, bucha e produtos de limpeza, parti para a missão de limpar o banheiro tão bem quanto a amiga que divide a casa comigo, a Vale, tinha feito na semana anterior.

Depois de passar os produtos e o sabão para todo lado, parti para a fase dois da missão: jogar água. Esse é o método não muito ecológico para finalizar a limpeza dos banheiros que eu aprendi na vida: você passar sabão, depois joga água, escorre a água e Voilá, banheiro limpo!

Banheiro da Luiza no Exterior

Como é meu banheiro

Depois de terminar a chuva artificial na minha casa de banho portuguesa, comecei a reparar que a água não estava indo para lugar nenhum. Estava lá, ensopada no mesmo lugar. “Será que esse ralo está entupido?” Pensei, já meio desesperada. Fui tentar mexer com ele, só para descobrir que aquele círculo prateado bem no meio do meu banheiro não era ralo coisa nenhuma. Provavelmente um objeto de decoração bem do esquisito, já que ele não se movia, mas também não tinha nenhum orifício que permitisse a água passar.

Banheiro no Exterior Luiza

Essa bola prateada não é um ralo…

Nesse momento, comecei a procurar outro ralo no banheiro, mas, Spoiler Alert: não tinha nenhum. Quer dizer, até tem o ralo do chuveiro e da pia, mas nada de ralo no chão, a la banheiros brasileiros. Nessa hora, fiz o que qualquer pessoa sensata faria: corri para o Facebook e pedi socorro publicamente…

Felizmente, as pessoas não riram de mim (ou não só riram de mim), mas vieram me dar palavras de apoio. Pelo visto, não só eu, mas todo mundo que é imigrante ou expatriado já passou por situação semelhante: banheiro no exterior, ou pelo menos, banheiro na Europa, não tem ralo:

“Quem nunca? Só quem não morou fora, rs. O próximo passo é vc insistir em lavar o banheiro a la Brasil e arrancar os azulejos por excesso de água,rs.” (disse a Liliana Stahr, do Catálogos de Viagens, criando um novo pânico na minha vida: os azulejos em queda!)

“O segredo de lavar banheiro em Portugal: um esfregão e um balde para escorrer.” (disse o Diogo, colega que já fez mestrado aqui na terrinha)

Mas gente, vocês não estão respondendo minha dúvida: como escoar a água????

Não escoa. Você usa todos os panos possíveis para secar. Mas como ninguém usa pano para isso aqui e pano de chão não existe, você usa mop ou umas roupas que já deviam ter ido para o lixo mas vc insiste em manter,rs.” – Voltou a responder a Liliana. O Diogo completou: “A água não escoa, tem que ter panos pra secar. Se não tiver pano de chão suficiente, escolha aquela toalha mais velhinha para sacrificar. Passei por essa uma vez.” (Pelo visto todo mundo acha que eu tenho roupa ou toalha velha sobrando).

Depois disso ainda vieram as sugestões para improvisar no ralo:

Já passei por isso. O jeito foi usar mil panos de chão pra ‘transportar ‘ a água do chão pra banheira. E torcer cada pano mil vezes, e começar tudo de novo rsrs … Haja braço” (sugestão da minha antiga chefe dos tempos de TV UFMG, Mônica Catta Preta).

“Usa a pá de lixo pra coletar a água para um balde e do balde pro box ou banheira.” (ideia da Cândida Silva, leitora fiel aqui do blog.)

Eu já ia iniciar a tentativa de desafogamento do banheiro, combinando todas as técnicas sugeridas acima, quando a Vale finalmente saiu do Skype e veio em meu socorro. Não teve muito jeito não: o esfregão teve que ser usado para ir secando a água aos poucos, sendo torcido de tempos em tempos no balde.

Esfregao banheiro no exterior

Quem salvou o dia? O esfregão!

Na próxima aula do mestrado, minha amigas portuguesas não perdoaram meu pedido de socorro público e deram início à zuera. Uma outra amiga brasileira me lembrou que ela já havia passado pela mesma situação e me contado, mas eu apaguei a informação da minha memória.

Essa semana, antes do dia da faxina, eu fui ao supermercado e comprei uma seleção variada de produtos de limpeza que prometem deixar meu banheiro brilhante e cheiroso. Fiquei uns 15 euros mais pobre, mas pelo menos me livrei da piscina indoor.

produtos de limpeza portugal

Vocês aí já moraram fora e viveram alguma situação semelhante? Ou já repararam outras coisas muito diferentes em casas no exterior?

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

42 comentários sobre o texto “Como não alagar seu banheiro no exterior

  1. Hahaha. E se eu te disser que o meu apê no Rio Grande do Sul também não tem ralo? Eu sou de Goiás, onde todo banheiro tem ralo, e também alaguei meu banheiro gaúcho.

  2. ….Hahahaha, Luiza é isso mesmo na europa não tem ralo em banheiro como no Brasil. Eu morei muitos anos na europa, e construir uma casa aqui, não coloquei ralo no banheiro pq achei que não deveria, pq não recordava desse pequeno detalhe. Depois qdo ia fazer a faxina é que vi qto faz falta…

  3. Hahaha!Recentemente,passei por situação mais ou menos parecida na Polônia mas,poderia acontecer em Berlin e Praga ou no resto da “moderna” Europa.Falo do ralo niquelado do box.Tomando banho (ducha móvel ou na posição fixa)sem querer e perceber,pisei neste “bendito ralo”que na verdade é válvula.Parei de me banhar quando água ia transbordar.Não é obvio mas,’obvio’que não consegui abrir o dito cujo.Fui registrar a “avaria” coincidentemente com próprio dono (Sr Piotr = Pedro) do Hostel,que,gentilmente
    com um leve toque em cima da válvula,que tem mola,abriu o tal de ralo.Se Ibrahim Sued vivo estivesse,diria: Sorry periferia.Comi da vergonha.A todos aqueles que visitarem a linda e verde e rica cidade Poznan,indico OPERA HOSTEL!Lugar limpíssimo,barato,no centro da cidade,ao lado da Opera e Parque com chafariz,Castelo,Filharmônica e mais ainda:fica numa rua quase sem movimento.Verdade!Agora, eu sou Polonês e vivo no Brasil há mais de 44 anos.
    Poznan,fica 230 km de Berlin.Duas horas de confortável trem Inter City.Eu aproveitei.Vi o que queria e “meus olhos”foram atendidos,por poucos Euros.Abraço cordial para Luiza e seus leitores de 360 meridianos.Saudações,Miecislau.

  4. Você não vai acreditar… eu vim parar aqui procurando um jeito de escoar agua de um banheiro sem ralo.. no Brasil!!!

    é o terceiro apartamento que eu moro que nao tem ralo do lado de fora do box. No primeiro ainda dava pra jogar a agua pro box por uma frestinha que ficou na pedra que divide. No segundo, nao dava porque a paredinha era feita de concreto. Mas demos um jeito de furar o concreto e abrir uma passagem pra agua.

    Mas nesse que estou morando agora, o box é muito pequeno e a divisão é feita com uma pedra de ardósia que fecha o box completamente. ou seja… tenho que me virar. E não me conformo ainda em limpar o banheiro sem jogar agua =/

    1. Wue horror Rozana.

      O jeito é se juntar a nós e caprichar no Veja (eles não me pagaram pela propaganda, qq marca similar serva hahaha)

  5. ????me diverti com os comentários. Cheguei da Itália e notei a falta dos ralos e imaginando como seria a limpeza e mais, não tem lixeira nos banheiros. Pois então, economia por um lado e por outro como fica a questão ecológica?

    1. Oi Leia,

      Essa questão da lixeira é engraçada, porque acho que só no Brasil mesmo (ou em prédios muito antigos) que a gte não dá descarga no papel. O pessoal acha bem nojento essa coisa de papel sujo se acumulando nos banheiros. E convenhamos, papel se dissolve.

      A questão ecológica fica assim, no meio. Por um lado, usamos bem menos água para limpar, por outro, bem mais produtos químicos.

  6. Olá, Luíza! muito engraçada a sua postagem, eu sou brasileira e moro no Brasil, nunca fiz intercâmbio fora. Cresci em uma cidade do sertão do nordeste e na época da minha infância o problema no fornecimento de água era gritante o que nos fazia economizar e adaptar.

    E nesse período, pelo menos na minha casa e na casa dos meus colegas que eu frequentava, não se lavava jogando água aos litros do jeito que a maioria de nós faz hoje.Era com pano molhado e paninho úmido com alvejante para limpar o vaso e pia, não tínhamos cerâmica nos banheiro – isso era pra casa mais chique :p

    Se um dia fizer intercâmbio acho que não enfrentarei dificuldades nesse quesito.

    Um abraço.

  7. Hahahaha Bem que notei que lá fora não existia em lugar nenhum o rodo e nem pano de chão para limpeza. Ficava imaginando como conseguiam limpar direito sem usar um rodo e pano… Parece que vai ficar tudo encardido…

  8. Em Londres, trabalhei com faxinas e não se limpa a casa à moda brsileira.
    Inclusive alguns banheiros tem carpete, já imaginou isso? A limpeza é “seca” como eles chamam.

  9. Oi Luiza, nunca morei fora do Brasil e nunca vivi nenhuma experiência parecida com a sua. Mas, obrigada pelo relato, pois ri muito agora…
    ps. Por outro lado ouvia sempre na faculdade, meu professor, que fez doutorado em Portugal, contar suas ‘aventuras’, e, claro, a turma ria muito…
    abraço.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.