Qual é a hora certa para viajar?

Todo mundo já se perguntou isso um dia. De vez quando bate aquela vontade de jogar tudo pro alto e pegar o primeiro avião seja lá para onde for. Você pode querer fugir só pelo final de semana, por alguns dias ou por um ano inteiro, não importa. Mal, mal a ideia se forma na sua cabeça, você já começa a listar os milhões de motivos que você tem para não colocá-la em prática.

– Eu não tenho dinheiro.

– Não posso me afastar da minha família nesse momento.

– É uma hora ruim no meu trabalho

– Acho que pode surgir uma oportunidade melhor nos próximos meses

estrada, viagens de carro

Vou te contar uma coisa: em qualquer momento da vida, você sempre vai encontrar centenas de bons motivos para não fazer algo, para não se mexer, não tomar as rédeas da sua vida, para continuar na sua zona de conforto. Basta dar atenção demais aos obstáculos que rapidinho você desiste.

E eu não estou falando só de decisões ligadas a viagens. Talvez seja da natureza humana: a gente se sente confortável com situações rotineiras, que a gente conhece. E por isso, ao menor sinal de mudança, já começamos a criar os imbatíveis guardiões imaginários das coisas como elas são.

Resistência: onde ela vive? De que se alimenta? Hoje, no Globo Repórter

A resistência foi um conceito que eu aprendi quando estava estudando empreendedorismo criativo. Você, provavelmente, já é íntima dela e nem sabe. É aquela vozinha irritante que tenta te desmotivar a realizar seus projetos. Sabe quando você escuta alguém gritar na sua cabeça que um sonho é complicado demais, que você não vai dar conta ou que aquele obstáculo é um Everest e você com certeza vai ser soterrado por uma avalanche antes de chegar ao topo? Prazer, essa é a resistência. E ela tem especial afeição pelos projetos que mais importam pra gente e, por isso mesmo, os que nos dão mais frio na barriga.

Viajante com câmera

Algumas coisas que você precisa saber sobre a danada resistência:

a) Ela faz parte de você, mas você não É a resistência.

b) Ela é exagerada e pessimista. Tem que desconfiar de tudo o que ela diz.

c) Não tem como fazê-la sumir pra sempre, mas dá para mandá-la passear de vez em quando.

d) Ela é alimentada pelos seus medos e inseguranças. Ataque-os e você vai vê-la minguar.

É claro que não é para ninguém fazer as malas agora mesmo e sair andando sem rumo. Para a maior parte das pessoas, essa vida de impulsos não é factível. Mas aquele impulso pode se transformar em um projeto, que vai virar uma viagem daqui a alguns meses. Por que não? Para isso, é preciso vencer a resistência, separando muito bem aquilo que é realmente um impedimento (podem existir alguns) daquilo que é medo, insegurança, estagnação e desculpa besta.

Uma coisa que eu me pergunto quando penso em algo que eu quero fazer, mas arrumo desculpas para me convencer de que eu não posso: “Qual é a pior coisa que pode acontecer se eu fizer isso?” e, logo depois, “Existe algo que eu possa fazer para eliminar ou contornar esses obstáculos?”. Em geral, nenhuma das consequências vislumbradas é catastrófica e a maior parte pode ser evitada com um pouco de planejamento e jogo de cintura.

Menina com mala de viagem

Um questão de prioridade

Quase todos os meus amigos são profissionais de comunicação na faixa dos 20 e tantos anos. Talvez por um alinhamento astrólogo bizarro no final dos anos 1980, todos temos mais ou menos os mesmos problemas: pessoas solteiras e sem filhos, com um estilo de vida meio boêmio, que estão na mesma faixa de renda e enfrentam algumas dificuldades pra botar essa tal vida de adulto no prumo. Se é assim, então o que explica que alguns deles sempre acham um jeito de viajar e outros não conseguem tirar os planos do papel?

Prioridade, só isso. E querer uma coisa é bem diferente de torná-la uma prioridade na sua vida. Uma das minhas amigas (que até viaja bastante) quer muito tirar um sabático, dar a volta ao mundo, fazer um intercâmbio, mas não vai porque a prioridade dela é manter o emprego dos sonhos que ela conquistou. Outra preferiu investir primeiro em um carro. Tem alguns que preferem viver uma vida sem (muita) economia, mesmo que isso signifique não colocar nada no cofrinho da viagem.

Eu não critico essas pessoas. Não é porque eu fiz uma escolha que ela é a resposta certa pra todo mundo. Está tudo bem dizer: “eu queria muito fazer isso, mas aquela outra coisa é mais importante para mim no momento”. Talvez você possa viajar mais tarde, talvez esse item nunca vá ocupar o topo da sua lista. Isso é você que sabe. Mas uma coisa é certa: você não precisa esperar ganhar na loteria ou que as estrelas se alinhem no ângulo perfeito para começar a viajar. Tudo o que você precisa é de prioridades.

E, respondendo a pergunta do título do post: qualquer hora pode ser boa ou ruim para viajar. Depende do que você decide que é.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

17 comentários sobre o texto “Qual é a hora certa para viajar?

  1. tenho todas as oportunidades e o dinheiro para viajar, a minha preocupação é a minha idade. vou fazer 18 anos e tenho medo de que não possa fazer tudo que quero pois, em grande parte do globo, a maioridade é de 21 anos. vocês acham que vale mais a pena esperar ou ir agora mesmo? sei que isso vai de pessoa para pessoa mas adoraria saber a opinião de especialistas, hahaha. eu posso trabalhar com 18 anos? posso ser independente com essa idade? quero ficar o maior tempo possível mochilando pela europa e talvez pela india e tenho medo de que minha idade me proíba de fazer coisas necessárias como trabalhar para meu sustento.

    obrigada.

    1. Olá Mariana, quais países você viu que têm maioridade aos 21? A maior parte do mundo, na verdade, a maioridade é aos 18 mesmo. Não vejo porque sua idade seria um impeditivo para você fazer nada, já que mesmo aos 16 as pessoas podem trabalhar em grande parte do mundo. Na verdade, o impeditivo para que você consiga um emprego é muito mais o visto de trabalho que a idade.

      Abraços

      1. após fazer esse comentário fui pesquisar mais sobre isso e realmente, a maioridade é 18! estou super contente e já estou direcionando toda a minha rotina para conseguir viajar no ano que vem! obrigada pelas dicas!

  2. É exatamente isso: uma questão de prioridades! Às vezes as pessoas me incentivam a comprar um carro. Não. A mini fortuna que eu gastaria comprando e mantendo um carro aqui no Brasil eu procuro direcionar pra formações diversas (como um curso de guia de turismo que concluí agora), boa comida (#vaigordinha hahah)e viagens, por exemplo. Não critico quem gosta de ter carro ou reformar a casa todo ano, mas pra mim isso é supérfluo.

    Uma dica que sempre funciona comigo num projeto novo: dividir em pequenos objetivos possíveis. Isso faz uma coisa grandiosa e impossível se aproximar da realidade, né? Se alguém decide hoje se mudar pra Alemanha não precisa se preocupar com casa pra alugar agora ou quantos euros vai gastar. O 1º passo é falar alemão, por exemplo.

    É como uma obra. Pensar uma coisa de cada vez ajuda a construir o sonho aos poucos.

    1. Também não tenho carro e não sinto a menor falta! Com o dinheiro que eu gastaria para ter e manter um eu dei uma volta ao mundo. Foi a melhor coisa que eu já fiz na vida. E excelente essa dica de quebrar um objetivo grande em pequenas metas. Tenho usado esse método já há algum tempo.

      abraços

  3. Adorei o blog de vocês, sem dúvidas, muito útil para quem quer começar a planejar/fazer uma viagem.Eu tenho 18 anos, e não me vejo fazendo outra coisa a não ser conhecer o mundo inteiro e seus lugares encantadores, mas nem tudo na vida é um mar de rosas e eu estou completamente perdida. Não penso em viajar esse ano, até porque ainda preciso trabalhar pra conseguir bastante dinheiro e aí sim começar a “viver” a vida de todas as formas possíveis. Mas tem um grande problema, eu ainda não comecei uma faculdade, e não sei nem se penso em começar agora, são tantas dúvidas, indecisões, mas eu não consigo tirar essa ideia de viajar da minha cabeça. Enfim, não sei por onde começar, ou o que devo fazer. O meu objetivo seria viajar para a Europa e conhecer todos os lugares, viver um tempo lá para conseguir dinheiro e depois fazendo isso em cada lugar, mas não tenho nem ideia se posso fazer isso mesmo ou se é ilegal, ou então como posso conhecer o mundo viajando e trabalhando.. queria uma ajudinha básica pra me situar um pouco!!

    1. Ana Luíza. Eu também tenho vontade de conhecer outros países e tenho 29 anos.
      Vai demorar para que eu consiga isso!
      Enquanto isso não acontece, eu vou aproveitar o Brasil!
      Pretendo fazer minha segunda viagem sozinha em setembro.
      Para economizar você pode fazer a carteirinha do Hi Hostel: http://www.hihostelbrasil.com.br.
      Existem otimos hostels,é só pesquisar bastante e a carteirinha oferece descontos em restaurantes e atrativos turísticos.

    2. Ei Ana Luíza, eu te entendo muito bem! Desde muito nova eu queria viajar, mas não tive a oportunidade tão cedo. Eu me sentia frustrada por ver meus amigos viajando e eu não podia ir. A primeira vez que eu saí do país foi aos 23 anos, logo que eu me formei na faculdade. Precisei trabalhar no meu estágio e como garçonete de um café para juntar dinheiro, mas fui. O que eu estou querendo dizer é que é normal você ter essa ansiedade e eu já passei por isso também, mas que você também é muito nova e tem muito tempo para realizar esses sonhos pela frente. E mais cedo ou mais tarde você vai conseguir! E a faculdade não é um obstáculo para isso, pelo contrário, pode até ajudar. Hoje tem muitas bolsas de intercâmbio. Você também pode tirar um gap year para viajar e só pensar em faculdade depois disso! Quanto a sua ideia, infelizmente você não pode trabalhar nos lugares com visto de turista. É ilegal e você pode ser deportada por isso. No entanto, tem uma saída: se você se matricular em cursos de idiomas e viajar com visto de estudante, alguns países permitem que você trabalhe por meio horário. Na Europa, se não me engano, a só a Irlanda permite. Tem gente que viaja mesmo assim e trabalha de forma ilegal para juntar dinheiro, mas eu não vou te aconselhar a fazer isso. Fica da sua consciência.

      Abraços!

  4. Então Natalia, eu tive um empurrão chamado estresse, estava quase explodindo quando decidi, pela primeira vez na vida, viajar e sozinha. Foram os 9 dias mais felizes que poderiam ter acontecido nos últimos anos…No momento, planejo viajar novamente, os 30 dias que tenho de férias, sair no dia 1º e voltar no último dia antes de retornar ao meu emprego…Abraço.
    ps. amei o texto.

    1. Às vezes a gente precisa desses empurrões pra vida andar, né? Que bom que você gostou da experiência! Boa sorte na próxima empreitada!

      Abraços

  5. Texto foda, Nati! Eu estou vencendo a minha agora…moro na Irlanda, onde trabalho num emprego estavel e tenho uma vida sussa…mas vou me jogar na estrada de novo e me mudar pra Gales, pra fazer mestrado lá. To morrendo de medo, o orcamento ta super apertado e como irei estudar, trabalhar full time ta fora de cogitacao…um monte de mudanca, mas to tentando vencer a resistencia e ver que vai dar certo!

  6. Hoje,no Globo Repórter!! kkk..kkk 🙂

    Ano passado eu venci a resistência e viajei sozinha, foi emocionante de cair lágrimas de tanta emoção! Então, eu vou fazer denovo, em setembro!

    Eu falei para mim mesma: – Sou adulta,sou inteligente,sou guerreira,eu mereço e não vou esperar convide de ninguém para vivenciar experiências.

    Mas, eu já dei ouvidos a resistência e não me arrependi!
    Desisti da Auto-Escola e estou convencida que eu não nasci para dirigir.

    Bom fim de semana, trio 360 e leitores!! 🙂

    1. hahahah olha, eu quase desisti da auto-escola também, mas acabei me forçando a tirar carteira uma dia porque alugar um carro pode ser importante em viagens. Aqui em BH mesmo, não dirijo nunca. Tudo de ótimo na sua próxima viagem, que seja tão marcante quanto a primeira!

      Abraços

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.