Tags:
Atlas: Jalapão, Brasil, Tocantins

Jalapão, Tocantins: o Brasil que você ainda precisa conhecer

Uma estrada reta de terra avermelhada cortava um cerrado que tende ao infinito. Olhei pela janela. De um lado, árvores tortas, vegetação rasteira e poeira. Do outro? A mesma coisa, até a vista falhar. Misture isso com um céu de cores quase inverossímeis. Acrescente cachoeiras, lagos, rios, algumas dunas e, claro, relevo à moda das chapadas. Assim é o Jalapão, uma parte especial do Tocantins.

Tocantins que, assim como o Jalapão, é novo, ainda desconhecido pelo viajante do resto do Brasil. Erro nosso, culpa nossa – já passou da hora de colocarmos o Jalapão na galeria dos grandes destinos brasileiros, lado a lado com Noronha, Foz e a Amazônia, entre outros.

Jalapão, Tocantins, Turismo

Erro que tentei começar a corrigir na última semana, quando desembarquei em Palmas, a mais nova capital estadual do país, fundada em 1989. Mas não foi dessa vez que tive tempo para conhecer melhor essa cidade de avenidas retas e quarteirões organizados. Um dia depois de desembarcar no norte do país – sim, o Tocantins está na região norte – comecei a longa viagem rumo ao Jalapão.

Dentro do caminhão adaptado para estradas pouco adaptadas para caminhões, balançávamos sem parar. E, pouco a pouco, deixamos tudo para trás – asfalto, cidades, casas, carros e pessoas sumiram do mapa. É que o Jalapão, transformado em Parque Estadual em 2001, é enorme: maior que Sergipe. Só que no Jalapão gente é um artigo muito mais raro que no estado nordestino. A densidade populacional é de 0,8 pessoas por km², uma das menores do Brasil – há quem diga que é a menor.

Jalapão, Tocantins

Uma vez dentro do Jalapão, é possível passar dias sem trombar com gente. Como eu estava viajando em grupo, convivi diariamente com cerca de 30 pessoas, mas era raro cruzarmos com outros carros durante nossas andanças por lá. Só mesmo numa das poucas cidades que ficam dentro do parque, sendo que a maior serve de moradia para uma multidão de oito mil jalaponeses.

Jalapão, Tocantins

Tão pouca gente, tão poucas estradas. É preciso de um dia quase inteiro de viagem, a partir de Palmas e em veículos 4×4, para conquistar o Jalapão. Tudo isso fez com que uma das regiões mais bonitas do Brasil permanecesse preservada e desconhecida até o começo desta década, quando turistas começaram a chegar em maior número.

O Jalapão talvez seja a maior prova de que o Brasil ainda não revelou todos os segredos turísticos que é capaz. Um lugar lindo, único e que, vai entender como, esteve sempre ali, no coração do Brasil, mas escondido do brasileiro. Se o Brasil foi capaz de guardar o Jalapão por tanto tempo, o que será que ainda temos para conhecer?

Jalapão, Tocantins

Por ser o destino e a casa de tão poucos, o Jalapão logo conquista os que passam por lá. E olha que o tratamento preparatório para ficar uns dias no Jalapão é de choque. Primeiro você fica sem sinal de internet no celular. Depois é o próprio celular que se torna inútil. Conexão wifi também é coisa rara, para não dizer inexistente. Pronto! Está posta a receita para passar alguns dias desconectado de tudo. No Jalapão não é possível fotografar e compartilhar – o Facebook mais próximo está a horas de estrada de terra de você. Assim a gente desapega da necessidade de compartilhar tudo e se entrega a outro vício. O de contemplar.

Contemplar a Serra do Espírito Santo, o cenário mais incrível que encontrei por lá. Dunas, lagos e chapada se unem no mesmo local. Se algum dia fizerem um cartão-postal do Jalapão para vender em bancas de jornais, pode ter certeza que será da Serra do Espírito Santo.

Jalapão, Tocantins

Passamos por ela no segundo dia de viagem. Pouco a pouco, vencemos a estrada de terra que separava o acampamento daquele que seria o ponto para observar o pôr do sol. E foi aí que o dia escureceu, as estrelas apareceram e a lua – enorme, cheia, branca – passou a iluminar o território jalaponês.

Jalapão, Tocantins

Voltamos à Serra do Espírito Santo várias vezes nos dias seguintes. Num desses dias, subimos a serra, numa trilha de quatro quilômetros que forçou os joelhos, exigiu fôlego e descansou a vista, ao mostrar um Jalapão que parece engolir o mundo.

Mas o Jalapão é mais do que chapadas e cerrado. Tem cachoeiras, como a da Formiga, de água verde clara. Tem a Cachoeira da Velha, no Rio Novo. Cachoeira com 15 metros de altura – ali não dá para nadar, mas basta descer um quilômetro para achar uma prainha para chamar de sua. É esse mesmo Rio Novo que serve para nadar e, por que não, para o rafting dos mais aventureiros.

Jalapão o que fazer

Por falar em nadar, inclua no seu roteiro também os fervedouros, que num primeiro momento parecem ser apenas laguinhos de água azul, mas que na realidade escondem as nascentes de um rio subterrâneo. A ressurgência da água torna impossível afundar – você sempre é empurrado de volta para cima.

Depois de nadar e brincar nas águas do Jalapão, é hora de voltar para casa, mas não sem antes passar mais uma vez pela Serra do Espírito Santo. Sentado na beira da estrada, observando as chapadas do Jalapão, pensei nos filmes de faroeste norte-americanos.

Não pelo enredo, óbvio, mas pelo cenário. Vilas perdidas no meio do nada, estradas de terra e natureza exuberante. O Jalapão é nosso Monument Valley, nosso Velho Norte. Leve um bom livro, boas músicas e aprecie a passagem do Brasil pela janelinha do veículo. Que vai balançar.

Jalapão o que fazer

Gostou do post? Que tal salvar essas dicas no board do seu Pinterest?

por do sol no jalapao laranja

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

18 comentários sobre o texto “Jalapão, Tocantins: o Brasil que você ainda precisa conhecer

  1. Sem dúvida um dos grandes destinos brasileiros. Fiquei 7 dias e tive a chance de conhecer os principais atrativos, fervedouros, cachoeiras, dunas.

    Também senti falta de ficar mais tempo para conhecer Palmas e arredores, acho que pouca gente que vai ao Jalapão pensa nisso!

    Abração Rafa

  2. Acabei de voltar do Jalapão que é tudo isso que você narrou e um pouco mais. Graças a Deus este santuário permanece preservado da ação predatória do homem e da ganância de grandes empresários. E é bom que continue assim longe de tudo e de todos e de acesso difícil. Parabéns pelo texto que retrata bem o que é o Jalapão. Também fui pela Korubo no pacote de 7 dias.

  3. Viajei no seu post! Bela descrição! O Jalapão tá na lista de desejos dos lugares que quero conhecer. Ansiosa aguardando os próximos posts sobre esse paraíso…

  4. Rafael, bacana demais cara!
    Veja bem, qual empresa você fechou o pacote?
    Sabe me dizer quantos dias dura o tour?
    Não sou fã de turismo de massa, mas pelo que vi as únicas formas de acessar o Jalapão é contratando empresa ou um 4×4 né… (a segunda opção está longe de ser minha realidade… rs)

    1. Fala, Julio. Fechei o pacote com a Korubo, que tem um acampamento no meio do Jalapão. Tudo é incluído, menos passagens aéreas e bebidas alcoólicas.

      Você sabe que eu normalmente prefiro fazer viagens por conta própria, mas esse me parece ser um caso em que a agência ajuda e muito, já que eu não tenho o 4×4 e que encarar o Jalapão sem ajuda é meio tenso. Para você ter uma ideia, os dois carros da Korubo nunca andam separados, justamente para existir alguma ajuda, caso um carro atole, não ligue, etc.

      O site deles: http://www.korubo.com.br/index_br.asp

      Abraço.

  5. Eu estava pesquisando esse destino dias atrás. Realmente é bem interesssante,belas paisagens ,os fervedouros,li que tem muito artesanato de capim dourado em Palmas.
    Muito ineressante saber que Palmas é uma capital tão jovem, eu já falava e andava quando Palmas se tornou capital.

    1. Pois é, Natália. Quero até voltar em Palmas, para conhecer mais da cidade e arredores mesmo. Parece ser interessante.

      Abraço.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.