fbpx
Tags:
Atlas: Brasil

Viajantes, precisamos descobrir o Brasil

Estávamos sentados debaixo de uma barraquinha mequetrefe em Cayo Bolívar, uma ilhota a cinquenta [aterrorizantes] minutos de barco de San Andrés, na Colômbia. O sol escaldante daquela terça-feira fazia o azul do mar ser tão azul que mesmo de óculos escuros os olhos insistiam em ficar meio franzidos.

Um gole de cerveja descia pela garganta quando uma turista brasileira chegou bem animada, contando pra gente que ali era o lugar mais bonito que ela havia conhecido na vida, que aqueles sete tons de azul superavam as praias de Cancún, onde, segundo ela, o azul se mostra mais homogêneo. “Vocês já foram a Cancun?”, perguntou ela. Respondemos que não. Seu rosto animado iria se mudar logo em seguida, quando ela perguntou se estávamos gostando dali. “De fato é muito bacana e diferente, só que esperávamos mais”, respondi.

San Andrés, Colômbia

San Andrés, na Colômbia: Como esperar mais do que isso aqui?

“Esperavam mais que isso aqui?”, disse ela apontando três vezes para o mar. Tentamos explicar que um local nos agrada por completo quando o conjunto da obra se mostra harmônico, que apesar de estarmos quase que em uma ilha perdida em meio ao mar do Caribe, a exploração descontrolada do turismo resultava em lixo espalhado por toda areia, e que isso nos incomoda bastante em uma praia.

“Vocês precisam conhecer Buenos Aires, lá vocês iam ver o que é lixo, tem espalhado por todo canto. Conhecem Buenos Aires?”, perguntou a moça. Novamente respondemos em negativa, mas para fortalecer nossos argumentos, comentamos que havíamos visitado Fernando de Noronha recentemente. Dissemos que lá, moradores e turistas levam a sério a preservação e conservação da ilha, afinal eles dependem daquilo. Claro que acabamos por achar algum lixo bem escondidinho lá naquele canto, mas não encontrávamos nada nas praias.

Veja também: Como planejar uma viagem para Fernando de Noronha

Na verdade caminhamos muito por Noronha e raro foi ver algum resíduo em local inadequado, nada comparado ao que estávamos vendo ali e em toda Ilha de San Andrés. No final das contas, nem foi só por causa do lixo: “por todo conjunto da obra, experiência de praia e por aquele mar azul-verde-esmeralda, preferimos Noronha. Este é o nosso parâmetro de ilha”, acrescentamos.

viajar pelo brasil

Bom, eu prefiro Noronha

“Mas vocês pagaram bem mais caro para ir pra Noronha né!? Estive olhando os preços para lá antes de vir para cá e achei um absurdo”, disse a moça. Com sorriso no rosto, afirmamos que havíamos gastado bem menos em Noronha e tido um retorno muito maior, além de ter ido na alta temporada. Ela nos olhou meio desconfiada, trocamos mais algumas palavras e ela se foi.

Assim foi com várias pessoas, que ficavam boquiabertas por dois motivos: primeiro ao saber que pagamos mais barato indo a Noronha (tido como um destino quase inatingível por meros mortais como eu e você) e segundo que achamos nossa ilha muito mais bonita, nos arrancando nossos maiores suspiros.

Veja também: Como viajar pelo Brasil gastando pouco

fernando-noronha-mirante

Morro Dois Irmãos, Noronha

O segundo motivo nos surpreendeu muito, pelo fato da visão que os brasileiros têm do seu próprio território. Cara, o nosso país é lindo! E não consigo imaginar alguém atirando a primeira pedra para dizer o contrário. Estou falando de 7.367 km de litoral com praias para todos os gostos e dos mais variados tons, dunas, falésias, ilhas, cachoeiras, chapadas, florestas selvagens, montanhas, serras, Pantanal, cavernas, rios, cataratas, calor, frio, neve, cidades bacanas, história e ainda a maior biodiversidade do planeta. Além disso, o povo brasileiro é diferente. Somos legais e ponto.

Nós sabemos muito bem que para determinados locais e épocas, viajar pelo Brasil sai caro. Ir para Noronha e ver a Praia do Sancho – eleita duas vezes consecutivas pelo TripAdvisor a praia mais bonita do mundo, ou tentar ir nos carnavais mais disputados como Rio de Janeiro, Salvador e Olinda, requer meses de antecedência para pesquisa e planejamento.

Sim galera, viajar pelo Brasil também demanda planejamento. Aí vem aquela máxima: “viajar pelo exterior às vezes compensa muito mais que viajar por aqui”. Mas em qual sentido? Você vai gastar menos na passagem para poder compensar no freeshop? Bom, tudo é uma questão de prioridade.

Veja também: Cinco roteiros de mochilão pelo Brasil

DCIM101GOPRO

Taipú de Fora, Bahia

É claro que às vezes surge aquela promoção arrasadora para o exterior (ou bugs em sites) que não devem jamais ser desperdiçadas, principalmente se você tem disponibilidade. Viajar para fora do país é uma experiência que toda pessoa deveria ter ao menos uma vez na vida. Percebam que não estamos criticando neste texto quem viaja para fora e muito menos tentando fazê-los passear mais pelo Brasil, mas sim uma reflexão sobre o valor que os destinos turísticos brasileiros possuem e que muitas vezes são inferiorizados por essa tendência de acreditar que tudo lá fora é melhor. Nem tudo.

O que mais vejo por aí são pessoas que tiram conclusões de lugares que nunca foram através dos olhos de terceiros. Já visitei lugares que me amarrei embora tenham me falado só coisas ruins, ao passo que já visitei locais que não agradei quando só haviam me falado coisas boas.

Sou do tipo de viajante que acredita que a pessoa tem que visitar os lugares que deseja com seus próprios olhos e pés para que possa ter sua própria opinião, ao invés de serem tão entendidos daquilo que nunca viram. Nosso Brasil tem sim o seu valor! Que possamos reconhecer as maravilhas que nosso país tem a nos oferecer e que saibamos desfrutar com responsabilidade e consciência.

Chapada dos Veadeiros

Cachoeira Santa Bárbara, Chapada dos Veadeiros – Goiás

Termino essa reflexão com essa passagem de Amyr Klink: “[…] Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”.

Clube Grandes Viajantes

Gostou deste texto? O 360meridianos faz jornalismo de viagem profissional, completo e de qualidade. Com a pandemia, vimos o site entrar em risco. É que produzir conteúdo bem-feito dá trabalho – e custa caro. Infelizmente, não conseguimos escrever reportagens especiais, dicas de viagem completíssimas e histórias cativantes sem dinheiro.

Foi por isso que criamos o Clube de Assinaturas Grandes Viajantes, um espaço para apaixonados pelo 360meridianos, por viagens e por leitura. As contribuições de 9 ou 19 Reais garantem não só que consigamos continuar produzindo textos como este, mas também te prometemos diversas recompensas exclusivas: ebooks, lives, um grupo de discussão, um minicurso de escrita e muito mais! Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Júlio Dalmazio

Cansado de viajar pelo Google Maps, resolvi sair por aí conhecendo os lugares com meus olhos e pés.

  • 360 nas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

21 comentários sobre o texto “Viajantes, precisamos descobrir o Brasil

  1. Que texto maravilhoso! Concordo plenamente. Nosso país é um espetáculo! Diverso no clima, na paisagem, na cultura, nos sotaques, nos sabores, nos aromas! Percebi exatamente o mesmo que vocês: muita gente torce o nariz quando falo que priorizo conhecer meu país… Não conheceço o velho continente, e quero muito conhecer… as viagens que fiz pela América do Sul foram fantásticas. Viajar pra fora também é ótimo. Mas, mas, mas… o Brasil não perde em nada para os outros. O que conheço desse nosso imenso território me faz querer conhecer cada vez mais! Valorizar o que é nosso! Obrigada pelo texto!

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.