fbpx

Turismo de massas: Coisa de rico? Coisa de pobre?

Volta e meia surge um personagem de TV brasileiro, seja vilão ou do núcleo de comédia, cujo bordão é vangloriar sua riqueza e ao mesmo tempo demonstrar sua profunda aversão “a coisa de pobre”. Esses personagens não surgem do nada – existem porque faz parte do imaginário das pessoas ver na pobreza dos outros toda a culpa dos males do mundo. E, apesar de no Brasil isso ser tão escancarado dada a nossa desigualdade social brutal, não é só no nosso país que existe essa visão maligna de “coisa de pobre”.

Há algumas semanas eu estava conversando com uma proprietária de um pequeno hotel familiar, numa cidade bem pequena em Portugal. Enquanto ela me contava sobre a história do seu negócio, fez questão de me dizer, mas evitando o tempo inteiro dizer a palavra “pobre”, o quanto os seus clientes eram diferentes, tinham um nível mais alto e por isso eram mais sensibilizados e exigentes e não faziam parte do “turismo de massas”.

Poucos dias depois apareceu na minha timeline a notícia de que o turismo do Qatar andava interessado em atrair turistas “de alto padrão”, como famílias e turistas de negócios, e não estava interessado em, segundo eles, “mochileiros que só querem pagar $50 num quarto, deitar na praia o dia inteiro e andar por aí de short e mochila. Não são essas as pessoas que estamos procurando”, disse o responsável pelo órgão de turismo de lá. Vocês podem ler a matéria toda aqui, em inglês.

A grande questão para mim não é quem cada um quer receber no seu próprio hotel ou no seu país. Quer cobrar centenas de dólares? Que seja. Mas não me venha confundir turistas-que-podem-pagar com turistas conscientes. Pois nos dois exemplos acima há uma clara associação entre quem tem dinheiro e quem é educado e busca experiências diferenciadas numa viagem.

O presidente da Qatar Airways também afirmou: “Nós queremos atrair todos os tipos de turista, desde que estejam aqui para relaxar, para uma experiência única, para ver a cultura e conhecer a parte artística do turismo”. Ele também falou que não queria saber de quem anda de mochila e fica na praia o dia inteiro.

praia de caneiros piscinas naturais

É feita a associação de que quem tem menos dinheiro para gastar é fraco não só de conta bancária, mas também de cultura, consciência e todo resto. Como se quem tem muito dinheiro não deitasse na praia o dia inteiro, como se só quem tem muito dinheiro tenha interesse em museus, arte e cultura. Como se só quem tem muito dinheiro tenha consciência sócio-ambiental.

Se fosse assim, não tinha tanto resort all inclusive em lugares onde falta água potável e comida para população local. Não tinha tanta gente abraçando tigres dopados como se fossem gatinhos. Não tinha tanta gente subindo em patrimônio histórico e destruindo coisas para tirar selfie.

turismo de massas é tão prejudicial, preocupante e incomodo não porque as massas são formadas por pessoas sem muita grana no bolso. É porque é um monte de gente, DE DIVERSOS PERFIS SOCIAIS, indo para o mesmo lugar, sem consciência. Porque fazem atitudes de massa sem pensar. Porque o ser humano tem uma tendência em repetir comportamentos que destroem patrimônios e ecossistemas só porque alguém fez antes e a foto ficou legal. Isso sem esquecer, claro, da falta de estrutura e planejamento de muitos destinos turísticos para receber esses turistas de forma sustentável, algo infelizmente comum.

Numa boa, o mundo deveria entender que ter alto poder aquisitivo não traz consciência para ninguém. Que um bom viajante não é definido pelo critério “se está de mochilão” ou de “mala Rimowa”. Se anda de chinelo ou salto. Se gosta de música A ou B.

Se você alguma vez foi a algum lugar e pensou como ali era bom porque era “bem selecionado”, pare e pense: que seleção é essa? Será que é bem selecionado porque são poucas pessoas ali? Ou porque elas são parecidas com você? Será que o comportamento dessas pessoas bem selecionadas é tão correto assim? Ou você só acha correto porque é semelhante ao seu?

veliko tarnovo bulgária fortaleza 2

Eu acho que a única coisa que diferencia o turista com dinheiro do sem dinheiro é a quantidade de compras que o primeiro pode ou não fazer. Viajar não torna ninguém automaticamente uma pessoa melhor.

Tem gente interessada em cultura em hotel 5 estrelas e hostel. Tem gente em hostel que só quer saber de se deitar na praia, tem gente em camping que quer visitar museu, tem gente em hotel de luxo que não abre mão de conhecer a vida local de perto. Meu ponto é que tem todo tipo de viajante em todos os lugares. Ao invés dos destinos turísticos terem a ilusão de que é o dinheiro que vai definir “um bom turista”, eles poderiam começar a pensar formas de como educar e fiscalizar melhor as pessoas que os visitam e, tão importante quanto, as atrações turísticas.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

19 comentários sobre o texto “Turismo de massas: Coisa de rico? Coisa de pobre?

  1. Vc falou tudo. O que falta é mais consciência dos representantes locais para estabelecer regras e normas de como aproveitar os espaços e também uma maior fiscalização. Pois já vi gente com muito dinheiro destruindo o eco sistema e gente com muito pouco fazendo de tudo para preservar o ambiente.

  2. Como aquela velha discussão entre ser turista (viagens de massa, etc.) e viajantes (pessoas cool que descobrem coisas fantásticas pelo mundo). Cansei dessas definições! Cada um faz a viagem que pode e quer! Já vi hotéis com turistas ricos tratarem os funcionários como se fossem escravos: traga meu drink, quero mais gelo! E coisas assim.

  3. Muito bem escrito. Obrigada pela reflexão verdadeira e direta sobre o tema. Realmente somente viajar ñ torna uma pessoa melhor que a outra.Conheço gente que viajou para muitos destinos Mundo afora e contabiliza com orgulho a sua viagem N° 100 , mas tenta você conversar mais profundamente com a pessoa sobre os lugares que ela conheceu, sua impressão sobre o lugar e etc..percepção ZERO!

  4. Por isso que adoro esse site. O termo massa carrega uma denotação negativa porque o estudo das massas é feito por intelectuais, ou ainda, julgado pela elite (econômica). recentemente, estão trazendo outra percepção sobre o termo e as atitudes de massa. Mas é uma construção sócio-cultural. O turismo se tornou um bem de consumo quando as pessoas tiveram um dinheiro extra para gastar. Em Roma vi hordas e hordas de asiáticos e eles não eram educados, em amplo sentido. O turismo também se tornou objeto de distinção social e estilo de vida. Engraçado no Brasil como que Buenos Aires virou aquele destino da primeira viagem. Há tipos e tipos de turistas, o importante é viajar.

  5. É ótimo ler esse tipo de reflexão. Eu também não estou isenta de culpa. Por isso que textos assim são ótimos para nos fazer pensar nas nossas próprias atitudes.

  6. Com certeza o presidente do Qatar vai ficar muito feliz quando chegarem ao seu país hordas de novos-ricos chineses com toda a educação e cultura que lhes são tão característicos 😛

  7. Amei seu post! Infelizmente boa parte só pensa naquilo que os outros podem pagar…e questões mais sérias deixam de ser analisadas como vc disse ” pensar em formas de educar e fiscalizar”.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.