fbpx
Tags:

Ao entrar em um templo pela primeira vez, faça um pedido

Eu tomava café da manhã no restaurante do terraço de um hotel em McLeod Ganj, na Índia. Era meados de novembro e o dia estava lindo com o sol de inverno e o céu azul que vem com ele. No fundo, os Himalaias se erguiam para onde quer que a gente olhasse. Entre uma mordida na minha panqueca e um gole do meu lassi, eu disse: “Caramba, nunca pensei que pisaria num lugar desses”.

De repente, percebi que tinha realizado um desejo feito muitos anos antes. Não que eu tivesse sonhado em visitar McLeod Ganj algum dia na minha vida. Para falar a verdade, sequer tinha ouvido falar na pequena vila até chegar à Índia. Mas eu sonhava, sim, com uma ideia distante de lugares que eu não conhecia. Um sonho que surgiu quando eu ainda era criança e passava horas com a cabeça enfiada em enciclopédias lendo sobre países dos quais eu nunca tinha ouvido falar para tentar decifrar o último mistério de Carmen San Diego.

Mcleod Ganj - Índia

Minha família viajava pouco. A cada férias escolares, percorríamos um longo caminho para visitar meus avós no norte de Minas. Em alguns verões, passamos temporadas na casa de amigos em Petrópolis e uma ou duas vezes fomos acampar na Serra do Cipó. De todas essas viagens eu guardo lembranças nítidas. Como da vez em que visitamos a Serra da Canastra e minha mãe segurou meu braço enquanto subíamos as escadarias de uma igreja: “Sempre que entrar em uma igreja pela primeira vez, faça um pedido”.

Foi ela também que me ensinou a fazer um pedido para a primeira estrela que eu visse no céu, hábito que carreguei comigo por mais tempo do que seria socialmente aceitável admitir. Eu tinha uma lista de pedidos que fazia sempre. Eu queria um cachorro mais que tudo no mundo. Queria que nos mudássemos do apartamento onde morávamos para uma casa para que a gente pudesse ter um cachorro. Queria viajar. E ao cruzar o umbral daquela igreja, foi isso que eu pedi. “Eu desejo fazer isso mais vezes”.

Naty na Índia

Eu fui uma menina estranha. Pedi minha primeira boneca aos dez anos, pouco tempo antes de deixá-las de lado. Não é que eu não gostasse delas, e como qualquer menina eu acabei ganhando muitas. Mas quando eu podia escolher, pedia o Meu Primeiro Gradiente, o Pense Bem, o Super Nintendo, uma coleção de livros, um microscópio. Uma vez, eu peguei um caderno e resolvi que ia escrever um livro sobre as curiosidades do mundo. Ele era ilustrado com as figurinhas que vinham no chocolate Surpresa e recheado de informações que eu tirava da Barsa. A primeira página era sobre a Via Láctea.

Quando eu descia para andar de bicicleta, fazia de conta que estava perdida em uma floresta, como no filme Conta Comigo. Na trilha que fiz com meus pais até uma cachoeira da Serra do Curral, eu era a chefe de uma equipe de arqueólogos em busca de tesouros perdidos. E quando passava horas com o rosto colado na tela do meu Game Boy tentando vencer a Elite Four, o que me encantava era a aventura de explorar um mundo desconhecido, mais que capturar os 150 Pokemons.

Eu queria visitar lugares remotos, explorar vilas perdidas no tempo, descobrir relíquias. Eu sonhava em visitar o estranho país de bandeira em formato de árvore de natal, em caminhar pela orla repleta de casinhas coloridas como aquela foto de Reykjavík e conhecer as tribos canibais de Papuá-Nova Guiné. Eu percorria o mapa com o dedo e a imensidão do mundo parecia infinita na cabeça de uma menina que ainda não tinha dado seus primeira voos. “Será que se a gente cavar um buraco bem fundo a gente sai na China?”.

visto do Nepal

Quase vinte anos mais tarde, quando eu me vi cercada de montanha, neve e monges tibetanos, eu senti uma felicidade estranha, que misturava descrença e deslumbramento. Um desejo havia se tornado real e, naquele momento, McLeod era isso e nada mais. Era a materialização dos lugares fictícios que eu tinha criado na minha mente. Era a minha aventura, a minha jornada do herói. Foi naquele café da manhã que eu percebi que eu estava fazendo tudo o que eu sempre quis fazer e isso era consequência de diversas decisões que eu havia tomado nos últimos meses, muito trabalho, alguma sorte e da minha determinação. Ainda assim, por via das dúvidas, fica o conselho: ao entrar em um templo pela primeira vez, faça um pedido.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Be the first to write a review

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

14 comentários sobre o texto “Ao entrar em um templo pela primeira vez, faça um pedido

  1. Natalia!
    Minha mãe não é mineira, nem católica. Também não sei se foi por causa dela, mas fato é: eu também faço um desejo toda vez que entro num templo/igreja pela primeira vez.
    Na próxima viagem, vou fazer um pedido por vocês. <3 Obrigada a você e a toda a equipe do 360 pelos textos!

    1. Ei Denise, desde já agradeço o pedido e as vibrações positivas para o 360! Nós é que agradecemos o carinho!

      Um beijo grande! 🙂

  2. Saboreei o seu texto. Tão delicado e poético… Viajei com você! Estou prestes a viajar para a Índia, no início de 2017. Ansiosa por tudo o que vem pela frente: sabores, cheiros, paisagens, arte, cultura, gente, diferenças… Andei pesquisando sobre McLeod. Se puder, me dê algumas dicas sobre lá e outros lugares que você percorreu na Índia. Grande abraço!

  3. Oi Natália!!! Estou conhecendo um rapaz estudante de direito ,ele mora em Chandigarh,é perigoso eu ir lá sozinha para conhecer ele e a família,tenho dois filhos sou divorciada moro no Rio de Janeiro e tenho um Neto de 5 anos,ainda não contei nada para ele,depois que li esse lance do machismo fiquei com medo.O que vc me indicaria,caso eu vá pra lá!!Obrigada

    1. Olá Elaide, sugiro que você leia esses dois textos sobre o tema: https://www.360meridianos.com/2015/07/golpes-relacionamentos-estrangeiros.html

      https://www.360meridianos.com/2014/05/relacionamentos-de-brasileiras-com-indianos.html

      Eu te aconselharia a não ir para lá primeiro, peça que ele venha conhecer você e sua família antes. Por que é você que tem que se colocar em uma situação vulnerável viajando a uma país onde você não conhece ninguém e com uma cultura que você não conhece e super conservadora? Peça que ele venha conhecer-la em um ambiente que seja seguro para você.

      Abraços

  4. Acho que isso é típico de Minas Gerais. Minha mãe toda vez que eu entrava numa nova igreja com ela, ela pegava e falava: “Faça um pedido, você nunca veio nessa igreja”.
    Continuo com isso até hoje, a cada nova igreja um novo pedido.

    1. Pode ser, Igor. É bem a cara de Minas isso aí rs
      Minha mãe também dizia igreja, mas como já não me considero católica expandi para qualquer templo de qualquer religião.

      Abraços!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.