Como é estudar na Arábia Saudita

O Rafael Coelho teve uma experiência de intercâmbio que pouca gente tem no currículo: fez mestrado na Arábia Saudita. A história tão curiosa até virou livro. Ele compartilhou com a gente um pouco mais dessa aventura e contou como foi parar lá.

A minha história começa no meio de 2008, quando eu estava no último ano de Engenharia Eletrônica na UFRJ. No intervalo de uma aula, um amigo me mostrou um folheto de uma palestra que ele tinha acabado de assistir. Era sobre uma bolsa de mestrado em uma universidade que ainda nem existia.

Local: Arábia Saudita

Arábia Saudita?!

Assim como a maioria das pessoas, minhas únicas referências da Arábia eram: terrorismo, mulheres de burka e aquele gol da Copa de 94 em que o cara sai driblando todo mundo à la Maradona. Minha primeira reação foi: “Você tá maluco! O que vou fazer lá? Deve ter algum esquema, nem existe essa faculdade”.

Mas aquele meu amigo insistiu. Falou que eu deveria me inscrever para ver o que ia dar. Me inscrevi e passei por uma entrevista em São Paulo e mais uma na Cidade do México, até finalmente ser selecionado. Foi nesse evento no México que pude conhecer melhor o projeto.

A Arábia Saudita é um país muito rico, um dos maiores produtores de petróleo do mundo. Mas toda a economia gira em torno disso. Se um dia o petróleo acabar, acabou o país. Então, o rei da época, Rei Abdullah, teve a ideia de começar a investir em tecnologia para ajudar o desenvolvimento e diminuir essa dependência do petróleo. Daí veio o nome da Universidade, KAUST: King Abdullah University of Science and Technology.

campus estudar na arabia saudita

Além disso, ele tentava começar lentamente o processo de abertura do país. Para você ter uma ideia, não existe turismo lá. Conseguir um visto para visitar a Arábia Saudita é praticamente impossível. Como dinheiro nunca foi problema para os árabes (e o barril de petróleo estava a mais 100 USD), eles investiram uns 20 bilhões de dólares só na construção da faculdade. Isso mesmo, 20 bilhões de dólares. O projeto era ousado. Em 20 anos, eles queriam se tornar uma referência mundial, no nível do MIT, CalTech e Stanford.

Eles construíram do zero uma cidade universitária no meio do deserto, a uma hora da segunda maior cidade da Arábia Saudita, Jeddah. O local escolhido foi um vilarejo de pescadores chamado Thuwal, às margens do Mar Vermelho, aquele mesmo que Moisés abriu na novela da Record. Por causa desse isolamento, seria uma minicidade com várias opções de entretenimento: mercados, lojas, cinema (mesmo proibido no país), praia, marina, esportes, restaurantes, campo de golfe. Tudo estilo Dubai.

Para o campo acadêmico, eles levaram professores do MIT, Cornell e UC Berkeley, entre outras universidades mundialmente famosas, e selecionaram estudantes de outras instituições de ensino renomadas ao redor do mundo. Além dos incentivos acadêmicos, a KAUST ofereceu benefícios inacreditáveis, como uma bolsa de estudos de 1.700 dólares mensais, casa e plano de saúde. Afinal, não é fácil convencer bons alunos a largarem tudo e partirem para a desconhecida Arábia Saudita, né? Tudo parecia perfeito, o problema era só mesmo a localização da universidade.

Para quem não sabe, a Arábia Saudita é o berço do Islamismo. Lá eles ainda mantêm uma interpretação altamente conservadora das leis islâmicas (sharia). Segura aí umas “leis” bizarras do país:

1 – Bebida alcóolica e carne de porco não podem entrar no país;

2 – Mulher não pode dirigir;

3 – Cinema é proibido;

4 – Igreja Católica é proibida e distribuir Bíblia dá pena de morte;

5 – Pena de morte é decapitação em praça pública.

Mas para solucionar essa desconfiança, seis meses antes da inauguração da universidade, eles convidaram todos os alunos selecionados para passar uma semana na Arábia Saudita. Éramos em torno de 400 estudantes de mais de 60 nacionalidades, dentre eles eu e mais cinco brasileiros. Três homens e três corajosas mulheres.

1-Evento de integração na Arábia Saudita

Esse evento foi fundamental para a minha decisão, pois a conclusão após essa semana lá foi que a Arábia Saudita não é tão ruim quanto pensávamos. Vi que nem todo muçulmano representa um estereótipo e que são o povo mais hospitaleiro que já conheci. Mal te conhecem e já te chama para jantar na sua casa. E qualquer problema que você tiver, eles vão fazer de tudo para te ajudar.

Os mais jovens têm a cabeça aberta e compartilhavam dos mesmos interesses que eu. Nada de ódio ao ocidente, ódio aos “infiéis”, como tentam nos vender muitas vezes. Eles também não maltratam as mulheres. Os maridos que conheci tratavam bem e com muito respeito suas esposas, além de não concordar com as leis opressivas às mulheres. O maior problema são as leis atrasadas do país.

A cidade de Jeddah é bem desenvolvida também, com prédios bonitos, excelentes shopping centers e várias opções de restaurantes internacionais. Além disso, ela fica à beira-mar e não no deserto, como é a imagem clássica da Arábia. Jeddah também é a cidade menos conservadora. A polícia religiosa, uma instituição específica para fazer valer as leis islâmicas, também não age muito por lá. Ela pode, por exemplo, exigir um certificado de casamento de um casal jantando em um restaurante ou pedir para uma mulher se cobrir mais, mas é mais frequentemente na capital, Riad.

E por último e mais importante, vi que dava para me sentir seguro na Arábia, já que o índice de criminalidade é praticamente zero. Assusta um pouco pensar que a maioria dos terroristas do 11 de setembro vieram de lá e que foi justamente ali onde Osama Bin Laden nasceu. Tive até um professor que já havia dado aula para ele em outra faculdade de lá. Mundo pequeno!

No entanto, o programa antiterrorismo da Arábia Saudita foi muito bem-sucedido. Os atentados são cada vez menos frequentes e menos mortais. A chance era bem maior de sofrer alguma coisa na Linha Vermelha indo para o UFRJ.

É claro que, por mais que tenha me surpreendido positivamente, a cultura ainda era totalmente diferente da nossa. Mas voltei pro Brasil com a certeza de que valeria a pena a experiência. Decisão tomada.

Como foi a experiência de estudar em uma universidade saudita

Passei os seis meses antes de ir respondendo à pergunta: “Arábia Saudita? O que você vai fazer nesse país?”. Isso sem falar nas piadinhas da família e dos amigos. A mais comum de todas era mais ou menos assim: “Mestrado na Arábia? Curso para homem-bomba?”.

Apesar disso, em julho de 2009 embarquei para esta aventura. E posso dizer que foi a melhor decisão da minha vida. Passei dois anos inacreditáveis por lá. Para começar, o campus era incrível! Tudo muito grandioso e moderno, como você pode ver aqui nesse tour virtual. E as salas de aula e laboratórios eram de primeiro mundo. Nunca tinha visto algo parecido. Os árabes no geral adoram ostentar e exageraram até no “alojamento” dos alunos. Enquanto na maioria das universidades do mundo os alunos têm que dividir um quarto pequeno e dormir em beliche, o rei Abdullah me deu um triplex de 110 metros quadrados.

apartamento estudar na arabia saudita

O ambiente era bem internacional e a língua oficial era o inglês, que também podia ser usado na cidade. Árabe mesmo, só aprendi algumas palavras básicas. Além disso, algumas regras do país não eram aplicadas lá dentro. Essa notícia era bem importante para as poucas mulheres que foram estudar na KAUST. Nesse microcosmo, elas poderiam dirigir e se vestir normalmente como em seus países (mas sem exageros, né?). Já em relação a outras regras, não teria jeito, Ou seja, “NO ALCOHOL”!

Outro aspecto interessante de estar por lá foram as viagens que fizemos. A Arábia Saudita está localizada literalmente no centro do mundo. Era muito rápido e relativamente barato viajar para qualquer lugar. Fomos para países exóticos, mas “populares” como Tailândia, Cingapura, Indonésia, Índia, Emirados Árabes, Turquia e Egito. Mas graças a FlyNas, uma espécie de Ryanair da Arábia, fizemos viagens curtas para países que praticamente ninguém pegaria um avião do Brasil para ir. Lugares como Jordânia, Líbano, Chipre, Bahrain, Qatar e Síria entraram na lista também.

viagens estudar na arabia saudita

Isso mesmo, Síria. Estávamos em 2010, era a Síria antes do Estado Islâmico. Lá, conhecemos uns primos de um amigo da faculdade. Eles eram de uma família de classe média alta, com carros bons, inglês fluente e moravam bem. E a imagem que tivemos do país é bem diferente do que você provavelmente têm hoje. Além de um tour pela capital, esses primos nos levaram para conhecer excelentes bares e restaurantes. Nesse aspecto, a Síria era mais aberta que a Arábia. Sim, o álcool era permitido por lá. Fomos até para uma balada em um hotel internacional. Difícil de acreditar, né? Hoje, quando vejo as notícias sobre a Síria na TV, imagino como esse povo está sofrendo com tanta violência.

estudar na arabia saudita

Aleppo antes e depois da guerra

O fato é que todas essas viagens mais que compensam o fato de estar morando em país ultraconservador. Quando começava algum tédio da rotina, sempre vinha uma viagem fantástica. Além disso, contribuiu bastante para meu sonho de conhecer 100 países (Estou em 68 ainda).

Me formei em dezembro de 2010. Foi uma cerimônia grandiosa, afinal estavam se formando os primeiros alunos da história de KAUST. Tive uma proposta de trabalho para continuar pela Arábia. Mas decidi voltar para a minha cidade natal, o Rio de Janeiro. Posso dizer que o saldo foi extremamente positivo. Foi uma decisão difícil, “sair da caixa”, largar meu emprego na época e embarcar em uma aventura na Arábia Saudita. Ganhei o título de mestre em Engenharia Elétrica e um diploma maneiríssimo.

No entanto, o que valeu a pena mesmo foi a experiência multicultural de estudar e conhecer gente do mundo todo. Por exemplo, fiz um trabalho em grupo de estatística com um mexicano, um iemenita (Iêmen é um país ali do lado), um sudanês, um filipino, uma americana, um irlandês e uma chinesa. Essa bagagem cultural não tem preço.

E, com muito orgulho, posso dizer que fiz parte da história de uma universidade da dimensão do que a KAUST representa e ainda vai representar. Deve ser incrível estudar em uma Harvard da vida, mas você só será mais um no meio dos milhares que já passaram por lá ao longo dos últimos 400 anos.

formatura estudar na arabia saudita

Na KAUST meu nome vai ficar escrito para sempre na parede na universidade com membro da “Founding Class”.

*Crédito Imagem Destacada: Shutterstock

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




360meridianos

Blog de três jornalistas perdidos na vida que resolveram colocar uma mochila nas costas e se perder no mundo.

  • 360 nas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

6 comentários sobre o texto “Como é estudar na Arábia Saudita

  1. Uau, que massa! Uma experiência realmente incrível!E que texto legal, Rafael Coelho! Morri de rir com “às margens do Mar Vermelho… aquele mesmo que Moisés abriu na novela da Record.” kkkkk E fiquei super curiosa pela visita dele a Síria e outros países do Oriente Médio, espero que rendam outros posts! =)

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.