Lembranças do norte de Minas

Tarra. Você disse tarra“.

“Não disse, coisa nenhuma. Disse estava. ES-TA-VA”.

A polêmica, levantada por um amigo de uma tia, se estendeu por vários dias na minha família. Foi só a guarda baixar e o policiamento dar uma trégua que a palavra voltou a aparecer. “Eu tarra fazendo não sei quê”, “Ele tarra indo não sei aonde”. Em quase 30 anos de convivência, eu nunca tinha me dado conta do contínuo uso do verbo tarrar entre minha mãe, avós e tios. Depois do alerta do amigo, foi uma prima, 12 anos mais nova que eu, que passou a dar o grito sempre que a palavra aparecia, inocente, no meio de uma frase.

Eu nasci em Belo Horizonte, mas tenho uma conexão forte com o norte do estado. A cidade da minha mãe, Brasília de Minas, foi o cenário de quase todas as minhas férias escolares até que meus avós, realizando um sonho antigo e para ficar mais próximos dos filhos e netos, foram viver em um sítio a uma hora e meia de casa. Antes disso, sempre que acabavam as aulas, a gente montava no carro e enfrentávamos sete horas de estrada até a pequena cidade na bacia do São Francisco.

Para referência, a gente costuma dizer que Brasilinha fica perto de Monte Claros. Para mim, fica longe de tudo. Quando chegamos a Montes Claros, ainda faltam duas horas e meia de chão até que o canteiro central adornado com palmeiras apareça pelas janelas do carro. Mas uma vez ali, a menina criada no oitavo andar podia brincar na rua, fazer expedições sozinha a bairros vizinhos e escalar muros e árvores para tirar fruta do pé. Brasília de Minas era, para mim, um mundo completamente diferente e que funcionava com suas próprias regras.

Brasília de Minas

Toda cidadezinha tem sua igreja

Uma dessas regras dizia que era sempre preciso buscar o leite. Lá nos anos 1990, o leite longa vida ainda não tinha encontrado seu caminho até as mesas locais. Então, a cada poucos dias, eu e minha prima levávamos um galão até a casa de um conhecido e voltávamos com ele cheio de leite fresco que seria usado no preparo das roscas e biscoitos da minha avó, itens mais importantes no café da tarde que o popular pão francês. Outra regra era que nossas identidades eram determinadas pela ascendência. Ali, antes de ser Natália, eu era “a menina de Raquel” ou “A neta de Zuleica e Messias”, e essas informações pareciam bastar para situar-me na complexa teia social de um lugar onde todos se conhecem.

O transporte era muitas vezes feito de carroça ou cavalo, o queijo era comprado direto do produtor, todo mundo tinha uma roça para onde ir no fim de semana e não era raro ver vivas as galinhas que mais tarde terminariam no seu prato. Naquela época, a cidade parecia, de alguma forma, parada num tempo de vida simples, sem tanta comida embalada a vácuo e domínio de multinacionais nas prateleiras do supermercado. Mas a verdade é que a cidade se transformava a seu ritmo. Um ritmo diferente da frenética vida das metrópoles.

brasília de minas

Em Brasília de Minas, a rivalidade entre Atlético e Cruzeiro não chega nem perto da disputa entre Bramoc e Jacarezinho, as duas escolas de samba locais. Cada um tinha a sua e, quando se aproximava o carnaval – o mais tradicional da região – a cidade se rachava em duas ao ponto do fanatismo. Minha avó ajudava a organizar os desfiles da Bramoc e eu saí umas duas vezes no bloco das crianças – como arlequim e palhaço -, mas meu sonho era ser porta-bandeira mirim. Nunca cheguei a isso: antes que eu tivesse idade, o carnaval acabou cancelado por decisões políticas equivocadas e só foi retomado mais de uma década mais tarde.

Assim como todos os seus sete irmãos, minha mãe saiu de lá aos 14 anos para estudar em BH e ali se estabeleceu. A maior parte do sotaque já se perdeu, mas costuma reaparecer quando a gente se reúne, assim como as expressões regionais típicas que já foram esquecidas no dia a dia. Eu cresci entre os dois dialetos: o da capital e o nortenho, e me dá graça ver como eu posso mudar de um para o outro dependendo do contexto no qual eu falo. Passar muito tempo em Brasília de Minas ou entre as pessoas dali é ganhar uma musicalidade mais próxima da baiana em minhas frases. E palavras como “enfuzado”, “escarrerado” e “invicioneira” fazem parte do meu vocabulário dependendo de quem é meu interlocutor.

brasília de minas

Quando meus avós se mudaram para mais perto de Belo Horizonte, os costumes do norte de Minas vieram com eles. Fiquei anos sem voltar em Brasília de Minas. Só quando meu avô faleceu e minha avó voltou a viver ali é que eu regressei e pude reviver as memórias de infância. Mas mesmo com tantos anos longe, comida de vó nunca perdeu o gostinho do coentro. Nunca faltou um saco de pequi na geladeira e eu tive que me acostumar com ele, porque, por mais que você tente separá-lo do arroz ou da carne, o gosto impregna qualquer outra comida que esteja a menos de um quilômetro de distância. Nunca encontrei um picolé melhor e mais refrescante que o de tamarindo ou um almoço como carne de sol com arroz e feijão. Sou de muitas partes, mas carrego um pouco do cerrado sempre comigo.

Foto destacada: Shutterstock


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

65 comentários sobre o texto “Lembranças do norte de Minas

  1. Adorei seu texto!! 🙂 Que lembranças maravilhosas!´Um sorriso a cada parágrafo!
    Infelizmente, não tenho nada parecido… Minha bisavó já morava em São Paulo… buááá
    beijos

    1. Oi Catherine, que legal, fico muito feliz que você tenha gostado. Aqui em Minas quase todo mundo tem um interior pra chamar de seu, já que BH é uma capital relativamente nova 🙂

      Abraço!

  2. Oi Natália, muito interessante sua visão de Brasílinha, também sou de Brasílinha, amigo da sua família. Estudei com suas tias e joguei com seus tios.

  3. Vc fez minhas memorias voltar lá atrás, me lembrei do saudoso avô Fila, de Tia Maria Ines fazendo seu quitutes para vender no Resutarante do meu avô, Wilson do Hotel, Pe Magalhaes, Prof.Dr Cassiano lá no Colegio Santana da Av Rui Barbosa, dos Carnavais e das Semanas Santas dos anos 70 e 80, do futebol ate anos 90, da escolas da minha primeira professora, do Clube AEB nos tempos bons, me emocionei vc tocou o coração de um saudosista.

    1. O Colégio Santana eu só conheço pelas histórias da minha mãe e tias. Já o AEB eu frequentava nas férias (ainda que a gente fosse mais à Praça)

  4. Parabens Natália Becattini,pela bela homenagem a nossa querida Brasilia de Minas que amo de paixao.Isso só nos engrandece,foi um texto realmente muito lindo.Parabéns aos papais e nao esquecendo tambem de cumprimentar a vovó bramoqueira,que assim como eu,muito sentida da nossa Bramoc nao ter ido pra avenida.É nossa paixao.Maia uma vez parabens e deixo aqui meu abraço.

  5. Achei por acaso, e amei! Me orgulho de ter conterràneos tão artistas assim! Lindo texto, parabéns! Vou compartilhar no face.
    Sua mãe deve morrer de orgulho!
    Dê um beijo nela por mim.
    Parabé, Natalia, filha de Murilo e Raquel de Zuleica e Messias!!!😍

  6. Natália, ao ler o seu artigo voltei a minha infância na cidade de Ladário MT. Eu era ainda uma meninota, e saia juntamente com a minha irmã mais velha para pegarmos leite em uma fazenda próxima da nossa casa, para que a minha mãe fizesse deliciosas rosquinhas, pães.Era simplesmente maravilhoso. Bons tempos que não voltam mais. Muito grata por ter me trazido a memória essa deliciosa lembrança!

  7. Engraçado como me identifiquei com o texto, vivo algo parecido sair do noroeste já quase norte de Minas(minha cidade natal fica na divisa entre o norte e noroeste, minha querida Riachinho-MG)para vir morar em Brasília-DF, e sempre tenho esse problema com esses dois “idiomas” rsrs, muitas vezes esqueço que estou no DF e falo alguma palavra que ninguém entende!

    Seu texto está maravilhoso, me lembrei da minha infância!

  8. Bem legal o texto… guardo com carinho as minhas próprias lembranças de Brasilinha… minha cidade natal… Apesar de grande parte de minha familia ainda morar por lá, volto pouco… ja não conheço as pessoas e quase ninguém me conhece mais… Foi bonito de ler. Obrigada.

  9. “Tarra aqui ingasgada” esperando recuperar o fôlego para agradecer essa lindeza de Tia Só!!!

    Naty, acho que já disseram tudo nos comentários acima, quanta sensibilidade em descrever nossa amada Brasilinha!
    Juro, fiquei “intalada” e quase chorei (e seu tio me zuando prá variar) com tanta proximidade de tudo que vivi e vivo neste lugar querido!!!

    Obrigada pelo carinho minha linda e continue esse belo trabalho, pois não sei se eu que vivi e volto sempre lá, conseguiria descrever com tamanha competência.

    Bj grande!!!

  10. Quanta sensibilidade em descrever minha cidade. Um texto lindo, muito verdadeiro. Me emocionei. Lembrei de minha infância e brincadeiras na praça da Matriz, em frente minha casa. Saí de lá há muitos anos, mas só passo férias lá. É de lá que eu gosto, é lá que eu encontro com a minha família e com meus amigos. Eu conheço cada palmo desse chão.
    Parabéns pela crônica.

  11. Maravilhoso, sensível, Natália! Também amo transitar pela nossa língua…Fui colega do seu tio Roger, morei muitos anos na Juca Flávio, guardo na lembrança a elegância e educação dos seus avós…

  12. Lindo, lindo, lindo! Maravilhoso texto. Sou apaixonada por tudo que descreveu. Foi como rever minha cidade nos anos 90. Parabéns, texto perfeito. Fiquei muito emocionada, pois minha infância foi de muitos folguedos aqui em Brasilinha também.

  13. Por um instante senti como se eu estivesse escrevendo esse texto, principalmente o comecinho onde vc descrevia as férias da escola. Eu tinha 6 anos a primeira vez que fui com meus pais e minhas irmãs… hoje tenho 46 e me emocionei com as lembranças. Com a diferença que nós íamos de ônibus de São Paulo, um dia de viagem na época.

    1. Raquel, haja chão para um dia inteiro de estrada! Só amando muito um lugar para encarar, não é mesmo? E que bom, assim a gente podo guardar todas essas memórias de infância.

      Abraços!

  14. Que texto maravilhoso, Naty. Me sinto bem assim com meu interior também, e eu acho importante demais que a gente mantenha essas coisas. Todo interior é meio parecido, mas todos são únicos.

    Ainda vou escrever muita história ambientada nesses cerrados que a gente gosta tanto.

  15. Revivi esta epoca e foi muito bom. So resta saudades destes tmpos maravilhosos e recordar e bom dmais essa brasilinha saudosa…moro em s.paulo a 30 anos.parabens pelo conteudo do texto..saudade nao tem idade..!…joel…

  16. BELO TEXTO, RETRATOU MAGNIFICAMENTE NOSSA CIDADE, DEU ATÉ FOME QUANDO VC FALOU DO ARROZ COM PEQUI, NOSSA CIDADE É ENCANTADORA, PENA QUE TAMBÉM JÁ NÃO MORO MAIS LÁ, MAS DE CONTÍNUO DOU UMA CHEGADINHA, PRA TROCAR UM DEDO DE PROSA COM OS AMIGOS.

  17. Natália, muito emocionante seu texto. Me encontrei em várias passagens dele. Moro hoje em Montes Claros mais quando me aposentar quero voltar para aquela terra!!

  18. Oi Natália!Vc não deve mais se lembrar de mim,mais sou da mesma rua em que vc cresceu e passou as suas férias.”Juca Flávio”.Me lembro que brincávamos muito na rua até mais tarde de pique esconde,pular corda, pular elástico,pára a bola,”quemada”…Eram tantas as brincadeiras que não saem da memória…Ao ler o seu texto pude lembrar de muitas, mais a melhor mesmo era no São João que o Seu Tio Anderson virava nosso boneco ao colocar todos os traques nos seus dedos e estourá-los de uma só vez. Muitos risos..Que bacana lembrar desses momentos!Excelente texto..Parabéns e Sucessos pra vc.

    1. hahaha Simony, ontem minha mãe tava lendo os comentários desse texto pra minha avó e na hora que você falou do Tio Anderson todas começamos a rir.

      Abraços e obrigada por comentar! 🙂

  19. Parabéns!
    Existe tamanha fidelidade e sentimento na narrativa dos fatos que posso “ver” e ” sentir” todas as emoções bem atuais de tempos idos e vividos nessa cidade sem igual.
    Brasilinha é um caso de amor eterno.
    ♥♥♥

  20. Descrição perfeita e maravilhosa sobre nossa terra! Conheço seus parentes, morei ali perto, na casa em frente à residência atual de sua avó. Parabéns, Natália! Brasilminense agradecida!

  21. Que texto lindo! Me emocionei com cada detalhe. Fiquei alguns anos fora de Brasilinha, mas voltei a morar aqui nesta maravilha do sertão Norte Mineiro. Parabéns! Vc descreveu muito bem o que vivenciou neste lugar.Grande abraço. Espero ler suas outras estórias.

  22. Natália, parabéns. Nunca vi nada tão naturalmente belo. despertou-me muita saudade. Saudade da D. Zuleika, minha vizinha quando lá morava. Saudade da minha colega Raquel, hoje sua mãe rs. Enfim, saudades do norte de Minas. Saudades de Bradilinha. Parabéns!

  23. Lindo texto! Lendo consigo sentir os “cheiros” e a grandeza de Brasilinha sempre repassada a mim pela Raquel. Com certeza ela está orgulhosa por ver a filha retratar com tanta sensibilidade sua terra natal. Parabéns Natalia!

  24. Já comentei em muitos textos seus. Acompanho voce desde sempre, a filha mais velha da minha amiga querida de infância e da vida adulta.
    Parabéns pela sensibilidade ao retratar minha brasilinha.
    Parabéns para sua vó pelo aniversário recente.
    Um grande beijo. Um dia quero conhecer você e ouvir suas historiasse mundo que eu leio aqui e quem sabe te contar histórias de nossa Brasilinha.
    Tarra aqui agorinha messs pensano nisso.

  25. Parabéns Natália!
    Fiquei emocionada com sua crônica que beira a poesia.
    Doces lembranças e encantos na forma de expressar.
    Brasilinha é mesmo um lugarzinho que colhe e acolhe belezas e cantos.
    Ah!No quintal de sua vó havia grandes pés de mexerica que alimentava as colegas e amigas de sua mãe depois das brincadeiras.
    👏👏👏👏👏 pra você!

    1. Revivi esta epoca e foi muito bom. So resta saudades destes tmpos maravilhosos e recordar e bom dmais essa brasilinha saudosa…moro em s.paulo a 30 anos.parabens pelo conteudo do texto..saudade nao tem idade..!…joel…

  26. Natalia adorei o seu texto.Eu sou Brasilminense e conheço seus avós e me identifiquei com casa cada palavra do seu texto;Tem cheiro e gosto de infância .Sou neta de Juquinha Celeiro e D Anita que sua avó conhece.Vc é filha de quem??Grande abraço.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.