Sobre crescer longe do mar

Sabe qual a maior prova de que você precisa urgentemente de praia? É se você tiver nascido na área vermelha do mapa abaixo. Muito mais que o calor ou o cansaço com o dia a dia do escritório, é a ausência de praias perto de casa que torna qualquer faixa de areia um paraíso – uma Noronha ou Ko Phi Phi particular.

Eu, como mineiro orgulhoso que sou, sei disso. E aguardo ansiosamente pelo momento do ano em que encherei as malas com roupas de verão, o isopor com cerveja gelada e seguirei para o litoral. Para o mineiro, ir à praia é uma emoção semelhante a das aves migratórias. A gente aguarda o ano todo por aquele momento, vai em bando e gosta de repetir os mesmos locais.

Em geral, os três mesmos locais: Guarapari, no Espírito Santo; Cabo Frio, no Rio de Janeiro; e Porto Seguro, na Bahia. Mas opções semelhantes nesses três estados também são aceitáveis. A listinha de preferidos é tão fixa que os telejornais mineiros, na alta temporada, costumam ir além das divisas estaduais e dão a previsão de tempo também para esses três municípios – afinal, muitos mineiros estarão lá.

minas gerais mapa

Minas já teve mar, o que pode explicar um pouco dessa nossa obsessão. Segundo pesquisadores de duas universidades, foram encontrados indícios de que um braço de mar raso, com até 10 metros de profundidade, cobria essa região há coisa de 550 milhões de anos. Logo ali. Dá até pra ter saudade da última vez que Minas teve litoral. Com a dança dos continentes, perdemos nosso mar e ganhamos montanhas. Não que a gente reclame das últimas, mas permanecemos incansáveis em busca de um vislumbre do Atlântico.

Quem é de Belo Horizonte, que está a 450 quilômetros do pedacinho de mar mais próximo, conhece bem o ditado que se originou disso tudo: quem não tem mar vai para o bar. E assim lotamos BH com pelo menos 12 mil botecos, número que faz da cidade a capital mundial dos bares, com a maior concentração per capita de lugares para beber. No mundo. Quem diz não sou eu, mas essa matéria do NY Times.

Vai ver também é por isso que adoro a Lagoa da Pampulha, com sua água imprópria para banho, mas com aquele espelho d’água para chamar de meu. De nosso. Sonho com o dia em que a orla da Pampulha estará repleta de bares, botecos e pontos para tomar sol de frente para o mar. E, claro, com água limpa – vale investir no mercado de aluguel de guarda-sóis e cadeiras de praia na Pampulha.

onde ficar em bh pampulha

Lagoa da Pampulha

A coisa ganha contornos meio inacreditáveis em outro evento tradicional de BH, que ocorre há anos na Praça da Estação. Ou Praia da Estação. Tudo começou quando um prefeito resolveu proibir eventos públicos nas praças da cidade. Foi a deixa para o nascimento da resistência, que veio acompanhada de cadeiras de praia, cangas, guarda-sóis, sungas e biquínis. Logo apareceram os vendedores de açaí, água de coco e cerveja gelada; gente jogando peteca e batendo papo entre um e outro banho de mar – que no caso eram as fontes da praça.

Tal qual a dança dos continentes, a prefeitura resolveu acabar com a praia dos mineiros e desligou as fontes, alegando que estariam estragadas. Assim chegou a era dos caminhões-pipa, afinal a praia não pode parar. Eu morei no centro de Belo Horizonte por dois anos e, graças aos desmandos do prefeito e da pequena revolução que ele causou, meu apartamento tinha vista para a Praia da Estação. Era só descer de elevador, atravessar a rua e escolher um lugar para fincar o guarda-sol. Melhor que Copacabana.

A moda praia pegou tanto que puxou outro evento nascido nas areias, digo, no concreto de Belo Horizonte: o carnaval de rua, que surgiu mais ou menos assim, entre uma cerveja e um catuçaí da Praia da Estação e que em 2017 promete arrastar 2,5 milhões de foliões – 500 mil deles serão turistas, segundo a Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur). É a vingança máxima dos sem praia. Nós não apenas paramos de migrar para o litoral na época da folia. Fizemos o litoral pegar a estrada.

Carnaval em BH

Carnaval de BH

Mas talvez não exista prova maior da obsessão mineira pelo mar do que a compra, por parte do Governo de Minas, de uma faixa de quase 150 quilômetros de terra, entre os municípios de Serra dos Aimorés (MG) e Mucuri (BA), em 1910. É uma faixa que sai de Minas, entra na Bahia e alcança o mar. Embora obviamente ainda seja parte do estado da Bahia, o proprietário das terras seria o estado de Minas Gerais. A compra, efetuada há mais de 100 anos, caiu no esquecimento, e foi lembrada numa matéria recente do jornal Estado de Minas.

A falta do mar não é privilégio de Minas Gerais, claro. Os vizinhos Goiás e Tocantins estão ainda mais distantes da praia – vai ver é por isso que os três estados têm tantas coisas em comum. Acre, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul completam a lista dos sem praia, digo, dos farofeiros dispostos a correr para o mar.

A maior prova da semelhança entre mineiros e goianos está no efeito “ave migratória”. Em julho do ano passado, durante uma passagem de oito dias pela Chapada dos Veadeiros, troquei algumas palavras com o atendente de um supermercado, em Alto Paraíso de Goiás. “Conheço seu estado”, ele disse. “Já foi em BH? Nas cidades históricas?”, perguntei. “Não, conheço só de passagem mesmo. Cruzo Minas Gerais todo final de ano, quando vou com minha família para Guarapari”.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

14 comentários sobre o texto “Sobre crescer longe do mar

  1. Mineiro também sou… e de Ipatinga. E todo ano revezo Guarapari, Porto Seguro e Cabo Frio (um pouco menos, pela água congelada). E parece estar no sangue de cada mineiro.

  2. Eu, nascida nos confins do oeste do Paraná , me identifiquei. Gosto tanto de mar que vim morar em Santa Catarina, pra ficar mais pertinho ♥

  3. hahahaha É sim uma obsessão, Rafael! Todos os anos, fico aflita para colocar os pés na areia, preferencialmente Capixaba. Mas, por outro lado, morar em Minas não tem preço. Excelente texto! Um abraço!

  4. Caro conterrâneo, como muitos mineiros sou um migrante que saí de minha terra próxima a BH para o Rio de Janeiro e por sorte pude conquistar um lugar próximo ao mar. Realmente, como você falou, é quase uma obsessão mineira, gostei de sua menção ao nosso espírito de ave migratória. No entanto, tem algo mais, pois sou uma ave de arribação ao avesso, não sei ficar aqui sem me ligar na bateria de minha origem, lá recomponho meus desgastes e mantenho vivo esse orgulho mineiro que nos identifica onde quer que nos encontremos, há uma certa afinidade que nos identifica de forma bastante natural, a gente acaba se sentindo em casa com o desconhecido, como agora estou fazendo.

    abcs

    1. “Ave de arribação ao avesso”.

      Muito bom, Aderbal. Concordo contigo: já morei fora do estado algumas vezes e sempre senti a mesma coisa. É um prazer enorme voltar para casa.

      Abraço.

  5. Depois de ler o texto, estou me sentindo ainda mais abençoado por morar a 1 hora de uma das praias mais lindas do Brasil: Porto de Galinhas. Mas também acho que não reclamaria nada se morasse pertinho de Ouro Preto, meu lugar preferido no Brasil.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.