Tags:

Sem perder o pão-durismo, jamais

O melhor motivo para iniciar um jejum forçado é passar algumas horas num aeroporto. Não é nem pela qualidade da comida disponível, já que muitos aeroportos se tornaram verdadeiros shoppings, com de tudo um pouco. O problema está, claro, nos preços, que passam do limite do indecente. Acho que já chegamos no ponto ridículo em que pagar por alguma coisa do menu das companhias aéreas, quando estamos voando a milhares de metros de altura, pode sair mais barato do que fazer um lanche semelhante na sala de embarque.

Domingo à tarde, no Aeroporto de Santos Dumont, eu jejuei. Foi a reação natural para o cardápio de uma lanchonete vagabunda e que oferecia um pão de queijo médio por R$ 8. Oito reais por um salgado que certamente seria ruim, o famoso pão de queijo tipo pedra. Mas o preço do folhado de frango, um salgado que parecia ser ainda pior, dava um passo além: 10 vampirinhos. Um suco de latinha custava outros 10, já um refrigerante custaria oito. Encher a cara, o que poderia me ajudar a esquecer dos preços e meter a mão no bolso, também estava num nível inaceitável pra mim: cada long neck custava R$ 13. Voltei pra casa sóbrio, com fome, mas com a certeza de que eu não era um palhaço – ou pelo menos não tinha sido daquela vez.

Passagens aéreas baratas

Eu não tenho problema em pagar caro pelas coisas, veja bem. Não quero ser confundido com pão duro e só. Me irrita é pagar um valor bem além do justo por produtos e serviços questionáveis. Essa convicção, quase que uma cruzada pessoal contra os preços abusivos, já me fez fechar a cara, soltar um “vocês estão loucos” e ir embora do estabelecimento, logo depois de descobrir que uma empada de frango me custaria nove reais. Não pago de jeito nenhum, mas pagaria para ver a cara do comerciante, após a minha reação.

E que fique claro que os preços abusivos não existem só em aeroportos e nem são exclusividade do Rio. Dia desses, esperava meu ônibus na Rodoviária de Belo Horizonte, a.k.a, a pior do Brasil. O destino seria São Paulo, para onde eu iria por terra, você pode imaginar, porque as passagens de avião estavam impagáveis (ei, ABEAR, estamos de olho nessas passagens, que aumentaram 35,9% após a restrição das bagagens, hein!).

Na rodoviária de BH, paguei caro pelo pior hambúrguer que comi na vida. E até a loja de sucos e salgados do Terminal, a opção mais barata por ali, cobra um valor 50% acima do praticado, pelo mesmo tipo de lanchonete, em qualquer ponto da cidade. Sem opção, paguei. Era isso ou jejuar por 583 quilômetros. Deveria ter escolhido a segunda opção.

Em São Paulo a coisa piora, já que qualquer compra na Zona Oeste da cidade exige um número descomunal de dólares paulistanos. Um suco de laranja e um misto bem simplão, numa padaria, em Pinheiros, pode sair por quase vinte golpinhos – e aqui estou falando é do golpe dado contra o seu bolso, para deixar claro. Se fosse uma comida maravilhosa, um café da manhã inesquecível, então beleza, mas eu estou falando é do mesmo misto com suco que você pode pedir em qualquer boteco de esquina, inclusive em São Paulo, pela metade do preço.

Leia também: Como perder dinheiro numa viagem

Só para comparar, na padaria perto da minha casa, em BH, hoje eu paguei R$ 6,90 por um misto (com queijo minas), um pão de queijo bom e um café com leite. Tudo bem que os preços sejam diferentes e acompanhem a realidade de cada cidade, mas precisa abusar, São Paulo? Viver na Zona Oeste da capital paulista é o equivalente a viver num aeroporto, mas sem a esperança de voar imediatamente dali para algum lugar mais barato.

A coisa piora em ambientes instagrameáveis. Há uns meses, estive numa lanchonete de São Paulo que é especialista em quiches. E que cobrou mais de R$ 30 pela combinação de quiche ruim com suco de garrafa. O ambiente do estabelecimento, que é decorado com guarda-chuvas coloridos, tem um monte de vasos com plantas legais e é pet friendly, chama mais atenção no TripAdvisor que a comida. E de foto em foto, de stories em stories, pagar trinta inomináveis por um refeição que deveria custar quinze se torna aceitável. Daquela vez, em que eu estava desavisado dos preços, paguei, mas ali eu não volto jamais.

Leia mais: Fotos repetidas e tendências de viagem que surgem no Instagram

Pra mim, dar as costas e não pagar um preço abusivo por produtos, principalmente comida de qualidade duvidosa, é um ato de rebelião. Pode não dar resultado nenhum, mas pelo menos eu vou pra casa com a sensação de que taquei fogo no sistema e saí correndo. E gosto de pensar que faço parte de um movimento coletivo: gente anônima, de todos os cantos, que se recusa a meter a mão no bolso para pagar cinquenta reais num bolovo e dois chopps. Ou 12 num pão de queijo e um café. Somos a resistência. A luta. A última linha de defesa entre o mundo e os bares que desejam cobrar R$ 14 numa garrafa de Brahma.

Se um dia eu escrever uma carta para meu eu de 60 anos, eu diria: olha, você pode até ter melhorado muito de vida (pouco provável), pode até estar com um salário legal, mas espero que não esteja pagando preços abusivos por algo só porque você tem dinheiro, ok? Pode envelhecer, mas sem perder o pão-durismo, jamais.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

52 comentários sobre o texto “Sem perder o pão-durismo, jamais

  1. Em certos bairros ditos chics da Zona Oeste de São Paulo paga-se mesmo mais caro, bem mais … Já onde eu moro ainda na Zona Oeste , mas perto da USP não é tanto abuso não … No Itaim paga-se o olho da cara por exemplo , fui numa padaria vegana com minha prima, lá paga-se mais caro , mas apesar que valeu a pena pq as refeições estavam muito boas, já na Vila Olímpia paguei mais caro ainda um quiche vegano o olho da cara, era bom, mas cada quiche foi 26 reais … Acho que não justica-se … preço muito caro … E não é só pq é vegano pq as versões não veganas estavam o mesmo preço . Pinheiros tb meio carinho mas um pouco menos caro em certos locais .

  2. Parabéns pelo texto, vivencio essa vida de aeroportos, estações de ônibus e trens e transportes marítimos constantemente porque viajo muito. Os preços são tão exorbitantes que já passei “fome” em alguns lugares. Hoje levo um sanduíche escondido na bagagem de mão e um chocolate ou biscoito. Água, infelizmente os aeroportos não permitem, sempre bebo minha garrafa de 700ml de água toda antes de entrar no portão de embarque, depois do “trauma” de ter pago 3€ ( cerca de R$15,00 ) numa garrafinha de 500ml de água, no aeroporto de Istambul.

  3. Olá Rafa
    Concordo com você plenamente.
    Sempre carrego em minha bolsa algumas barrinhas de cereal, biscoitinhos caseiros, bolachas maizena e driblo a fome muito bem.
    Continuo “vivinha da silva” . Para mim é inaceitável a exploração institucionalizada nos aeroportos brasileiros que tive a oportunidade de conhecer.
    Um grande abraço e feliz Novo Ano

  4. Muito bem apontado Rafael, pode apostar que não está sozinho nesta empreitada. Já passei muita fome devido a esses preços abusivos, pra mim o jogo sempre foi comprar algo no mercado que se resolvia. O problema mesmo são em relação aos aeroportos, difícil achar algo por perto, por vezes longe de locais populacionais com preços realistas.

      1. O PROCON deveria visitar periodicamente os aeroportos e autuar esses comerciantes inescrupulosos.
        Vale uma campanha “Não coma no aeroporto”, acredito que em um mês os preços mudariam.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.