Visita guiada à Casa Rosada, em Buenos Aires

Se os argentinos querem protestar, eles vão lá. Se querem comemorar também. Essa é a Plaza de Mayo, principal espaço público no centro de Buenos Aires e o local onde a cidade foi fundada, em 1580. Tudo bem que naquela época o nome era outro – Plaza Mayor, bem à moda espanhola. O nome mudou depois da Revolução de Maio de 1810, o começo da Independência da Argentina. Nesse tempo todo, vários prédios históricos marcaram presença na praça, com destaque para um, conhecido no mundo todo: a Casa Rosada, em Buenos Aires, a sede do poder executivo do país.

A primeira vez que eu vi a Casa Rosada foi sem querer, logo no primeiro dia como morador temporário de Buenos Aires. Ao andar pelas imediações da Calle Florida, procurando por uma boa cotação para trocar dólares por pesos, dei de cara com o local do trampo da Cristina, a então presidente da Argentina. “Olha, não é que é a Casa Rosada!”

Acho que é assim que a maioria dos turistas se encontra com ela, que está ali, tão pertinho de tudo, numa região onde há uma concentração absurda de estrangeiros por metro quadrado. A maioria deles faz o óbvio: corre para a Praça de Mayo e tira uma foto com a Casa Rosada de fundo. Mas é possível fazer mais – dá para entrar no local de trabalho dos presidentes argentinos. Sim, só local de trabalho – desde meados do século 20, a moradia oficial de presidentes é a Quinta de Olivos.

Leia também:
Visita ao museu Evita Perón
Visita guiada ao Congresso Nacional da Argentina

Como é visita guiada à Casa Rosada, em Buenos Aires

É exatamente por isso que é possível visitar a Casa Rosada: de segunda a sexta o presidente está no prédio, trabalhando. Aos sábados, domingos e feriados, não. Nesses dias o prédio é aberto aos turistas. E o melhor: a visita é de graça! O único inconveniente é ter que reservar o passeio com pelo menos 15 dias de antecedência no site visitas.casarosada.gob.ar. As visitas guiadas começam às 10h e terminam às 18h, sempre de 10 em 10 minutos, em espanhol, português e inglês.

Depois que você passa pela fila da segurança já dá para curtir um pouco do prédio. O salão que recebe os visitantes é uma galeria aos heróis sul-americanos e conta com quadros de vários deles.

Evita Peron Foto

Quadro de Evita Perón pendurado na Casa Rosada

O guia nos levou a vários salões importantes do prédio: dos Pintores do Bicentenário, da Evita Péron (onde há um vestido que foi usado por ela), dos Povos Indígenas, das Mulheres Argentinas (o local onde a Cristina Kirchner costumava fazer pronunciamentos oficiais) e alguns outros.

Interior da Casa Rosada

Interior Casa Rosada

Salão Casa Rosada
 

Um dos pontos altos da visita é quando passamos pela varanda da Casa Rosada. Dali, olhando para multidões reunidas na Plaza de Mayo, presidentes e outras personalidades argentinas fizeram a história acontecer. O mais famoso discurso, é claro, foi o feito por Evita Peron, então Primeira Dama, lá na década de 1950.

 

Plaza de Mayo, Buenos Aires

Por fim, a visita passa no gabinete da presidência. Depois de circularmos por uma série de corredores, chegamos a uma sala grande, mas sem nada de muito imponente. Antes que você ache as principais decisões do país são tomadas ali, pense duas vezes. Aquela é só a sala de um secretário mesmo. A da presidenta está logo a seguir. E é grandona, como você pode ver na foto abaixo (que eu não pude tirar, mas por sorte está disponível na Wikipedia).

Visita a Casa Rosada, Argentina

Gabinete da Presidência (Foto: Belgrano, Wikimedia Commons)

Um pouco da história da Casa Rosada

Um olhar mais atento deixa claro que a Casa Rosada tem um formato assimétrico. O motivo? Tinha um prédio dos Correios no meio do caminho. Durante o século 19, um imponente prédio foi construído ao lado da Casa Rosada. Tão imponente que a sede dos carteiros passou a chamar mais atenção do que a sede da presidência. Não que isso seja injusto, claro, mas também era óbvio que não poderia ficar assim. Por isso, um arquiteto foi contratado para juntar os dois prédios. Um arco foi feito entre eles e assim a Casa Rosada engoliu a antiga sede dos Correios de Buenos Aires.

Foto antiga da Casa Rosada

Prédio da Casa Rosada e dos Correios, em 1885 (Foto: Archivo General de la Nación Argentina)

Mas por que ela é rosa? Há controvérsias. Durante o tempo que passei em Buenos Aires, ouvi duas versões (e tem quem garanta que ambas são verdadeiras). Para uns, a cor rosa vem da união do branco e do vermelho, as cores de dois partidos políticos rivais: os unitarios e os federales. Durante parte do século 19, esses dois partidos travaram confrontos violentos. O rosa, portanto, teria sido uma forma de mostrar a união do país depois do fim da Guerra Civil.

Já a outra versão, um pouco mais aceita, garante que o rosa surgiu da mistura da tinta branca com sangue de vaca, que na época era usada na pintura de várias casas – a substância ajudava na preservação do prédio. Hoje, no entanto, a parede é de tinta rosa mesmo. E fica ainda mais bonita durante a noite, quando uma iluminação deixa tudo mais rosado.

Casa Rosada de noite

Como chegar à Casa Rosada

Impossível passar por ela e não ver. A casa rosada fica bem em frente à Plaza de Mayo, um dos pontos de encontro das principais ruas do centro da cidade.

Se você for de metrô, desembarque na estação Plaza de Mayo (Linha A) ou na estação Leandro N. Além (Linha B) e Catedral (Linha D).

Se você for de ônibus, as linhas 2, 4, 6, 20, 22, 24, 28, 29, 33, 50, 56, 61, 62, 64 , 74, 91, 93, 99, 105, 109, 111, 126, 130, 140, 142, 143, 146, 152 atendem o local.

Visita à Casa Rosada, em Buenos Aires – Informações úteis

As visitas guiadas à Casa Rosada ocorrem aos sábados, domingos e feriados das 10h00 às 18h00.

Para participar, é preciso agendar com antecedências mínima de 15 dias pelo site:  https://visitas.casarosada.gob.ar. Lembre-se de chegar com 20 minutos de antecedência da hora marcada.

Mais informações no email: visitascasarosada@presidencia.gob.ar

Seguro de viagem para a Argentina

Contratar um seguro de viagem é essencial, ainda que seja para países tão próximos quanto a Argentina e o Uruguai. Por mais que seja perto de casa, o melhor é viajar protegido para não sofrer com os imprevistos.

A boa notícia é que é possível contratar um bom seguro de viagem gastando cerca de 10 reais por dia. Para isso, recomendamos utilizar um buscador como o do Seguros Promo, que compara as principais seguradoras e garante que você encontre o melhor custo-benefício, de acordo com suas necessidade.

Além disso, leitores do blog tem direito a um cupom de desconto exclusivo: 360MERIDIANOS05. Veja algumas das ofertas abaixo e escolha o seu:

Seguro Viagem:
América do Sul
MTA 15 Am. Latina +Telemedicina Albert Einstein MTA 15 Am. Latina +Telemedicina Albert Einstein
Assistência médica USD 15.000
Bagagem extraviada USD 400 (SUPLEMENTAR)
*Valor referente a 7 dias de viagem.
Affinity 35 LATAM +COVID-19 Affinity 35 LATAM +COVID-19
Assistência médica USD 35.000
Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR)
*Valor referente a 7 dias de viagem.
ITA 20 Am. Latina +Telemedicina Albert Einstein ITA 20 Am. Latina +Telemedicina Albert Einstein
Assistência médica USD 20.000
Bagagem extraviada USD 1.250
*Valor referente a 7 dias de viagem.

Onde ficar em Buenos Aires

Os principais bairros para se hospedar em Buenos Aires são:

  • Centro
  • San Telmo
  • Recoleta
  • Palermo

Os dois primeiros são para quem quer economizar, ficar perto de tudo e não se incomoda com bagunça. Já Recoleta e Palermo tem hospedagens mais caras, mas são bairros mais nobres e bonitos. Você pode saber mais sobre as regiões no nosso post Onde ficar em Buenos Aires.

Acomodações recomendadas em Buenos Aires:

Encontre hotéis em Buenos Aires

Inscreva-se na nossa newsletter

Avalie este post

Compartilhe!







Eu quero

Clique e saiba como.

 




Rafael Sette Câmara

Sou de Belo Horizonte e cursei Comunicação Social na UFMG. Jornalista, trabalhei em alguns dos principais veículos de comunicação do Brasil, como TV Globo e Editora Abril. Sou cofundador do site 360meridianos e aqui escrevo sobre viagem e turismo desde 2011. Pelo 360, organizei o projeto Origens BR, uma expedição por sítios arqueológicos brasileiros e que virou uma série de reportagens, vídeos no YouTube e também no Travel Box Brazil, canal de TV por assinatura. Dentro do projeto Grandes Viajantes, editei obras raras de literatura de viagem, incluindo livros de Machado de Assis, Mário de Andrade e Júlia Lopes de Almeida. Na literatura, você me encontra nas coletâneas "Micros, Uai" e "Micros-Beagá", da Editora Pangeia; "Crônicas da Quarentena", do Clube de Autores; e "Encontros", livro de crônicas do 360meridianos. Em 2023, publiquei meu primeiro romance, a obra "Dos que vão morrer, aos mortos", da Editora Urutau. Além do 360, também sou cofundador do Onde Comer e Beber, focado em gastronomia, e do Movimento BH a Pé, projeto cultural que organiza caminhadas literárias e lúdicas por Belo Horizonte.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

8 comentários sobre o texto “Visita guiada à Casa Rosada, em Buenos Aires

  1. Que lindo! Já fui duas vezes a Buenos Aires e nunca consegui fazer o tour guiado da Casa Rosada 🙁

    Mas to confiante que da próxima vez que visitar a cidade eu vou! Falando nisso, to pensando em fazer um curso de espanhol de uns 2 meses na Argentina, ao final do meu ano sabático que se iniciará neste outubro. Vocês por acaso sabem se eu precisarei de visto de estudante ou algo do tipo? Porque como estarei viajando, vai ser mais difícil estudar lá se tiver q lidar com este tipo de burocracia…

    Obrigada!

    1. Oi, Bruna.

      Pelo que a gente pesquisou você não precisa do visto não, pelo menos não para cursos tão curtos assim.

      Abraço.

  2. Me amarrei nas fotos, Rafael. Pena que não fiz o passeio quando visitei a cidade, mas fica pra próxima.

    PS: Trampo da Cristina foi 10!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.