Tags:
Atlas: Como, Milão, Itália

Lago di Como: lindo bate-volta a partir de Milão

Depois de ter sido duramente bombardeada na Segunda Guerra Mundial, Milão acabou sem tantas atrações históricas quanto outras cidades italianas. Mas a natureza foi muito gentil com a região: Lagos, lagos e mais lagos. Assim é a Lombardia, região italiana cuja capital é Milão, e que pode até não ser tão famosa quanto a Toscana, mas com certeza tem seus atrativos. Entre eles, o mais famoso e acessível é o Lago di Como, que impressiona pela vista da cidadezinha à suas margens e cercada de montanhas.

O Lago di Como é o terceiro maior lago da Itália, somando 146 km2, e fica a Z horas de Milão, do lado da fronteira com a Suíça. Veja agora o roteiro completo do bate-volta de Milão até o Lago di Como.

O Lago di Como e os outros lagos da Lombardia

São quatro lagos. O Garga é o maior da Itália, com direito até a ilhas. O segundo em tamanho é o Maggiore, o que é engraçado, afinal em bom português o nome dele é Lago Maior. O menorzinho é o Lago de Iseo, enquanto o Lago di Como é o terceiro maior do país, mas um dos preferidos quando o assunto é celebridade – gente como Madonna e George Clooney têm casa por ali (conheci uma blogueira de lá que já tinha se encontrado com o Clooney no supermercado. Ou pelo menos com o sósia dele).

Como, a cidade que cresceu às margens do lago de mesmo nome, tem cerca de 90 mil moradores e jeitão de cidade pequena. Se os habitantes são poucos, os anos são muitos – a cidade está ali, de frente pra água, desde antes de Roma ser um Império. Inclusive, foi o personagem mais importante da Roma Republicana que estabeleceu o local atual de Como. Júlio César ordenou a mudança da cidade, que ficava nas montanhas próximas, para a beira do Lago di Como. Sei lá o motivo dele, mas pelo menos na paisagem o cara acertou.

Lago di Como, Milão

Igual qualquer cidade com dois mil anos de vida, Como tem igrejas, casarões e prédios históricos para ninguém reclamar. Uma das praças da cidade, a Piazza Cavour, tem uma fonte relativamente famosa. Ou melhor, tinha, já que no começo do século 20 a fonte foi vendida para o empresário William Rockefeller, da família que batizou o Rockefeller Center, em Nova York. Ou seja, gente pobre. O cara levou a fonte para os Estados Unidos, que atualmente é uma atração legítima de Como no Zoológico do Bronx, muito embora atenda pelo nome de seu pai adotivo: agora ela se chama Fonte Rockefeller. Ou seja, você não vai ver a Fonte Rockefeller em Como, mas felizmente há outras atrações que os norte-americanos não compraram.

O passeio pelo centro da cidade é uma das atividades preferidas dos turistas. Nós fizemos isso até achar um restaurante ideal, de frente para a Catedral de Como, uma das últimas igrejas góticas que foram construídas na Itália. Depois do almoço, mais caminhada. O calçadão na beira do Lago di Como é uma ótima escolha, já que lá você vai encontrar esse visual aqui, ó:

Lago di Como, Milão

Se você curtiu a paisagem, saiba que é possível fazer um passeio de barco e até mesmo navegar para outras das cidades que ficam ao redor do Lago. Nós não fizemos esse passeio, pois preferimos ver a cidade do alto, mas se for do seu interesse, basta ir até o cais, que fica pertinho da estação de trem. Você também consegue mais informações nesse site aqui.

Nós seguimos para o funicular de Como, que liga a cidade a uma vila chamada Brunate, com menos de dois mil habitantes. Essa vila fica numa das montanhas ao redor de Como e tem vista para toda a cidade, que está só 500 metros abaixo. Ou, dependendo do ponto de vista, 500 metros morro acima. Pois é, ainda bem que tem funicular, usado por turistas e moradores.

O funicular foi construído em 1894 e lembra um pouco os de Valparaíso, no Chile. Já a paisagem lá de cima é diferente – Lago, casinhas, Catedral, tudo fica mais legal visto do alto. De vez em quando dá até para ver a neve dos Alpes Suíços, que ficam pertinho. Nós não tivemos essa sorte, mas a Anna, do blog Finestrino, tem até foto para provar.

Lago di Como, Milão

Catedral vista a partir do funicular

Além da vista, Brunate tem igrejas, restaurantes e casarões e também já serviu de casa para gente famosa, tipo o Alessandro Volt. Alessandro quem? Embora o nome dele possa ser desconhecido para a galera não-nerd, o sobrenome não é: o volt, unidade de tensão elétrica, foi batizado em homenagem a esse físico italiano, que inventou a pilha, viveu em Brunate e nasceu em Como.

Lago di Como, Milão Lago e trilhos do funicular, na parte de baixo da foto

Uma vez lá, você pode se sentar em algum restaurante para aproveitar a vista. Ou pode encarar o estilo aventureiro e iniciar uma trilha pelas montanhas. É claro que nós optamos pelo sedentarismo, por isso ficamos só relaxando. Quando descemos de funicular já era  hora de pegar o trem para voltar a Milão.

Lago di Como, Milão

Lago di Como, Milão

Chegar no Lagodi Como a partir de Milão

Basta seguir até a estação Cadorno, que fica bem no centro de Milão e perto de alguns dos pontos turísticos mais importantes. O ticket custa só 4 euros o trecho e em cerca de uma hora você estará em Como. Desça na última estação da linha, a Como Nord Lago, e você já estará de frente para o lago e pertinho do centro de Como. É só caminhar.

Onde ficar perto do Lago di Como

Sim, Como é perfeita para um bate-volta, mas se você preferir passar a noite por lá, saiba que encontrará uma cidade agradável para relaxar, mesmo que as principais atrações possam ser conhecidas em pouco tempo. Se não quiser errar, procure por opções no centro histórico e perto da catedral, região que concentra bons restaurantes e bares. Veja aqui uma lista com opções de hospedagem.

 Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “Lago di Como: lindo bate-volta a partir de Milão

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.