Como saber se um destino é seguro para mulheres

Se tem uma coisa que eu aprendi nessa vida de blogs de viagens é que existem 1001 perfis diferentes de mulheres viajando sozinhas: das mais medrosas às mais corajosas. Por exemplo, eu e a Naty, que moramos na Índia, não aconselhamos muito mulheres a irem sozinhas para lá. Mas a Letícia, que também morou lá, sozinha, em Jaipur, tem uma opinião completamente diferente da nossa. E até acha errado que a gente desencoraje mulheres a visitarem o país da vaca por conta própria. Qual das opiniões está errada? Sinceramente, nenhuma das duas.

Nós somos pessoas que têm experiências de vida diferentes e opiniões diferentes. A minha noção de segurança nunca vai ser a mesma de outra pessoa. E por mais que existam essas coisas chamadas estatísticas, notícias, alertas internacionais, a forma como cada pessoa avalia riscos é muito particular. Assim, eu continuo endossando minha opinião de que não acho seguro uma mulher viajar sozinha pela Índia. E vou conseguir te mostrar mil argumentos, notícias e fatos para embasar isso. Mas não vai mudar o fato de que anualmente centenas de mulheres viajam sozinhas para a Índia e têm a experiência de suas vidas. Elas vão ler o meu post e achar uma grande bobagem.

Muita gente pode estar pensando agora: mas como este post vai me ajudar a decidir se um destino é seguro ou não para mim?? Bom, segue a minha lista de critérios pessoais para definir se vou ou não sozinha para um determinado destino. Você pode aproveitar os meus ideais de segurança para ajudar a montar os seus próprios critérios ou ajudar na sua pesquisa.

1. Ler sobre o destino no máximo de fontes possíveis

Leia, querida!

Deus abençoe os blogs de viagens. Foi mal, eu sei que esse é meu trabalho, mas é que ter tantas opiniões sobre um lugar ajuda muito a formar a sua própria. Antes de eu definir se vou ou não para um lugar sozinha, eu pesquiso em vários blogs (principalmente aqueles de viajantes solo) e vejo o que essas pessoas têm a dizer sobre o destino. Também gosto de ler religiosamente o Wikitravel (em inglês), que considero muito melhor do que qualquer guia de viagem, sempre. E, por fim, converso com pessoas que já foram para esses lugares.

Ah, não deixe de buscar no Google “Nome do país + solo female traveler” e entrar em alguns fóruns a respeito do tópico. Se não falar inglês, peça ajuda do Google Tradutor. Em geral, você vai achar várias opiniões a favor e contra. Filtre de acordo com sua intuição.

2. Quais sinais eu considero como “alerta vermelho”

Quando estou pesquisando sobre lugares seguros para viajantes solo, eu tento pensar em várias questões a respeito da minha segurança que podem estar em jogo. Para começar, o óbvio: se o país está em guerra ou com muitas tensões políticas, crimes, etc.  Se o país é muito machista e tem um alto índice de violência contra mulher, eu também fico com o pé atrás.

Gosto também de saber mais sobre os preconceitos e outras questões desse país. Veja bem, enquanto na Índia o meu biotipo passava batido entre a população, se eu fosse loira seria o equivalente a um indivíduo com a melancia no pescoço. Já em lugares como os Balcãs, por exemplo, minha pele morena e cabelos cacheados são a minoria. Logo, pesquiso sobre xenofobia, agressões a imigrantes, racismo, como funciona a religião local e tudo mais.

3. Definindo o roteiro na cidade

Depois desse filtro feito e com o roteiro pronto, passe para a fase 2 da segurança: informe-se sobre os lugares que você deve evitar num país ou mesmo dentro de uma cidade. Muitas vezes o país é seguro em algumas regiões e perigoso em outras. Por isso, é importante saber bem como se deslocar e quais os meios mais seguros. Isso vale tanto em toda a extensão territorial quanto dentro de uma cidade.

Mais uma vez, vai ter relato de todos os tipos na internet: tem mulher que pede carona na estrada e não tem medo nenhum disso. Eu não sou assim, então confio mais em quem tem noções de risco semelhantes às minhas. Escolha bem seu hotel, baseando-se na boa localização e na avaliação dos hóspedes que já estiveram ali, tanto dentro do site de pesquisa, quanto no TripAdvisor.

4. Comportamento no destino

Não é porque tem um milhão de idiotas na rua que a gente vai desistir de sair de casa todos os dias

Já fiz um post com algumas dicas para ficar esperta quando você está sozinha num destino. São dicas bem gerais e práticas, que acho que podem ajudar todo mundo. Dá uma olhada lá. No mais, lembre-se de que você mora no Brasil, um país que é considerado inseguro por muita gente: então, se você mantiver o mesmo nível de cautela que exerce nas ruas do seu próprio país, já vai estar com 90% do caminho andado. Infelizmente, diga-se de passagem.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

12 comentários sobre o texto “Como saber se um destino é seguro para mulheres

  1. Cara Luiza,
    Iniciei minhas viagens aos 65 anos e todos os anos viajo solita nas féria de julho e sempre vou pelo instinto, mas busco saber os impedimentos para mulheres sozinhas no país que estou ou pretendo viajar. Por exemplo, em Istnabul vesti uma saia preta e branca com um pequeno recorte na barra e fui confundida com sex-girl apesar dos meus 71 anos. Recebi várias propostas de casamento de homens entre 28 a 60 anos de idade. Muito engraçado como se encantam com brasileira….
    A Turquia está incluída no meu próximo roteiro, porque quero conhecer mais cidades, como Ankara, Smirna e outras tantas e voltar a Istanbul que me encantou…a Espanha é sagrada e volto todos os anos, pois é o único lugar do mundo em que me sinto em casa e vou preparar uma paella na casa de uma amiga. Ainda estou decidindo os outros lugares que quero conhecer, talvez volte à França para conhecer Limoges e voltar a Reims.

  2. Bom dia,
    Meu nome é Miriam tenho 30 anos, e quero fazer minha primeira viagem internacional sozinha, não falo inglês, nem espanhol, quero dicas de quais países posso conhecer, mais seguro e mais amigável,todos estão contra a minha viagem, acho que é porque nunca coloquei o nariz pra fora de casa, e cansei quer viver conhecer o mundo e ser feliz comigo mesma, por favor me ajude com dicas e roteiros

    1. por que voce nao tenta aprender um pouco um idioma? só um pouco pra conseguir se comunicar, comprar comida, pedir informaçoes, o basico. espanhol é quase igual a nossa lingua, é muito facil de aprender. de quebra voce consegue mais informaçoes sobre os lugares que deseja ir. da uma olhada no duolingo, é gratis. ou entao procura uma universidade publica que eles costumam oferecer aulas de idiomas praticamente de graça

      falando apenas portugues, voce talvez se interesse em conhecer Portugal. um pais mais seguro que o brasil, com uma cultura bastante familiar e confortavel para nós. as ilhas de açores parecem ter paisagens bem bonitas. ou entao viajar pelo brasil mesmo, pra uma regiao diferente da sua. conhecer as chapadas, ou a serra gaucha, ou as praias do nordeste, enfim, o que te atrair mais

      se voce aprender um pouquinho de espanhol, ja surgem novas opçoes como a espanha, argentina, uruguai, chile, peru, colombia, equador, costa rica, mexico. pra Argentina, pro Uruguai e pro Chile nao precisa nem de passaporte, basta o RG (tem que ter sido expedido ha menos de 10 anos. se tiver mais de 10 anos voce tem q tirar uma segunda via, mas isso é muito facil), muitos brasileiros vao pra la sempre e é provavel que eles entendam mais ou menos o portugues

      se voce tiver um interesse especial pela italia, aprenda italiano. se for pela frança, aprenda frances (que tambem pode ser util no canada, na belgica e na suiça). italiano é quase tao facil quanto espanhol

      se voce aprender um pouco de ingles, isso ja abre varias outras portas: estados unidos, canada, australia, nova zelandia, inglaterra, escocia, irlanda, holanda, dinamarca, suecia, noruega e islandia. tudo pais de primeiro mundo. provavelmente vai dar pra se virar em outros paises da europa tambem que nao falam ingles 100% mas entendem o suficiente

      enfim, boa sorte. aproveite e viva a sua vida mesmo! nós mulheres temos que ser livres, independentes e gastar o nosso dinheiro com a nossa felicidade

  3. Oi, Luiza! Ainda não nos conhecemos, mas já falei pro Rafael e pra Natalia o quanto gosto do 360, que nem é mais um blog, mas uma revista da cultura do viajar. Gostaria de deixar uma sugestão de pesquisa da situação político-social que sempre dou pros meus leitores: https://www.gov.uk/foreign-travel-advice . É do governo britânico e está sempre atualizado.
    Abraços!

  4. Oi Luiza, tudo bem?

    Irei morar 6 meses em Portugal e pretendo, durante esse período, fazer uma viagem curta pra Paris e acho que vou encarar essa aventura sozinha rs. Li todos os posts do blog sobre os golpes que rolam por lá, mas mesmo assim me sinto insegura. Mas acho que se cuidando não tem problema, né? Abraços

    1. Oi Karen,

      Golpes e furtos acontecem em qualquer lugar. No Brasil isso é muito pior e aposto que você anda sozinha na sua cidade, certo? Então, mantenha o mesmo nível de alerta e vai ficar tudo bem!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.