As cascatas petrificadas e as piscinas naturais de Hierve el Agua, no México

A estrada é o grande desafio. O caminho de terra que ziguezagueia entre montanhas e vales sai do povoado de Mitla e segue morro acima. Na parte de trás da caminhonete, apertada entre outros viajantes, a poeira e o chacoalho faziam o trecho parecer mais longo do que era. Mas lá no final estava o prêmio aos que resistiram: as magnificas cascatas petrificadas e as piscinas naturais de Hierve el Água.

Localizado no estado mexicano de Oaxaca, a 70 km da capital Oaxaca de Juaréz, Hierve el Água é um conjunto de formações rochosas de mais de 200 metros de altura e que se assemelham a cachoeiras que ficaram paradas no tempo e piscinas naturais com borda infinita, com direito a vista para as montanhas que se erguem ao redor.

O panorama, que parece até coisa de resort cinco estrelas, mas é um presente da natureza, se formou há milhares de anos, por causa do escoamento de água carbonatada de mananciais no alto da montanha. O líquido que vagarosamente esculpiu as rochas também criou as poças de água que ora parecem verde, ora azul-turquesa, e que preservam a agradável temperatura de 24 graus: o suficiente para quebrar o gelo e refrescar ao mesmo tempo.

Leia também: Monte Albán, as ruínas de uma antiga cidade zapoteca em Oaxaca

Hierve el Água, México

Hierve el Água, México

Hierve el Água, México

Por isso, não se engane. O nome Hierve el Água nada tem a ver com fontes térmicas ferventes ou qualquer coisa do tipo. Vem das nascentes dessa água carbonatada, que ao brotar da terra, solta borbulhas como se estivesse no ponto de ebulição. Antigamente, o lugar era um importante centro cerimonial zapoteca. Ainda hoje é possível ver tumbas que preservam a arquitetura encontrada na zona arqueológica de Mitla e um sistema de irrigação construído por esse povo pré-hispânico.

Hierve el Água, México

Além de se refrescar nas piscinas naturais, é possível descer por uma trilha de nível fácil para ver de perto as cascatas de pedra e uma bonita vista da Serra Mixe e do Vale de Tlacolula. Outra trilha, um pouquinho mais pesada, te leva até a base da maior das cascatas. O lugar conta com uma área com pequenas barracas que vendem lanchinhos e comida mexicana, um vestiário e um banheiro (cinco pesos o uso).

Hierve el Água, México

Como chegar a Hierve el Água

Tours operados por agências incluem a visita a Hierve el Água no mesmo pacote do sítio arqueológico de Mitla, uma mezcaleria e a árvore milenar de Santa Maria de Tule. Essa pode ser uma boa opção se você dispõe de poucos dias na cidade, mas lembrando que essas visitas são sempre corridas e, se você quiser aproveitar à vontade, o melhor é fazer o passeio por conta própria.

Hierve el Água, México

Para isso, é preciso pegar um ônibus em Oaxaca em direção ao povoado de Mitla (20 pesos). O ônibus te deixa na entrada do povoado. Se você quiser, pode aproveitar para seguir pela rua principal por uns 15 minutos, até o sítio arqueológico local (custa 65 pesos para entrar).

Unir os dois passeios é um combo dois em um bem conveniente na região. Depois da visita, basta voltar para o lugar no qual o ônibus te deixou. De lá saem as caminhonetes rumo a Hierve el Água. Eles cobram 50 pesos por pessoa, mas exigem um mínimo de cinco passageiros por corrida. Você pode esperar até que cheguem mais pessoas para dividir o carro ou pagar a diferença. A caminhonete te deixa dentro da reserva, mas você ainda terá que pagar 25 pesos para entrar.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei de casa a Cidade do Cabo, Chandigarh, Buenos Aires e Barcelona, mas acabo sempre voltando pra minha querida BH. Gosto de literatura, cervejas, música e artigos de papelaria, mas minha grande paixão é contar histórias. Por isso, desde 2011 viajo o mundo e escrevo sobre o que vi. Também estou no blog sobre escrita criativa Oxford Comma e compartilho minhas impressões de mundo também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.