Tags:
Atlas: Belém, Pará

As cores do Mercado do Ver-o-Peso, em Belém

Nada representa uma cidade tão bem como seu principal mercado. Fã confesso que sou desses lugares, muitas vezes sujos, lotados e barulhentos, faço questão de frequentar feiras e mercados públicos em toda cidade que conheço. E nunca vi nada igual ao Mercado do Ver-o-Peso, em Belém. Veja bem, conheci feiras enormes, daquelas que a gente adora chamar de exóticas, seja lá o que isso possa significar, mas nunca pisei numa mais impressionante que a do Pará.

Mais de três mil feirantes fazem do Ver-o-Peso a maior feira de rua da América Latina. Gente que está lá quase todos os dias, do começo da madrugada e até o sol se pôr. Isso para não falar na multidão que vai atrás dos mais variados produtos – frutos amazônicos, temperos, peixes, carne e até ervas e poções que garantem trazer o amor de volta ou dar sorte na vida.

Veja também: Onde ficar em Belém

Pontos turísticos e roteiro em Belém do Pará

Belém, Pará

Ver-o-Peso: um pouco de história

Tudo começou em Feliz Lusitânia, primeiro nome dado ao local onde hoje fica Belém. Há 400 anos, quando o português Francisco Caldeira Castelo Branco desembarcou por lá com a missão de tomar conta do norte da colônia e ocupar a área ao redor do Grande Rio, o Amazonas, ele também deu o ponta pé para o surgimento do Ver-o-Peso.

Mercado do Ver-o-Peso, Belém

Primeiro foi construído um forte. A vila e as pessoas vieram depois, mas logo surgiu um ponto comercial de frente para a baía do Guajará. Foi ali que os portugueses instalaram um posto de fiscalização de tributos para controlar toda mercadoria que passasse pela região. O nome desse posto? Casa de Haver o Peso, indicando a função de pesar produtos e cobrar tributos.

Belém do Pará

O tempo passou, o mercado cresceu e se tornou um dos pontos comerciais mais importantes do norte do país. Um mercado com 388 anos de história e que foi criado apenas 11 anos depois da capital do Pará.

Belém, Pará

Visita ao Ver-o-Peso

Durante a semana que fiquei em Belém, dei um pulinho no Ver-o-Peso quase todos os dias, para sentir um pouco do clima que toma conta do lugar. Se você for do tipo que topa madrugar, uma boa ideia é acordar antes do sol para ver o descarregamento do açaí, que ocorre na madrugada, atrás da Praça do Relógio.

Veja também: A feira do açaí em Belém e a vida noturna no Pará

desembarque açaí belém

Se madrugar não for a sua praia, passe pelo mercado ao longo do dia. Mesmo que você não pretenda comprar nada, é impressionante ver os peixes, camarões e outros produtos. Mercadoria que, assim como o açaí, chega toda noite.

Açaí, Belém, Pará

Assim que desembarcam, os peixes têm um cantinho especial. A Feira de Peixes e frutos do mar funciona dentro do prédio que acabou virando o principal cartão-postal de Belém e o símbolo máximo do Ver-o-Peso.

Ver-o-Peso, Belém

A feira, no entanto, vai muito além. Em frente ao prédio ficam várias barraquinhas. Não deixe de passar pelo setor das erveiras, um dos mais interessantes do mercado. Ali são vendidas as tais ervas amazônicas que fazem milagres. São os banhos de cheiro, uma parte importante da cultura paraense, herança indígena.

Ver-o-peso, Belém

Esses potinhos coloridos guardam banhos que prometem tudo. E, garantem os vendedores, cumprem. Muitas das erveiras do Ver-o-Peso aprenderam o ofício na infância, com os pais. Há casos de quatro gerações de uma mesma família produzindo banhos de cheiro no Ver-o-Peso.

Ver-o-Peso, Belém

Siga seu caminho para, errr, a praça de alimentação da feira. São 150 lojas, lugares onde é possível encontrar de tudo. O prato mais tradicional, claro, é o açaí. Tire a granola, a banana e o morango. Acrescente farinha e uma porção generosa de peixe frito. Assim é o açaí do Ver-o-Peso.

Veja também: Açaí, a comida de todos os dias no Pará

Açaí com peixe no Ver-o-Peso

Você ainda vai encontrar um setor de artesanato e o de carnes, este sem ser a céu aberto. Ao caminhar pelas ruelas da feirinha, preste atenção ao tucupi, um líquido amarelo feito com raiz de mandioca e que faz parte de culinária paraense. E não deixe de provar (e levar para casa) a Castanha do Pará. Não é caro e vale cada centavo.

Belém, Pará

O Mercado do Ver-o-Peso fica na Avenida Castilhos França, no centro histórico da cidade. Depois de passar por lá, siga para a Estação das Docas, outro ponto turístico de Belém que vale a visita.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

11 comentários sobre o texto “As cores do Mercado do Ver-o-Peso, em Belém

  1. Égua, Rafa, domingo último teve um evento no Veropa, chamado Ver a Bóia, e foi tudo de bom! Dez barracas participaram, com dez pratos diferentes, além de programação musical. Estava uma festa linda!

    1. Eu vi no Facebook, Cândida. 🙂 Deve ter sido incrível. Está gostando dos textos do Pará? Demorou pra começar, mas agora já tem até bastante coisa aqui no blog. E ainda falta a Ilha do Marajó.

      Abraço.

  2. Impressionante como você faz a gente querer conhecer qualquer lugar, mesmo os que nunca estiverem em primeiro lugar nos desejos. Amei saber um pouco sobre a feira, gosto da ideia de lugar assim, onde se pode conhecer mais das pessoas do local. Admito que algo me chamou bastante atenção no texto: “Tire a granola, a banana e o morango. Acrescente farinha e uma porção generosa de peixe frito.” isso parece que nos tira da realidade e nos leva a outra dimensão, sair daquele velho convencional que estamos acostumados, enfim, muito legal. Essa deve ser umas das magias de viajar! rs belo posto, Rafa!! 😀

    1. Que comentário lindo, Larissa. Obrigado! 🙂

      E, olha, vale muito conhecer o Pará. Logo logo começo a escrever sobre a Ilha do Marajó. Você vai ver como é incrível.

      Abraço.

  3. Oi Rafael!

    Esses seus posts estão me deixando cheia de vontade de conhecer Belem!

    Voce acha que em um final de semana prolongado (sex-dom) eu consigo ter uma ideia legal da cidade? As ferias já estão comprometidas, mas quero ir a Belem ainda esse ano.

    Abraço!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.