fbpx

O que fazer em Belo Horizonte: 24 pontos turísticos para conhecer

O que fazer em Belo Horizonte? Eu te garanto: não faltam pontos turísticos, museus, parques, mercados, praças, passeios e restaurantes para você conhecer na capital mineira – atrações que rendem de um final de semana a uma semana inteira na cidade.

BH é uma das poucas capitais brasileiras com um Patrimônio Mundial da Unesco para chamar de seu, o Conjunto Moderno da Pampulha.

Além disso, não podemos nos esquecer da riqueza que há ao redor da cidade. Perto de Belo Horizonte estão o Museu Inhotim, Ouro Preto, Mariana, Congonhas, o Santuário do Caraça e a Serra do Cipó, só para citar algumas das atrações.

Este texto é um guia completo sobre o que fazer em Belo Horizonte. E feito por quem conhece muito bem a região, afinal nascemos, crescemos e vivemos em BH.

Vai para Belo Horizonte? Então veja também:
Onde Comer Comida Mineira em Belo Horizonte

Quantos dias ficar em Belo Horizonte?

No mínimo, fique um final de semana em Belo Horizonte, mas saiba que vai faltar tempo para conhecer todas as atrações da cidade, aproveitar a gastronomia e vida noturna e ainda visitar os arredores. O ideal é que você fique em BH de 3 a 4 dias.

Dicas de Hotéis em BH

Se você vem a turismo, os bairros mais recomendados para hospedagem são Savassi, Funcionários e Lourdes, região centro-sul de BH – veja aqui os melhores hotéis nessa região.

Quer mais dicas? Então veja o nosso guia completo com dicas de Onde ficar em Belo Horizonte nos melhores bairros.

O que fazer em Belo Horizonte: roteiro de 2 a 3 dias

Belo Horizonte é uma cidade planejada – foi construída e inaugurada em 1897, alguns anos depois da Proclamação da República. Teve um projeto urbanístico moderno que foi pensado para receber até 200 mil habitantes.

Pouca gente pra hoje, muita gente pra época. E um número para mostrar que o crescimento da cidade há muito deixou para trás o imaginado pelo urbanista Aarão Reis.

Toda a área urbana planejada fica dentro da Avenida do Contorno, que abraça a região central da cidade. A maior parte das atrações listadas a seguir está nessa parte de BH. Além disso, vale conhecer também o Conjunto Moderno da Pampulha, a cerca de 10 km da Avenida do Contorno, e os parques, praças e mirantes da Serra do Curral.

E há, claro, atrações e pontos turísticos de Belo Horizonte isolados e espalhados por outras regiões. Se você tiver três dias, separe as atrações por região: um dia para a Pampulha e os outros dois para atrações dentro da Contorno e ou na Serra do Curral.

Passeios em Belo Horizonte: dia 1

  • Praça da Liberdade
  • Circuito Cultural Praça da Liberdade
  • Igreja da Boa Viagem
  • Praça do Papa e Mirante Mangabeiras
  • Savassi

Lugares para ir em Belo Horizonte: dia 2

  • Complexo Arquitetônico da Pampulha
  • Mineirão e Museu do Futebol
  • Mercado Municipal
  • Mercado Novo
  • Tour Nostálgicos FC: passeio gastronômico pela história do futebol de BH

Atrações em BH: dia 3

  • Feira Hippie (somente aos Domingos)
  • Palácio das Artes
  • Parque Municipal
  • Igreja São José
  • Praça da Estação e Museu de Artes de Ofícios
  • Viaduto Santa Tereza e Rua Sapucaí
  • Passeio Boemia e Literatura em BH

Lugares para conhecer em BH e região com mais tempo

  • Inhotim; ou
  • Ouro Preto; ou
  • Outras atrações listadas abaixo

Principais pontos turísticos de Belo Horizonte

A lista de atrações abaixo não está por ordem de importância ou dos pontos turísticos imperdíveis de BH, mas para ter sentido geográfico e facilitar seu deslocamento.

1. Praça da Liberdade

Para mim, essa é a Praça mais linda do Brasil. E com distância para a segunda colocada.

A Praça da Liberdade foi planejada com a construção de BH e era um dos pontos mais altos da cidade na época em que a capital era concentrada dentro da Avenida do Contorno.

Praça da Liberdade - O que fazer em BH

Ali ficavam o Palácio do Governo e das Secretarias de Estado, todos em estilo arquitetônico neoclássico. Os jardins, no centro, têm traçado inspirado nos Jardins de Versailes, com palmeiras imperiais, coreto e bastante simetria.

Nas décadas de 1950 e 1960, Oscar Niemeyer modernizou a paisagem com a construção do Edifício Niemeyer, um prédio residencial com linhas curvas que inspirou o paulista Copan, e a Biblioteca Pública.

Praça da Liberdade, Belo Horizonte

A praça passou por uma revitalização há alguns anos. As secretarias de governo foram para a Cidade Administrativa (um complexo moderno e espelhado desenhado por Niemeyer, que você pode ver no caminho para o Aeroporto de Confins).

Com isso, os prédios da praça viraram museus, formando o Circuito Cultural da Praça da Liberdade.

Todos os itens listados até o número 9, que é o Museu Mineiro, fazem parte desse circuito. Ou seja, você pode combiná-los com sua passagem pela Praça, conforme seu interesse pelos atrativos.

Quando ir: a qualquer hora do dia, mas perto do pôr do sol a praça é tomada pela algazarra das maritacas e tudo fica ainda mais bonito.
Preço: de graça.
Indicado para: qualquer situação. Essa é uma atração imperdível da cidade!

2. Memorial Minas Vale

Dos fantasmas que perambulam por BH à religiosidade do povo mineiro: tem de tudo no Memorial Minas Vale, que é um espaço interativo. As vilas e os escritores mineiros também são homenageados pelo espaço, que antes era a Secretaria da Fazenda.

Quando ir: De terça à domingo, com funcionamento noturno às quintas e fechamento mais cedo aos domingos. Detalhes aqui.
Preço: de graça.
Indicado para: se você gosta de museus, quer conhecer mais a história da cidade ou mesmo num dia de chuva. É um dos melhores museus de BH.

Veja também:
23 museus para visitar em Belo Horizonte
Conheça o Memorial Minas Gerais Vale

3. Museu das Minas e do Metal – Gerdau

Não é sem motivo que esse estado se chama Minas Gerais. Do ciclo do ouro aos diversos tipos de pedras que formam nosso solo, o Museu das Minas e do Metal é outra atração cultural importante da Praça da Liberdade, especialmente para crianças.

A experiência inclui descer (virtualmente, claro) numa antiga mina de ouro e tocar num meteorito.

Quando ir: de segunda à sábado, com funcionamento noturno às quintas. Detalhes aqui.
Preço: de graça.
Indicado para: se você gosta de museus, quer conhecer mais sobre os diversos minerais ou mesmo num dia de chuva. É um dos melhores museus de BH.

4. Centro Cultural Banco do Brasil

Um dos mais importantes espaços culturais do Brasil, o CCBB de Belo Horizonte fica num prédio lindo e onde antes era a Secretaria de Segurança.

Embora tenha exposições permanentes, o destaque por ali são as temporárias – por isso fique de olho no calendário para ver a programação do CCBB BH. E isso vale também para o teatro, que vira e mexe recebe peças interessantes.

Quando ir: de quarta à segunda, das 10h às 22h. Detalhes aqui.
Preço: de graça.
Indicado para: Dependendo da exposição que estiver rolando, o CCBB entra pra listinha de atrações indispensáveis da cidade.

5. Espaço do Conhecimento da UFMG

O antigo anexo da Secretaria de Educação se transformou no Espaço do Conhecimento da UFMG. A principal exposição trata da origem da vida e da trajetória da humanidade, com foco em áreas como astrofísica, paleontologia, genética e arqueologia.

No prédio também funcionam um planetário e um terraço astronômico que tem telescópio para observação noturna.

Quando ir: de terça a domingo. Detalhes aqui.
Preço: de graça; já a visita ao planetário custa R$ 6.
Indicado para: quem gosta de museus, tem tempo de sobra no roteiro, num dia de chuva ou atividade à noite (consulte a programação). Também vale para quem viaja com crianças.

6. Palácio da Liberdade

Projetado para ser a moradia e local de trabalho dos governadores, o Palácio da Liberdade ainda tem funções cerimoniais, mas o governador não despacha mais dali.

O Palácio é aberto ao público nos finais de semana, quando ocorrem visitas guiadas pelos jardins e também no interior do prédio.

Quando ir: visitas só nos finais de semana.
Preço: de graça, mas é preciso agendar online.
Indicado para: o Palácio é muito bonito e merece a visita, que dura cerca de uma hora.

 

7. Museu Mineiro

Funciona num prédio histórico e que já foi sede do Senado Mineiro, na Avenida João Pinheiro e pertinho da Praça da Liberdade.

O acervo conta com três mil peças, com destaque para a arte-sacra ou que contam a história de Minas e de Belo Horizonte. Por ali está também o quadro A Má Notícia, que faz parte da coleção de lendas urbanas de BH.

Quando ir: de terça a domingo. Detalhes aqui.
Preço: de graça.
Indicado para: se você gosta de museus, tem tempo de sobra no roteiro, num dia de chuva ou se é de BH, mas nunca visitou o espaço.

8. Coisas legais para fazer em Belo Horizonte: Passeio Páginas Viradas

Quer fazer um passeio realmente diferente por Belo Horizonte, não importa se você vai só visitar a cidade ou mora nela?

Eu organizo uma caminhada cultural chamada Páginas Viradas. Ao longo de três horas, percorremos uma BH que não existe mais, usando como fonte de informação os livros de Carlos Drummond, Pedro Nava e companhia.

É uma viagem no tempo cheia de histórias incríveis e já esquecidas, sempre comparando a paisagem atual com fotografias antigas.

passeio diferente em BH

A caminhada Páginas Viradas, que já se chamou Boemia e Literatura nos anos 1920, foi até reportagem no G1, no jornal O Tempo, no Bom dia Minas e na Itatiaia.

Costuma ocorrer todo domingo e passa pela Igreja da Boa Viagem, Praça da Liberdade, Basílica de Lourdes, rua da Bahia, Avenida Afonso Pena, Viaduto Santa Tereza e rua Sapucaí.

– Quer participar de um grupo ou agendar um passeio exclusivo? Me chama no Whatsapp
Quando ir: aos domingos de manhã, mas verifique disponibilidade para outras datas.
Preço: R$ 60.
Indicado para: quem gosta de história e literatura e quer conhecer mais sobre BH.

9. Praça do Papa

A Praça do Papa tem como nome oficial Praça Israel Pinheiro. Porém, em 1980, quando o Papa João Paulo II visitou a cidade e celebrou uma missa no local, ele disse: “Que belo horizonte!”. Desde então o nome da praça mudou.

O Papa estava certo, a vista dali é incrível, já que a praça fica no alto da cidade.

Quando ir: a qualquer hora, mas de preferência perto do pôr do sol.
Preço: de graça.
Indicado para: quem gosta de passeios ao ar livre e com vista.

Leia também:
Mirante do Mangabeiras: a melhor vista de BH
Parque da Serra do Curral: passeio de natureza em Belo Horizonte

10. Mirante Mangabeiras

Carlos Drummond de Andrade, que morou cerca de 15 anos por aqui, chamava BH de “cidade coleção de pores do sol”. E um dos melhores locais para contemplar tanto horizonte é, sem dúvidas, o Mirante do Mangabeiras.

Espaço conhecido do belo-horizontino há décadas, nos últimos anos o mirante foi reformado. Ganhou um deck de madeira e mais segurança.

Quando ir: funciona todos os dias, das 9h às 18h, mas de preferência vá perto da hora do pôr do sol.
Preço: de graça.
Indicado para: quem gosta de passeios ao ar livre e com vista. Se o dia estiver bonito, esse é um passeio imperdível em BH.

Mirante do Mangabeiras, Belo Horizonte

11. Parque das Mangabeiras

Também nos arredores da Praça do Papa fica o Parque das Mangabeiras, ao pé da Serra do Curral.

O parque tem 2,8 milhões de metros quadrados, muita área verde e várias nascentes de córregos. Ele foi projetado pelo paisagista Roberto Burle Marx.

Quando ir: de terça a domingo, das 8h às 17h.
Preço: de graça.
Indicado para: quem gosta de passeios ao ar livre; quem viaja com crianças.

12. Parque Serra do Curral

Criado em 2002 e inaugurado quase uma década depois, o Parque da Serra do Curral tem 400 mil metros quadrados.

Além de um bom lugar para fazer um piquenique, principalmente na praça logo depois da portaria 1, o parque conta com trilhas de diferentes níveis de dificuldade, muita vida animal (125 espécies de aves foram identificadas ali) e 10 mirantes que permitem vistas incríveis da região.

As trilhas são curtas – espere gastar em torno de 40 minutos.

Quando ir: de terça a domingo, das 8h às 16h.
Preço: de graça.
Indicado para: quem gosta de passeios ao ar livre e com vista. Se o dia estiver bonito e você gostar de fazer trilhas curtas no meio da natureza, então esse é um passeio imperdível em BH.

13. Savassi

Dá para ir para a Savassi a pé, partindo da Praça da Liberdade. Essa é uma das regiões mais movimentadas de BH e ali ficam vários bares, boates, lojas, restaurantes. E também muitos dos hotéis da cidade.

Leia também: Melhores bares de Belo Horizonte: 18 segredos da capital dos botecos

Há alguns anos, os governantes fecharam os quarteirões em volta da Praça da Savassi, que não é exatamente uma praça e sim um cruzamento das Avenidas Getúlio Vargas e Cristóvão Colombo.

Eu aconselho você a passar por ali de noite, ou no fim da tarde, e se juntar aos belo-horizontinos num bar na região.

Em busca de onde comer na Savassi?

Anote alguns endereços que não podem faltar:

  • A Pão de Queijaria (Rua Antônio de Albuquerque, 856)
  • Mercado da Boca (Rua Levindo Lopes, 124)
  • Quarteirão fechado da Rua Antônio de Albuquerque (conta com bares, restaurantes e sorveterias – bom para a noite)

Quando ir: à noite.
Preço: o que você comprar ou comer por lá.
Indicado para: Provar a gastronomia e a boemia de BH.

Além das dicas noturnas, aqui você encontra um guia de café da manhã, brunch, padarias e cafeterias em BH, várias delas na Savassi.

14. Complexo Arquitetônico da Lagoa da Pampulha

A Pampulha é uma região enorme de Belo Horizonte e que, até mesmo por estar um pouco mais distante dos outros pontos turísticos, merece um dia inteiro do seu roteiro.

A começar pela Lagoa da Pampulha, uma lagoa artificial que tem 18 quilômetros de orla – dá para andar de bicicleta, triciclo, correr e tentar avistar os jacarés ou as muitas aves que habitam a região.

o que fazer em belo horizonte

Ao seu redor, o antigo prefeito Juscelino Kubitschek encomendou de Oscar Niemeyer, nos anos 1940, um complexo arquitetônico que hoje é um Patrimônio Histórico da Humanidade segundo a Unesco.

São a Igreja de São Francisco de Assis (ou Igrejinha da Pampulha), o Museu de Arte da Pampulha – que na época da inauguração era um cassino, desativado em 1946 -, o Iate Clube e a Casa do Baile, que fica numa ilhota e hoje recebe o Centro de Referência de Arquitetura, Urbanismo e Design.

A Igreja da Pampulha é de visita obrigatória, então não deixe de entrar. A Casa do Baile fica ainda mais linda ao pôr do sol, enquanto o Museu de Arte da Pampulha é, infelizmente, um espaço subaproveitado – alô, prefeitura, também falta um café na Casa do Baile, hein!

Não deixe de ler o texto sobre o Complexo Arquitetônico da Pampulha. Ali você encontra informações sobre os prédios e um roteiro completo pela região, que pode ser feito de carro ou alugando uma bicicleta.

Dica: comece a visita pela Igreja da Pampulha e de lá caminhe (ou vá de bike) até a Casa Kubitschek, que já foi residência do JK e hoje é um museu pequeno, mas bem interessante. Logo em frente fica um mirante com vista linda e onde JK costumava ancorar um barquinho.

Os mais esportistas vão topar o desafio de pedalar os 18 km da orla.

Quando ir: qualquer dia e horário
Preço: de graça; espere gastar entre R$ 10 e R$ 20 se resolver alugar uma bicicleta (recomendamos!).
Indicado para: Todo mundo. A Pampulha é um Patrimônio da Humanidade e este é um passeio imperdível de BH.
O que ver na Pampulha: Igrejinha, Casa do Baile, Casa Kubitschek, mirantes e o Mineirão, claro, que de tão grande merece o tópico a seguir.

Leia também:
6 ótimos restaurantes na Pampulha
Como é a visita à Casa Kubitschek

15. Mineirão e Museu do Futebol

Na Pampulha também ficam o Mineirão e o Mineirinho, os dois principais complexos esportivos de Minas Gerais e que também recebem eventos culturais.

Após a reforma para a Copa, passou a funcionar no Mineirão o Museu Brasileiro do Futebol. Não perca a oportunidade de conhecer o templo do futebol mineiro e campo do 7×1.

Além do Museu do Futebol, uma tirolesa funciona dentro do Mineirão, para a alegria de muita gente.

Já o Mineirinho, apesar de ser o maior ginásio coberto do país, é outro espaço subaproveitado. Há projetos para devolver vida ao local, que hoje cheira a abandono.

Quando ir: Importante lembrar que museu e tirolesa não funcionam se tiver jogo ou show no estádio. Por isso, confira a programação no site oficial.
Preço: entre R$ 25 e R$ 50 para o ingresso no museu e visita guiada; tirolesa a partir de R$ 70. E você sempre pode tentar acompanhar um jogo de futebol no Mineirão.
Indicado para: Quem ama futebol.

16. Nostálgicos FC: passeio gastronômico pela história do futebol de BH

Outra caminhada que eu organizo, em parceria com minha esposa, que é sommelier de cervejas e montou uma harmonização muito especial nesse passeio em Belo Horizonte.

Na Nostálgicos FC, mergulhamos na história do futebol em BH, com foco no surgimento do esporte na cidade, em 1904. Passamos pelos pontos de fundação dos três times da capital (Atlético, América e Cruzeiro) e falamos de equipes que não existem mais.

Além de tudo isso, a Nostálgicos FC inclui paradas em três bares super tradicionais da cidade: a Cantina do Lucas, no Maletta, o Café Palhares, no centro, e o bar Fortaleza, no Mercado Central. Comemos comidinhas e petiscos típicos e harmonizamos momentos do futebol com cervejas especiais da Brüder.

 – Quer participar de um grupo ou agendar um passeio exclusivo? Me chama no Whatsapp.
Quando ir: aos sábados, entre 10h30 e 15h.
Preço: R$ 95, com seis tipos de cervejas especiais e petiscos campeões do Comida di Buteco já inclusos no valor.
Indicado para: quem gosta de futebol, boas histórias e cerveja – ou simplesmente quem quer fazer um passeio muito legal em BH! 

16. Mercado Central

Você encontra de tudo no Mercado Central: artesanato, moda, frutas, queijos, cachaças, doces, bares e até animais – o setor que vende bichos vivos é polêmico e vira e mexe há movimentos que tentam tirá-lo dali.

O mais legal é que o Mercado Central não é um lugar “para turista ver”. Os belo-horizontinos de fato vão lá fazer compras e comer bem – o que significa que os preços não são inflados.

O que fazer em Belo Horizonte - Mercado Central

Vale a pena ir de manhã para tomar café coado com pão de queijo (anote aí: Comercial Sabiá) ou no almoço/tarde para provar quitutes vencedores do Festival Comida di Buteco e beber um cerveja em pé, no balcão, como manda o figurino.

Ahh, antes que eu me esqueça, o petisco típico do mercado é fígado com jiló.

Temos um post inteirinho dedicado ao Mercado Central, com dicas de quais lojas ver e o que vale a pena comprar por lá.

Quando ir: todos os dias, mas note que o mercado não funciona à noite e nem nas tardes de domingo ou de feriados.
Preço: o que você comprar ou comer por lá.
Indicado para: Todo mundo. Esse é um passeio imperdível de BH.

18. Mercado Novo

Era uma vez uma garagem de bondes que virou mercado. Apelidado de Novo, para contrastar com o velho Mercado Central, o espaço nunca engrenou.

O Mercado Novo chegou em 2018 como toda coisa velha: sujo, pouco frequentado e como um grande espaço ocioso do centro da cidade.

Até que uma cervejaria, a Viela, se mudou pra lá, apostando no endereço. O que aconteceu então foi extraordinário: o Mercado Novo renasceu dos escombros, com dezenas de bares, restaurantes, cafés e lojas dos mais diversos tipos.

Como o espaço ficou fechado e parado no tempo, a decoração do lugar – de todas as lojas, diga-se – remete a décadas passadas.

Não é só meu bairrismo falando, juro: não há nada no Brasil igual ao Mercado Novo de Belo Horizonte.

Dica importante: o primeiro andar do Mercado Novo tem uma série de lojas de legumes, produtos gerais e botecões com cara de centro. Esse não é seu destino! Para ir ao Mercado Novo mesmo você precisa subir a rampa e procurar os andares superiores.

Mercado Novo de BH - Corredores

Quando ir: as lojas têm horários diversos e funcionam todos os dias, mas vá à noite ou em finais de semana pra entender realmente o que é o Mercado Novo.
Preço: o que você comer.
Indicado para: qualquer pessoa. Esse é um passeio imperdível de Belo Horizonte. Pode ser combinado com o Mercado Central, que fica a cinco minutinhos de caminhada.

Veja também: Mercado Novo de BH – como a cidade ressignificou um velho espaço

19. Parque Municipal

Principal área verde do centro de Belo Horizonte, o Parque Municipal fica na Avenida Afonso Pena, de frente para a prefeitura e ao lado do Palácio das Artes.

São 180 mil metros quadrados de vegetação, mas o parque já chegou a ser quatro vezes maior. 

Tem lagos (com possibilidade passeio de canoa), um parque de diversões, pistas de caminhada e muito verde.

Quando ir: qualquer dia da semana, de 8h às 17h, mas pode ser uma boa ideia combinar a visita com a Feira Hippie, que só ocorre aos domingos.
Preço: de graça, mas atualmente é preciso agendar online.
Indicado para: quem gosta de passeios ao ar livre.

Parque Municipal, BH

20. Palácio das Artes

O Palácio das Artes é um complexo cultural de Belo Horizonte que fica no centro da cidade, na Avenida Afonso Pena.

Ali tem teatro, cinema, shows, concertos e exposições temporárias e permanentes. Se você estiver com visita agendada para BH, confira a programação do Palácio, porque grandes são as chances de alguma coisa legal estar em cartaz.

Quando ir: de terça a domingo.
Preço: verifique a programação.
Indicado para: se você gosta de museus, tem tempo de sobra no roteiro, num dia de chuva ou dependendo da atração.

21. Feira Hippie

Uma feira de rua enorme, onde você encontra de tudo o que imaginar: arte, moda, decoração, bijuterias, comidas e muito mais.

Ocorre aos domingos, quando parte da Avenida Afonso Pena é fechada para receber os feirantes.

Quando ir: domingo, das 7h às 14h.
Preço: Só o que você comprar.
Indicado para: quem gosta de feiras desse tipo.

22. Terraço Acaiaca

Prédio mais icônico de BH, o Acaiaca fica ao lado do Parque Municipal e de frente para a Igreja de São José, que também é linda.

O terraço do prédio, que por anos ficou abandonado, passou por uma revitalização e tem recebido atrativos diversos. Um deles é a experiência Terraço Acaiaca, que ocorre em dias específicos e envolve tomar um aperitivo na hora do pôr do sol.

Quando ir: consulte a programação.
Preço: R$ 80.
Indicado para: Quem curte passeios com vista e mirantes urbanos.

23. Museu de Artes e Ofícios e Praça da Estação

A partir da Praça Sete, que é o hipercentro de BH e fica na Avenida Afonso Pena, desça três quarteirões da Avenida Amazonas e você chegará à Praça da Estação.

Lá fica um prédio bonito e antigo, de 1922, que abrigava a estação de trem, que ainda funciona – essa também é uma das estações do metrô.

Dentro do prédio funciona o Museu de Artes e Ofícios, que tem uma coleção focada no trabalho.

Durante o verão, vale verificar se não está rolando a Praia da Estação, um movimento que ocupa o espaço e transforma as fontes em banho de mar.

Quando ir: de terça a sábado, combinando com o horário de funcionamento do museu.
Preço: de graça.
Indicado para: O Museu de Artes e Ofícios é um dos melhores da cidade. A praça é bonita e, se você der a sorte de estar rolando a Praia da Estação, pode ser um programa bem interessante.
Importante: Evite a Praça tarde da noite, exceto em dias de shows e eventos ali.

Funciona de terça a domingo. Confira os valores e horários de funcionamento do museu.

24. Rua Sapucaí e Viaduto Santa Tereza

A rua Sapucaí é uma das mais antigas de Belo Horizonte. Localizada atrás da Praça da Estação, a região foi a primeira favela da cidade, ocupada pelos operários que construíram a capital, mas não encontram lugar dentro dela.

Abandonada, por anos a Sapucaí foi um lugar onde pouca gente ousava passar. Só que a rua, justamente por ter um largo em frente, tem uma das vistas mais bonitas do Belo Horizonte.

A rua foi redescoberta na década de 2010. Hoje, está repleta de restaurantes, bares e fica lotada noite sim, outra também. As pinturas do Cura, festival que enche de arte os prédios do centro, tornaram o visual ainda melhor.

Quando ir: do almoço ao jantar, mas com destaque para o happy hour do pôr do sol.
Preço: Só o que você comprar.
Indicado para: todo mundo. Comer e beber num restaurante da Sapucaí, na hora do pôr do sol, é hoje um passeio imperdível de BH.

Veja também: Rua Sapucaí, em BH: restaurantes, mirante urbano e história

Outros passeios em Belo Horizonte

Os lugares listados até aqui não esgotam as atrações de Belo Horizonte. Quem já visitou BH em outras ocasiões ou vive na cidade tem mais alternativas de lazer e turismo. Por exemplo:

Gastronomia e boemia

  • Os restaurantes fazenda da Pampulha, como o Xapuri e o Paladino
  • Os bares e sebos do Edifício Maletta
  • O Mercado Distrital do Cruzeiro
  • O  Bairro Santa Tereza – onde surgiu o Clube da Esquina e o Sepultura

Parques, praças e áreas verdes

  • O Jardim Zoológico, o Jardim Botânico e Aquário do rio São Francisco
  • O Parque Guanabara, com direito a vista espetacular da roda-gigante
  • O Parque Ecológico da Pampulha, com trilhas e muito verde
  • As praças da Assembleia, Raul Soares e Floriano Peixoto
  • O Mirante Amilcar Martins, para quem já conhece o das Mangabeiras

Museus e Arquitetura

  • As várias igrejas da Cidade, como Boa Viagem, Lourdes, São José e Capela do Rosário
  • Museu da Moda
  • Museu Inimá de Paula
  • O Museu Abílio Barreto, última casa de Curral del Rei, a Belo Horizonte colonial
  • O Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, para passeios na natureza
  • O Presépio do Pipiripau, dentro do Museu de História Natural da UFMG
  • O Museu de Ciências Naturais da PUC
  • O Museu Giramundo
  • As belezas da paisagem e da arte do Cemitério do Bonfim, de preferência numa visita guiada (veja programação aqui).
  • Casa Fiat de Cultura
  • Centro de Artes Popular da Cemig

Atrações de bate-volta de Belo Horizonte

O Instituto Inhotim é um centro de arte contemporânea que fica perto de Belo Horizonte e atrai cerca de 350 mil turistas por ano – quase o mesmo número de visitantes que passam por Ouro Preto.

Mas, além da arte, o Museu Inhotim também é parque: seus jardins são tão incríveis que já valem a visita. E a arte está não apenas nas galerias, mas também espalhada pelos jardins.

Localizado em Brumadinho, o Inhotim fica a 60 quilômetros de Belo Horizonte.

Veja todas as nossas dicas sobre o Inhotim:
Museu Inhotim: como visitar, dicas, horários e ingressos
Inhotim, Ouro Preto e Belo Horizonte: Roteiro de 4 dias
Como chegar em Inhotim: ônibus, carro e van
Onde ficar em Inhotim: dicas de hotéis

Além do Inhotim, outras atrações que funcionam muito bem no esquema bate-volta a partir de BH são as cidades históricas de Sabará e Congonhas e também o Santuário da Serra da Piedade.

Como se locomover em Belo Horizonte

O metrô de BH é bem limitado. Com isso, existem três jeitos de se locomover em Belo Horizonte: a pé, de ônibus ou de carro/táxi/aplicativo

Você pode alugar um carro. Essa opção é a melhor caso você também pretenda conhecer os arredores.

Se decidir alugar um veículo, sugerimos que você pesquise e reserve antes numa comparadora de locadoras, a fim de garantir o melhor custo/benefício. Para isso, indicamos a Rentcars, parceira do blog que oferece descontos e vantagens no aluguel.

Quem chega no Aeroporto de Confins tem a opção de pegar um uber até a cidade, que custa em média 80 reais para a região da Savassi e 50 para a Pampulha.

Também dá para pegar o ônibus executivo chamado Conexão Aeroporto, que custa 36 reais e te deixa no Bairro de Lourdes, perto do Centro, em 50 minutos.

Vida cultural e festivais em Belo Horizonte

BH ainda tem outros museus, centros culturais e vários festivais de dança, teatro, música e gastronomia ao longo do ano.

Alguns dos destaques anuais são o festival Sensacional, em fevereiro, o Breve, em Maio e o Sarará, em agosto, todos com shows de grandes artistas nacionais. O Festival MECAInhotim e o Planeta Brasil também atraem turistas para BH.

Entre julho e setembro ocorre a Virada Cultural de BH, quando as ruas do centro se enchem de palcos com programação por três dias.

Já o Cura, Circuito de Arte Urbana, promove mesas de debates, feiras de arte, festas e ações especiais sempre dialogando com a arte urbana e a cultura de rua.

E, claro, não poderíamos deixar de falar do Carnaval de BH, um dos maiores do país (e sem dúvidas um dos mais divertidos também). A cidade respira carnaval o ano inteiro, mas é em janeiro e fevereiro que podemos ver os blocos na rua.

Veja aqui o guia completo de como participar do carnaval de BH.

*Crédito Imagem Destacada: Marcelo Rosa/Divulgação Belotour

5/5 - (1 vote)

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

16 comentários sobre o texto “O que fazer em Belo Horizonte: 24 pontos turísticos para conhecer

  1. Ola! Lembre-se de citar a Sala Minas Gerais- Filarmonica! Uma atracao imperdivel em BH! Concertos musicais maravilhosos numa das melhores salas do mundo com musicos fenomenais!

  2. Olá! Gostei muito da matéria. Planejo ir em Setembro para cerca de uma semana em BH. O que você pode me falar sobre a segurança da cidade? Dá pra sair tranquila a pé de dia ou de noite?

    1. Oi, Lucigleice.

      É segura sim, mas é Brasil, né. Então sempre convém estar esperta. Mas nas partes mais turísticas é bem tranquilo durante o dia. À noite só convém evitar andar em algumas partes do centro, que ficam mais vazias. E não dar mole: voltar de uber de um bar se já for tarde, etc.

  3. Amei essa publicação! Tô indo para BH em janeiro passar 3 dias e mais 3 dias em ouro preto. Quero conhecer toda a arquitetura dessa linda cidade.
    Queria saber mais sobre as feiras de lá. Pode me dar dicar de algumas??

  4. Que delícia de post! Vou viajar pra “Beagá” amanhã e lendo tudo isso fiquei ainda mais ansiosa. Adorei os detalhes, as dicas, e ainda mais a sinceridade por ter vivido esses lugares, o que significa um tanto de experiência. Muito feliz por ter achado essa página. 🙂 Não pude deixar de comentar, mas não vou me alongar mais. hahaha
    Desejo muitas aventuras em viagens pra você! Um beijo

  5. Engraçado, mas na chamada tudo o que vocês dizem que vale a pena ver em BH, não fica em BH (Macacos, Inhotim, Ouro Preto) … Vocês não falaram da melhor atração cultural, o Museu de Artes e Ofícios, que fica na antiga estação de trem, um dos melhores do país, bom e era isso, uma hora pra ver o complexo da pampulha e mais outra pra praça da Liberdade, acabou o turismo em Bh …

      1. “Dentro do prédio funciona o Museu de Artes e Ofícios, que tem uma coleção focada no trabalho. Funciona de terça a domingo.”
        Chama isso de falar sobre? Faz me rir …

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.