O que fazer em Florença: roteiro de 2 ou 3 dias

Não é exatamente fácil decidir o que fazer em Florença, afinal, há infinitas possibilidades de ver obras de arte, joias arquitetônicas e comida de primeira. Poucas cidades no mundo são tão parte do imaginário popular em termos históricos e culturais quanto essa beleza italiana. Para ajudar no planejamento do seu roteiro pela cidade, preparamos um guia completo com as principais atrações de Florença, dividas num roteiro de 2 dias. Também damos dicas de onde comer e onde ficar ao longo do texto!

Para entender a cidade: um pouco da história de Florença

Florença é uma cidade como poucas no mundo. Sua relação com a história e arte foram essenciais para a cultura ocidental. Foram os banqueiros florentinos que financiaram as navegações espanholas e portuguesas e, graças a elas, o continente Americano foi descoberto.

Fundada por soldados romanos, Florença cresceu devido à sua posição estratégica, próxima a rios. Na Idade Média, já era uma das mais importantes do mundo por cousa do próspero comércio desenvolvido ali. Por volta do ano 1000 d.C., começou sua ascensão no mundo das artes, impulsionada pelo grande investimento em arquitetura. Em 1300, o papa Bonifácio VIII chegou a dizer que o mundo não tinha quatro, mas cinco elementos: Terra, Fogo, Água, Ar e os Florentinos.

Planeje sua viagem:
Como ir do aeroporto de Florença para o centro

artista de rua em Florença

Quando os Medici tomaram o poder, no século 15, Florença já era uma das maiores cidades da Europa. A família era composta por banqueiros, que financiavam, entre outros, o próprio Papa – ou seja, gente poderosa até dizer chega. Eles também foram grandes patrocinadores das artes. Lorenzo di Medici, ou Lorenzo, o Magnífico, foi um grande patrono de artistas como Michelangelo, Leonardo da Vinci e Botticelli. A família Medici ficou no poder por um longo período, até o século 17. Para saber mais sobre essas figuras famosas da história da cidade, leia post inteiro sobre as celebridades históricas florentinas.

Durante a Segunda Guerra, Florença foi ocupada por um ano pelo exército alemão. Em 1944, quando estavam batendo em retirada por causa da aproximação dos ingleses, decidiram bombardear todas as pontes para dificultar a passagem dos aliados. Felizmente, tiveram o bom senso de não destruir a Ponte Vecchio, devido à sua beleza e valor histórico e ainda hoje podemos apreciá-la cruzando o rio Arno, um dos principais cartões postais da cidade.

Atenção: O seguro de viagem é obrigatório na Europa e pode ser exigido na imigração. Veja nossa dica para comprar o seu seguro de viagem com desconto.

Quantos dias ficar em Florença?

Você vai precisar de tempo para conseguir absorver tudo o que Florença tem para oferecer. Mais ainda, se quiser fazer da cidade de base para explorar mais a região da Toscana. O ideal é ficar pelo menos 2 dias inteiros em Florença e deixar outros dias para fazer possíveis bate-voltas à lugares como Pisa ou outras cidades da Toscana.

Se você tiver só 1 dia, basta seguir o nosso roteiro do dia primeiro dia, que concentra um geralzão da cidade. E se você tiver mais tempo, aproveite para conhecer mais museus e explorar o outro lado do rio Arno.

Vista da Galeria Uffizi no Por do Sol a partir da Ponte Vecchio em Florença na Itália

Tenha em mente que uma das melhor atrações de Florença é caminhar pelas ruas e ver suas belezas, inclusive, fazer o mesmo passeio de manhã e a noite, quando as cores mudam e a iluminação faz uma diferença no cenário.

O que fazer em Florença: roteiro de 2 ou 3 dias

Dia 1: O essencial de Florença

  • Duomo di Firenze (Catedral Santa Maria del Fiore), Torre de Giotto e o Batistério
  • Piazza della Republica
  • Mercato Nuovo
  • Piazza Signoria
  • Palazzo Vecchio
  • Ponte Vecchio e o Corredor Vasariano
  • Palazzo Pitti e Jardins Bobolli
  • Piazzale Michelangelo

Duomo de Florença no Por do Sol Entrada da catedral de florença

Comece seu passeio no principal cartão postal da cidade: o Duomo di Firenze, ou melhor, a catedral Santa Maria del Fiore. É a maior igreja da cidade e a famosa cúpula, construída por Filippo Brunelleschi, é um grande obra de engenharia – ele se inspirou no Panteão, em Roma. Você pode entrar na Igreja de graça, basta enfrentar a fila.

Saiba mais: Como é a visita ao Duomo, Torre e Batistério da Catedral de Santa Maria del Fiore

Duomo de Florença O que fazer na cidade

Na praça que fica a Igreja também estão a Torre de Giotto e o Batistério (as portas são obras de arte incríveis). Todos são patrimônios mundiais da Unesco. Dá para subir no alto da Torre e do Duomo, comprando um mesmo ticket, por 18 euros. O ingresso inclui, ainda, a entrada no Batistério, no Museo dell’Opera del Duomo e nas criptas da igreja.

Depois dessa visita, siga para a Piazza della Republica, local onde ficava o antigo Fórum Romano. Ali há uma maquete que indica como era Florença naquela época. Após era romana, durante a Idade Média, essa região mudou muito e virou uma área densamente povoada e com grande fluxo de pessoas, onde chegou a funcionar, até o século 16, um importante mercado conhecido como Mercato Vecchio. Mas essas construções medievais foram todas derrubadas a renovação da praça. A obra marcou a proclamação de Florença como capital da Itália. Hoje, o que se encontra lá é um arco enorme, uma coluna e, em volta, vários cafés, artistas de rua e um carrossel.

o que fazer em florença

A 200 metros dali, está o Mercato Nuovo, construído no século 16 para substituir o antigo. Hoje, o lugar é voltado para o comércio de couro. É ali que fica uma curiosa estátua de javali conhecida como Il Porcellino. A superstição do século 18 garante que quem passa a mão no focinho dele voltará a Florença em algum ocasião. E se você colocar uma moeda na boca dele e ela cair dentro da fonte, terá boa sorte. A estátua tem o focinho já desgastado de tanta gente que vai lá passar a mão no bicho. Mas calma, hoje em dia ninguém está estragando uma obra de arte: a estátua original está localizada no Museu Bardini.

Se você não quer pagar para entrar num dos museus, a Piazza Signoria fará o trabalho. Lá fica um réplica perfeita do Davi de Michelangelo. Além disso, também há uma grande coleção de esculturas, de artistas como Giambologna, Donatello, Bandinelli, Cellini, entre outros.

Réplica de Davi, em Florença Palácio Vecchio - Florença, Itália

Esculturas piazza signorina em florenca

Para a hora do almoço minha sugestão é que você vá comer no maravilhoso I’ Girone De’ Ghiotti. O espaço pequeno faz sanduíches incríveis de produtos locais, diversos sabores a preços muito convidativos. Foi de longe a melhor refeição que fiz em Florença. E não sou só eu que digo isso, o espaço está em um dos primeiros lugares no TripAdvisor. Uma dica: você pode pegar o sanduíche para levar e comer numa praça ou pode subir e tentar uma das mesinhas no andar de cima.

Salames dica de onde comer em florença sanduiche dica de restaurante em florença

Essa praça é onde fica o Palazzo Vecchio, que abriga um museu e a prefeitura da cidade. Lá dentro fica o incrível Salão dos Quinhentos, construído em 1494, com 1200 metros quadrados com esculturas e pinturas. Inicialmente foi encomendado para que Leonardo da Vinci e Michelangelo fizessem painéis no salão, mas nenhum dos dois terminou o trabalho. Dentro do palácio também ficam outros salões ricamente decorados. A visita dura cerca de 1h30, então se você tiver interesse, recomendo entrar. Consulte o site oficial para informações de horários e preço. 

museus em florença sala palazzo vecchio

Siga pela Piazzale degli Ufizzi (deixe para visitar o museu, se você quiser, no dia seguinte!) para a Ponte Vecchio, aquela que os nazistas desistiram de destruir durante a Segunda Guerra. A ponte é a mais antiga de Florença e tem lojas que se estendem por todo o caminho, dos dois lados. No inicio, essas lojas eram ocupadas por açougueiros, mas em 1593 a família Medici, incomodada com o mal cheiro do local, proibiu os açougues. No lugar, mercadores de ouro e jóias se instalaram ali. Até hoje são essas as lojas que você encontra por lá.

 

o que fazer em florença Ponte Vecchio, Florença - Itália

Ponte Vecchio “por dentro”. As lojas de jóias ao longo do caminho.

Outra coisa interessante na ponte, e que não pode ser visitada por todo mundo, é o Corredor Vasariano, construído por Georgio Vasari a mando de Cosimo I de Medici, em 1565. É uma passagem secreta que liga o Palazzo Vecchio ao Palazzo Pitti, passando pela Galeria Uffizi e, claro, por cima da Ponte Vecchio. O objetivo era permitir que os nobres pudessem cruzar de suas casas até o palácio do governo sem o risco de levarem uma facada de algum cidadão descontente no caminho. Ali dentro fica uma coleção de quadros de grandes artistas. Para visitar o Corredor, é necessário fazer reserva pelo telefone +39 055 294883.

Também é possível, em alguns períodos específicos, visitar o corredor entre o Palazzo Vecchio e a Galeria degli Uffizi. Leia nosso post contando a experiência e como conseguir comprar.

Uma vez do outro lado do Rio Arno, você tem algumas opções de passeio:

Se ainda for cedo e você não estiver cansado, pode visitar o Palazzo Pitti e/ou Giargino di Boboli, que são parte da antiga residência da família Medici. O palácio hoje funciona como uma grande galeria de arte renascentista. E os Jardins Boboli são um complexo que também funciona como uma espécie de museu a céu aberto.

palazzo pitti em florença o que fazer na cidade

Dica: Caso você pretenda visitar o palácio, os jardins e também a Galeria Uffizi, vale a pena comprar o bilhete combinado dos três, que custa 38 euros e é válido por 3 dias. Confira no site oficial.

A outra opção é especialmente bonita quando anoitece e as luzes se acendem em Florença. Caminhe pelas lojinhas e ruas do outro lado do rio em direção à ponte Santa Trinitá. Dali, você tem uma visão da Ponte Vecchio de frente. Depois de cruzá-la, siga pela Via de Tornabuoni, uma rua cheia de casarões e palácios, que hoje são lojas de luxo como Gucci e Prada. Para quem gosta de moda, inclusive, ali fica o Museu Salvatore Ferragamo.

Rua a noite em Florença Italia

ponte vecchio a noite vista

Siga sua caminhada, em que você pode (ou não) desviar para ver o Duomo e o Batistério com a iluminação noturna. Mas o seu destino é a região do Mercado de São Lorenzo (voltaremos lá amanhã para o almoço!), onde, no segundo andar funciona o Mercato Centrale, um mercado de gastronomia italiana simplesmente maravilhoso. É um ótimo lugar para jantar – ou só beliscar alguma coisa com um vinho. 

duomo de firenze e campanario de florenca a noite

Dia 2: Museus e igrejas cheios de história e arte

  • Galeria Uffizi
  • Museu Bargello
  • Galleria dell’Accademia
  • Mercado de San Lorenzo
  • Ruelas do Centro
  • Basílica de San Lorenzo
  • Basilica de Santa Croce
  • Piazzale Michelangelo

O segundo dia tem foco nas artes. Você pode escolher entre um ou vários museus descritos abaixo.

praca galeria uffizi

A Galeria Uffizi é um dos maiores museus de arte do mundo e é um passeio que pode tomar algumas horas do seu dia, provavelmente a manhã inteira. É extremamente importante que você compre os bilhetes com antecedência. Os horários de abertura e preço do ingresso variam ao longo do ano. Confira no site oficial e compre por lá (sai mais barato do que com vendedores alternativos).

museus em florença uffizi corredor

Se você já conhece ou tem interesse em visitar outro museu em Florença, pode aproveitar o tempo para ir a lugares como o Bargello, que é voltado para esculturas, incluindo trabalhos de Michelangelo e Donatello, entre outros. Ou a Galleria dell’Accademia, cuja principal atração é a estátua original de Davi, de Michelangelo.

galeria della academia estatua de davi

Também há locais de exibição menos disputados, mas muito interessantes, como o Museu Galilei, sobre a obra do artista e outras exibições sobre a história da ciência. Ou a Museu Casa de Dante, que é o local onde supostamente o poeta Dante Alighieri teria vivido – vale a pena também só ver pelo lado de fora!

Para o almoço, vá ao Mercado de San Lorenzo. No entorno dele fica uma enorme feira de artesanato e peças de couro, um bom lugar para quem gosta de compras. Mesmo que você tenha ido na noite anterior, no andar debaixo é onde funciona o mercado tradicional, em que ficam os vendedores de produtos típicos. Procure a Il Salumeria, onde dá para provar os queijos e salames da região – e comprar no pedaço. Para almoçar, nós fomos ao Nerbone, que vende massa fresca bem baratinha, por volta de 4 a 6 euros o prato. Se você não tiver ido na noite anterior, também pode subir e comer no Mercato Centrale.

Caso você já tenha esgotado os museus, agora é uma boa hora para caminhar pelas ruas de Florença e apreciar o que encontrar pelo caminho.

vistas alternativas de florenca para fotos do instagram

Por exemplo, para quem quiser tirar fotos diferentes do Duomo, a via dello Studio dá uma visão da catedral entre as casinhas fiorentinas. Outro lugar muito especial, que também vale uma parada para um café, é o último andar da Biblioteca Oblate (entrada gratuita).

Também vale a pena caminhar por ruas charmosas: tomar um café no Chiaroescuro na Via del Corso, ver (ou comprar) nas lojas da Via Calzaiuoli e Via Calimala, tomar um gelato na Grom na Via dei Campanile.

Ainda, quem gosta pode visitar outras igrejas, como a Basílica di San Lorenzo, que era uma igreja privada dos Medici e tem obras de Donatello, ou a Basílica di Santa Croce, onde estão enterradas várias das celebridades fiorentinas, como Michelangelo, Maquiavel e Galileu Galilei.

Quando estiver perto do horário do pôr do sol, recomendo que você pegue um ônibus, táxi ou uber até a Piazzale Michelangelo. Além de gratuito, dali você tem uma vista panorâmica da cidade. Vale a pena comprar comidinhas e fazer um piquenique por lá.

o que fazer em florença fim do dia na piazzale michelangelo

Para quem quiser jantar e ter um gostinho da noite em Florença, na Via dei Neri e arredores há diversas opções de bares e restaurantes. Outra opção para jantar é o Eataly Firenze.

Melhores bate-voltas a partir de Florença

san gimignano italia rua principal

Ruela de San Gimignano, na Toscana

Leia também o nosso post com ideias de roteiros de 7 dias pela Toscana ou o com 12 ideias de roteiro pela Itália.

Onde ficar em Florença: sugestões de hotéis

Já estivemos em Florença algumas vezes, experimentamos ficar perto e longe do centro histórico. Em primeiro lugar, recomendo que você leia o nosso guia de bairros de onde ficar em Florença. Aqui, listei opções de acomodações bem localizadas – algumas já testamos, outras não – pensando em todos tipos de viajantes, dos mais econômicos aos que prezam por uma excelente acomodação:


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

23 comentários sobre o texto “O que fazer em Florença: roteiro de 2 ou 3 dias

    1. Oi Flávio,

      Foi uma combinação de planejamento, organização financeira, uma profissão que me permite trabalhar de qualquer lugar e alguns privilegios que tive ao longo da vida.

  1. Luísa, estou indo à Itália em dezembro. Teria 1 ou 2 dias para Florença, acha suficiente ou precisaria de mais? O que poderia priorizar nesses dias?
    Obrigada! Amo o blog de vocês! Pena que ainda não foram ao Sri Lanka e Myanmar pra pegar as dicas!
    Beijos!

    1. Oi Fernanda,

      Os passeios que eu coloquei nesse post são possíveis de fazer em um ou dois dias.
      Talvez, não dê tempo de você entrar nos museus, mas fora isso, dá para fazer tudo. A cidade é pequena.

      bjs

    2. Com esse roteiro, só para ver mesmo por fora… Só no Palazzo Pitti e Jardins Boboli, gastei um dia.
      Uma recomendação para quem tem pouco tempo e só quer ver por fora, é fazer as free walking tours da La Bussola. Basta dar uma gorgeta no fim

  2. Boa Tarde.
    Gostamos de viajar e sou da opinião que devemos aproveitar um pouco a vida de acordo com as possibilidades .
    Iremos viajar os quatro, eu , marido e filhos para Veneza, Florença e Roma em Setembro.
    Será uma recordação dos vinte e cinco anos de casamento. Queremos aproveitar ao máximo.A minha questão é se será fácil a deslocação para chegar aos locais a visitar ?
    Obrigada.

  3. Olá! estamos, eu e meu marido, aqui na Itália, visitando algumas cidades. Estamos agora em Florença e entrei aqui para buscar dicas de como aproveitar os encantos da cidade. Adorei tudo o que postou! Muito obrigada! Algumas coisas já fizemos hoje e como não vi escrito aqui, vou recomendar também: jantar na Piazza Santo Spirito, a atmosfera de lá é incrível! depois, voltamos ao hotel pela Via de Tornabuoni – estava tudo fechado já, mas valeu a vista das belas vitrines de grifes famosas e a iluminação da rua.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.