Tags:
Atlas: Paris, França

Père Lachaise, o cemitério dos famosos em Paris

Poucas estratégias de marketing foram mais bem sucedidas do que a importação de cadáveres. No início do século 19, Paris lidava com a falta de cemitérios e com o risco de epidemias causadas pelos túmulos na área central da cidade. Para evitar o aumento da fila dos mortos em busca de tumbas, uma das soluções foi construir o cemitério de Père Lachaise, no 20th arrondissement. Ou seja, longe pra caramba, pelo menos naquela época.

O Père Lachaise foi inaugurado em 1804, alguns anos depois da Revolução Francesa e quando Napoleão governava o país. Lá não faltava espaço para os mortos. Só que ninguém queria ser enterrado ali. A distância do centro e o fato de não ser uma área indicada pela Igreja fez com que os primeiros meses do Père Lachaise fossem um tremendo fracasso. Até que alguém teve uma ideia: levar gente famosa para o  novo cemitério. Quer dizer, gente morta famosa.

Planeje sua viagem: Saiba em qual região ficar em Paris 

Père Lachaise, Paris, na França

Os restos mortais do Molière e do La Fontaine, mortos mais de 100 anos antes, foram desenterrados e levados ao Père Lachaise, tudo com muita divulgação, claro. Uma década mais tarde foi a vez de Pedro Abelardo e Heloísa de Paráclito. O famoso casal sacudiu a poeira dos ossos e se mudou, novamente dando o que falar na cidade.  E, de repente, o Père Lachaise ficou pop. Afinal de contas, se gente rica e famosa estava enterrada ali e não se importava com a distância do centro, os outros, simples mortais, não deveriam se importar com isso também.

moliere, Père Lachaise

Mais de 200 anos depois, o Père Lachaise virou uma das principais atrações turísticas de Paris – por lá passam dois milhões de visitantes todos os anos, uma multidão que vai em busca de tumbas de pessoas famosas, que podem ser contadas nas centenas: Jim Morrison (1943-1971), Frédéric Chopin (1810-1849), Auguste Comte (1798-1857), Oscar Wilde (1854-1900), Édit Piaf (1915-1963),  Marcel Proust (1871-1922), Allan Kardec (1804-1869), Honoré de Balzac (1799-1850), Georges Méliès (1861 – 1939)… vizinhança gente boa, né?

Père Lachaise

Se já é popular entre os turistas vivos, hoje a concorrência aperta mesmo é entre os mortos: muita gente quer ser enterrada no Père Lachaise, que já é a moradia final de cerca de um milhão de pessoas. Para entrar na eternidade ali, o morto precisa ter residência em Paris ou ter batido as botas na cidade, além, claro, de desembolsar uma boa quantia em dinheiro e encarar uma lista de espera.

Père Lachaise, França

Os túmulos mais famosos e as histórias do Père Lachaise

A morte fez de Victor Noir um cara famoso. E mulherengo. O jornalista morreu em 1870, ao levar um tiro durante uma briga com o príncipe Pierre Bonaparte. A morte causou comoção em Paris, mas não tanto quanto a estátua que foi colocada na tumba do jornalista. Essa aqui, ó:

Victor Noir

Foto: Gaël Chardon, Creative Commons

A estátua de bronze mostra Victor Noir morto. A boca meio aberta e a cartola jogada ao lado do corpo ajudam a compor o cenário macabro, mas nada causou mais impacto na opinião pública do que a calça da estátua. Ou melhor, o monte abaixo da calça, que mostra uma ereção pós-morte e tornou Victor Noir uma lenda. Em busca de fertilidade, mulheres passaram a colocar uma flor no chapéu da estátua, beijá-la nos lábios e, não menos importante, dar um esfregadinha na genital da estátua, que a essa altura do campeonato já está até desgastada de tantos esfregões.

E essa não é a única história bizarra envolvendo as tumbas do Père Lachaise. A do Oscar Wilde, autor de O Retrato de Dorian Graytambém gera visitas mais, digamos, participativas. Virou costume das fãs beijar a tumba, deixando marcas de batom na pedra. Há alguns anos o túmulo estava coberto de marcas de batom, a ponto de um vidro ter sido instalado para evitar a prática.

Oscar Wilde

Não que isso mude muita coisa – hoje as fãs beijam o vidro em frente à tumba e até mesmo sobem no túmulo ao lado para beijar a pedra acima do vidro. Fãs mais educados, por outro lado, preferem deixar mensagens carinhosas.

Père Lachaise, Paris

Cemitério em Paris

Talvez a única tumba que concorra com a do Oscar Wilde no número de peregrinos é a de Jim Morrison. Só que os fãs do vocalista do The Doors são bem mais barulhentos, a ponto do túmulo já ter sido encarado como um problema pela direção do cemitério e gerado reclamações por parte das famílias donas das tumbas ao redor.

Se muitos fãs só deixam mensagens de carinho, já houve ocasiões em que a polícia teve que tirá-los a força do cemitério. Em datas comemorativas, como o aniversário de morte do cantor, a segurança do Père Lachaise é reforçada.

Jim Morrison, Père Lachaise

Visita ao Père Lachaise

Estive no Père Lachaise em 2013, durante minha segunda passagem por Paris. Chegar lá é fácil: basta pegar o metrô e descer nas estações Père Lachaise ou Philippe Auguste. O cemitério fecha às 18h, mas é melhor chegar bem antes disso para conseguir ver alguma coisa, ou então o deslocamento pode ser inútil.

Na entrada principal é possível conseguir um mapa que indica onde estão as tumbas mais famosas. Com ele em mãos, desperte a Lara Croft que há em você e comece a caçar túmulos famosos. Em pouco mais de duas horas lá nós encontramos quase todos que queríamos, mas prepare-se para se perder, afinal a busca nem sempre é fácil.

Leia também: Como ficar preso num cemitério em Paris (na noite do ano novo)

Père Lachaise, na França

Além das tumbas famosas, vale a pena prestar atenção nas obras de arte espalhadas por todo o cemitério, que é um dos maiores jardins de Paris. Só não deixe o clima calmo te enganar: o Père Lachaise também já viu a guerra. Em 1871, revolucionários da Comuna de Paris foram perseguidos e fizeram as tumbas do cemitério de trincheiras. Após uma luta violenta, 147 combatentes morreram ali, aumentando ainda mais o valor  histórico do Père Lachaise.

Mas e aí, a visita vale a pena? Depende de você. Fãs (verdadeiros) das pessoas enterradas no Père Lachaise  podem se emocionar e amantes de arte tumular também não terão do que reclamar. Se você não se encaixa nesses dois grupos, pode ser melhor investir seu tempo em outra atração de Paris, pelo menos no caso de uma primeira visita à cidade.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

10 comentários sobre o texto “Père Lachaise, o cemitério dos famosos em Paris

  1. Boa tarde Rafael!!! Adoooreiii o post!!! Estive em Paris em 2011 e como meu hotel (Campanille Bastille) ficava perto do Père Lachaise, fui à pé. Meu objetivo principal foi visitar o túmulo de Allan Kardec, pois sou espírita.Sempre há flores frescas nesta sepultura, e uma paz muito grande. O que não foi nada fácil, apesar de ter o mapa em mãos. Uma senhora moradora dos arredores ajudou-me, ela entendia bem o espanhol. Interessante a história do Victor Noir, eu não conhecia, e havia uma guia de turismo com um grupo, falava em francês, apontava e ria para a calça da estátua, kkkk. Graças à você, hoje fui entender o motivo, rsrs. Mas o cemitério é muito mais que túmulos, lindos os monumentos em homenagem aos aliados da 2ª guerra: belgas, poloneses, tchecos, etc: as plantas, árvores, flores. Recomendo!!!

  2. Que postagem incrível…hoje estou lendo todas as postagens do 360 que combinam com hoje.
    Eu iria para ver o tumulo de Chopin,vi no Google e achei lindo! Com certeza eu tirava uma foto para postar com legenda inspirada pela canção “I like chopin” do Gazebo.

  3. Olá! Boa noite!
    Estive em Paris em 2013, visitei o Cemitério de Père Lachaise e adorei. Realmente vale apenas a visita.
    Parabéns pelo blog.
    Abs

  4. eu não acreditava em amor a primeira vista. não até conhecer o site de vocês. foi amor incondicional à primeira vista (no caso, lida). li várias postagens. e já firmei compromisso em voltar sempre até conseguir ler todas. enfim, parabens a vocês. a forma como vocês mostram, falam é incrível; parabens de novo!!
    p.s. encontrei o site sem querer. mas bem dizem o que o amor acontece de repente, não mais que de repente. rs…
    abraços!!!

    1. Oi, Venilson.

      Muito obrigado pelos elogios ao 360! =)

      Seja bem-vindo aqui. E se precisar da gente já sabe: é só deixar um comentário.

      Abraço.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.