Tags:
Atlas: Belém, Brasil, Pará

Pontos turísticos de Belém, no Pará: o que fazer e roteiro

Belém é o típico destino que muitos brasileiros poderiam visitar num feriado prolongado, mas não vão por desconhecerem as maravilhas da cidade. Com três ou quatro dias é possível conhecer a capital do Pará, se apaixonar pela gastronomia paraense, se impressionar com a grandiosidade do Ver-o-Peso e ter uma experiência amazônica pela primeira vez. Neste texto você encontra um guia completo da cidade: os principais pontos turísticos de Belém, dicas de onde comer, hospedagem e roteiro.

Veja também: Onde ficar em Belém do Pará
Tacacá, tucupi e maniçoba – a incrível culinária do estado
Onde comer em Belém do Pará – dicas de restaurantes

Ilha do Combu, Belém

Quando ir

Não tem como fugir do calor. E nem da chuva – Belém é a capital mais chuvosa do Brasil. De dezembro a abril chove ainda mais, enquanto o período que vai de agosto a novembro registra o menor índice de precipitações. Se puder escolher uma data, vá durante o Círio de Nazaré, que ocorre sempre nas primeiras semanas de outubro (a principal procissão é no segundo domingo do mês). Vale até para quem não é religioso.

O que fazer: os pontos turísticos de Belém

Dois dias são suficientes para conhecer os lugares mais importantes da cidade, mas você não chegou na Amazônia para ficar tão pouco tempo, né? Por isso mesmo, o ideal é passar entre quatro e cinco dias inteiros por ali. E mais tempo se você for durante o Círio de Nazaré, que é outra viagem inteirinha (e diferente), ou se pretender seguir pela Amazônia.

Falarei neste texto, com detalhes, de um roteiro envolvendo os seguintes pontos turísticos de Belém:

  • Estação das Docas
  • Ver-o-Peso
  • Cidade Velha
  • Forte do Castelo
  • Mangal das Garças
  • Ver-o-Rio
  • Theatro da Paz
  • Basílica de Nazaré
  • Museu Paraense Emílio Goeldi
  • Ilha do Combu

Estação das Docas

Está hospedado em Campina ou na região da Batista Campos? Então deixe as malas no hotel e desça a Avenida Presidente Vargas até o fim. Você chegará na Estação das Docas, uma espécie de Puerto Madero do Pará.  Em Belém, parte do antigo porto foi revitalizada e transformada em ponto turístico, um complexo com restaurantes, bares, espaço de exposição, lazer e um lindo calçadão de frente para a baía do Guajará. Apontada por muita gente como o principal ponto turístico de Belém, a Estação das Docas recebe cerca de um milhão de visitantes por ano.

Passe pela Estação das Docas para tomar uma cerveja da Amazon Beer, um sorvete da Cairu, fazer um passeio de barco pela orla de Belém ou mesmo para observar o pôr do sol mais amazônico que você já viu.

Veja também: Estação das Docas, o porto que virou ponto turístico
Passeio de barco pela orla da Belém, no Pará

estação das docas, belem

Ver-o-Peso

Desça a Avenida Presidente Vargas e vire à esquerda, no sentido oposto ao da Estação das Docas. Você estará a caminho do Ver-o-Peso, a maior feira de rua da América Latina e o mercado mais incrível que já visitei.

Com 391 anos de história para contar, o Ver-o-Peso é o principal cartão-postal de Belém e o lugar para achar de tudo, seja uma experiência com açaí genuinamente amazônica, com peixe frito de acompanhamento, ou um potinho com líquido colorido e que promete fazer qualquer coisa por você – desde cuidar de um problema de saúde até trazer a pessoa amada de volta.

Belém, Pará

O Ver-o-Peso merece uma, duas, várias visitas. Se possível, tente passar por lá na hora do almoço, para encarar o peixe frito com açaí numa das centenas de lojas que tomam conta da Praça de Alimentação do mercado. E vá também de madrugada, para ver o desembarque do açaí e dos peixes. Domingo de tarde o movimento no Ver-o-Peso costuma ser mais fraco, então prefira a parte da manhã.

Veja também: As cores do Mercado do Ver-o-Peso, em Belém
A feira do açaí e a vida noturna em Belém

desembarque açaí belém

Cidade Velha e Complexo Turístico Feliz Luzitânia

Com 400 anos, Belém é uma das capitais mais antigas do país, história que começou na Cidade Velha, que até hoje guarda casarões e construções da época. A primeira delas é o Forte do Castelo, também chamado de Forte do Presépio. Além do forte em si, que tem vista para o Ver-o-Peso, o lugar guarda um pequeno museu, com objetos que foram encontrados no terreno ao longo de diversas escavações.

Centro de Belém, Pará

Ao lado do Forte do Castelo fica a Casa das 11 Janelas, que já foi casa de um proprietário de engenhos de açúcar, hospital e palácio militar, mas que em 2011 foi comprada pelo governo estadual e transformada num museu.

As duas atrações ficam na Praça Dom Frei Caetano Brandão,lugar da fundação de Belém. Lá também estão a Catedral Metropolitana da Sé, construída a partir de 1748, e a Igreja e Colégio de Santo Alexandre, uma antiga sede da Companhia de Jesus que hoje abriga o Museu de Arte Sacra, onde estão quase 400 peças que contam um pouco da história religiosa do Pará.

Por ali fica também a Ladeira do Castelo, uma das primeiras ruas de Belém, que liga a Praça Dom Frei Caetano Brandão à Feira do Açaí, assim como outras praças e casarões históricos.

Pontos turísticos de Belém

Mangal das Garças

Trazer um pedaço da selva amazônica para o centro de Belém. Foi com esse objetivo que o Mangal da Garças foi criado, em 2005, uma área de proteção ambiental colada ao centro histórico da cidade. A entrada é franca, mas o estacionamento é pago, assim como algumas das atrações, como viveiros de aves ou subir no Farol de Belém, que tem vista para a cidade. É possível pagar as entradas separadamente ou comprar um passaporte que dá direito a todas as atrações.

Eu confesso que preferi não pagar nada – aproveitei para apreciar a Amazônia a partir do deck de madeira e para conhecer o Manjar das Garças, um dos melhores restaurantes da cidade. Se possível, reserve uma noite para jantar lá ou vá na hora do almoço, quando o esquema é preço fechado e buffet livre.

Onde comer em Belém

Ver-o-Rio

Outra área revitalizada recentemente, o Complexo do Ver-o-Rio é um calçadão de frente para a baía do Guajará. Lá você vai encontrar barraquinhas de comidas típicas, uma vista linda e áreas de lazer. É um dos melhores lugares, do ponto de vista do custo/benefício, para comer pratos típicos da comida paraense.

Theatro da Paz

As atrações listadas acima cabem num dia de viagem, embora eu te aconselhe a voltar no Ver-o-peso e na Estação das Docas, caso você tenha tempo. Para o segundo dia do roteiro, comece por outra parte da cidade, a alguns quarteirões da Baía do Guajará: o Theatro da Paz.

Orgulho dos paraenses e uma das mais bonitas casas de espetáculos do Brasil, entrar no Theatro da Paz – que tem esse nome como uma homenagem pelo fim da Guerra do Paraguai –  é um passeio quase que obrigatório de Belém.

Construído no final do século 19, o Theatro é um dos maiores símbolos da era de ouro da Amazônia, o Ciclo da Borracha, que fez de Belém uma das cidades mais ricas da América. O prédio, que não abre às segundas, fica na Praça da República, entre os bairros Campina e Batista Campos. Aos domingos ocorre na Praça uma tradicional feira de artesanato.

Veja também: Theatro da Paz, música e história em Belém

Theatro da Paz, Belém

Basílica de Nazaré

Pensar em Belém é pensar no Círio de Nazaré, um dos maiores eventos religiosos do mundo, que toma conta de Belém todo mês de outubro e arrasta milhões de pessoas. Durante a festa, uma imagem de Nossa Senhora deixa a Catedral de Belém, na Cidade Velha, e segue até a Basílica, na maior das procissões.

Se você não tiver a oportunidade de testemunhar a fé do povo de Belém durante o Círio, uma forma de entender um pouco dessa história é visitando a Basílica de Nazaré. Essa é a única Basílica da Amazônia, construída a partir de 1909, no lugar onde foi encontrada uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré, em 1700, dando origem à devoção.

Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré

Museu Paraense Emílio Goeldi

Um museu sobre a Amazônia. O Emílio Goeldi fica perto da Basílica de Nazaré – os dois lugares cabem numa mesma manhã e parte da tarde, junto com o Theatro da Paz. Fundado em 1871, o Museu tem peças que contam a história amazônica e até mesmo guarda um pedacinho da amazônia em si, já que ali também fica um Jardim Botânico, onde vivem alguns animais.

Embora este seja o museu mais importante de Belém, a cidade conta com muitos outros. Você acha uma lista com todos eles aqui. Caso sobre tempo nesse dia de viagem e for final de semana, em seguida vá almoçar na lha do Combu.

Ilha do Combu

Aproveite para almoçar e passar parte do dia na Ilha do Combu, que fica a 15 minutos de barco da cidade. Essa reserva ambiental habitada por 200 famílias ribeirinhas te dará um gostinho da Amazônia – e com direito a vista para os prédios capital.

O principal programa da Ilha do Combu? Comer. Barcos de pequeno porte saem da Praça Princesa Isabel e te deixam num dos restaurantes da ilha. Você passa o dia por lá, toma banho de rio e dá um oi para a Amazônia. E depois é só pegar o barco para Belém, com condições de terminar o dia na Estação das Docas ou em algum dos bares da cidade.

Veja também: Ilha do Combu e a Amazônia vizinha de Belém

Ilha do Combu, Belém

Culinária e dicas de restaurantes

A comida é uma atração por si só. Marcada por ingredientes amazônicos, a culinária do Pará é bem diferente do que estamos acostumados em outras partes do país. Há a influência colonial, claro, com pratos típicos portugueses, mas esses pratos se misturam com os sabores indígenas e formam algo único. Prove o tucupi, o tacacá e o jambu.

Acho que a refeição mais recomendada é numa das barraquinhas do Ver-o-Peso – quem sabe você não encara aquele peixe frito com açaí? Se quiser algo mais elaborado, os restaurantes da Estação das Docas são boas escolhas, em especial perto da hora do pôr do sol. Por ali, destaque para a Amazon Beer, que serve cervejas locais. E o Manjar das Garças pode até ser caro, mas provavelmente é o melhor lugar para provar comida paraense. Vale o investimento. Por fim, uma boa pedida no centro, pertinho da Basílica de Nazaré, é o Restaurante Avenida.

Onde comer em belém do Pará

Preciso alugar um carro?

Assim como em outras capitais brasileiras, se seu objetivo é só conhecer Belém, então o carro é desnecessário. Mas a resposta muda se você tiver tempo e resolver sair da cidade. Um veículo é útil, por exemplo, para conhecer a Ilha do Mosqueiro, que certamente vale a viagem. Se resolver pegar a direção, neste texto aqui explicamos como alugar um carro com o melhor custo/benefício.

De Belém para onde?

É fácil montar um roteiro que comece em Belém e depois siga para outras partes da Amazônia. Se Alter do Chão está tão longe que exige outro voo, a Ilha do Marajó é facilmente acessada a partir da capital – bastam algumas horas de carro. E há mais opções para quem deseja cair na estrada (ou nos rios).

Ilha do Mosqueiro

Você precisará de um dia inteiro para fazer o bate-volta mais tradicional de Belém: visitar a Ilha do Mosqueiro, que na realidade é um distrito da cidade. Lá você vai encontrar praias fluviais, com rios que mais parecem mar e servem até para praticar esportes náuticos. Há também casarões históricos, da época da borracha, quando os ricaços de Belém passaram a fazer do Mosqueiro a casa de final de semana. A ilha fica lotada nas férias e feriados.

Veja também: Ilha do Mosqueiro, praias pertinho de Belém

lha do Mosqueiro, Belém

Icoaraci

Cerca de 20 quilômetros separam o centro de Belém de Icoaraci, um dos distritos da cidade e outro bate-volta tradicional de quem deixa os arranha-céus do centro em troca das praias fluviais que ficam ao redor de Belém. Mas a a importância de Icoaraci vem do artesanato – ali são feitas réplicas em cerâmica de vasos e outros objetos dos índios que habitavam a região, em especial da cultura marajoara.

O quiosque da Feira de Artesanato de Paracuri, na orla de Icoaraci, é o melhor lugar para comprar um presentinho, mas também é possível fazer isso nas várias lojas de artesãos, em ruas ao redor. Há alguns restaurantes perto do quiosque de artesanato.

pontos turísticos de Belém

Ilha do Marajó, Algodoal e Alter do Chão

Tem mais tempo? Então use Belém como base para conhecer outros cantos incríveis do Pará. Eu, que fiquei uma semana inteira na região, aproveitei para conhecer a Ilha do Marajó, numa viagem de três horas de barco a partir de Belém. Praias fluviais, mangues incríveis e o maior rebanho de búfalos do Brasil são as atrações que você encontrará lá.

Ilha do Marajó, Pará

Dois lugares que eu ainda não conheci, mas que são recomendadíssimos, são Algodoal e Alter do Chão – a forma mais fácil de chegar no último é de avião, pegando um voo para Santarém. Também dá para ir de barco, mas a viagem é longa.

Dicas de Hospedagem em Belém

Tulip Inn Nazaré tem piscina, academia, quartos com ar-condicionado e está a 700 metros da Basílica mais importante da cidade – e de outros pontos turísticos. Encontrei diárias do quarto duplo a partir de R$ 200. Para quem quer fugir dos hotéis de rede, o Marajoara tem ótima avaliação dos hóspedes, decoração típica e diárias a partir de 180. A Basílica também fica pertinho.

E um Hostel de Belém está na mesma região. É o Amazônia Hostel, que faz parte da Hostelling International e tem camas em dormitórios para seis pessoas a partir de R$ 56.


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

11 comentários sobre o texto “Pontos turísticos de Belém, no Pará: o que fazer e roteiro

  1. Tenho um amigo canadense que vai pra lá em Julho de 2020,tem guia tradutor por lá pelos lugares turísticos nos hotéis ou nos restaurantes nas ilhas nos pontos turísticos?

  2. Excelente guia! Simples e direto! 3 ou 4 dias são suficientes para conhecer a capital paraense! Muitos pontos turísticos são próximos uns dos outros, o que dá pra economizar no deslocamento!
    Ah, Pensou em férias ou feriado emendado? Pensou em Algodoal! Ilha fantástica com vasta extensão de areia branca disputando com o mar (não azuuul, rs). Pela parte da manhã até o entardecer a rota é: Praia da Princesa! Lugar onde as pessoas se encontram (após alguns longos minutos de caminhada) para curtir um bom papo ao som de reggae, além de esperar aquele pôr do sol. Experiência incrível. Para se locomover na Ilha só de charrete ou andando. Vale a pena!

  3. Oi, Rafael

    Esse comentário é um agradecimento: acabei de voltar de Belém, e usei muitas das suas dicas. Obrigada!

    Belém é maravilhosa e o Marajó é o paraíso! Foi minha primeira vez na região norte, e fiquei maravilhada! Agora, Manaus está nos meus planos 😉

    Beijo!

  4. Muito bacana o que vcs falaram de Belem, essa cidade é incrível, uma vida noturna vasta, as festas nos bares a beira do rio, como o Mormaço, Palafita, tabua de maré, Insano marina Club, locais onde antes de certo horario nao se paga p entrar, cada qual no seu dia. Durante o mes de junho acontece o Arrastao do Boi Pavulagem, aos domingos, parte da estação das docas ate a Pça da Republica e que também faz um arrastao festivo no sábado do Círio. Alias o Círio ja transcendeu o religioso, é cultural, tem festa em nome da Santa pra todo lado, nas ruas acontece o auto do cirio, a festa da chiquita(premeação dos travestis e protitutas do ano) festas de aparelhagens, carimbo, brega, reggae, e rock. A cultural musical e culinaria de Belem é muito forte.
    Prais como: ALGODOAL, travessia de barco, 40 min, lugar onde nao existe carro, vilarejo com ruas de areia, o transporte é a carroça ou andando, as festas terminam ao amanhecer, so toca, reagge, rock e carimbó.
    SALINAS, durante o verao , que é o mes de julho, ferve com shows de bandas nacionais ate o amanhecer, os milhares de carros ficam dentro da praia, uma loucura. acho q o lugar dos mais granados pelos carrões que circulam, dorme pela manha, prai pela tarde e festa a noite toda, e
    ALTER DO CHAO, em Santarem, um lugar lindo, banhado pelo Rio Tapajos, por do sol único, muito visitado por uma galera de fora do Pará e do Brasil, acontece a festa do Sairé em setembro e o ano novo que sao concorridíssimos. Tem muita coisa em Belém do Pará!
    To adorando ler o seu blog, vou comentar os lugares q visitei!

    1. Oi, Mario. Obrigado pelo relato e pelo elogio ao blog. Quero muito voltar ao Pará e conhecer Algodoal, Salinas e Alter do Chão.

      Quem sabe em breve.

      Abraço.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.