Roteiros pelos países Bálticos: dicas para Estônia, Letônia e Lituânia

A Europa ainda tem aqueles destinos que não são tão visados por turistas – e os países Bálticos, ou seja, Estônia, Letônia e Lituânia, certamente fazem parte dessa lista. A ideia deste post é ajudar a quem pretende conhecer esses países, reunindo no texto todas as informações necessárias para organizar uma viagem para lá. Você descobrirá curiosidades sobre os Bálticos e também como chegar, quanto custa a viagem, como organizar seu roteiro (e até como incluir a Rússia e a Finlândia no trajeto), além de outras dicas.

Vilnius (Lituânia), Riga (Letônia) e Tallinn (Estônia) são as capitais desses países e destinos mais certos para quem tem menos tempo e quer montar um roteiro de 9 ou 10 dias. Mas saiba que o interior dos países também tem lugares bonitos e interessantes, assim como as nações vizinhas. Por isso, vamos dar indicações para quem tem mais tempo para gastar.

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.

tallinn estonia roteiro bálticos

Centro histórico de Tallinn, Estônia

Onde ficam os Países Bálticos? Um pouco de história

Os países Bálticos, ou seja, Estônia, Letônia e Lituânia, têm esse nome por serem delimitados pelo mar Báltico, bem na região Nordeste da Europa. Eles compartilham uma história comum de invasões: cruzadas, suecos, poloneses, o Império Russo, nazistas e soviéticos dominaram continuamente esses territórios. Eles só conseguiram se tornar independentes da União Soviética em 1991 – e em 2004 ingressaram na União Europeia.

riga letonia roteiro de viagem paises balticos

Um arranha-céu típico soviético em Riga, Letônia, hoje Museu de Ciências

Ou seja, são países jovens, mesmo com uma longa história medieval e centros históricos bem preservados. São bastante modernos, têm IDHs considerados muito altos e economias prósperas, o que os difere de outros estados que estiveram no domínio da URSS. Curiosidade: O Skype e a Transferwise são empresas inventadas e com sede na Estônia.

Muita gente, quando eu avisei que ia viajar para os Bálticos, me perguntou por que eu estava indo para lá novamente. Uma clara confusão dos Bálticos, que ficam beeeem no norte da Europa, pertinho da Finlândia e da Rússia, com os Bálcãs, que ficam no Sul, perto da Grécia.

Quanto custa viajar pelos Países Bálticos?

Essa foi uma das viagens mais baratas que eu já fiz pela Europa. E, veja bem, não foi feita em estilo mochileiro, apesar de que sim, foi uma viagem econômica. Foram cerca de 45 euros por pessoa, por dia, num período que pode ser considerado “média” temporada, o início do outono.

Com hospedagem, pagamos em quartos duplos por volta de 30 euros por noite para um casal; gastos com alimentação em restaurantes legais foram de cinco a 10 euros por refeição (ficamos numa média de 20 euros por dia, por pessoa); passeios e outros pequenos gastos custaram cerca de cinco euros por dia; mais sete euros do ônibus bastante confortável que nos levou entre as cidades.

avenida em riga letonia roteiro pelos balticos

Avenida elegante em Riga, Letônia

Um mochileiro conseguiria, sim, diminuir esses custos no nível de 35 a 40 euros por dia. E uma viagem mais confortável, num hotel três ou quatro estrelas, ficaria em torno de 60 euros por dia ou mais, afinal há restaurantes sofisticados nas capitais, incluindo opções de chefs renomados.

Qual a melhor época para conhecer?

Eu estive nesses países bem no início do outono, no final de setembro, começo de outubro. Já estava bastante frio, com temperaturas entre 5ºC e 15ºC durante o dia e um pouco mais gelado à noite. O problema maior foi a chuva: choveu em todas as cidades, o que atrapalhou muito os passeios, porque frio e chuva formam uma combinação muito difícil. Por outro lado, nos dias que tinha céu azul, as cores do outono criaram uma paisagem belíssima. Outra vantagem é que os preços de hospedagem estavam muito baixos.

outono na estonia

outono em riga letonia

Outono nos países Bálticos

Fiquei com vontade de voltar aos Bálticos no verão e alugar um carro (veja como conseguir com desconto!) para explorar o interior dos países. Mesmo nos meses mais quentes, as temperaturas por lá ficam na média dos 20 graus. No inverno neva bastante, e as temperaturas são negativas, com pouquíssima luminosidade durante o dia. Mas tem aquele cenário natalino encantador, ó:

tallinn estonia no inverno natal

Natal em Tallinn. Foto: Dimbar76 / Shutterstock 

Como chegar e como se locomover entre Lituânia, Letônia e Estônia?

Você encontra voos para Vilnius, Tallinn ou Riga a partir de praticamente qualquer capital europeia, tanto via low costs como a Ryanair, como com empresas tradicionais. Muitas vezes são passagens promocionais, então fique atento. Também é possível chegar por terra, da Polônia para Lituânia, por exemplo. Ou de São Petersburgo, na Rússia, para Tallinn, na Estônia. Outra forma muito comum de chegar à Estônia é de balsa, que faz o trajeto de Helsinque, na Finlândia. (No final deste texto tem dicas para incluir as duas últimas cidades num roteiro mais longo).

praca em riga letonia viagem balticos

Praça em Riga

Entre os três bálticos a melhor opção para se locomover é de ônibus (viagens de mais ou menos quatro horas). E a boa notícia é que os ônibus que fazem esses trajetos são excelentes, novos e cheios de “mimos” para os passageiros. Eu fiz pela Lux Express, que tinha WIFI, entrada USB para carregar o celular, entretenimento de bordo com filmes e séries novos, café, chá e água disponíveis gratuitamente. Vale a pena comprar as passagens com antecedência: como disse, paguei só sete euros, mas comprando de última hora o preço mais que dobra.

como se locomover entre os balticos

A outra empresa que faz os trajetos é a Ecolines (não experimentei, mas vi ônibus que pareciam novos também).

Uma boa forma de pesquisar as melhores opções de voo, ônibus e outras promoções está nesse post de como se locomover mais barato pela Europa.

Como se comunicar?

Os idiomas nos três países são estranhíssimos aos nossos ouvidos latinos. Uma mistura de russo, alemão e finlandês. Apesar disso, é fácil se comunicar em inglês. Mesmo quem não é fluente na língua (pessoas mais velhas, em geral) entende o básico para atender turistas. Os menus de todos os bares e restaurantes têm versão em inglês, assim como as sinalizações em aeroportos, ferrovias e rodoviárias.

republica de uzupis vilnius lituania

A república autodeclarada de Uzupis, em Vilnius, Lituânia

Se você não falar inglês, talvez tenha um pouco mais de dificuldade para se virar na mímica: apesar de serem bem educadas, achei as pessoas um pouco fechadas. A ponto de estranharem sorrisos e gentilezas, como dizer “bom dia” ao entrar numa loja.

Como dividir seus dias entre Vilnius, Tallinn e Riga?

Num roteiro de 10 dias, como este proposto aqui, a ideia é que você fique três dias em cada um dos países bálticos, considerando que um dia vai acabar sendo perdido com a chegada e a partida. Aí fica a seu critério focar somente nas capitais, Vilnius, Riga e Tallinn (foi o que eu fiz), ou aproveitar para fazer um bate-volta a partir de cada uma delas.

vilnius lituania roteiro pelos balticos

Praça da prefeitura em Vilnius, Lituânia

Se você tiver menos tempo, acredito que Tallinn é a cidade com mais coisas para fazer, então priorize ela. Em segundo lugar ficaria Riga. Das três, a única possível (mas não recomendável) de ver em um dia só é Vilnius.

Se você quiser incluir Helsinque e São Petersburgo, um roteiro que a nossa colaboradora Gabi Dilly experimentou, recomendamos pelo menos três dias para a capital da Finlândia e cinco para a cidade russa.

O que comer e beber na sua viagem

Para quem gosta de cerveja, uma viagem por esses países é uma maravilha: os Bálticos produzem diversas cervejas artesanais e todos os bares que fomos tinham sempre uma enorme variedade de estilos e sabores de qualidade, com pints (500ml) entre dois e quatro euros.

Já as comidas típicas, como é comum nessa parte da Europa, são baseadas em carne de porco e batata. Dumplins vêm em vários estilos e formas: pode ser uma grande massa de batata em forma de um bolinho recheado, pode ser uma massa mais dura, frita e recheada, ou pode ser como um ravióli, cozido. Além de vários tipos de salames e presuntos, também é comum encontrar tiras de gordura do porco defumada.

dumplings comidas tipicas paises balticos

comida dos paises balticos

Outro ingrediente muito tradicional por ali é o centeio: sopa de centeio, pão de centeio e até cerveja de centeio. A carne de caça, como alce, javali e até urso, também faz parte da alimentação, mas é menos comum encontrar isso fora de restaurantes típicos.

E, além disso, em todos os países você encontra culinária internacional, como pizza, macarrão, hambúrguer e comida asiática.

Roteiro de 10 dias pelos países Bálticos: Estônia, Letônia e Lituânia

  • 3 dias em Vilnius, Lituânia

Tanto faz por onde você vai começar, mas se for para deixar o melhor para o final, eu começaria com Vilnius. Fique lá pelo menos dois dias inteiros. Vilnius é bem compacta, de forma que você consegue visitar todas as atrações a pé. É imperdível visitar o Museu da KGB, o centro histórico e o bairro Užupis (que é uma república autodeclarada!).

rua em vilnius lituania roteiro balticos

Rua do centro histórico de Vilnius

Não deixe de ler: O que fazer em Vilnius e Onde ficar em Vilnius

Eu fiquei hospedada num estúdio para duas pessoas na região da estação de trem, alugado via Airbnb. A Gabi ficou num hostel pequeno e aconchegante perto da Old Town, chamado Home Made House.

Leia também: Roteiros de 30 dias pelo Leste Europeu

No terceiro dia, você pode aproveitar uma tarde ou manhã para visitar Trakai, pequena cidade vizinha onde há um castelo medieval à beira do lago. A Gabi, nossa colunista, foi lá no verão, e encontrou as pessoas nadando (então, não esqueça da roupa de banho). É possível chegar até a cidade de van ou trem e da estação ao castelo é uma caminhada boa.

  • 3 dias em Riga, Letônia

Riga é bem maior que Vilnius e merece três dias para fazer os passeios, assim como vai exigir que você utilize transporte público ou Bolt (concorrente do Uber mais popular por lá, link com código de desconto) para ir aos bairros e mercados mais distantes.

Em Riga, o centro histórico é lindíssimo, cheio de praças, igrejas e casinhas coloridas antigas. Mas você também encontra um distrito com prédios elegantíssimos em Art Nouveau, um mercado municipal enorme que fica em antigos hangares de Zepelins, bares e uma vida noturna muito legal.

luiza em riga letonia

Em breve: O que fazer em Riga

Nós ficamos num quarto privativo, numa área mais quieta, do Central Hostel Riga. A diária ficou em 28 euros o quarto duplo. Já a Gabi ficou no hostel Cinnamon Sally Backpackers, que tem localização muito boa. Segundo ela, a dona é super prestativa e simpática, os quartos são limpos e há uma área de convívio onde era bem fácil socializar e conhecer outros hóspedes.

  • 3 dias em Tallinn, Estônia

Em Tallinn, há coisas para ocupar todas as horas dos seus três dias de viagem. A cidade tem o centro histórico mais bonito e bem preservado das três, com direito a muralhas e torres medievais. Muitas igrejas, museus variados e interessantes, parques e jardins agradáveis, bons restaurantes e noite animada. Como Tallinn recebe turistas vindos da Finlândia e grupos de cruzeiros, é a cidade que você vai achar mais cheia e também a que tem preços mais elevados dentre as três.

roteiro paises balticos tallinn centro historico estonia

Se você tiver tempo sobrando, as cidades de Parnu e Tartu, na Estônia, também parecem ser lindinhas.

Nós ficamos no maravilhoso Fat Margaret, um hotel/hostel que fica num casarão perto da entrada das muralhas da cidade. Nota 9,6 e diárias por 28 euros o quarto duplo. Já a Gabi experimentou um party hostel, o Tallinn Backpackers.

Quer incluir a Finlândia no roteiro?

Da Estônia é possível seguir viagem para Helsinque de balsa. Segundo a Gabi (que morou na Finlândia), além de ser a opção mais barata, elas são confortáveis, têm casino, restaurante, bar, mercado e, dependendo, até balada! Algumas empresas que fazem o trajeto: Tallink Silja, Viking Line e Eckero Line.

Antes de tudo, um aviso aos mochileiros: é importante estar ciente de que Helsinque é uma das cidades mais caras do mundo. “Mesmo assim, é possível compensar os gastos. Alguns truques de mochileiros: couchsurfing, cozinhar (supermercado lá é mais barato que em muitos lugares), esquenta antes de sair à noite e caminhar para os lugares”, disse a Gabi. As dicas abaixo também são dela:

Helsinque Finlândia

  • “As minhas coisas preferidas de se fazer em Helsinque incluem a Suomenlinna, o Museu de Arte Contemporânea Kiasma, andar pelo centro histórico, a confeitaria da Fazer e o bar Roska. Não deixe de ir a uma sauna finlandesa e de comer salmiakki, um doce que, sinceramente, é péssimo, mas super típico de lá”.
  • “Ao sudoeste da Finlândia existe um castelo medieval chamado Olavinlinna, construído em cima de uma ilha que é uma grande pedra, na cidade de Savonlinna. Se for visitá-lo, fique três dias em Helsinki e um na cidade em que está localizado o castelo (ou outra por perto). Lappeenranta, por exemplo, não é longe de lá e tem ônibus diretos para o próximo destino do roteiro. É possível chegar de Helsinque até o castelo por trem e quanto maior a antecedência da compra, mais barata será a passagem. A viagem dura em torno de 4 horas e há troca de trem”.

Colocando São Petersburgo na rota

Você pode ir a São Petersburgo independente se escolher incluir a Finlândia no seu roteiro, já que tanto de Tallinn, quanto de Helsinque, você chega de ônibus facilmente na cidade russa.

São Petersburgo, Rússia

A sugestão da Gabi, que é apaixonada pela cidade, é que você fique pelo menos seis dias inteiros em São Petersburgo.

  • “Lugares e coisas a se fazer imperdíveis na cidade são: a Catedral do Sangue Derramado, a Catedral do Santo Isaac, Peterhof e Museu Hermitage (leia o post sobre os museus), as ruas de bares Lomonosova (Ломоносова) e Dumskaya (Думская), experimentar a famosa sopa borsch, o drink Boyarsky (Боярский) e vodca, claro”.

Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

38 comentários sobre o texto “Roteiros pelos países Bálticos: dicas para Estônia, Letônia e Lituânia

  1. Oi tudo bem? Lendo suas dicas dos países bálticos me interessei. Vou passar 15 dias em Tallinn Estônia e pretendo visitar algumas cidades estonianas (meu filho mudou prá lá recentemente), depois quero viajar para St Petersburg e de lá eu não sei qual o melhor lugar para ir. Você pode me dar umas dicas a partir de St. Petersburgo? De 8 a 10.dias.

      1. Oi tudo bem? Lendo suas dicas dos países bálticos me interessei. Vou passar 15 dias em Tallinn Estônia e pretendo visitar algumas cidades estonianas (meu filho mudou prá lá recentemente), depois quero viajar para St Petersburg e de lá eu não sei qual o melhor lugar para ir. Você pode me dar umas dicas a partir de St. Petersburgo? Não pretendo ir a Finlândia, pensei Lituânia ou Letônia.
        De 8 a 10.dias.

  2. Oi, Gabriela! Tudo bem? Sei que o post é antigo, mas estou pensando em passar o reveillon nos países balticos. Já passei na Polônia e foi ok… quando chegava a -17 eu quase morria, mas uns -10 eu aguento “legal”. Vc acha que de 20 de dezembro a 4 de janeiro fica muitooo frio? Ou pouco abaixo de 0? Estou meio perdida… não encontro muitas informações. Obrigada!!!

    1. Oi Vanessa,

      Luiza respondendo: tempo é imprevisível! Tem ano que faz frio ártico e no ano seguinte a temperatura nem cai abaixo de zero.

  3. Estou pensando em ir para os países bálticos, mas a minha dúvida é em relação à melhor época para ir. Estive pensando em Março, mas parece que ainda está muito frio por lá. Desta forma, quais os melhores meses para ir?

    1. Oi Pedro!

      O melhor mês para ir vai depender do seu gosto e objetivos de viagem… Eu, por exemplo, gosto de frio e das coisas que se pode fazer quando há neve e temperaturas baixas, como patinar por exemplo. Então, para mim, seriam meses mais frios, como janeiro, fevereiro e março.

      Mas se, por outro lado, eu quisesse curtir a vibe das cidades quando estiverem movimentadas, ver mais gente na rua, beeem mais tempo de sol por dia e andar sem me preocupar muito com vestir várias camadas de roupa, iria no verão.

      Há ainda o quesito sorte! Eu já viajei, por exemplo, na primavera para a Estônia e o tempo estava bem frio (tal como no inverno) e ainda nevava.

      Espero que tenha ajudado!

    2. Pedro,eu queria muito ir em junho-julho/2017. Início do verão. Seria Polônia, países bálticos, Helsinque, SãoPeter e Moscou. Uma 27/30 dias. Vc já tem roteiro? Não toparia ir nessa época?

  4. Olá Galera,
    Sei que isto varia muito de acordo com o estilo de viagem de cada um,
    mas qual seria a media de gastos para fazer este roteiro, estou na Irlanda
    e pretendo fazer exatamente este roteiro talvez eu tire a Finlândia, vai depender do meu financeiro.

    Obrigada 😉

    1. Oi Fernanda!

      De fato isso varia muito sim de pessoa pra pessoa. Sem contar os voos e viajando no estilo econômico, acredito que em torno de 60 euros por dia seja o suficiente. Até mesmo se incluir a Finlândia, pois daí o que gastar a mais lá é possível compensar em lugares como São Petersburgo 🙂 Outra coisa que pode deixar a viagem mais barata é fazê-la na baixa temporada.

  5. Olá bom dia! Parabens pelo blog…sempre estou por aqui visitando…ano passado estive na europa ocidental e uma parte do leste europeu com muitas dicas daqui.. obrigado!!!
    Proximo ano quero voltar a europa, dessa vez 20 dias pelos países balticos e 3 dias em Viena com um bate volta em Bratislava… nesses 20 dias dá p ir com 1.300,00 euros para gastos com Hospedagem, deslocamento dentro da cidade, alguma atração e alimentação? (Viajando no tipo economiiiicooo ao extremo haha)

    Obrigadooo!

    1. Olá Jonatas, tudo bem?

      Que bom que as dicas estão sendo úteis! Acredito que essa média de 65 euros por dia dê sim 🙂 Depois conte pra gente como foi a viagem!

  6. Ótimo esse blog. Em 09/08/16 irei para a Suécia e seguirei para diversos países, como: Finlândia, Rússia, Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia, Alemanha, Holanda, França e terminarei o passeio na Inglaterra. Alguém já fez esse percurso ou poderia me dar uma dica? Viajarei com um amigo que se aposentou recentemente.

  7. Olá!! Voltei em abril do leste europeu. Passei 24dias viajando. Foi muito legal, fácil e barato. Eu saí de Frankfurt para Cracovia/Varsóvia/Breslávia/Riga(Letônia)/Tallin/São Petersburgo/Helsinki. Passei rápido por Vilnius. O erro q cometo foi ter saído a noite da Estônia (23:00 horas) e chegar muito cedo em S. Petersburgo pq cruzei a fronteira de madrugada muito frio e é interessante cruzar a ex-cortina de ferro. Passei uma média 4 dias.

    1. Olá Maria,
      è o roteiro que sonho m realizar no px ano.
      Vc saberia me dizer em média os gastos que vc teve nessa viagem?
      Principalmente, Riga,Tallin, Vilnius, São Petesburgo e Helsinki?
      Me entusiasmei por causa dos custos desses paises que parecem ser mais baixos do que aqueles mais visistados na Europa.
      abs

      1. Olá Pedro,
        voltei de lá em out/2016.
        o mais caro e Helsinki, mas tem o melhor chocolate “Fazer”
        mais barato Sao Peters!!!
        as tres meninas são encantadoras e tem preço entre as duas primeiras
        tenho roteiro, se desejar me escreva. abs

  8. Boa tarde. Estou programando uma viagem com o seguinte roteiro: São Paulo á Roma , depois Veneza e Viena , isso de trem ou avião. Viena , Praga e Budapeste, este percursos ,fazer de carro. Isso no mês de agosto á setembro. Gostaria de saber se é uma bom roteiro ou não , obrigada.

  9. Estou pensando em ir em Agosto/2016, fazer: Moscou, San Petersburgo, Finlandia, Estonia, Letonia, Lituania e Moscou de novo… isso em 20 dias…

    O que acha desse percurso?

      1. Obrigado pela dica, Gabriela! Uma pergunta: sabes me dizer mais ou menos quanto devo levar em reais? Acha que uns R$ 10 mil seria suficiente? Levando em consideração que eu pretendo ficar em hostels e sou econômico…
        Vc tem facebook para eu poder fazer algumas perguntas?

        Desde já, agradeço! 🙂

        1. Oi Adriano!

          Em jun/2015 viajei por uns 20 dias p/Berlim, Praga, Viena e Budapeste; +- 4/5 dias em cada cidade e gastei uns 10 mil reais no total (passagens, hospedagens em hotéis simples, refeição, etc), com euro a 3,42 reais.
          Pretendia ir agora em junho aos países bálticos (Letônia/Estônia/Lituânia), Polônia (Cracóvia/Varsóvia), Helsinque, S.Peterburgo e Moscou. Meu roteiro seria de uns 27/30 dias. Em fevereiro fiz uma cotação por alto de passagens aéreas, hospedagem (Booking), etc e calculei em torno de uns 10/12 mil reais. Algumas cidades a hospedagem é barata.
          Como não arrumei companhia e não sei falar inglês, deixei para junho do ano que vem.
          Qdo vc voltar, poderia me dar alguma dica de lá, pode ser?
          Vc pode entrar em contato comigo pelo face Cleide Santos (nenenzinha) ou pelo email.

          Cleide

  10. Olá Gabriela,
    Tenho muita vontade de conhecer essa região. Queria ir esse ano em Junho, incluindo aí a Polônia no roteiro. Só que não falo inglês, nem eu nem uma colega que se interessou em ir. Seria possível isso?

    1. Olá Cleide, Tudo bem?

      Falar não é a única forma de se comunicar nessa vida, mas ter pelo menos um nível intermediário de inglês ajuda muito. Conheço pessoas que não são fluentes em inglês e viajam para fora do Brasil sem maiores problemas, inclusive tem um post aqui no Blog sobre isso chamado “Como viajar para o exterior sem falar inglês?”, é muito mais uma questão de planejamento anterior a viagem, esperteza e desenvoltura para se comunicar de outras formas com as pessoas para conseguir as informações que se precisa 🙂

  11. Olá! Eu indo para Europa no final de março de 2016. Saio de Frankfut p Cracóvia. Depois quero ir a Breslávia e Varsóvia. Meu sonho era conhecer moscou e sap Petersburgo, mas, jà desisti. Sairia muito caro. Então estou pensando em ir para Riga! Tallinn, são Petersburgo e Helsinki. Teria do dia 25/03 a 14/04/2015. Não sei como dividir os dias nas cidades. Vc tem alguma sugestão? Vale a pena colocar Vilnius? Ou deixar p são Petersburgo? Obrigado

    1. Olá Maria,

      Pelo que entendi você chega por Frankfurt e tem duas\três ideias de roteiro:

      1. Bratslávia, Cracóvia e Varsóvia; ou
      2. Riga, Tallin, São Petersburgo e Helsinki; ou
      3. Vilnius, Riga, Tallinn, São Petersburgo e Moscou.

      Sem sombra de dúvida o que sairia mais barato é a opção 1., mas sinceramente se você sempre teve vontade de ir a Rússia, não abriria mão disso. Segue abaixo sugestão de ordem e dias por cidade para cada uma das três opções, sem contar os dias de viagem de uma cidade a outra.

      1. Frankfurt(2 dias)-Bratslávia(3 dias)-Cracóvia(3/4 dias)-Varsóvia(3/4 dias)-Vilnius(2/3 dias)-Riga(3/4 dias)
      2. Riga(3/4)-Tallinn(3/4)-Helsinki(3 dias)-São Petersburgo(7 dias)
      3. Vilnius(2/3 dias)-Riga(3 dias)-Tallinn(3 dias)-São Petersburgo(6 dias)-Moscou(5 dias)

    1. Olá Ana!

      Que bom que gostou das dicas 🙂

      Desde Junho de 2010 entrou em vigor o acordo entre Brasil e Rússia para a liberação (isenção) de vistos de curta duração para nacionais de ambos os países. Assim, nós brasileiros não precisamos de visto para entrar como turista na Rússia para até 90 dias 🙂

  12. Gabriela, me da uma luz por favor?
    Estou com um período de férias de vinte dias final de dezembro até 15 de janeiro e queríamos aproveitar para fazer uma viagem longa.
    É o único período do ano em que conseguimos mais de dez dias de férias, então é o que tem.

    Pensei em África do Sul, mas agora estou vendo estes teus roteiros (países balticos ou leste europeu) e gostando muito mais.
    Será que fica muito ruim ir no invernão?
    Primeira vez que fui à Europa foi em fevereiro e Paris me pareceu meio apagada (os outros lugares que visitei gostei mesmo com frio).
    Tu achas que estes locais dos posts que citei perdem muita beleza no inverno? Por exemplo, Croácia e Noruega eu descartei pá queria ver água e fazer trekking e não combina com o período.

    E além destes lugares, me sugere algo? (Qualquer lugar que vcs tenham gostado muito pá me identifico bastante com o perfil de vcs)
    Uma outra opção que considerei foi Índia, Nepal e Sri Lanka, mas não fiquei lá muito animada.
    Ah, já fizemos um mês no sudeste asiático, que seria uma bela opção mas não queremos repetir…

    Muuuuito obrigada por qualquer pitaco!

    1. Oi Camila!

      Viajei muito no inverno no Leste europeu e gostei, mas sou do tipo de pessoa que não fica incomodada de andar no frio, na neve, de não ter sol boa parte do dia e afins. Na verdade, dependendo da cidade e do tipo de turismo que quer fazer, essa época do ano é mais bonita e legal.

      Fui a quase todas as cidades citadas nesse post (exceto Vilnius) quando estava frio e nevando, e gostei. Todos os museus estavam abertos (não se esqueça de verificar os feriados nas cidades em fim de ano), pessoas nas ruas vivendo a vida e afins.

      O único problema talvez (dependendo do tipo de frio que você acha suportável) seja a temperatura. Esta pode chegar a ficar muito baixa a um nível que algumas pessoas não suportam. O mais frio que peguei nessa região durante essa época foi -20° Celcius, mas a média de temperatura é mais aceitável que isso.

      Quanto a sugestão de lugares, acredito que pelo tempo que você tem não vale a pena acrescentar cidade na lista, mas dá para trocar uma por outra, como Helsinki por Varsóvia, ou Vilnius por Moscou, ou até mesmo São Petersburgo pelo Norte da Finlândia (onde se pode ver a aurora boreal). Mas sinceramente, prefiro as cidades que estão no post 🙂

      Espero que tenha sido útil!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.